Arquivo diários:05/09/2015

Lareira falsa e muitas opções de assentos. A doce vida a bordo de um jato

Falsa lareira pra jatos (Imagem: Lufthansa Technik AG/Divulgação)
Falsa lareira pra jatos (Imagem: Lufthansa Technik AG/Divulgação)

Para a maior parte das pessoas, viajar de avião resume-se a tentar se deslocar de um destino a outro da melhor maneira possível, lidando com espaço limitado na classe econômica. Para quem pode ter um jato particular, no entanto, o leque de opções para viajar com conforto parece infinito. Dois projetos recentes do braço da alemã Lufthansa dedicado a produtos para aviões são prova disso.

Um deles oferece uma falsa lareira para garantir aos clientes que o interior do avião seja “tão aconchegante quanto a sala de casa”. O outro oferece milhares de modelos de assentos, desde os menores, para reproduzir uma sala de jantar, por exemplo, ou um escritório, até os maiores e totalmente reclináveis, para os espaços de relaxamento.

Projeto de assento da Lufthansa Technik (Imagem: Divulgação)
Projeto de assento da Lufthansa Technik (Imagem: Divulgação)

Jacques Pierrejean, um dos responsáveis pelo desenho do projeto intitulado “chair”, acredita que o mercado de aviões particulares está carente de novas ideias, já que, durante décadas, as mudanças limitaram-se ao formato e cor dos assentos. “Os passageiros, na verdade, querem mais do que estão recebendo”, afirma. Querem inovação no assento e mais espaço para se movimentar dentro do avião.

36.000 opções de assentos

O projeto parte de uma estrutura única para facilitar a certificação do produto – que ainda está em andamento. A partir daí, é possível fazer várias combinações, escolhendo a altura do assento, sua amplitude, o tipo de apoio para os braços, para as pernas, para a cabeça. É possível ainda adaptar o formato do encosto da poltrona e optar por diferentes inclinações. Segundo os engenheiros envolvidos no trabalho, essas combinações resultam em 36.000 tipos de assentos a partir do modelo único.

Vídeo: os detalhes dos aviões de luxo apresentados em evento em São Paulo

A ergonomia é um dos destaques apontados pelos criadores. “Nós começamos a pensar o assento como se ele fosse o esqueleto do nosso corpo, um design baseado nas vértebras. Pode ser um corpo pequeno ou grande. E podemos combinar diferentes funções para diferentes pessoas a partir desse corpo. Também podemos colocar “roupas” diferentes nesse corpo”, ilustra Pierrejean.

A Lufthansa prevê que até o ano que vem o produto estará disponível no mercado de aviação. O foco inicial serão clientes VIPs e jatos executivos, mas os planos vão além dos aviões privados, podendo chegar também à primeira classe de aviões comerciais.

Lareira

No projeto da falsa lareira, a proposta é criar uma impressão do que seria um fogo de verdade. As chamas, no entanto, são frias. Cabe à tecnologia transformar uma imitação em algo o mais realístico possível. E até a imaginação pode seguir a vontade do cliente, já que o nível de aquecimento, a intensidade das chamas e até mesmo o barulho de lenha queimando podem ajustados por controle remoto.

Projeto de assento da Lufthansa Technik (Imagem: Divulgação)
Projeto de assento da Lufthansa Technik (Imagem: Divulgação)

Exemplo: gastos do TJRN com pessoal caem R$ 4 milhões após ajustes

Os gastos do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte com pessoal diminuíram R$ 4 milhões nos últimos quatro meses. É o que mostra levantamento da Secretaria de Orçamento e Finanças do TJ. O total apurado de maio a agosto foi de R$ 345 milhões contra R$ 349 milhões do quadrimestre anterior.

Os números serão oficialmente apresentados ao Tribunal de Contas do Estado (TCE-RN) no final de setembro e apontam, de acordo com a análise da equipe econômica do TJRN, os resultados dos ajustes adotados pela atual gestão, que reduziu gratificações, número de cargos comissionados e apresentou projetos para se adequar à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Os projetos encaminhados pelo presidente do Tribunal de Justiça, desembargador Claudio Santos, e aprovados pela Assembleia Legislativa foram sancionados pelo governador Robinson Faria (PSD), com publicação no Diário Oficial de 22 de julho deste ano.

Uma da das leis complementares estabeleceu que a Gratificação de Técnico de Nível Superior (GTNS) deixou de ser vinculada ao vencimento na forma de percentual, assim como não mais servirá de base para cálculo de qualquer outra vantagem remuneratória.

A Lei Complementar nº 538 criou o cargo de Chefe de Secretaria, em substituição ao Diretor de Secretaria. Segundo a lei, os cargos de provimento em comissão de Auxiliar de Gabinete de Juiz, bem como 12 cargos de Auxiliar de Secretaria passaram a ser de Chefe de Secretaria.

Além das leis aprovadas, o Tribunal de Justiça contabilizou, até maio, uma economia de R$ 23,5 milhões em relação ao ano anterior, decorrente da suspensão de contratos de terceirização, redução da frota de veículos, entre outras ações de controle de despesas

Janot faz pedido ao STF para investigar campanhas de Lula e Dilma, diz Estadão

Reuters

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou pedidos ao Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar as campanhas da presidente Dilma Rousseff em 2010 e 2014 e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2006, no âmbito da operação Lava Jato, segundo o jornal o Estado de São Paulo.

De acordo com o site do Estadão, as solicitações foram feitas com base em depoimento sob acordo de delação premiada do empresário Ricardo Pessoa, dono da UTC Engenharia, um dos delatores do esquema bilionário de corrupção envolvendo a Petrobras, empreiteiras e partidos políticos.

Em seu depoimento, Pessoa detalhou repasses de 3,6 milhões de reais entre 2010 e 2014 para o ex-tesoureiro da campanha de Dilma, José de Filippi, e o ex-tesoureiro nacional do PT João Vaccari Neto, além de ter mencionado doações à campanha de Lula em 2006, segundo a reportagem do Estadão.

Lista de bilionários brasileiros tem 31 mulheres; maioria herdou fortuna

As 3 irmãs do grupo Camargo Corrêa: Rosana, Renata e Regina
As 3 irmãs do grupo Camargo Corrêa: Rosana, Renata e Regina

Do UOL, em São Paulo

O Brasil tem 31 mulheres bilionárias, segundo o ranking da revista “Forbes Brasil” de 2015. São seis a mais do que no ano anterior.

A maioria nasceu em berço de ouro ou casou-se bem, e pertence a famílias que são donas de impérios –como Votorantim, Camargo Corrêa, Andrade Gutierrez e Itaú.

Três delas tiraram a sorte grande: Lina Maria Aguiar, Lia Maria Aguiar e Maria Ângela Aguiar Bellizia foram adotadas pelo fundador do Bradesco, Amador Aguiar. Após a morte do pai, em 1991, elas tiveram de lutar na justiça para ter direito à herança. Hoje, as irmãs detêm grande parte das ações do banco.

Fortuna em parceria com o marido

Há casos de bilionárias que ajudaram a erguer impérios junto com seus maridos.

Um exemplo é Elisabeth Laffranchi, uma das fundadoras da Unopar (Universidade do Norte do Paraná). O negócio foi vendido em 2011 à Kroton Educacional, dona da Anhanguera, e a empresária se tornou acionista do grupo.

Outro é o da médica Dulce Pugliese de Godoy Bueno, que fundou a Amil junto com o ex-marido, Edson de Godoy Bueno.

Márcia e Marcos Molina dos Santos criaram o frigorífico Marfrig.

E o casal Ghislaine e Régis Dubrule deu forma à Tok&Stok, rede de lojas de móveis e decoração. Os dois venderam 60% da empresa ao grupo americano Carlyle, dono da CVC e da Ri Happy, mas Ghislaine continua sendo presidente-executiva da companhia.

Mais rica tem R$ 7,2 bi; mais jovem tem 41 anos

A mais rica de todas as brasileiras é Maria Helena Moraes Scripilliti, que aparece na 22ª posição do ranking ao lado de membros de sua família, com um patrimônio avaliado em R$ 7,20 bilhões. Ela é filha do empresário José Ermírio de Moraes, irmã de Antônio Ermírio de Moraes (morto em 2014) e herdeira do grupo Votorantim.

A mais jovem entre as bilionárias é Ana Lucia de Mattos Barretto Villela, com 41 anos e fortuna estimada em R$ 5,31 bilhões. Ela pertence a uma das famílias mais antigas do setor bancário do país e é uma das maiores acionistas individuais da Itaúsa (do banco Itaú).

Luiza Trajano saiu da lista

A única mulher que saiu do ranking de bilionários de 2014 para 2015 foi Luiza Helena Trajano, do Magazine Luiza. Em 2014, ela ocupava o 124º lugar, com R$ 1,20 bilhão, mas a fortuna encolheu devido ao mau desempenho das ações da varejista na Bolsa de Valores.

Quem entrou na lista neste ano foram as herdeiras do grupo JBS, dono das marcas Friboi e Seara. Valére, Vanessa e Vivianne Batista Mendonça aparecem no 54º lugar do ranking, empatadas com os irmãos Joesley e Wesley, com fortuna estimada em R$ 3,60 bilhões cada. No ano anterior, a família aparecia junta no ranking da “Forbes Brasil”.

Estreou na lista Anitta Louise Regina Harley, bisneta do fundador das Casas Pernambucanas e atual vice-presidente da empresa. Também pela primeira vez no ranking aparece Maria da Conceição Moraes Coutinho Beltrão, do grupo Ultra (combustíveis e gás), e Maria Alice Setubal, filha do fundador do banco Itaú.

Veja quem são as 31 bilionárias brasileiras:

  • 22ª Maria Helena Moraes Scripilliti

Fortuna: R$ 7,20 bilhões. Idade: 84 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: vários

  • 31ª Maria de Lourdes Egydio Villela e filhos

Fortuna: R$ 5,75 bilhões. Idade: 72 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: banco

  • 32ª Ana Maria Levy Villela Igel e família

Fortuna: R$ 5,7 bilhões. Idade: 72 anos. Local de nascimento: não informado. Origem do patrimônio: combustíveis

  • 35ª Regina de Camargo Pires Oliveira Dias

Fortuna: R$ 5,32 bilhões. Idade: 61 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: construção

  • 35ª Renata de Camargo Nascimento

Fortuna: R$ 5,32 bilhões. Idade: 64 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: construção

  • 35ª Rosana Camargo de Arruda Botelho

Fortuna: R$ 5,32 bilhões. Idade: 65 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: construção

  • 38ª Ana Lucia de Mattos Barretto Villela

Fortuna: R$ 5,31 bilhões. Idade: 41 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: banco

  • 46ª Lina Maria Aguiar

Fortuna: R$ 4,09 bilhões. Idade: 77 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: banco

  • 47ª Dulce Pugliese de Godoy Bueno

Fortuna: R$ 4,08 bilhões. Idade: 67 anos. Local de nascimento: não informado. Origem do patrimônio: plano de saúde

  • 48ª Lily Safra

Fortuna: R$ 4,07 bilhões. Idade: 77 anos. Local de nascimento: Rio Grande do Sul. Origem do patrimônio: banco

  • 51ª Ana Maria Marconde Penido Sant’Anna

Fortuna: R$ 3,77 bilhões. Idade: 59 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: rodovias

  • 54ª Válere Mendonça Batista Ramos

Fortuna: R$ 3,6 bilhões. Idade: 52 anos. Local de nascimento: Goiás. Origem do patrimônio: frigorífico

  • 54ª Vanessa Mendonça Batista

Fortuna: R$ 3,6 bilhões. Idade: 49 anos. Local de nascimento: Goiás. Origem do patrimônio: frigorífico

  • 54ª Vivianne Mendonça Batista

Fortuna: R$ 3,6 bilhões. Idade: não informada. Local de nascimento: Goiás. Origem do patrimônio: frigorífico

  • 63ª Lia Maria Aguiar

Fortuna: R$ 3,43 bilhões. Idade: 77 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: banco

  • 66ª Daisy Igel

Fortuna: R$ 3,15 bilhões. Idade: 87 anos. Local de nascimento: Rio de Janeiro. Origem do patrimônio: combustíveis

  • 67ª Lúcia Maggi

Fortuna: R$ 3,14 bilhões. Idade: 83 anos. Local de nascimento: Rio Grande do Sul. Origem do patrimônio: agronegócio

  • 70ª Elizabeth Bueno Laffranchi e família

Fortuna: R$ 3,11 bilhões. Idade: não informada. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: educação

  • 71ª Maria Angela Aguiar Bellizia

Fortuna: R$ 3,1 bilhões. Idade: não informada. Local de nascimento: não informado. Origem do patrimônio: banco

  • 72ª Marli Maggi Pissollo

Fortuna: R$ 3,04 bilhões. Idade: 61 anos. Local de nascimento: Rio Grande do Sul. Origem do patrimônio: agronegócio

  • 86ª Roberta Anamaria Civita

Fortuna: R$ 2,18 bilhões. Idade: não informada. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: revistas/editora

  • 93ª Graziela Lafer Galvão

Fortuna: R$ 2,1 bilhões. Idade: 76 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: papel/farmácias

  • 94ª Neide Helena de Moraes

Fortuna: R$ 2,09 bilhões. Idade: 60 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: vários

  • 97ª Dorothea Steinbruch e família

Fortuna: R$ 2,08 bilhões. Idade: 74 anos. Local de nascimento: Rio de Janeiro. Origem do patrimônio: vários

  • 106ª Angela Gutierrez e família

Fortuna: R$ 1,9 bilhão. Idade: 65 anos. Local de nascimento: Minas Gerais. Origem do patrimônio: construção

  • 106ª Fanny Feffer

Fortuna: R$ 1,9 bilhão. Idade: 85 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: papel/celulose

  • 113ª Rosa Evangelina Marcondes Penido Dalla Vechia 

Fortuna: R$ 1,76 bilhão. Idade: 65 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: rodovias

  • 118ª Anitta Louise Regina Harley

Fortuna: R$ 1,53 bilhão. Idade: não informada. Local de nascimento: Pernambuco. Origem do patrimônio: varejo

  • 147ª Ghislaine Dubrule e marido

Fortuna: R$ 1,13 bilhão. Idade: 65 anos. Local de nascimento: França (naturalizada). Origem do patrimônio: varejo

  • 157ª Maria da Conceição de Moraes Coutinho Beltrão e família

Fortuna: R$ 1 bilhão. Idade: 81 anos. Local de nascimento: Rio de Janeiro. Origem do patrimônio: combustíveis/gás

  • 157ª Maria Alice Setubal

Fortuna: R$ 1 bilhão. Idade: 64 anos. Local de nascimento: São Paulo. Origem do patrimônio: banco

Levy afirma que Brasil pode ter imposto de "travessia", diz Valor

Reuters

O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmou neste sábado que o governo estuda a criação de um possível imposto temporário para aumentar a arrecadação, após apresentar a peça orçamentária de 2016 com previsão de déficit de 30,5 bilhões de reais, de acordo com o jornal Valor Econômico.

Em entrevista a jornalistas na capital turca, Ancara, após participar de reunião do G20, Levy disse que o plano para enfrentar o problema nas contas públicas está em fase de construção, e citou o possível novo imposto.

“Pode ser imposto para atravessar essa travessia. E depois se retiraria. Estamos no meio de uma discussão sobre isso”, afirmou o ministro, de acordo com o site do Valor.

“O importante é onde vamos chegar e porque vamos chegar, e é para evitar a degradação (do grau de investimento), porque se não fizermos (o ajuste), aumentamos muitos os riscos e vamos destruir emprego por muitos anos”, acrescentou.

A ideia de encontrar novas formas de receita para equilibrar o Orçamento vem sendo defendida em público pela presidente Dilma Rousseff como forma de evitar o déficit no Orçamento do ano que vem, uma vez que o governo cortou “tudo que poderia ser cortado”, nas palavras de Dilma. [nL1N11A0MU]

Na entrevista em Ancara, Levy disse ainda que as especulações sobre sua saída do cargo são um “folhetim”.

Perguntado sobre qual foi o tema de conversa com Dilma na quinta-feira, após especulações sobre sua situação dentro do governo, Levy disse que ambos trataram de “temática fiscal, ponto”.

(Por Pedro Fonseca, no Rio de Janeiro)

Deputado Ezequiel solicita a implantação do Projeto Ronda Cidadã em Ceará-Mirim

O deputado Ezequiel Ferreira de Souza, presidente da Assembleia Legislativa, requereu a implantação do Projeto Ronda Cidadã, no município de Ceará-Mirim, que fica na Região Metropolitana. O requerimento foi encaminhado ao governador Robinson Faria e a secretária de Estado da Segurança Pública e Defesa Social, Kalina Leite Gonçalves.

 “As estatísticas apontam um crescimento significativo da criminalidade na Região Metropolitana. Com o objetivo de conter as ações criminosas, o Governo do Estado implantou o Projeto em Natal e já sinalizou que levará para Parnamirim. Solicito ao governador que implante o Ronda Cidadã também em Ceará-Mirim, município importante que hoje tem mais de 70 mil habitantes”, argumentou Ezequiel.

 De acordo com o presidente da Assembleia, o Ronda Cidadã se destina às ações de polícia comunitária, promovendo abordagens com foco no acolhimento, na inclusão social e na cidadania, sem, contudo, descuidar-se do policiamento repressivo, de forma qualificada. O programa se inspira em experiências que deram certo em outros países, como Colômbia e, mais perto, no estado do Ceará.

Stédile critica Dilma e diz que ela precisa 'mudar as burrices que vem fazendo'

Estadão Conteúdo

Belo Horizonte – O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, João Pedro Stédile afirmou nesta manhã em Belo Horizonte que a presidente Dilma Rousseff precisa “mudar as burrices que vem fazendo”. Ele participa hoje na capital mineira do lançamento da Frente Brasil Popular, dentro da Conferência Nacional Popular em Defesa da Democracia e Por Uma Nova Política Econômica, que reúne sindicatos e movimentos sociais.

Entre as “burrices” da presidente, segundo Stédile, estão aumento da taxa de juros e corte de gastos sociais. “A responsabilidade é dela. Esperamos que ela mude enquanto é tempo. Os trabalhadores estão na rua opinando. Todas as pesquisas indicam que o nível de popularidade da presidente baixou para 7%, 8%. Esperamos que leia as pesquisas e se dê conta de que isso não é gratuito. O povo quer mudança na política econômica”, disse.

Na abertura da conferência, os gritos mais ouvidos eram de fora Cunha (Eduardo, presidente da Câmara) e Levy (Joaquim, ministro da Fazenda).

Apesar do discurso, Stédile negou que suas declarações sejam fogo amigo. “Somos defensores da democracia e do mandato da presidente. Ela tem que governar até 2018”, afirmou.

Theodorico Neto abriu as porteiras da Fazenda Irapurú

O presidente da CEASA e suplente de senador, Theodorico Neto recebeu lideranças de diversos municípios das regiões do Trairi e Agreste para comemorar os 70 anos da construção da capela de Santa Luzia construída na Fazenda Irapurú por seu avô, ex-deputado federal, major Theodorico Bezerra, onde foi celebrada uma missa.image (1)

Theodorico Neto está focado na eleição do seu filho Lilico que disputará uma cadeira na Câmara Municipal de Natal.

Provavelmente Theodotico poderá disputar um mandato de deputado federal em 2018 pelo PC do B.

Brasil quer prorrogar regra que facilita concessão de refúgio a sírios

NATUZA NERY
FLÁVIA FOREQUE
DE BRASÍLIA

Diante da crise de refugiados na Europa e da fuga de milhões de sírios de seu próprio país, o governo brasileiro quer prorrogar as regras que flexibilizam o ingresso dessa população no Brasil.

A medida permite a facilitação do visto. Uma vez em território nacional, eles podem solicitar o refúgio.

“A situação é dramática e o Brasil não pode se furtar de ajudar como puder”, disse à Folha o secretário nacional de Justiça, Beto Vasconcelos.

“A foto do menino Aylan Kurdi chocou o mundo e é uma demonstração clara e evidente de como a situação tem se agravado”, acrescentou, em referência à imagem do corpo da criança de três anos, encontrado em praia da Turquia.

Dilma também afirmou que ficou comovida com a foto do corpo do menino sírio e criticou a conduta dos países europeus.

“Todos vocês viram aquele menininho sírio de três anos, morto porque não foi acolhido, morto porque foi abandonado, morto porque os países criaram barreiras para a entrada desse menino”, disse.

E acrescentou que o Brasil se distingue do resto do mundo pela diversidade étnica e pela capacidade de “resistência” e “superação” dos brasileiros.

Milionário egípcio se oferece para comprar uma ilha para os refugiados

 

AFP

No Cairo

O multimilionário egípcio Naguib Sawiris se ofereceu para comprar uma ilha em águas da Grécia ou da Itália para acomodar os milhares de migrantes que fogem da Síria ou de outros conflitos.

O magnata das comunicações anunciou a iniciativa no Twitter.

 

“Grécia ou Itália, me vendam uma ilha, declararei sua independência, abrigarei lá imigrantes e proporcionarei trabalho na construção do novo país”, acrescentou.

Sawiris disse, em entrevista à televisão local, que contatará os governos grego e italiano para abordar este plano.

“Há dezenas de ilhas desertas onde podem caber milhares de refugiados”, afirmou ainda, acrescentando que uma ilha grega ou italiana deve custar entre 10 e 100 milhões de dólares. Também admitiu que a ideia poderá enfrentar obstáculos de ordem jurídica.

Segundo ele, no início haveria abrigos temporários, mas depois seriam criados empregos para construir casas, escolas e hospitais.

“E, se as coisas melhorarem, se eles desejarem voltar a seus países de origem, podem voltar”, explicou Sawiris, cuja família é proprietária do famoso balneário El Gouna, no litoral do Mar Vermelho egípcio.

Sawiris é presidente da operadora de telecomunicações Orascom TMT e de um canal de televisão egípcio.

Mais de 2.300 pessoas morreram no mar tentando alcançar a Europa desde janeiro.