Arquivo mensais:outubro 2015

Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 45 milhões no próximo sábado

Ninguém acertou as seis dezenas do concurso 1.746 da Mega-Sena, realizado na noite deste quarta-feira (30), em Viçosa (MG). Acumulado pela quarta vez consecutiva, o prêmio, a ser sorteado no próximo sábado (3), poderá chegar a R$ 45 milhões.

As dezenas sorteadas foram: 06 – 18 – 37 – 40 – 41 – 58.

Ao todo, 106 apostadores acertaram a quina e ganharam R$ 36.347,41 cada um. Outras 5.849 pessoas acertaram os números da quadra e levaram R$ 941,02.

Suíça encontra quatro contas bancárias atribuídas a Eduardo Cunha

Cheirando mal – cunha e Henrique Alves

Procuradores da Suíça não acharam uma só conta secreta, mas quatro, pelo menos, cujo controle é atribuído ao presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-SP), segundo a Folha apurou junto a investigadores que atuam no caso.

Uma dessas contas tem como beneficiários Cunha e sua mulher, a jornalista Claudia Cordeiro Cruz, que foi apresentadora de telejornais da Rede Globo ente 1989 e 2001.

Nesta quarta (30) o presidente da Câmara se recusou a comentar se tinha conta no exterior. Em março deste ano, em depoimento à CPI da Petrobras, ele disse que não tinha dinheiro fora do Brasil.

A Folha que a Suíça descobrira contas, sem especificar o número delas.

Os valores depositados nas quatro contas foram bloqueados pelas autoridades suícas por conta da suspeita de que receberam recursos de suborno, que chegaram àquele país por meio de processos de lavagem de dinheiro.

A Suíça não revelou ainda o montante que foi bloqueado.

Cunha avisa que analisará novos pedidos de impeachment ainda hoje

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, afirmou que, ao longo desta quinta-feira, vai continuar apreciando pedidos de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Ele acredita que concluirá esse trabalho em 10 ou 15 dias.

Ele negou que tenha impedido a realização da sessão do Congresso Nacional na quarta-feira (30) ao convocar sessões extraordinárias da Câmara ao longo do dia.

“Não queremos obstruir a apreciação de qualquer tipo de veto. Eu defendi a manutenção dos vetos”, ressaltou. “Aliás, diga-se de passagem, há uma polêmica num veto sobre reajuste do Poder Judiciário aprovado no Plenário do Senado Federal por unanimidade. Quem criou o problema desse veto foi o Senado, não foi a Câmara dos Deputados. Então, agora estão cobrando responsabilidade do que eles foram irresponsáveis em terem aprovado.”

Eduardo Cunha afirmou que cumpriu a decisão tomada pela maioria dos lideres e ressaltou que a polêmica acerca dos vetos da Reforma Política envolve não apenas o financiamento de empresas, mas o voto impresso, que teve mais abrangência na Casa e divide parlamentares que defendem o financiamento público de campanhas. Como o acordo envolveu apenas a sessão de quarta-feira, Eduardo Cunha afirma que “vai até facilitar” a realização da próxima sessão do Congresso para a semana que vem.

Maurício Marques quer comprar um carro a cada dois dias para Prefeitura de Parnamirim

Como todos sabem, o soldado Vasco é especialista em orçamento público e nesses dias recebeu e resolveu xeretar o PPA, LDO e LOA que acaba de ser enviada à Câmara Municipal de Parnamirim e descobriu uma operação para deixar até a tropa do BOPE com medo.

Imaginem vocês que na Lei Ordinária 1.648, de 23 de dezembro de 2013 (validade 2014-2017), o PPA,  consta na ação 1.016, que trata da aquisição de veículos, a compra de 150 veículos a um custo estimado de 5 milhões de reais.

O PPA tem validade de 4 anos e esse valor, corresponderia a cerca de 1 milhão 250 mil em cada um deles, se essa for a divisão.

Até aí tudo bem!

Agora é a hora de ficar alarmado: Vasco, aprofundando a investigação, descobriu que na Lei Orçamentária Anual, apresentada a Câmara municipal, consta na função 04 – administração e subfunção 122, administração geral, programa 031 – locação e utilização de bens móveis e imóveis o valor é, prestem bem atenção, de 6 MILHÕES E MEIO DE REAIS.

No detalhamento consta que 5 milhões são serviços de terceiros, ou seja, empresas contratadas e mais 1 milhão e meio de despesas de exercícios anteriores, ou seja, já foram gastos.

Vasco me falou o seguinte: primo Renato, o valor que está lá é para ALUGUEL, e não para comprar carro não. Como se isso não fosse um absurdo, se pegássemos 5 milhões e dividíssemos pelo valor de um carro econômico, muito bem equipado (40 mil), a prefeitura de Parnamirim teria comprado 125 carros. Se quiséssemos dividir os 6 milhões e meio, pelo mesmo valor do carro (40 mil), o prefeito Maurício compraria 162 carros. Levando em consideração que um ano tem 365 dias, e comprando 162 carros, daria uma média de 2 carros a cada dois dias.

Agora a bomba atômica! O valor que estava no PPA, segundo o estudioso soldado Vasco, é para ser gasto em 4 anos. O que está na LOA é para ser gasto em UM ANO.

O pior é o fato da Prefeitura de Parnamirim não ter em seus quadros esse número de motoristas nem ter lançado concurso para contratar pessoas para dirigir a frota gigante.

 

Abafa: Câmara dos Deputados barrou cópia de inquérito contra Cunha para CPI dos Fundos de Pensão

Requerimento aprovado pelo plenário da CPI dos Fundos de Pensão para ter acesso à inquérito sigiloso que tramita contra o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) foi barrado pela Câmara e jamais enviado ao colegiado investigativo. No inquérito, o peemedebista é acusado de receber “lucros indevidos” de R$ 900 mil em negócios com fundos de pensão da Prece, previdência complementar de funcionários da companhia de água e esgoto do Rio. As informações são da Folha de S.Paulo.

O requerimento que pedia a CVM a “cópia do inteiro teor” do inquérito foi emitido em agosto, após o deputado Júlio Delgado solicitar à CPI. Na primeira semana de setembro, o requerimento foi aprovado pela ampla maioria dos presentes. Minutos após o ato de aprovação, o presidente da CPI, Efraim Filho (DEM-PB) disse que o requerimento de Delgado e outros dois devem estar “adstritos apenas às empresas que porventura sejam objetos dessa investigação, que estão contidas no requerimento de instalação da CPI”, segundo uma “orientação da Secretaria da Mesa”.

O pedido do peessebista seguiu para a coordenação das CPIs, que decidiu não enviar a comunicação à CVM em decorrência da “restrição havida na aprovação”. O comando da CPI argumentou que só pode investigar quatro fundos de pensão, dos quais a Prece não está presente. São estes: Previ (Banco do Brasil), Petros (Petrobras), Postalis (Correios) e Funcef (Caixa).