Em pronunciamento duro, Dilma afirma que foi cassada por ‘um grupo de corruptos’

A ex-presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou em um pronunciamento no Palácio do Alvorada, em Brasília, na tarde desta quarta-feira (31), que o impeachment é um “golpe parlamentar” e promete fazer forte oposição ao governo Michel Temer (PMDB).

Dilma deixou claro que foi afastada por um ‘grupo de corruptos’.

“Eles pensam que nos venceram. Haverá contra eles a mais determinada oposição que um governo golpista pode sofrer. Essa história não acaba assim. Nós voltaremos”, afirmou Dilma.

Pelascaridades: Coreia do Norte executa vice-primeiro-ministro porque cochilou numa reunião

Kim Jong-unO líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, ordenou a execução do vice-primeiro-ministro e principal responsável pela Educação no país, Kim Yong-jin, afirmou nesta quarta-feira (31) o Ministério da Unificação da Coreia do Sul.

O político de 63 anos, teria sido executado por um pelotão de fuzilamento em julho deste ano, disse à agência de notícias EFE uma representante do ministério sul-coreano.

Como motivos para a suposta execução, a representante afirmou que Kim Yong-jin “havia mostrado uma atitude negativa quando participou de uma importante reunião parlamentar no final de junho”.

“Ele provocou ira depois de ter adormecido durante a reunião, foi detido no local e questionado intensamente pelo ministério da segurança”, disse a fonte. Após o interrogatório, a execução do político teria sido ordenada em julho por ser considerado um “elemento antirrevolucionário”.

O Ministério da Unificação disse ter recebido informações sobre a execução “através de vários canais”, embora o extremo sigilo da Coreia do Norte não permita confirmar os fatos.

Onda de expurgos e execuções

Segundo Seul, outros dois importantes políticos norte-coreanos foram enviados para campos de reeducação como parte da suposta campanha de expurgos do jovem ditador.

Estes seriam Kim Jong-chol, diretor do Departamento da Frente Unida (DFU), órgão de Pyongyang encarregado das relações com a vizinha Coreia do Sul, e Choi Hwi, primeiro subdiretor do Comitê Central do Partido dos Trabalhadores – acusado pelo regime de abusar de sua posição.

Nesta terça-feira, o jornal sul-coreano JoongAng Ilbo afirmou que outros dois políticos de Pyongyang haviam sido executados num academia militar, incluindo o ex-ministro da Agricultura, Hwang Min.

Dilma Rousseff fará declaração depois de perder mandato

Acompanhada de aliados e ex-ministros, a presidenta Dilma Rousseff acompanhou o desfecho de seu processo de impeachment no Senado no Palácio da Alvorada. Ela deve fazer em breve uma declaração à imprensa. Dilma será formalmente notificada sobre o resultado. Ela não deve responder a perguntas de jornalistas, segundo a assessoria, e focar no enfraquecimento da democracia brasileira após os senadores decidirem pela perda de mandato da presidenta afastada.

Temer grava pronunciamento à Nação

Estadão Conteúdo

Brasília – O presidente Michel Temer gravou nesta quarta-feira, 31, o pronunciamento que fará em cadeia nacional de rádio e televisão. A gravação foi feita no Palácio do Jaburu. Desde cedo, já havia um caminhão da equipe responsável pelo vídeo e, apesar de o peemedebista esperar o resultado do julgamento do impeachment para gravar, a mensagem já estava sendo elaborada havia algumas semanas.

Advogado de Dilma e DEM devem recorrer ao STF contra resultado

Senadores se dividem entre comemorar e protestar pelo resultado da votação no julgamento final do impeachmentFelipe Amorim e Ricardo Marchesan

Do UOL, em Brasília

O advogado José Eduardo Cardozo, que fez a defesa da agora presidente cassada Dilma Rousseff, afirmou que vai entrar com recursos no STF (Supremo Tribunal Federal) contra o impeachment. Os senadores favoráveis ao impeachment também devem recorrer ao STF contra o fatiamento da votação.

Após a votação que definiu o afastamento definitivo de Dilma, ele disse que vai entrar com um mandado de segurança, possivelmente ainda nesta quarta-feira (31).

“Nós vamos estar propondo ações respectivas de mandado de segurança, impetrando mandado de segurança, justamente porque entendemos que não há pressupostos jurídicos que embasem essa decisão, falta a chamada justa causa, como também existem situações formais do devido processo legal”, afirmou Cardozo. “Então nós vamos estar impetrando possivelmente hoje ou amanhã a primeira ação, sem prejuízo de uma outra ação que será proposta ou sexta ou segunda-feira.”

 

Veja como os senadores votaram no julgamento do impeachment

Com o resultado, Dilma está afastada definitivamente da Presidência um ano e oito meses depois de assumir seu segundo mandato. Eleito vice na chapa da petista em 2014, o presidente Michel Temer (PMDB) deixa de ser interino e assume definitivamente o cargo até o fim de 2018.

Veja como votaram os senadores:

A FAVOR (61)

Acir Gurgacz – PDT-RO
Aécio Neves – PSDB-MG
Aloysio Nunes – PSDB-SP
Alvaro Dias – PV-PR
Ana Amélia – PP-RS
Antonio Anastasia – PSDB-MG
Antonio Carlos Valadares – PSB-SE
Ataídes Oliveira – PSDB-TO
Benedito de Lira – PP-AL
Cássio Cunha Lima – PSDB-PB
Cidinho Santos – PR-MT
Ciro Nogueira – PP-PI
Cristovam Buarque – PPS-DF
Dalirio Beber – PSDB-SC
Dário Berger – PMDB-SC
Davi Alcolumbre – DEM-AP
Edison Lobão – PMDB-MA
Eduardo Amorim – PSC-SE
Eduardo Braga – PMDB-AM
Eduardo Lopes – PRB-RJ
Eunício Oliveira – PMDB-CE
Fernando Bezerra Coelho – PSB-PE
Fernando Collor de Mello – PTC-AL
Flexa Ribeiro – PSDB-PA
Garibaldi Alves Filho – PMDB-RN
Gladson Cameli – PP-AC
Hélio José – PMDB-DF
Ivo Cassol – PP-RO
Jader Barbalho – PMDB-PA
João Alberto Souza – PMDB-MA
José Agripino – DEM-RN
José Aníbal – PSDB-SP
José Maranhão – PMDB-PB
José Medeiros – PSD-MT
Lasier Martins – PDT-RS
Lúcia Vânia – PSB-GO
Magno Malta – PR-ES
Maria do Carmo Alves – DEM-SE
Marta Suplicy – PMDB-SP
Omar Aziz – PSD-AM
Paulo Bauer – PSDB-SC
Pedro Chaves – PSC-MS
Raimundo Lira – PMDB-PB
Reguffe – Sem Partido-DF
Renan Calheiros – PMDB-AL
Ricardo Ferraço – PSDB-ES
Roberto Rocha – PSB-MA
Romário – PSB-RJ
Romero Jucá – PMDB-RR
Ronaldo Caiado – DEM-GO
Rose de Freitas – PMDB-ES
Sérgio Petecão – PSD-AC
Simone Tebet – PMDB-MS
Tasso Jereissati – PSDB-CE
Telmário Mota – PDT-RR
Valdir Raupp – PMDB-RO
Vicentinho Alves – PR-TO
Waldemir Moka – PMDB-MS
Wellington Fagundes – PR-MT
Wilder Morais – PP-GO
Zezé Perrella – PTB-MG

 

CONTRA (20)

https://t.dynad.net/pc/?dc=5550001579;ord=1472572355354Angela Portela – PT-RR
Armando Monteiro – PTB-PE
Elmano Férrer – PTB-PI
Fátima Bezerra – PT-RN
Gleisi Hoffmann – PT-PR
Humberto Costa – PT-PE
João Capiberibe – PSB-AP
Jorge Viana – PT-AC
José Pimentel – PT-CE
Kátia Abreu – PMDB-TO
Lídice da Mata – PSB-BA
Lindbergh Farias – PT-RJ
Otto Alencar – PSD-BA
Paulo Paim – PT-RS
Paulo Rocha – PT-PA
Randolfe Rodrigues – Rede-AP
Regina Sousa – PT-PI
Roberto Requião – PMDB-PR
Roberto Muniz – PP-BA
Vanessa Grazziotin – PCdoB-AM

Lindbergh: favoráveis ao impeachment vão para “a lata de lixo da história”

Os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) dividirão o tempo de cinco minutos. O petista fez um discurso inflamado em que chamou – a exemplo do que já fizera, no processo, Roberto Requião (PMDB-PR) – repetidas vezes de “canalhas” os defensores do impeachment contra Dilma, que ele chamou de “farsa”. “Não pensem pequeno, não pensem nos cargos”, pediu aos senadores, referindo-se à gestão Temer. Para ele, quem votar pelo impeachment vai para “a lata de lixo da história”. O petista afirmou ainda estar “do lado certo da história” e disse que “dormir tranquilo”.Para Grazziotin, “esse é um golpe não só contra Dilma, mas contra a democracia e contra o povo brasileiro”. “Temer não tem legitimidade para governar esse país”, disse. Ainda na avaliação da senadora, “o povo não está na rua hoje porque está em casa acuado”.