Arquivo mensais:novembro 2016

Paulinho da Habitação foi recebido pelo governador Robinson Faria

paulinho_robinsonPaulinho, prefeito eleito de São Gonçalo do Amarante, continua buscando recursos e benfeitorias para a cidade. Na manhã desta segunda-feira (1), o prefeito esteve reunido com o governador Robinson Faria para discutir pautas de interesse da população são-gonçalense.

Dentre os pleitos abordados, destaque para a Construção do Batalhão de Polícia e a implantação de um parque ecológico na nascente do Rio Golandim, além da ‘Estrada de Produção’ que vai ligar o centro da cidade à comunidade de Poço de Pedra com pavimentação asfáltica.

“Tivemos uma excelente conversa. O governador se mostrou receptivo aos pleitos abordados. Sobre o batalhão de polícia – já que a segurança é responsabilidade do Estado – ele se posicionou favorável e afirmou que vai aguardar o concurso da polícia para dar andamento”, observa Paulinho.

Arrocha: Gás de botijão deve ficar mais caro a partir de hoje, diz Petrobras

botijão de gásA Petrobras informou que o preço do gás de botijão deve sofrer um reajuste a partir de hoje (1°). Isso porque a empresa alterou os contratos com distribuidoras de gás liquefeito de petróleo (GLP), o gás de botijão.

O botijão de 13 quilos, que é o padrão para uso residencial, deve ficar R$ 0,20 mais caro, em média. De acordo com a Petrobras, o aumento não deverá passar de R$ 0,70 por botijão em nenhum lugar do país.

Segundo a Petrobras, o aumento ocorrerá porque os custos com a logística do produto, que eram cobertos pela estatal, serão repassados às distribuidoras. Ainda de acordo com a empresa, na prática isso significa uma redução dos subsídios às distribuidoras, como aconteceu há dois anos com os contratos de fornecimento de diesel e gasolina. A Petrobras explicou que o fim dos subsídios “é importante para evitar distorções”.

Comissão do Senado aprova projeto que torna vaquejada manifestação cultural

Da Agência Brasil

A Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado aprovou hoje (1º) projeto de lei que torna a vaquejada patrimônio cultural imaterial e manifestação da cultura nacional. A proposta é uma tentativa de reverter decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de considerar a prática inconstitucional, por estar ligada a maus-tratos de animais.

Brasília - Manifestantes protestam contra decisão do Supremo Tribunal Federal de proibir a vaquejada no país (José Cruz/Agência Brasil)Durante a discussão do Projeto de Lei da Câmara (PLC) 24/2016, do deputado Capitão Augusto (PR-SP), o senador Roberto Muniz (PP-BA) defendeu a vaquejada e disse que a prática é diferente das touradas, por exemplo, em que não há “carinho” entre o homem e os animais, segundo ele.

“Diferente de outros esportes, em outros países, como a tourada, onde a luta era entre o toureiro verso o touro, do ser humano verso o seu animal, na verdade esse esporte [vaquejada] nasce de uma necessidade e do carinho que o vaqueiro tem pelo animal”, disse.

Segundo Muniz, esse “carinho” é demonstrado durante a vaquejada. “Ele derruba e traz o animal com muito carinho”, disse o senador.

Sobre as acusações de maus-tratos nos eventos, o senador disse que o bem-estar dos animais também está comprometido em outras situações e que isso não justifica a decisão judicial. “Colocar um animal pet dentro de um apartamento ou dentro de uma gaiola de 50 centímetros quadrados é cuidar do bem-estar do animal?”, questionou.

O PLC aprovado hoje pela comissão do Senado transformar as práticas de montarias, provas de laço, apartação, bulldog, provas de rédeas, provas dos Três Tambores, Team Penning e Work Penning, paleteadas e outras provas típicas, como Queima do Alho e concurso do berrante, em expressões artístico culturais, e as eleva à condição de manifestações da cultura nacional e de patrimônio cultural imaterial.

Edição: Luana Lourenço