Campanha estimula união de mulheres contra assédio no carnaval

Da Agência Brasil

Pelo segundo ano consecutivo, a campanha da revista AzMina #Carnavalsemassédio está nas ruas. Neste carnaval, o tema é #UmaMinaAjudaAOutra, que estimula mulheres a ficar atentas caso vejam que alguma outra “mina” está sofrendo assédio. No ano passado, o foco da campanha eram os homens, público-alvo do Guia Prático e Didático da Diferença entre Paquera e Assédio.

A diretora da revista, a brasiliense Nana Queiroz, diz que se uma mulher ajudar a outra, todo mundo curte a festa com mais segurança e liberdade.

A campanha sugere, entre outras ações, oferecer água caso veja uma mulher vomitando na festa; fazer um escândalo se perceber que um homem está tentando forçar o beijo ou segurando uma menina pelo braço; e telefonar para os amigos ou chamar um táxi se encontrar uma mulher inconsciente, evitando que ela seja vítima de abusos.

A edição deste ano da campanha tem até marchinha de carnaval cantada por Bruna Caram e Chico César. A música, composta por Pedro Abramovay e Gustavo Moura, diz que o carnaval só é bom se todo mundo quiser curtir junto. A marchinha ganhou o título de Se você quiser – e o clipe pode ser ouvido aqui:

Robinson atraiu empresa gigante da energia solar para o RN

O Governador Robinson Faria informou que Rio Grande do Norte ganhará um pólo da empresa Chint, uma das maiores indústrias energéticas do mundo, especialista em energia solar.

Ao lado do presidente da indústria energética Chint, Zhu Xinmin, explico a importância do acordo que assinamos hoje na China.

Procuradoria e PF brigam na Justiça por dados de inteligência

RUBENS VALENTE
DE BRASÍLIA

Em outro capítulo da relação cada vez mais delicada entre Polícia Federal e Ministério Público Federal, parceiros na Lava Jato, a Procuradoria Geral da República tenta na Justiça ter acesso a todos os relatórios de inteligência produzidos pela PF e que estão sob sigilo. Os procuradores querem cópias dos chamados “Relints (Relatórios de Inteligência) Avulsos”.

Atualmente, eles têm acesso aos que são anexados aos inquéritos policiais, mas alegam que há milhares de outros armazenados em bancos de dados da corporação e que têm sido mantidos fora do alcance.

Para obter os documentos, a Procuradoria cita o controle externo das atividades policiais pelo Ministério Público, previsto na Constituição e em lei complementar.

Por meio da AGU (Advocacia Geral da União), a PF argumenta que esses relatórios de inteligência não se incluem na atividade policial que pode ser fiscalizada pelo Ministério Público porque estão relacionados ao sistema brasileiro de inteligência, do qual a PF faz parte.

Até aqui, os tribunais têm dado razão a PF e AGU. Na terça (21), o STJ (Superior Tribunal de Justiça) não acolheu recursos do Ministério Público e o caso pode ir ao STF.

A disputa começou no Rio de Janeiro ainda em 2010, quando o Ministério Público Federal pediu cópias de todos os relatórios de inteligência policial produzidos pela Superintendência Regional da PF em um período de dois anos e que não tivessem sido “difundidos ao MPF”.

A PF negou, e a Procuradoria deu entrada a um mandado de segurança.

Em 2012, a Justiça Federal determinou que a polícia informasse o número de relatórios que se encaixariam no pedido. A União recorreu, dando início a uma longa discussão no Tribunal Regional Federal.

Em 2014, o caso foi enviado ao STJ. Em novembro do mesmo ano, já na primeira gestão do atual procurador-geral, Rodrigo Janot, a PGR apresentou contestação.

PETIÇÃO

Segundo a petição do subprocurador-geral da República Brasilino Pereira dos Santos, sem acesso aos relatórios da PF, é “impossível verificar a ocorrência de eventuais irregularidades nos procedimentos empregados no exercício da atividade policial”.

Para a AGU, no entanto, “a atuação da Polícia Federal não se reduz à função de polícia judiciária da União e a atuação, em consequência, do Ministério Público Federal, em muitos casos não ocorrerá”.

“A única destinatária dos Relints gerados pela PF é a Abin [Agência Brasileira de Inteligência], que, com as informações colhidas dos demais órgãos, elaborará planos de atuação no âmbito de suas atribuições”, diz a AGU.

Em voto favorável aos argumentos da AGU e acolhido pela maioria dos colegas no tribunal, o ministro do STJ Gurgel de Faria disse que cabe ao Ministério Público Federal apenas “acesso aos relatórios de inteligência emitidos pela Polícia Federal de natureza persecutório-penal, ou seja, que guardem relação com a atividade da investigação criminal”.

Trabalhador brasileiro já ganha menos do que um chinês, aponta estudo

O salário médio pago pela indústria chinesa já supera os valores pagos aos trabalhadores de países como Brasil e México e está se aproximando rapidamente aos recebidos em Grécia e Portugal.

Esse avanço é resultado de uma década de forte crescimento, em que os salários chineses triplicaram.

Considerando todo o mercado de trabalho chinês, o salário por hora já supera o pago em todos os países da América Latina, com exceção do Chile, e representa cerca de 70% do pago nas economias mais fracas da zona do euro, segundo a consultoria Euromonitor International.

Os dados mostram o progresso que a China fez para melhorar os padrões de vida de sua população de 1,4 bilhão de pessoas.

Veja matéria na Folha de São Paulo

Carnaval de Caicó vira destaque na Globo News

img_7404O Carnaval de Caicó que já se consolidou como o maior do Rio Grande do Norte e o 3° maior do Nordeste, foi destaque nesse domingo (26) na Globo News.

Além da alegria contagiante do Carnaval de Caicó, características como a hospitalidade do povo e a segurança são atributos que elevaram o patamar da cidade neste período momesco.

Fonte: Blog do Xerife

 

Temer é mais forte que a Lava Jato neste Carnaval

Resultado de imagem para Fora temer no carnavalSe Carnaval serve para testar popularidade de políticos, pode-se constatar que o Presidente Temer enfrenta uma onda de impopularidade.

Em todas cidades que fazem grandes carnavais o ‘Fora Temer’ é o que mais acontece.  Temer é mais lembrado até mesmo que a Lava Jato.

Procurarolas em Pirangi

No Carnaval de Pirangi surgiu uma troça na Banda das Virgens denominada Procurarolas.

Turma mascarada sem identificação, mas quem conhece jura que são advogados.

Segunda lista de Janot poderá ser divulgada depois do Carnaval

A colunista Vera Magalhães, noticiou que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot está finalizando a divulgação da segunda lista de investigados contra autoridades com foro privilegiado.

“Os envolvidos na ‘operação Quaresma’ de Janot garantem que logo após a Quarta-Feira de Cinzas devem começar a pipocar as providências do procurador-geral”, diz a jornalista.

Carlos Eduardo Aves foi hostilizado na Praça dos Gringos

Seria melhor o prefeito de Natal Carlos Eduardo Alves ter ficado em casa, como ele inventou de visitar os famosos “polos multiculturais” terminou levando uma sonora vaia da Praça dos Gringos.

Os foliões já estavam irritados com o locutor da prefeitura que interrompe as bandas para gritar o nome do prefeito, transformando num comício. Quando o prefeito botou a cabeça no palco, a sonora comeu.

Para completar ainda estavam os servidores da Prefeitura em grave com seus salários atrasados que gritavam “prefeito caloteiro, devolva mau dinheiro”