Os repasses ao PMDB, foram solicitados pelos deputados Eduardo Cunha e Henrique Alves, disse Marcelo Odebrecht

Dilma quis saber se Temer recebeu propina por contrato da Petrobrás, diz Marcelo  Dilma Rousseff e Michel Temer. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Dilma Rousseff e Michel Temer. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Fabio Serapião e Rafael Moraes Moura / BRASÍLIA

Em um dos seus depoimentos prestados no âmbito do acordo de colaboração premiada com a Lava Jato, o empreiteiro Marcelo Odebrecht assumiu pagamentos de propina para o PMDB e o PT por conta do contrato PAC SMS da diretoria Internacional da Petrobrás. Segundo o delator, tanto a ex-presidente da estatal, Graça Foster, como a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) foram informadas sobre os pagamentos ilícitos. Na conversa com Dilma, segundo Marcelo, teria transparecido que a então presidente queria saber se seu vice, Michel Temer, teria recebido valores oriundos do contrato.

“Eu contei tudo que tinha contado pra Graça contei pra ela. Presidenta, veja bem, não é justo o que Graça fez. Eu achava que ela queria saber se Michel estava envolvido… mas você percebe que ela queria instigar quem era a pessoa que estava recebendo isso”, detalhou Odebrecht.

Os repasses ao PMDB, disse Marcelo, foram solicitados a Márcio Faria, diretor de Oléo e Gás do grupo Odebrecht, pelos então deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Por parte do PT, os repasses teriam sido tratados com o tesoureiro do partido João Vaccari. Questionado sobre os valores, Marcelo informou que não saberia o valor exato, mas que “foi relevante, foi 10, 20 milhões de reais” pagos na véspera da campanha de 2010.

Resultado de imagem para Henrique Alves e Cunha
Será que nesta foto eles estão escondendo as bocas por tratarem de propinas?

Em sua delação, Odebrecht contou que soube dos pagamentos quando Graça Foster telefonou para perguntar se o PMDB havia recebido valores oriundos do contrato. “O que na época me foi informado, comentado, é que ela estava preocupada era com esse tal pagamento que foi feito para eleição de 2010 do grupo do PMDB”, explicou Marcelo.

Aos investigadores explicou que o caso foi diferente dos outros da estatal uma vez que não era costume o político solicitar os repasses. “No caso a Petrobrás, a conversa era com diretores, a mensagem dos padrinhos políticos eram pelos diretores”, explicou Odebrecht.

O PAC SMS foi um contrato de prestação de serviços para a área de Negócios Internacionais da Petrobrás, dentro do plano de ação de certificação em segurança, meio ambiente e saúde. O contrato guarda-chuva contempla vários países e, em 2011, foi ampliado para incluir serviços específicos em Pasadena.

 

Álvaro não descarta possibilidade de disputar vaga na AL

alvaro microNa condição de vice-prefeito de Natal, o ex-deputado estadual Álvaro Dias está pronto para assumir a Prefeitura, numa eventual candidatura do titular Carlos Eduardo ao Governo do Estado, nas eleições de 2018. Se isso vier a acontecer, Álvaro lançará o nome de seu filho, delegado Adjuto Neto à disputa por uma das vagas à Assembléia Legislativa.

Mas, se Carlos Eduardo não for candidato em 2018 tudo pode acontecer, inclusive de Álvaro Dias ser ele mesmo, o candidato a deputado estadual. Eleito em 2014, Álvaro renunciou a Assembléia para ser o vice de Carlos em Natal.

“Existe uma especulação de que Carlos Eduardo pode vir a ser candidato ao Governo do Estado. Isso se configurando, nós poderemos assumir a prefeitura de Natal, e se isso acontecer, nós queremos que Caicó não fique sem um representante na Assembléia Legislativa, isso ocorrendo, Adjuto Neto vai estar disponível para ser o candidato a deputado estadual pelo PMDB. Carlos Eduardo não sendo candidato ao Governo do Estado, nós vamos analisar todas as possibilidades, pode acontecer de tudo, também analisaremos a possibilidade de eu, mesmo ser o candidato a estadual”, disse.

Do blogue do Seridó

Contas e carnês com vencimento na sexta poderão ser pagos na segunda

Mariana Tokarnia – Repórter da Agência Brasil

As agências bancárias de todo o país não funcionarão no feriado nacional desta sexta-feira (14), quando se celebra a Sexta-Feira da Paixão, conforme informou a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). De acordo com a Febraban, as contas de consumo (água, luz, telefone e TV a cabo) e os carnês com vencimento nesta data poderão ser pagos no próximo dia útil, segunda-feira (17), sem incidência de multa.

O mesmo ocorrerá no feriado de Tiradentes, comemorado no dia 21 de abril. Nessa data, as contas poderão ser pagas no dia 24. A Febraban explica que normalmente os tributos já estão com data ajustada pelo calendário de feriados, sejam federais, estaduais ou municipais.

Agendamento

A população poderá usar os canais alternativos de atendimento para realizar operações bancárias, como caixas eletrônicos, internet banking, banco por telefone e correspondentes.

Os clientes também podem agendar o pagamento das contas de consumo ou pagá-las nos próprios caixas automáticos. Já os boletos bancários de clientes cadastrados como sacados eletrônicos poderão ser agendados ou pagos via Débito Direto Autorizado (DDA).

Quem está falando a verdade, Tatiana Cunha ou Caio Bezerra?

Hoje(12) a secretária-chefe do Gabinete Civil, Tatiana Mendes Cunha, em entrevista ao Bom Dia RN, falando como secretária de Justiça e Cidadania, dando um canto de carroceria no secretário Lampião, garantiu que Alcaçuz está totalmente sob controle.

Mas, ontem(11), o secretário de Defesa Social Caio Bezerra justificou o descontrole da violência em Natal é decorrente de ações das facções criminosas que estão instaladas em Alcaçuz.

Se os chefes das facções estão dando ordens para matar e explodir agências bancarias podemos verificar que a equipe do governador Robinson Faria está batendo cabeça.

Mas, contra fatos não existem argumentos: assaltos, assassinatos, execuções, explosões continuam ocorrendo, de modo que imaginamos que quem está com a verdade é o secretário Caio Bezerra.

Fachin libera vídeos de delações; veja depoimento de Marcelo Odebrecht

FOLHA DE SÃO PAULO

O relator da Operação Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Edson Fachin, levantou nesta quarta-feira (12) o sigilo sobre os vídeos dos depoimentos dos 77 delatores da empreiteira Odebrecht.

Fachin determinou em 4 de abril a abertura de inquérito contra oito ministros do governo Michel Temer (PMDB), 24 senadores e 39 deputados federais. Serão abertas 76 investigações pedidas pela Procuradoria-Geral da República após as delações da Odebrecht.

Entre os citados estão os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB). Dois dos principais aliados de Temer, Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral), também estão na lista, que abrange ainda os senadores Romero Jucá e Renan Calheiros, do PMDB, e Aécio Neves (PSDB).

Continue lendo na Folha de São Paulo

 

Saudoso empresário potiguar da construção civil, José Nilson de Sá fez previsão com a Lava-Jato

O saudoso engenheiro José Nilson de Sá foi, que em sua época foi um dos maiores empreiteiro do Brasil – sua construtora EIT foi responsável por grandes obras no Brasil, destacando-se um grande trecho da Transamazônica.

José Nilson apesar de grande empresário, muito poderoso,sempre amigo dos amigos potiguares, ele que não abria mão da convivência deles e sua casa estava sempre aberta para resenhas e um joguinho de baralho.
Era um homem sério, mas na intimidade gostava de  prosear e contar causas engraçadas.  Antes de falecer, deixando muitos amigos e um legado de sucesso honesto e exemplar, Dr. Zé Nilson fez uma previsão sobre a operação Lava-jato que o Blog do Primo publica, observando sua sabedoria, quando em tom de brincadeira acertava que a extensão das investigações seriam muito maiores e profundas.

Confira o vídeo:

Cunha sugeriu contratar Kroll para barrar Lava Jato, dizem delatores

Resultado de imagem para Eduardo Cunha Henrique Garibaldi Carlos eduardo
Eduardo Cunha com seus amigos Alves

FOLHA DE SÃO PAULO

O deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está preso, tentou articular uma estratégia para frear a Operação Lava Jato, segundo delações de Marcelo Odebrecht e Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos Reis.

Em reunião na casa de Cunha, em 11 de fevereiro de 2015, sugeriu-se a contratação da empresa de investigação privada Kroll como uma das medidas para tentar frear a Lava Jato, disseram os delatores.

O então presidente da Câmara “defendia a tese de que deveriam ser encontradas inconsistências nas colaborações premiadas de Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef, o que permitiria, na sua ótica, a anulação das investigações”.

O relato foi feito pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, em petição na qual enviou o caso à Procuradoria da República no Paraná.

Lista de Fachin: seguindo média do STF, julgamentos só viriam no fim de 2022

BBC BRASIL.com

A decisão do ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), de abrir inquérito contra 76 figuras do mundo político, entre as quais ministros e parlamentares, levou a operação Lava Jato será um longo caminho no STF.

“É inevitável algum grau de frustração popular com o tempo (da tramitação da Lava Jato no STF), porque ainda não se percebeu com clareza que o tempo do Judiciário seja tão diferente da ansiedade ou da pauta política do país”, diz à BBC Brasil Rubens Glezer, professor de Direito Constitucional da Fundação Getúlio Vargas (FGV) em São Paulo.

Em 2014, pesquisadores da FGV do Rio de Janeiro analisaram a duração de processos no STF entre 1988 e 2013.

Segundo o estudo, ações que envolviam direito penal – caso de grande parte das denúncias apuradas na Lava Jato – levaram em média 5,5 anos para serem julgadas.

Se seguirem essa média, os julgamentos dos políticos na “nova lista de Janot” que se tornarem réus chegariam a uma conclusão no final de 2022.

Um marco na história do STF, o julgamento do mensalão foi concluído quase nove anos após a abertura dos inquéritos.

Só entre a apresentação das denúncias (quando os investigados se tornam réus) e o início do julgamento se passaram seis anos.

O mensalão foi julgado por todos os ministros do STF, em sessões televisionadas.

Agora julgamentos desse tipo não são transmitidos e ficam a cargo de uma das duas turmas do STF, que contam com cinco ministros cada.

Segundo Glezer, o número menor de ministros e a menor exposição das sessões tendem a acelerar os processos.

Ele afirma que o STF tem tratado a Lava Jato como prioridade.

Segundo relatos na imprensa, o STJ deve ficar encarregado de analisar casos de governadores citados nos depoimentos da Odebrecht.

Leia Mais

Rogério Marinho tenta aplicar golpe na Comissão Espacial e causa tumulto entre deputados

Relator da Reforma Trabalhista atropela prazos para atender Planalto, afirma deputado do Rio de Janeiro

Resultado de imagem para Rogério Marinho
Rogério Marinho

O deputado Wadih Damous (PT-RJ) criticou duramente a antecipação da apresentação do relatório da Reforma Trabalhista (PL 6787/16), previsto para esta quarta-feira (12). Para ele, o relator da matéria, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), ao antecipar seu parecer, descumpre os prazos estabelecidos no plano de trabalho da comissão para cumprir script pré-determinado pelo governo ilegítimo de Michel Temer. A leitura do relatório está prevista para 10h, no plenário 2.

“Esse projeto é um projeto de encomenda. O Palácio do Planalto fez uma encomenda à Câmara dos Deputados: Aprove o projeto”, denunciou Damous. Observou o parlamentar que o relator tucano está antecipando a entrega do texto para tentar impedir a mobilização contra a aprovação do PL.

“Seguindo as ordens do Palácio do Planalto o relator vai, de forma açodada, descumprindo aquilo que havia sido acordado anteriormente num Plano de Trabalho apresentado por ele próprio, no início dos debates da comissão. Ele está desrespeitando o cronograma por ele mesmo estabelecido”, enfatizou Wadih Damous.

O deputado demonstrou receio com o conteúdo do substitutivo do relator tucano. “Eu tenho temor. Algo me diz que esse relatório vai ser pior que o próprio projeto. O relator está anunciando que vai alterar 100 artigos da CLT”, afirmou Damous, se referindo à notícia que tem circulado anunciando a pretensão do relator.

Além da preocupação com a operação do governo golpista junto à Câmara para atingir em cheio os direitos dos trabalhadores, Wadih Damous também se mostrou preocupado com a postura do presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Segundo ele, Maia já demonstrou, em vários momentos, a aversão que sente pelos trabalhadores e pelas instituições que fazem cumprir a legislação trabalhista como a Justiça do Trabalho, a advocacia trabalhista e o Ministério Público do Trabalho. “Eles querem aprovar isso à toque de caixa”, reiterou.

Por outro lado, Damous confirmou a ofensiva da oposição: “Nós vamos resistir. Queremos que o projeto venha para o plenário para que seja discutido. Isso, eles também não querem. Eles estão querendo dar caráter terminativo à aprovação do relatório. Vamos lutar e resistir até as últimas forças para que essa matéria venha a debate no plenário”, considerou Damous.

Benildes Rodrigues

Deputado saco preto, Rogério Marinho e seu ‘guru’ Pastore

Resultado de imagem para José Pastore
José Pastore

O deputado saco preto Rogério Marinho entrega hoje seu parecer na Comissão Especial da Câmara dos Deputados e entrará na história como o deputado carrasco dos direitos trabalhistas conquistados pelos trabalhadores brasileiros.

Fazendo um papel que nenhum outro deputado teve coragem de fazer, Rogério é aclamado pelos grandes empresário do Brasil com quem hoje ele convive na intimidade em jantares, almoços e palestras.

Segundo uma fonte do Blog do Primo, o deputado ‘saco preto’ tem como guru o sociólogo José Pastore, velho conhecido dos empresários paulista, inclusive ele é presidente do Conselho de Emprego e Relações do Trabalho da Federação do Comércio de São Paulo.

Para termos a ideia do guru do deputado Rogério Marinho que más línguas afirmam que foi ele, remunerado pela FIESP, quem redigiu o perecer do deputado potiguar veja os livros que ele publicou para vitrificarmos o lado do trabalho que o velho Pastore pertence.

  • Terceirização: Necessidade para Economia, Desafio para o Direito
  • Antônio Ermírio de Moraes – Memórias de um diário confidencial
  • Trabalho para Ex-Infratores
  •  Trabalhar Custa Caro
  • As Mudanças no Mundo do Trabalho – Leituras de Sociologia do trabalho
  • A Modernização das Instituições do Trabalho – Encargos Sociais Reformas Trabalhista e Sindical
  • Flexibilização dos Mercados de Trabalho e Contratação Coletiva
  • Encargos Sociais

 

Pelascaridades: segundo delatores, até o primo Frei Chico, irmão de Lula, recebeu propina

 José Ferreira da Silva, o 'Frei Chico'
José Ferreira da Silva, o ‘Frei Chico’

O Estado de S.Paulo

O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou ao juiz federal Sérgio Moro, no Paraná, informações sobre o suposto pagamento de ‘mesada’ por parte da Odebrecht a José Ferreira da Silva, o ‘Frei Chico’, irmão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo a petição enviada por Fachin, os delatores Alexandrino Alencar, ex-diretor de relações institucionais da empreiteira, e Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho, que chefiou o chamado departamento de propinas da empreiteira, Frei Chico recebia uma espécie de mesada.

“Narram os executivos que os pagamentos eram efetuados em dinheiro e contavam com a ciência do ex-presidente, noticiando-se, ainda, que esse contexto pode ser enquadrado ‘na mesma relação espúria de troca de favores que se estabeleceu entre agentes públicos e empresários’”, diz a petição.