Arquivos diários: 12/04/2017

Os repasses ao PMDB, foram solicitados pelos deputados Eduardo Cunha e Henrique Alves, disse Marcelo Odebrecht

Dilma quis saber se Temer recebeu propina por contrato da Petrobrás, diz Marcelo  Dilma Rousseff e Michel Temer. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Dilma Rousseff e Michel Temer. Foto: Dida Sampaio/Estadão

Fabio Serapião e Rafael Moraes Moura / BRASÍLIA

Em um dos seus depoimentos prestados no âmbito do acordo de colaboração premiada com a Lava Jato, o empreiteiro Marcelo Odebrecht assumiu pagamentos de propina para o PMDB e o PT por conta do contrato PAC SMS da diretoria Internacional da Petrobrás. Segundo o delator, tanto a ex-presidente da estatal, Graça Foster, como a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) foram informadas sobre os pagamentos ilícitos. Na conversa com Dilma, segundo Marcelo, teria transparecido que a então presidente queria saber se seu vice, Michel Temer, teria recebido valores oriundos do contrato.

“Eu contei tudo que tinha contado pra Graça contei pra ela. Presidenta, veja bem, não é justo o que Graça fez. Eu achava que ela queria saber se Michel estava envolvido… mas você percebe que ela queria instigar quem era a pessoa que estava recebendo isso”, detalhou Odebrecht.

Os repasses ao PMDB, disse Marcelo, foram solicitados a Márcio Faria, diretor de Oléo e Gás do grupo Odebrecht, pelos então deputados Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Por parte do PT, os repasses teriam sido tratados com o tesoureiro do partido João Vaccari. Questionado sobre os valores, Marcelo informou que não saberia o valor exato, mas que “foi relevante, foi 10, 20 milhões de reais” pagos na véspera da campanha de 2010.

Resultado de imagem para Henrique Alves e Cunha
Será que nesta foto eles estão escondendo as bocas por tratarem de propinas?

Em sua delação, Odebrecht contou que soube dos pagamentos quando Graça Foster telefonou para perguntar se o PMDB havia recebido valores oriundos do contrato. “O que na época me foi informado, comentado, é que ela estava preocupada era com esse tal pagamento que foi feito para eleição de 2010 do grupo do PMDB”, explicou Marcelo.

Aos investigadores explicou que o caso foi diferente dos outros da estatal uma vez que não era costume o político solicitar os repasses. “No caso a Petrobrás, a conversa era com diretores, a mensagem dos padrinhos políticos eram pelos diretores”, explicou Odebrecht.

O PAC SMS foi um contrato de prestação de serviços para a área de Negócios Internacionais da Petrobrás, dentro do plano de ação de certificação em segurança, meio ambiente e saúde. O contrato guarda-chuva contempla vários países e, em 2011, foi ampliado para incluir serviços específicos em Pasadena.

 

Álvaro não descarta possibilidade de disputar vaga na AL

alvaro microNa condição de vice-prefeito de Natal, o ex-deputado estadual Álvaro Dias está pronto para assumir a Prefeitura, numa eventual candidatura do titular Carlos Eduardo ao Governo do Estado, nas eleições de 2018. Se isso vier a acontecer, Álvaro lançará o nome de seu filho, delegado Adjuto Neto à disputa por uma das vagas à Assembléia Legislativa.

Mas, se Carlos Eduardo não for candidato em 2018 tudo pode acontecer, inclusive de Álvaro Dias ser ele mesmo, o candidato a deputado estadual. Eleito em 2014, Álvaro renunciou a Assembléia para ser o vice de Carlos em Natal.

“Existe uma especulação de que Carlos Eduardo pode vir a ser candidato ao Governo do Estado. Isso se configurando, nós poderemos assumir a prefeitura de Natal, e se isso acontecer, nós queremos que Caicó não fique sem um representante na Assembléia Legislativa, isso ocorrendo, Adjuto Neto vai estar disponível para ser o candidato a deputado estadual pelo PMDB. Carlos Eduardo não sendo candidato ao Governo do Estado, nós vamos analisar todas as possibilidades, pode acontecer de tudo, também analisaremos a possibilidade de eu, mesmo ser o candidato a estadual”, disse.

Do blogue do Seridó

Contas e carnês com vencimento na sexta poderão ser pagos na segunda

Mariana Tokarnia – Repórter da Agência Brasil

As agências bancárias de todo o país não funcionarão no feriado nacional desta sexta-feira (14), quando se celebra a Sexta-Feira da Paixão, conforme informou a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). De acordo com a Febraban, as contas de consumo (água, luz, telefone e TV a cabo) e os carnês com vencimento nesta data poderão ser pagos no próximo dia útil, segunda-feira (17), sem incidência de multa.

O mesmo ocorrerá no feriado de Tiradentes, comemorado no dia 21 de abril. Nessa data, as contas poderão ser pagas no dia 24. A Febraban explica que normalmente os tributos já estão com data ajustada pelo calendário de feriados, sejam federais, estaduais ou municipais.

Agendamento

A população poderá usar os canais alternativos de atendimento para realizar operações bancárias, como caixas eletrônicos, internet banking, banco por telefone e correspondentes.

Os clientes também podem agendar o pagamento das contas de consumo ou pagá-las nos próprios caixas automáticos. Já os boletos bancários de clientes cadastrados como sacados eletrônicos poderão ser agendados ou pagos via Débito Direto Autorizado (DDA).

Quem está falando a verdade, Tatiana Cunha ou Caio Bezerra?

Hoje(12) a secretária-chefe do Gabinete Civil, Tatiana Mendes Cunha, em entrevista ao Bom Dia RN, falando como secretária de Justiça e Cidadania, dando um canto de carroceria no secretário Lampião, garantiu que Alcaçuz está totalmente sob controle.

Mas, ontem(11), o secretário de Defesa Social Caio Bezerra justificou o descontrole da violência em Natal é decorrente de ações das facções criminosas que estão instaladas em Alcaçuz.

Se os chefes das facções estão dando ordens para matar e explodir agências bancarias podemos verificar que a equipe do governador Robinson Faria está batendo cabeça.

Mas, contra fatos não existem argumentos: assaltos, assassinatos, execuções, explosões continuam ocorrendo, de modo que imaginamos que quem está com a verdade é o secretário Caio Bezerra.

Fachin libera vídeos de delações; veja depoimento de Marcelo Odebrecht

FOLHA DE SÃO PAULO

O relator da Operação Lava Jato no STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Edson Fachin, levantou nesta quarta-feira (12) o sigilo sobre os vídeos dos depoimentos dos 77 delatores da empreiteira Odebrecht.

Fachin determinou em 4 de abril a abertura de inquérito contra oito ministros do governo Michel Temer (PMDB), 24 senadores e 39 deputados federais. Serão abertas 76 investigações pedidas pela Procuradoria-Geral da República após as delações da Odebrecht.

Entre os citados estão os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB). Dois dos principais aliados de Temer, Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral), também estão na lista, que abrange ainda os senadores Romero Jucá e Renan Calheiros, do PMDB, e Aécio Neves (PSDB).

Continue lendo na Folha de São Paulo

 

Saudoso empresário potiguar da construção civil, José Nilson de Sá fez previsão com a Lava-Jato

O saudoso engenheiro José Nilson de Sá foi, que em sua época foi um dos maiores empreiteiro do Brasil – sua construtora EIT foi responsável por grandes obras no Brasil, destacando-se um grande trecho da Transamazônica.

José Nilson apesar de grande empresário, muito poderoso,sempre amigo dos amigos potiguares, ele que não abria mão da convivência deles e sua casa estava sempre aberta para resenhas e um joguinho de baralho.
Era um homem sério, mas na intimidade gostava de  prosear e contar causas engraçadas.  Antes de falecer, deixando muitos amigos e um legado de sucesso honesto e exemplar, Dr. Zé Nilson fez uma previsão sobre a operação Lava-jato que o Blog do Primo publica, observando sua sabedoria, quando em tom de brincadeira acertava que a extensão das investigações seriam muito maiores e profundas.

Confira o vídeo:

Cunha sugeriu contratar Kroll para barrar Lava Jato, dizem delatores

Resultado de imagem para Eduardo Cunha Henrique Garibaldi Carlos eduardo
Eduardo Cunha com seus amigos Alves

FOLHA DE SÃO PAULO

O deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que está preso, tentou articular uma estratégia para frear a Operação Lava Jato, segundo delações de Marcelo Odebrecht e Fernando Luiz Ayres da Cunha Santos Reis.

Em reunião na casa de Cunha, em 11 de fevereiro de 2015, sugeriu-se a contratação da empresa de investigação privada Kroll como uma das medidas para tentar frear a Lava Jato, disseram os delatores.

O então presidente da Câmara “defendia a tese de que deveriam ser encontradas inconsistências nas colaborações premiadas de Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef, o que permitiria, na sua ótica, a anulação das investigações”.

O relato foi feito pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, em petição na qual enviou o caso à Procuradoria da República no Paraná.

Lista de Fachin: seguindo média do STF, julgamentos só viriam no fim de 2022

BBC BRASIL.com

A decisão do ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), de abrir inquérito contra 76 figuras do mundo político, entre as quais ministros e parlamentares, levou a operação Lava Jato será um longo caminho no STF.

“É inevitável algum grau de frustração popular com o tempo (da tramitação da Lava Jato no STF), porque ainda não se percebeu com clareza que o tempo do Judiciário seja tão diferente da ansiedade ou da pauta política do país”, diz à BBC Brasil Rubens Glezer, professor de Direito Constitucional da Fundação Getúlio Vargas (FGV) em São Paulo.

Em 2014, pesquisadores da FGV do Rio de Janeiro analisaram a duração de processos no STF entre 1988 e 2013.

Segundo o estudo, ações que envolviam direito penal – caso de grande parte das denúncias apuradas na Lava Jato – levaram em média 5,5 anos para serem julgadas.

Se seguirem essa média, os julgamentos dos políticos na “nova lista de Janot” que se tornarem réus chegariam a uma conclusão no final de 2022.

Um marco na história do STF, o julgamento do mensalão foi concluído quase nove anos após a abertura dos inquéritos.

Só entre a apresentação das denúncias (quando os investigados se tornam réus) e o início do julgamento se passaram seis anos.

O mensalão foi julgado por todos os ministros do STF, em sessões televisionadas.

Agora julgamentos desse tipo não são transmitidos e ficam a cargo de uma das duas turmas do STF, que contam com cinco ministros cada.

Segundo Glezer, o número menor de ministros e a menor exposição das sessões tendem a acelerar os processos.

Ele afirma que o STF tem tratado a Lava Jato como prioridade.

Segundo relatos na imprensa, o STJ deve ficar encarregado de analisar casos de governadores citados nos depoimentos da Odebrecht.

Continue lendo Lista de Fachin: seguindo média do STF, julgamentos só viriam no fim de 2022

Rogério Marinho tenta aplicar golpe na Comissão Espacial e causa tumulto entre deputados

Relator da Reforma Trabalhista atropela prazos para atender Planalto, afirma deputado do Rio de Janeiro

Resultado de imagem para Rogério Marinho
Rogério Marinho

O deputado Wadih Damous (PT-RJ) criticou duramente a antecipação da apresentação do relatório da Reforma Trabalhista (PL 6787/16), previsto para esta quarta-feira (12). Para ele, o relator da matéria, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), ao antecipar seu parecer, descumpre os prazos estabelecidos no plano de trabalho da comissão para cumprir script pré-determinado pelo governo ilegítimo de Michel Temer. A leitura do relatório está prevista para 10h, no plenário 2.

“Esse projeto é um projeto de encomenda. O Palácio do Planalto fez uma encomenda à Câmara dos Deputados: Aprove o projeto”, denunciou Damous. Observou o parlamentar que o relator tucano está antecipando a entrega do texto para tentar impedir a mobilização contra a aprovação do PL.

“Seguindo as ordens do Palácio do Planalto o relator vai, de forma açodada, descumprindo aquilo que havia sido acordado anteriormente num Plano de Trabalho apresentado por ele próprio, no início dos debates da comissão. Ele está desrespeitando o cronograma por ele mesmo estabelecido”, enfatizou Wadih Damous.

O deputado demonstrou receio com o conteúdo do substitutivo do relator tucano. “Eu tenho temor. Algo me diz que esse relatório vai ser pior que o próprio projeto. O relator está anunciando que vai alterar 100 artigos da CLT”, afirmou Damous, se referindo à notícia que tem circulado anunciando a pretensão do relator.

Além da preocupação com a operação do governo golpista junto à Câmara para atingir em cheio os direitos dos trabalhadores, Wadih Damous também se mostrou preocupado com a postura do presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ). Segundo ele, Maia já demonstrou, em vários momentos, a aversão que sente pelos trabalhadores e pelas instituições que fazem cumprir a legislação trabalhista como a Justiça do Trabalho, a advocacia trabalhista e o Ministério Público do Trabalho. “Eles querem aprovar isso à toque de caixa”, reiterou.

Por outro lado, Damous confirmou a ofensiva da oposição: “Nós vamos resistir. Queremos que o projeto venha para o plenário para que seja discutido. Isso, eles também não querem. Eles estão querendo dar caráter terminativo à aprovação do relatório. Vamos lutar e resistir até as últimas forças para que essa matéria venha a debate no plenário”, considerou Damous.

Benildes Rodrigues

Deputado saco preto, Rogério Marinho e seu ‘guru’ Pastore

Resultado de imagem para José Pastore
José Pastore

O deputado saco preto Rogério Marinho entrega hoje seu parecer na Comissão Especial da Câmara dos Deputados e entrará na história como o deputado carrasco dos direitos trabalhistas conquistados pelos trabalhadores brasileiros.

Fazendo um papel que nenhum outro deputado teve coragem de fazer, Rogério é aclamado pelos grandes empresário do Brasil com quem hoje ele convive na intimidade em jantares, almoços e palestras.

Segundo uma fonte do Blog do Primo, o deputado ‘saco preto’ tem como guru o sociólogo José Pastore, velho conhecido dos empresários paulista, inclusive ele é presidente do Conselho de Emprego e Relações do Trabalho da Federação do Comércio de São Paulo.

Para termos a ideia do guru do deputado Rogério Marinho que más línguas afirmam que foi ele, remunerado pela FIESP, quem redigiu o perecer do deputado potiguar veja os livros que ele publicou para vitrificarmos o lado do trabalho que o velho Pastore pertence.

  • Terceirização: Necessidade para Economia, Desafio para o Direito
  • Antônio Ermírio de Moraes – Memórias de um diário confidencial
  • Trabalho para Ex-Infratores
  •  Trabalhar Custa Caro
  • As Mudanças no Mundo do Trabalho – Leituras de Sociologia do trabalho
  • A Modernização das Instituições do Trabalho – Encargos Sociais Reformas Trabalhista e Sindical
  • Flexibilização dos Mercados de Trabalho e Contratação Coletiva
  • Encargos Sociais

 

Pelascaridades: segundo delatores, até o primo Frei Chico, irmão de Lula, recebeu propina

 José Ferreira da Silva, o 'Frei Chico'
José Ferreira da Silva, o ‘Frei Chico’

O Estado de S.Paulo

O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), encaminhou ao juiz federal Sérgio Moro, no Paraná, informações sobre o suposto pagamento de ‘mesada’ por parte da Odebrecht a José Ferreira da Silva, o ‘Frei Chico’, irmão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Segundo a petição enviada por Fachin, os delatores Alexandrino Alencar, ex-diretor de relações institucionais da empreiteira, e Hilberto Mascarenhas Alves da Silva Filho, que chefiou o chamado departamento de propinas da empreiteira, Frei Chico recebia uma espécie de mesada.

“Narram os executivos que os pagamentos eram efetuados em dinheiro e contavam com a ciência do ex-presidente, noticiando-se, ainda, que esse contexto pode ser enquadrado ‘na mesma relação espúria de troca de favores que se estabeleceu entre agentes públicos e empresários’”, diz a petição.

Citações da Odebrecht contra FHC, Lula e Dilma vão para primeira instância

Delações sobre Lula, Dilma e FHC vão para outros tribunais  Montagem sobre fotos: Heinrich Aikawa,Roberto Stuckert Filho e Renato Araujo/Instituto Lula/Presidência da República/Agência Brasil/DivulgaçãoAndré Richter – Repórter da Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin determinou que as citações de ex-executivos da Odebrecht aos ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff sejam enviadas para a primeira instância da Justiça. O pedido foi feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR) pelo fato de os acusados não terem mais foro privilegiado no STF. Continue lendo Citações da Odebrecht contra FHC, Lula e Dilma vão para primeira instância

Aniversariando, governador Robinson Faria tranquiliza o povo e seus amigos sobre inclusão do seu nome na lista de Fachin

O governador Robinson Faria passa comemora seus aniversário tendo que tratar de uma questão delicada.

Ele pessoalmente, sem editar nota oficial, apenas como cidadão, usuário das redes sociais, falou ao povo potiguar sobre a inclusão do seu nome na lista investigados do ministro do STF Edson Facin.

Nosso modesto Blog do Primo sugeriu o governador, lalar sobre a notícia em respeito ao povo e sobretudo aos potiguares que votaram nele

Robinson respondeu.

Confira o que disse o governador: 

 

Quem é quem na lista de Fachin

ANNA VIRGINIA BALLOUSSIER
FOLHA DE SÃO PAULO

“Quem não apareceu está sendo considerado desprestigiado”, disse o Forte sobre a lista da qual não ficou de fora. Nem ele nem o Decrépito, o Boca Mole, o Duro e o Passivo. Já o Todo Feio não está lá.

Congresso em Foco
Todo feio ficou de fora…

Forte é o apelido atribuído ao deputado Paulo Pereira da Silva (SD-SP), o Paulinho da Força, em planilhas de pagamentos da Odebrecht a cerca de 200 políticos. Divulgada em 2016 pela Polícia Federal,a lista de codinomes se justapõe agora à dos cem investigados em inquéritos abertos por determinação de Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal.

Atendem por Decrépito, Boca Mole e Passivo (também chamado de Comuna), respectivamente, os deputados Paes Landim (PTB-PI), Heráclito Fortes (PSB-PI) e Daniel Almeida (PCdoB-BA). O senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) é o dono da alcunha Duro.

Em dezembro, o ex-deputado paraibano Inaldo Leitão chegou a protestar contra seu apelido, em post no Facebook intitulado “Todo Feio, Eu?”.

Foi um dos poucos batizados ausentes da lista de Fachin –mas só porque seu caso deixou de ter foro privilegiado e foi enviado para um tribunal de instância inferior.

Não poderiam dizer o mesmo vários frequentadores da alta cúpula de Brasília, como os ministros Romero Jucá (Caju), Eliseu Padilha (Primo) e Moreira Franco (Angorá), todos do PMDB. Os presidentes da Câmara e do Senado, Rodrigo Maia (DEM-RJ) e Eunício Oliveira (PMDB-CE), o Botafogo e o Índio, também são alvos de inquéritos.

Imagem relacionada
Collor – Roxinho

Entre os governadores na mira: Santo (Geraldo Alckmin, PSDB-SP), Menino da Floresta (Tião Viana, PT-AC) e Renan Filho (PMDB-AL), filho de outro investigado, o Justiça (senador Renan Calheiros ).

Três políticos com apelidos no diminutivo, o ex-prefeito do Rio Eduardo “Nervosinho” Paes (PMDB) e os senadores Fernando “Roxinho” Collor (PTC-AL) e Aécio “Mineirinho” Neves (PSDB), teriam recebido milhões superlativos da Odebrecht, segundo delatores.

A Odebrecht também tinha um codinome para o que a Procuradoria-Geral da República chama de “departamento de propina”: Setor de Operações Estruturadas”.

Haja Misericórdia –vulgo Antonio Brito (PSD-BA), deputado também lembrado pelo STF.

O governador Robinson Faria não pode se negar em falar sobre a inclusão do seu nome na lista de Fachin

Tenho muita pena no meu amigo e governador Robinson Faria.

Sou testemunha de seu sofrimento e dedicação ao governo que ele exerce enfrentando todo tipo de crise, mas não posso deixar de criticar ele e sua sua equipe de comunicação com seus babões sebosos.

Digo isso, em razão do governador ter sido incluído numa lista de investigados por um ministro do Supremo Tribunal Federal por ser citado em delação premiada que é notícia em toda mídia nacional e até agora nosso governador Robinson não tenha dado uma palavra sobre o assunto.

Esse pessoal da comunicação do governo e seus babões sebosos, que estão evitando uma palavra do governador, deveriam saber que é uma obrigação do Robinson falar sobre o assunto, não trata-se de uma questão de marketing, trata-se de uma questão de respeito a sociedade e sobretudo aos potiguares que votaram nele para governador.

Quem votou em Robinson quer ouvi-lo!

A questão é relevante, não pode ser tratada com uma nota no blog do primo Heitor Gregório fazendo criticas ao governo, quando aparecem babões para aconselhar ele a não responder.

O povo potiguar tem direito e o governador o dever de dá uma satisfação..

Na minha intimidade, tenho torço muito que Robinson fale e esclareça, assim como Rosalba fez..

Fica muito ruim para Robinson os jornais televisivos noticiarem o assunto e dizerem que procuraram o governador e ele não respondeu.

Robinson, tire esse mundiça de perto de você, caso contrário eles acabarão com o resto da credibilidade que pessoalmente você ainda tem..

Receba meus parabéns pelo seu aniversário, desejo muita paz, felicidade, prosperidade, luz para superar momentos de escuridão, tenacidade para vencer desafios e distância dessa ruma de babões sem futuro que estão contribuindo para acabar com seu governo.

 

Tatiana Mendes Cunha atropelou o primo Lampião em entrevista no Bom Dia RN

Quem assistiu  entrevista da secretária-chefe do Gabinete Civil do Governo do RN, Tatiana Mendes Cunha, falando exclusivamente sobre o sistema penitenciário, percebeu claramente que o secretário de Justiça e Cidadania, Walber Virgolino passou a ser uma figura decorativa no governo.

Resultado de imagem para Tatiana Mendes cunha
Tatiana frequenta mais Alcaçuz que o secretário Lampião (Foto cumprimentando um agente penitenciário)

Tati, como é chamada pelos seus seguidores, falou durante 10 minutos no Bom Dia RN informando medidas do Governo do Estado dando conta até de escovas de dentes compradas para os presos e não falou em uma vez no mome do primo Lampião.

Foi uma verdadeira humilhação com o paraibano que chegou ao RN para botar moral do sistema prisional e agora sequer é escalado para conceder entrevista sobre sua secretaria.

Primo Lampião precisa tomar cuidado sobre uma questão: quem está mandando é Tatiana, mas se aparecer alguma coisa errada ou suspeita que vai responder é ele.

O engraçado é o fato de quando o governo toma alguma atitude para melhorar Alcaçuz, quem dá entrevista é Tatiana,  mas quando tem fugas e rebeliões quem dá entrevista é o besta do Lampião.

Pela entrevista de Tatiana, o primo Lampião foi rebaixado ao posto de Agente Penitenciário.

Se eu pudesse dá um conselho, diria ao primo Lampião voltar correndo para Paraíba.