Fazendo política: Dallagnol estabilidade de Temer dura só até o próximo escândalo

Procurador da República, Deltan Dallagnol durante coletiva de imprensa em Curitiba - 30/03/2017
Procurador da República, Deltan Dallagnol durante coletiva de imprensa em Curitiba

O procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato na primeira instância, publicou nesta sexta-feira um post em sua conta na rede social Twitter no qual diz que a “falsa estabilidade” vendida pelo governo Michel Temer (PMDB) pode “desabar no próximo escândalo”.

Para muitos críticos da atuação de procuradores da República que não se controlam e persistem tentando influenciar politicamente, trata-se de uma interferência indevida..

Analistas políticos afirmam que o Deltan Dallagnol pretende ser candidato a senador pelo Estado do Paraná, para isso estão querendo mudar a legislação proporcionando que membros do MPF e magistrados possam disputar eleições..

Trump cancela acordo de Obama com Cuba

Ansa

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou nesta sexta-feira (16) o cancelamento do acordo de reaproximação com Cuba assinado pelo governo de Barack Obama.

Acordo vai ser cancelado com “efeito imediato”. Presidente crítica administração Obama e diz que o acordo com Cuba só beneficiava o regime de Raúl Castro.

Raniere Barbosa edita um decreto Sucupira

Resultado de imagem para seriado odorico paraguaçu
Raniere é o substituto de Odorico Paraguaçu

Por causa de vontade de aparecer que o presidente da Câmara Municipal de Natal é levado ao ridículo. Acessando alguns blogs chapa branca, li post’s informando que “O presidente da Câmara Municipal de Natal decretou três dias de luto pelo falecimento da ex-governadora e vereadora Wilma de Faria.

Quem conhece a Lei Orgânica de Natal sabe que o presidente da Câmara Municipal de Natal não pode decretar monocraticamente nada de nadica..

O Decreto Legislativo só pode ser editado se for aprovado em plenário pela maioria dos vereadores, fora disso é só vontade do presidente da Casa em aparecer ridiculamente.

O mais depressível é o fato do vereador Raniere  tentar fazer media até na hora do falecimento da ex-governadora Wilma de Faria. O decreto do governador do RN ou do prefeito de Natal é que tem valor legal.. O máximo que o presidente da Câmara Municipal de Natal poderia expedir seria uma portaria interna, fora isso é marmota ‘sucupiriana’..

Só quem pode decretar monocraticamente são os chefes dos poderes executivos, ou seja, prefeito, governador ou presidente da República.

Fernanda Gentil fala da namorada: ‘Futebol é assunto em comum’

Fernanda Gentil e Priscila Montandon
Fernanda Gentil e Priscila Montandon (Instagram/Reprodução)

veja-logoApresentadora do Esporte Espetacular, da TV Globo, nesta semana a jornalista Fernanda Gentil passou a comandar também um programa no rádio, o Convocadas, mesa-redonda composta por mulheres que estreou na última terça-feira na Rádio Globo. Apesar de ter recebido um bom retorno do público na primeira edição – no rádio, o feedback é imediato –, Fernanda diz que rem como grande desafio controlar a mulherada, que gosta de falar. Nesse debate, aliás, ela não descarta incluir a namorada, a também jornalista Priscila Montandon, que “curte” futebol.

Se depender da relação das duas, o convite para Priscila pode pintar logo mais. Nesta semana, Fernanda dedicou a ela um autêntico textão no Instagram, em que agradece a Deus pelo namoro.  “Ela sempre tem tempo. Carinho. E cuidado – seja parente ou distante, rico ou pobre, seja humano, canino ou felino. Ela ama e diz que ama. Sente saudade e diz que tá com saudade. Fica brava e diz que tá brava, mas com uma doçura que não dá pra saber se realmente tá ou não tá. Mas tá. E é bom acreditar que tá!!! Ela não só ouve, mas escuta. Não só vê, mas olha. Quem conhece, sabe; ela olha nos olhos e só fala verdade”, escreveu no post, que termina lembrando do gênero da namorada. “E sempre que eu penso que é bom demais pra ser real, eu lembro: é uma mulher. E eu sei; esse é um grande porém. Mas se a gente se organizar, dá pra saber direitinho qual maquiagem é de quem. Então……. que mal tem?”

Ministro interino da Cultura envia carta a Temer pedindo demissão

Estadão Conteúdo

O ministro interino da Cultura João Batista de Andrade pediu demissão do cargo nesta sexta-feira. Ele enviou carta ao presidente Michel Temer comunicando sua decisão. Andrade responde pelo ministério desde maio, quando Roberto Freire pediu demissão após Temer ser acusado em delação premiada de Joesley Batista de receber propina da JBS.

A justificativa que ele apresentou é que de sua parte há desinteresse em ser efetivado no posto. Na carta, ele diz a Temer que está disposto a contribuir de forma proativa com a transição.

Antes de assumir o ministério interinamente, João Batista era secretário-executivo de Freire do ministério.

Filiado ao PPS, João Batista é escritor, roteirista e cineasta. Antes do ministério, foi nomeado secretário de Cultura do Estado de São Paulo em 2005 e, entre 2012 e 2016, exerceu a função de presidente da Fundação Memorial da América Latina (SP).

Janot volta a adiar entrega da denúncia contra Temer

Por Murillo Camarotto | Valor

BRASÍLIA  –  O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, adiou mais uma vez a apresentação da denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB).

Ele decidiu que entregará o pedido ao Supremo Tribunal Federal (STF) somente na última semana de junho, possivelmente no dia 26 ou 27.

Com isso, a denúncia deve contemplar o resultado da perícia que está sendo feita pela Polícia Federal no áudio que registrou uma conversa entre Temer e o empresário Joesley Batista. O laudo do Instituto Nacional de Criminalística será concluído na semana que vem.

Reuniões entre Temer e chefe da Abin disparou na crise

Sergio Westphalen Etchegoyen, toma posse como ministro-chefe da Secretaria de Segurança Institucional, em cerimônia realizada em Brasília (DF) - 12/05/2016

Por Mauricio Lima

Radar On-Line

Acusado de mobilizar a Abin para espionar o ministro Edson Fachin, conforme VEJA revelou, Michel Temer intensificou seus encontros com Sérgio Etchegoyen, ministro do Gabinete de Segurança Institucional, a quem a ABIN é subordinada, nos últimos tempos. Entre janeiro e abril, eles se encontraram apenas 3 vezes (menos de uma vez por mês). Em maio foram 7 os encontros. Na primeira semana de junho, mais quatro.

Em janeiro, Temer recebeu o general em apenas uma oportunidade, no dia 6. Eles só voltaram a se encontrar oficialmente no dia 13 de março, em reunião com Eliseu Padilha, Raul Jungmann e Osmar Serraglio, e no dia 14 de março, sozinhos novamente.

Abril passou e eles não se encontraram. As reuniões deixaram de ser esparsas em maio, mês em que estourou o escândalo Joesley Batista.

Nos dias 11 e 26, consta na agenda do presidente reunião com o “Gabinete de Segurança Institucional”. Já nos dias 19 e 22, eles se encontraram sozinhos no Jaburu, rapidamente.

No começo do ano, Etchegoyen dificilmente participava de reuniões com vários ministros, mas em dois dias seguidos (24 e 25 de maio) a reunião contou também Raul Jungmann, Moreira Franco, Antônio Imbassahy e Eliseu Padilha.

Para fechar aquele mês movimentado, Temer ainda marcou uma reunião à portas fechadas no domingo (28) com Etchegoyen.

Neste mês, o ritmo de encontro entre eles segue agitado. Em apenas uma semana, se reuniram 4 vezes. No dia 5, com diversos outros ministros; no dia 7, a sós; no dia seguinte, Raul Jungmann participou do encontro; e no dia 9 foi a vez de Eliseu Padilha ser atualizado do que quer que seja por Etchegoyen.

Sem dúvida, Etchegoyen passou a integrar o núcleo duro de Temer nos últimos meses, frequentando, inclusive, conversas importantes no Jaburu.

‘A sensação é de que o crime compensou’, diz Flávio Rocha

“Essa cumplicidade surpreendente do (Rodrigo) Janot com o (empresário) Joesley Batista” denuncia Flávio Rocha
Resultado de imagem para Flavio Rocha Aécio Neves
Flavio Rocha recebendo Aécio Neves em sua fabrica em Natal

Fernando Scheller/São Paulo

Um dos empresários que capitanearam o movimento em defesa do impeachment de Dilma Rousseff, no ano passado, o presidente da Riachuelo, Flávio Rocha, afirma que a delação da JBS, que jogou o governo Michel Temer em uma crise política e colocou em risco a aprovação das reformas previdenciária e trabalhista, é uma prova de que o crime, nesse caso, compensou.

Segundo Rocha, o fato de os irmãos Batista terem saído livres ao denunciar figuras como o Temer e o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi uma vitória da ala da sociedade que ele classifica de antirreformista – grupo em que inclui empresários alçados à categoria de “campeões nacionais” no governo Lula.

Leia os principais trechos da entrevista:

O sr. acha que as reformas ainda têm chance de sair?

Sim, as reformas têm chance de sair. Dados extremamente positivos estão sendo divulgados. Depois de 24 meses, tivemos o primeiro número realmente positivo do varejo nessa semana (o varejo teve o melhor resultado para abril em 9 anos). Acho que a crise política está se descolando da economia.

Pelo menos as reformas trabalhista e previdenciária saem?

Talvez a reforma previdenciária saia já muito combalida, muito fragilizada. Será preciso se retomar esse assunto em 2018 e 2019. Já a reforma trabalhista traz um grande avanço, principalmente para varejo e serviços, que tinham mais dificuldade com uma legislação de DNA exclusivamente industrial e de 70 anos atrás.

Mas não houve um retrocesso? A aprovação não está menos garantida?

Realmente foi um retrocesso, porque hoje temos três grupos bastante atuantes: os reformistas, que querem a solução estrutural definitiva; os jacobinos, que não querem resolver o problema, querem só vingança e acham que a corrupção se vence na questão policial; e os antirreformistas. Essa cumplicidade surpreendente do (Rodrigo) Janot com o (empresário) Joesley Batista representa a união de dois grupos que não estavam unidos até então. São os antirreformistas com os jacobinos. Isso isola os reformistas, é muito preocupante.

E o fato de os delatores da JBS terem saído livres? Isso incomoda o sr.?

Sem dúvida, porque são crimes muito sérios. Eu acho que isso que dá sensação de que toda essa articulação saiu vitoriosa.

 

Janot deverá ser atropelado por Dodge

 

 

Resultado de imagem para raquel dodge
Raquel Dodge

A prima Mônica Bergamo diz em sua prestigiada coluna na Folha de São paulo que Raquel Dodge é a quem tem mais chance de ser indicada por Michel Temer para o comando da PGR (Procuradoria-Geral da República) entre os cotados para integrar a lista tríplice da categoria.

Além de adversária de Rodrigo Janot, ela seria a primeira mulher a assumir a PGR.

Segundo Bergamo, Temer pode, no entanto, optar por ignorar simplesmente a lista tríplice, enterrando a tradição inaugurada por Lula de nomear o mais votado pelos procuradores. A opção está em análise no governo.

 

Está certíssima: Educadora e vereadora Eleika acha ‘absurda’ autonomia financeira da Uern

Com larga atuação na área educacional e em seu segundo mandato consecutivo na Câmara Municipal do Natal, a vereadora Eleika Bezerra (PSL) é peremptoriamente contra qualquer arremedo ou projeto de autonomia financeira da Universidade do Estado do RN (UERN). Para ela, não é papel do governo estadual bancar a instituição.

Eleika tem larga trajetória na educação (Foto: CMN)

Nas redes sociais, Eleika diz que é “um absurdo a Uern querer autonomia financeira!”. Lembrou que “a competência dos Estados é com a educação básica (0 aos 17 anos) e especificamente com o ensino médio (15 aos 17 anos). Educação básica é tão básica que se chama básica! Quais as explicações para o Estado do RN oferecer ensino superior (graduação e pós graduação) se oferece o segundo pior ensino médio do Brasil?!”

Federalização

“A Uern há muito deveria ter sido federalizada.Será que o RN – sobretudo sua classe política – não enxerga o absurdo de um estado pobre manter uma universidade?!”, insistiu

A vereadora assinalou, que estudos mostram que “apenas 30% da população brasileira lê plenamente (interpreta, analisa, sintetiza)”. Acrescentou ainda que “esse absurdo também pode ser visto no município de Natal quando oferece bolsas para o ensino superior e submete a população infantil a um estranho sorteio.”

Trilha na educação

No segundo governo de José Agripino, entre 1990 a 1994, a professora Eleika exerceu o cargo de Secretária-adjunta de Educação. Na Prefeitura do Natal, ela esteve à frente da pasta da Educação em 1999 e da Ielmo Marinho em 2005. Foi eleita à  Câmara Municipal do Natal em 2012 (PSDC) e reeleita ano passado com 3.758 votos.

Ela adotou a doação integral dos seus subsídios de vereador para entidades filantrópicas e educacionais, como uma de suas referências de atuação política.

Fonte: blogcarlossantos.com.br

Deu em Mônica Bergamo: Governo estuda aumentar limite de US$ 500 para compras em free shops

Resultado de imagem para free shopsO governo federal discute a possibilidade de aumentar o valor máximo de isenção para gastos em free shops por quem desembarca de voos internacionais nos aeroportos brasileiros.

O limite atual, de US$ 500, é o mesmo desde 1991.

A Dufry, que opera 33 lojas do tipo nos maiores terminais do país, pediu ao Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços apoio à proposta de dobrar a cota para as compras.

Presidente do grupo para a América do Sul, Humberto Mota esteve com o titular da pasta, Marcos Pereira, para tratar do tema.

 A rede diz que o aumento da cota vai trazer um acréscimo de R$ 320 milhões em tributos que incidem sobre o faturamento das lojas.

Como contrapartida, a Dufry se dispôs a colocar em suas 2.700 unidades instaladas em 65 países uma seção exclusivamente para produtos do Brasil.

 O ministro Marcos Pereira decidiu apoiar a proposta, mas falta agora driblar a resistência da Receita Federal, que não quer abrir mão da arrecadação de impostos sobre os produtos vendidos.

Em nota o governador Robinson Faria diz sobre Wilma: “Sou parte de uma geração de políticos que muito aprendeu com ela”

Resultado de imagem para robinson faria e WilmaConfira a nota na íntegra:

Com profundo sentimento venho me somar aos familiares, amigos e admiradores da vereadora e ex-governadora Wilma de Faria, falecida hoje, nesse momento de perda irreparável. Dona Wilma, como carinhosamente passou a ser chamada pelo povo do Rio Grande do Norte, deixará enorme lacuna na vida pública do nosso estado.

Sou parte de uma geração de políticos que muito aprendeu com ela, a partir da sua coragem, da inteligência emocional para tomar decisões importantes, da sua abnegação por servir ao povo e do espírito público exemplar. O político britânico Thomas Paine, um dos fundadores da Democracia americana, dizia que admirava aqueles que conseguem sorrir com os problemas, reunir forças na angústia e ganhar coragem na reflexão. 

Insiro o perfil de Dona Wilma na declaração de Paine; ela foi exatamente isso em vida, uma figura destemida, cerebral e com capacidade de superar problemas, que fossem políticos ou pessoais.  Em ninguém coube melhor o apelido de guerreira.Tínhamos nossas diferenças, coisa normal na atividade política, mas também dividimos grandes momentos de parceria e aliança, de onde nasceu uma boa amizade e uma admiração mútua.  Sua morte provoca um vazio na vida política e social do Rio Grande do Norte. 

Que Deus conforte a todos e a receba em sua eterna misericórdia!

Robinson Faria
Governador do Rio Grande do Norte