Procurador Dallagnol pede para empresa retirar da internet perfil em que vendia palestra dele por R$ 40 mil

Procurador da República, Deltan Dallagnol durante coletiva de imprensa em Curitiba - 30/03/2017

veja-logo

“Os brasileiros se acostumaram a ver pela TV o procurador longilíneo, de bochechas rosadas, cabelo bem aparado, óculos de aro fino e trajado de terno preto quando irrompe um novo ato bombástico da operação – o mais recente foi a denúncia contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”.

É assim que uma empresa de agenciamento de palestras de São Paulo, a Motiveação, apresentava o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da força-tarefa da Operação Lava Jato na primeira instância, em Curitiba.

Segundo o site, cada palestra custa de R$ 30 mil a R$ 40 mil, mesmo preço estipulado para outros agenciados pela empresa, como o cineasta Fernando Meirelles, o técnico de vôlei José Roberto Guimarães, o ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco, o ex-jogador Cafu e o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Ayres Britto.

O mesmo texto continua: “Descrito por amigos como metódico, carinhoso e sossegado, Dallagnol muda de estilo quando sobe no skate ou pega uma prancha. Em 2014, no início da Lava Jato, viajou para surfar na Indonésia. Desde então, sua única praia é a investigação que desbaratou o esquema de desvio de recursos na Petrobras”.

Petrobras aprova acordo para encerrar ação judicial nos Estados Unidos

Cristina Índio do Brasil – Repórter da Agência Brasil

O Conselho de Administração da Petrobras aprovou hoje (19) a celebração de um acordo para encerrar uma ação individual proposta perante a Corte Federal da Pensilvânia, nos Estados Unidos, por um grupo de afiliadas do The Vanguard Group. De acordo com a nota divulgada pela estatal, o Vanguard é um dos maiores acionistas da petroleira, após a União Federal e entidades relacionadas. As ações judiciais são de investidores que se sentiram prejudicados após as denúncias do esquema de corrupção apuradas pela Operação Lava Jato.

A companhia já havia concluído acordos, entre outubro de 2016 e fevereiro de 2017, para encerrar outras 19 ações individuais apresentadas perante a Corte Federal de Nova York, também nos Estados Unidos.

Ainda conforme a Petrobras, um total de 27 ações individuais foram consolidadas, para fins de julgamento, em conjunto com uma ação coletiva (class action) na Corte Federal de Nova York. A ação judicial do Vanguard era a única proposta fora daquela cidade.

Para cobrir os valores correspondentes aos acordos realizados e as negociações em curso, o total de provisões estimado atingiu US$ 445 milhões para o 2º trimestre de 2017. Desse valor, segundo a estatal, já tinham sido provisionados US$ 372 milhões no exercício de 2016.

A Petrobras informou que, no momento, não é possível fazer uma estimativa confiável sobre o desfecho da class action.

“Esses acordos, cujos termos são confidenciais, têm como objetivo eliminar incertezas, ônus e custos associados à continuidade dessas disputas e não constituem qualquer reconhecimento de responsabilidade por parte da Petrobras, que continuará se defendendo firmemente nas demais ações em andamento”, completou a empresa.

Cheques de R$ 500 mil da OAS e JBS passaram por Temer para financiar campanha de Henrique Alves

A Globonews colocou no ar reportagem em que mostra os dois cheques de R$ 500 mil, que foram destinados a Henrique Eduardo Alves, atualmente preso por desvio de verbas das obras da Arena das Dunas, em Natal.

Os valores fazem parte dos depósitos da OAS e da JBS na conta de campanha de Michel Temer, para a qual as duas, somadas, doaram R$ 11 milhões, entre os R$ 20 milhões arrecadados, no total, pelo então candidato a vice-presidente.

A doação, direta, a Temer, desmente o discurso de que Temer sempre considerou Joesley um “notório bandido”

As contas de Michel Temer não foram apresentadas separadamente ao Tribunal Superior Eleitoral, mas somadas à conta da chapa presidencial. Mas quase todo o dinheiro foi direcionados aos seus “homens de confiança”, Henrique Alves e Rocha Loures, entre outros.

Investigação da PF conclui que houve corrupção em caso de Temer e Loures, diz a Folha de São Paulo

PODER - O Presidente Michel Temer durante cerimonia de lançamento do Plano Agricola e Pecuario de 2017/2018. Enquanto isso ocorria a segunda sessão do julgamento da cassação da chapa Dilma/Temer - 07/06/2017 - Foto - Marlene Bergamo/Folhapress - 017 -CAMILA MATTOSO
LETICIA CASADO
DE BRASÍLIA

Relatório preliminar da Polícia Federal referente à investigação sobre o presidente Michel Temer e seu ex-assessor Rodrigo Rocha Loures concluiu que houve a prática de corrupção passiva, segundo a Folha apurou.

As informações foram entregues ao STF (Supremo Tribunal Federal) nesta segunda-feira (19) e ainda não foram divulgadas pelo tribunal.

Não está claro ainda qual o papel que a polícia atribui a cada um dos investigados.

Segundo a Folha apurou, o documento é “conclusivo” sobre o crime cometido.

A PF pediu, porém, mais cinco dias ao ministro Edson Fachin para finalizar as investigações e apresentar o laudo da perícia das gravações de conversas feitas por Joesley Batista, um dos donos da JBS.

A polícia aguarda esse resultado para concluir se houve também a prática de obstrução de Justiça.

Procurada pela reportagem, a PF não se manifestou sobre o assunto. As assessorias de Temer e Loures não comentaram o relatório até agora.

Ao todo, os peritos analisam quatro áudios, um deles de um diálogo do empresário com Temer, no Palácio do Jaburu, em 7 de março.

No pedido de abertura de inquérito, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, afirmou, também com base na gravação, que o presidente deu anuência para a compra de silêncio do ex-deputado Eduardo Cunha e seu operador Lucio Funaro, ambos presos.

A gravação, porém, não havia passado por perícia da PF, que agora já identificou trechos que antes estavam inaudíveis, segundo a Folha apurou.

Após a conclusão do inquérito, caberá ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot, decidir se denuncia ou não Temer e Loures ao Supremo. A expectativa é que ambos sejam alvo de denúncia da PGR até a semana que vem.

Na avaliação dos investigações, a corrupção passiva está ligada à mala de propina de R$ 500 mil entregue a Loures pela JBS. O ex-assessor, que devolveu o dinheiro após a revelação do caso, está preso na carceragem da PF em Brasília.

Para concluir que houve a prática de corrupção passiva no episódio, a PF se baseou em dois laudos periciais sobre conversas entre o ex-assessor e Ricardo Saud, lobista da J&F.

O prazo dado por Fachin para o inquérito ser finalizado se encerrou neste domingo (18) – sendo esta segunda-feira o primeiro dia útil, quando a conclusão deveria ser entregue.

O ministro é o relator da Lava Jato no Supremo, responsável também por casos ligados à delação da JBS, homologado por ele em abril.

O procurador-geral Rodrigo Janot apresentou manifestação também nesta segunda sobre um pedido feito pela defesa de Temer para arquivar o inquérito. No documento, ele afirmou que vai analisar a solicitação depois de receber todas as informações da PF.

RN sangrando: feriado e FDS de Corpus Christi com 25 homicídios no RN, aponta OBVIO

RN sangrando VIOLENCIA 1
O OBVIO – Observatório da Violência Letal Intencional do RN, apresenta uma nova atualização de CVLIs, no período compreendido entre 1 de janeiro a 18 de junho de 2017 comparado ao mesmo período dos anos de 2015 e 2016.
O RN contabiliza mais um fim de semana violento. No cômputo geral, até o fim da noite de ontem (18/06/2017) foram 1142 CVLIs no RN. Os dados apontam para um aumento de 26,5% em relação a 2016. Os dados absolutos demonstram 239 mortes violentas a mais que no ano passado no mesmo período. Em 2016, até o mesmo período, foram 903 CVLIs, contra 746 em 2015 e 828 em 2014.

 

No comparativo dos feriados de Corpus Christi dos anos anteriores, 2017 teve 25 CVLIs, contra 27 em 2016 e 15 em 2016. Uma redução de menos de 10% em relação ao mesmo feriado, mas apontando crescimento das ocorrências principalmente no Sábado e Domingo pós Corpus Christi.
Das vítimas de CVLIs deste FDS no RN, 25 (100%) foram homens.

EUA: 50 milhões de dólares por um lugar no Congresso

Resultado de imagem para candidato democrata Jon Ossoff,AFP

Uma eleição legislativa nesta terça-feira no distrito historicamente republicano que poderia passar para as mãos dos democratas em um subúrbio de Atlanta, no estado da Geórgia, será um teste para as eleições parciais nos Estados Unidos.

Até agora, a campanha mais cara para conquistar um lugar na Câmara de Representantes havia custado 20 milhões de dólares.

Entretanto, a recente renúncia de um representante que foi eleito na Geórgia e que se uniu ao governo de Donald Trump fez que os democratas vissem a oportunidade de encher a circunscrição de propaganda, aumentando essa conta para mais 50 milhões de dólares, segundo o jornal local Atlanta Journal-Constitution.

O gasto total chega a US$ 59,6 milhões, segundo a associação Issue On, com uma vantagem de vários milhões de dólares dos democratas.

Isso foi traduzido em uma avalanche de publicidade na televisão, nas rádios e por cartas a domicílio.

As doações chegaram de todo o país para o jovem candidato democrata Jon Ossoff, de 30 anos, um ex-companheiro parlamentar que foi promovido por seu partido e que há vários meses está no centro da atenção nacional.

No dia 18 de abril esteve perto de ganhar o primeiro turno com 48% dos votos, irritando os republicanos que mantiveram este lugar sob suas siglas há quase 40 anos.

O segundo turno é entre Ossoff e a ex-secretária de Estado na Georgia Karen Handel, de 55 anos, que arrecadou menos dinheiro do que ele, mas recebeu o apoio financeiro das principais organizações nacionais republicanas.

Para os democratas, uma vitória nesta terça-feira elevaria a moral de um partido ainda atingido pela derrota de Hillary Clinton.

Os democratas têm o ambicioso objetivo de conseguir a maioria na Câmara de Representantes durante as eleições intermediárias de novembro de 2018.

A nova estratégia do Partido Democrata é ganhar terreno nos bastiões republicanos para diminuir a popularidade do presidente dos Estados Unidos, cuja aceitação caiu para 40%.

“Se o Partido Democrata quer melhorar, terá que fazer uma grande mobilização em nível local nos 50 estados do país”, insistiu neste domingo Bernie Sanders, o candidato da esquerda dos democratas nas primárias presidenciais do ano passado.

BNDES aprova financiamento de R$ 1 bi para parques eólicos na Bahia e no Ceará Agência Brasil; zero para o RN

Resultado de imagem para parque éolico cearáO Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou financiamento de R$ 1,037 bilhão para construção de três parques eólicos nos estados da Bahia e do Ceará, com potência total de 311,3 megawatts (MW).

Os tomadores do empréstimo são os grupos EDF, ENEL e Aliança, esta última subsidiária da Vale e da Cemig Geração e Transmissão.

De acordo com o BNDES, os mpreendimentos darão prioridade à utilização de equipamentos nacionais e deverão gerar em torno de 3 mil empregos diretos e indiretos durante as obras. Os parques eólicos serão construídos nos municípios de Mulungu do Morro e Campo Formoso, na Bahia; e de Icapuí, no Ceará.

As condições financeiras do banco para o setor eólico envolvem apoio de até 70% dos itens financiáveis, com custo 100% vinculado à Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), praticada nas operações da instituição. Além disso, o BNDES poderá avaliar a subscrição de até 100% de debêntures de infraestrutura emitidas pelo projeto.

Força-tarefa da Lava Jato pede sequestro de imóveis das filhas de Palocci

Antonio Palocci é réu em duas ações penais da Operação Lava Jato na Justiça Federal em CuritibaAntonio Cruz/Agência Brasil

A força-tarefa de procuradores que atuam na Operação Lava Jato  pediu ao juiz Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, o sequestro de bens de duas filhas do ex-ministro Antonio Palocci . O pedido é assinado pelo procurador Januário Paludo, segundo o qual as investigações da Lava Jato apontaram “possíveis atos de lavagem de dinheiro mediante aquisição de bens imóveis em favor de Carolina Silva Palocci e Marina Watanabe”, filhas do ex-ministro dos governos Lula e Dilma.

De acordo com o Ministério Público Federal, Carolina e Marina compraram, entre 2014 e 2015, dois apartamentos em regiões nobres da capital paulista com recursos doados por Antonio Palocci . Os repasses de R$ 2,8 milhões a Carolina e de R$ 1,5 milhão a Marina seriam provenientes do total de R$ 32 milhões recebidos em propina pelo ex-ministro entre os anos de 2010 e 2011, conforme os investigadores.

”Acabamos com os favores”, diz Temer em referência a Joesley Batista

Temer está cumpre agenda oficial em viagem à Rússia / Foto: ReproduçãoNuma série de vídeos publicados no Twitter, o presidente Michel Temer alertou para a importância da independência e harmonia entre os poderes e fez uma crítica indireta ao empresário Joesley Batista, que o colocou na mira de um inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF).”Acabamos com os favores que privilegiavam algumas poucas empresas” disse o político antes de afirmar conhecer “o roteiro” para a justificativa de crimes. Temer também garantiu que os criminosos “não ficarão impunes” e já entrou nesta segunda-feira (19) com duas ações judiciais contra o dono da JBS.
Temer não mencionou o nome do empresário Joesley Batista, dono do grupo J&F.