Arquivo diários:02/06/2018

Time que joga contra Croácia é o melhor no momento, diz Tite

Por Aécio Amado – Repórter da Agência Brasil  Brasília

Com Neymar no banco e Thiago Silva vestindo a camisa de número dois, que pertencia ao lateral Daniel Alves, cortado após uma lesão no joelho, a Seleção brasileira faz neste domingo (3), no estádio Anfield Road, em Liverpool, na Inglaterra, um jogo amistoso contra a Croácia. O objetivo é testar a equipe para saber as reais condições para a estreia na Copa do Mundo Rússia 2018, no dia 17, diante da seleção suíça, em Samara. O amistoso será às 11h (horário de Brasília).

De acordo com Tite, se a Copa começasse hoje, a equipe formada por Alisson, Danilo, Thiago Silva, Miranda e Marcelo; Casemiro, Fernandinho e Paulinho; Willian, Phillipe Coutinho e Gariel Jesus; seria a titular. O treinador explicou que, no momento, esses jogadores são os melhores.

Sobre a ausência de Roberto Firmino na equipe titular, que fez um excelente campeonato inglês e uma Liga dos Campeões de qualidade pelo Liverpool, Tite reconheceu o atual momento do jogador, mas que Gabriel Jesus está “arrebentando”. O importante, segundo o treinador, é que Firmino vem colocando “pressão”, ou seja, trabalhado com intensidade pela titularidade, e a qualquer momento pode ser escalado.

Treino

Seleção faz treino antes de amistoso no estádio Anfield Road, em Liverpool
Seleção faz treino antes de amistoso no estádio Anfield Road, em Liverpool – Lucas Figueiredo/CBF/Direitos Reservados

Na tarde deste sábado, os jogadores fizeram um reconhecimento de campo no Anfield Road. Em treino de pouco mais de uma hora, foram trabalhadas jogadas de bola rolando e também cobranças de falta e escanteios.

Tite destacou a importância de os treinamentos serem realizados com excelência, com os jogadores exigindo cada vez mais de si mesmos, competindo lealmente pela vaga de titular. “Tem que ser assim, senão você não prepara. Ah, mas corre o risco de machucar? Corre. O risco de machucar ele [jogador] corre mais em se poupar, do que em fazer os movimentos naturais se tiver competitivo”, disse.

Eleições suplementares: Rafael Motta leva apoio do PSB a candidatos em três municípios

Presidente estadual do PSB, o deputado federal Rafael Motta participou do encerramento das campanhas em três das cidades do Rio Grande do Norte que vão realizar neste domingo (3) eleição suplementar para o cargo de prefeito.

Os compromissos iniciaram ainda na quinta-feira (31), durante o feriado. O parlamentar visitou a cidade de São José de Campestre, onde participou do comício promovido pelo candidato a prefeito Luciano (PRB) e o vice Afrísio Neto (PSB). Motta destacou a importância da eleição da chapa que disputa o pleito municipal.

Já nesta sexta-feira (1º), o deputado esteve em Pedro Avelino, ao lado do candidato a prefeito doutor Alexandre Sobrinho e seu vice, Elson Trindade, onde foram recebidos nas ruas da cidade pela grande presença da população que apoia a candidatura.

Ainda em Pedro Avelino, Rafael Motta encontrou com os vereadores Josimar Lopes, do PSB, e Júnior Alcântara, ambos da cidade de Ipanguaçu.

O segundo município visitado nesta sexta foi João Câmara. Lá, o presidente estadual do PSB levou o apoio do partido a candidatura de Lana Leite a prefeita e Raimundo de Miranda a vice.

No município, o presidente estadual do PSB foi recebido pela vereadora Aíze, importante liderança política da região.

 

 

Parece brincadeira: mais um aumento da gasolina neste sábado (2)

FOLHA DE SÃO PAULO

A Petrobras anunciou que aumentou o preço da gasolina nas refinarias para R$ 2,0113 a partir deste sábado (2), o que representa um aumento de 2,25%.

A última alta veio em 31 de maio, quando o preço subiu de R$ 1,9526 para R$ 1,9671. Antes disso, foram cinco quedas seguidas. Confira aquia tabela de preços.

Com a política de preços atual praticada pela Petrobras, os reajustes no preço da gasolina são diários, com base no valor praticado no mercado internacional.

A política foi questionada pelo governo e pelo Congresso durante a paralisação de caminhoneiros, na semana passada, o que levou ao pedido de demissão de Pedro Parente, presidente da estatal.

O preço do diesel, por outro lado, está congelado em R$ 2,0316, parte do pacote de medidas que Temer cedeu aos caminhoneiros.

Desde que a Petrobras adotou a sua nova política de preços, o valor dos combustíveis sofreu repique. A gasolina teve alta de 20%.

Tite se recusa a responder Diego e critica ação de patrocinador da CBF

Sandra Kelch/DivulgaçãoDanilo Lavieri e Dassler Marques

Do UOL, em Liverpool

Tite não quis entrar na polêmica criada por Diego. O treinador se recusou a responder o meio-campista do Flamengo, que disse que a seleção brasileira também perderia pela sua ausência na Copa do mundo.

Em longa entrevista coletiva de imprensa neste sábado (2), véspera da partida contra a Croácia, o comandante confirmou a equipe titular, explicou o motivo de deixar Neymar no banco e deu as razões para as saídas de Marquinhos e Renato Augusto da equipe que inicia o jogo.

Ao ser questionado sobre a declaração do meia, no entanto, ficou vários segundos em silêncio e preferiu ser evasivo. “Sobre a manifestação… Eu tenho uma série de itens para dar atenção dentro da equipe. Tenho responsabilidades. Quero ficar voltado aos meus jogadores”, falou.

Alguns minutos depois, Tite foi questionado em inglês sobre a ação do Mastercard, patrocinador da CBF (Confederação Brasileira de Futebol). A empresa prometeu doar 10 mil pratos de comida para entidades que dão assistência para crianças e pessoas carentes a cada gol de Neymar e Messi.

O comandante se preparou para responder até mesmo com algumas anotações e deixou uma sugestão. Na primeira semana de preparação da seleção, na Granja Comary, o Mastercard havia colocado uma bandeira de apoio à seleção com mensagens de torcedores.

“Mastercard, eu vou falar uma coisa. É muito bonita essa doação em relação à entidade assistencial. É linda e grande. Assim como é grande também vocês darem pratos se todos os atletas da Argentina e do Brasil marcassem um gol. A gente trabalha enquanto equipe e com todos esses valores pode frustrar um pouquinho. Fica a minha sugestão”, afirmou.

Primo xerife Robson Pires diz que o prefeito de Extremoz está celebrando “contratos milionários”

O jornalista e blogueiro Robson Pires chamou atenção dos leitores do seu prestigiado blog para o contrato entre a Prefeitura de Extremoz e as empresas de terceirização de mão de obra no valor de R$ 10 milhões..

Uma das empresas, a JMT está sendo investigada pela Polícia Federal..

O prefeito Joás Oliveira vem sendo acusado nas redes sociais pelos adversários de enriquecimento repetindo apos sua posse como chefe do executivo de Extremoz..

O grude é grande.. 

Memória do Blog do Primo

Inauguração do  Instituto Presidente Kennedy, pelo governador Aluízio Alves em 22 de novembro de 1964, contanto com a presença do irmão do presidente John Kennedy, o então senador Robert Kennedy.

Na foto: Cloves Motta e Monsenhor Walfredo Gurgel, eleitos vice-governador e governador do RN, o líder Politico e deputado estadual do Vale Açu Olavo Montenegro, senador Robert Kennedy, assassinado  por tiros no Hotel Ambassador, em Los Angeles efetuados pelo jovem palestino Sirhan Sirhan, de 22 anos, e o então governador Aluízio Alves já no final do seu governo.

Confira a placa registrando a inauguração: Resultado de imagem para Inauguração do Instituto Kennedy em natal RN

 

Eleitores de 20 municípios voltam às urnas neste domingo

Cerca de 1,5 milhão de eleitores voltam às urnas neste domingo (3) para eleger os chefes do Poder Executivo no estado do Tocantins e em 20 municípios de nove estados. Denominadas suplementares, as novas eleições ocorrem em razão de decisões da Justiça Eleitoral que afastaram os mandatários anteriores dos cargos por indeferimento do registro de candidatura ou cassação do mandato. Em todas as cidades onde haverá pleito suplementar, a votação ocorrerá das 8h às 17h, no horário local.

No Tocantins, o novo pleito foi organizado depois que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) cassou, em 22 de março deste ano, os mandatos do governador, Marcelo Miranda (MDB), e de sua vice, Cláudia Lélis (PV), por arrecadação ilícita de recursos para a campanha de 2014.

Os municípios que terão novas eleições para prefeito e vice-prefeito são os seguintes: Jeremoabo (BA), Pirapora do Bom Jesus, Bariri e Turmalina (SP), Umari, Tianguá, Frecheirinha e Santana do Cariri (CE), Teresópolis (RJ), Bom Jesus (RS), Niquelândia (GO), Vilhena (RO), Guanhães, Ipatinga e Pocrane (MG), João Câmara, Pedro Avelino, São José do Campestre, Parazinho e Galinhos (RN).

Saiba quem é Ivan Monteiro, o novo presidente da Petrobras

NICOLA PAMPLONA

A escolha de Ivan Monteiro para comandar a Petrobras indica que o governo tem percepção de que precisa manter na estatal um nome com apoio do mercado financeiro. Monteiro esteve à frente de ajuste das finanças da companhia após a crise gerada pelo esquema de corrupção investigado pela Operação Lava Jato.

Folha apurou que a indicação foi bem recebida na estatal, por ser sinal de continuidade das políticas em curso. Pelo mesmo motivo, foi criticada por sindicatos que pediam a cabeça de Pedro Parente.

Ivan monteiro usa terno preto com gravata azul e camisa branca. Ele também está com óculos de grau quadrado, com armação preta
O novo presidente da Petrobras, Ivan Monteiro – Alan Santos/PR/Folhapress

Monteiro foi levado à Petrobras ainda na gestão Dilma Rousseff por Aldemir Bendine, ex-presidente da estatal e do Banco do Brasil condenado em janeiro pelo juiz Sergio Moro por corrupção.

Engenheiro eletrônico, ele fez carreira no Banco do Brasil, onde se tornou o braço direito de Bendine. Na Petrobras, chegou a ser apontado internamento como o principal gestor da companhia, enquanto seu chefe era criticado por passar poucos dias da semana na sede da empresa.

Quando Monteiro chegou na diretoria financeira da Petrobras, em fevereiro de 2015, a empresa ainda enfrentava dificuldades para fechar o balanço de 2014 por resistência dos auditores independentes em aprovar fórmula de cálculo das perdas com a corrupção.

Ele é apontado por analistas como o principal responsável por tirar a Petrobras da encruzilhada em que a empresa estava no início de 2015, correndo o risco de sofrer resgate antecipado de dívidas por falhar em cumprir prazos legais para a entrega de documentos financeiros.

Sob seu comando, a companhia iniciou um programa de gestão de dívidas, empurrando para meados dos anos 2020 parte do excessivo volume de vencimentos, cuja concentração no final desta década chegou a levantar boatos de necessidade de aporte de recursos para evitar a falência.

Além disso, promoveu grandes baixas contábeis em valores de ativos da estatal, considerando o cenário de preços de petróleo mais baixos e revertendo avaliações exageradas feitas quando os processos foram aprovados em gestões petistas.

Ainda com Bendine, deu início ao primeiro grande plano de venda de ativos da estatal, com a meta de vender US$ 15,1 bilhões entre 2016 e 2018 – o resultado final foi um pouco menor, US$ 13,6 bilhões.

Com a chegada de Parente, foi convidado a permanecer no cargo, assim como boa parte da diretoria montada por Bendine. Apesar da condenação do ex-chefe, não tem contra si nenhuma acusação de crimes nem na Petrobras nem no BB.

Para os sindicatos de petroleiros, porém, o nome representa continuidade com o que chamam de “desmonte da Petrobras”. “Eles não iriam indicar alguém que não tivesse o mesmo pensamento do que o Pedro Parente. Acho que a política [de venda de ativos] se mantém”, comentou José Maria Rangel, coordenador da Federação Única dos Petroleiros.

FOLHA DE SÃO PAULO

FOLHA DE SÃO PAULO: Ditadura abafou apuração de corrupção dos anos 70, revelam documentos britânicos

Papéis detalham como Brasil chegou a abrir mão de indenização por compra superfaturada de navios

Daniel Buarque

LONDRES

Documentos confidenciais históricos do governo do Reino Unido revelam que a ditadura brasileira atuou para abafar uma investigação de corrupção na compra de fragatas (navios de escolta) construídas pelos britânicos nos anos 1970. Os fatos narrados nos papéis ocorreram durante os governos dos generais Emílio Garrastazu Médici (1969-1974) e Ernesto Geisel (1974-1979).

Segundo os registros, em 1978 o Reino Unido estava disposto a investigar denúncia de superfaturamento na compra de equipamentos para a construção dos navios vendidos ao Brasil e se ofereceu para pagar indenização de pelo menos 500 mil libras ao Brasil (o equivalente a quase 3 milhões de libras hoje —ou R$ 15 milhões).

Em 1º plano, fragata União deixa base em Niterói para atuar no Líbano 
Em 1º plano, fragata União deixa base em Niterói para atuar no Líbano  – Pedro Carrilho – 6.out.2011/Folhapress

Em vez de permitir e ajudar no inquérito que seria do interesse do Brasil, o regime militar abriu mão de receber o valor e rejeitou os pedidos britânicos para ajudar na investigação —que foi recebido com estranheza em Londres.

“Os brasileiros claramente desejaram manter o assunto de forma discreta”, diz um dos documentos. “É evidente que eles não gostariam que mandássemos um time de investigadores e não iriam colaborar com um, se ele fosse. O embaixador concluiu que o risco de sérias dificuldades com as autoridades brasileiras, o que poderia ser levantado por uma investigação, não deve ser assumido”, diz outro trecho dos despachos diplomáticos a que a Folha teve acesso.

“Há um mistério até hoje não resolvido, e só agora revelado. Por que, diante de uma investigação detalhada ao Brasil, o governo brasileiro resolveu não apenas impedir a vinda de autoridades britânicas, como não quis o dinheiro que tinha líquido e certo para receber?”, questiona o pesquisador brasileiro João Roberto Martins Filho, responsável pela descoberta dos documentos.

Martins Filho é professor da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e desenvolveu
pesquisa nos arquivos da diplomacia britânica durante a ditadura brasileira durante período no King’s College de Londres.

Ele é autor do livro “Segredos de Estado: O Governo Britânico e a Tortura no Brasil (1969-1976)” (Ed. Prismas), em que revela a conivência do governo em Londres com a tortura no Brasil.

O caso dos navios está registrado em uma pasta de documentos diplomáticos intitulada “Alleged fraud and corruption by Vosper Thornycraft (UK) with government of Brazil”, que contém contém 139 páginas de registros históricos sobre o caso. A pasta foi fechada em 1978, e inclui documentos a partir de 1977.

Em entrevista à Folha, Martins Filho disse que teve primeiro contato com a pasta de documentos há dois anos, durante pesquisa em Londres, mas que só agora conseguiu finalizar a análise detalhada dos documentos. “Tem muito historiador que tem documentos que podem ser bombas, mas ninguém teve capacidade de analisar tudo até agora”, disse.

A denúncia revelada por ele diz respeito ao acordo firmado entre Brasil e Reino Unido em 1970 para a compra de seis fragatas, das quais quatro seriam construídas nos estaleiros da firma Vosper, no Sul da Inglaterra, e duas no Arsenal da Marinha do Rio de Janeiro (AMRJ).

O primeiro desses navios, a fragata Niterói, foi lançada ao mar em 8 de fevereiro de 1974 e incorporada a 20 de novembro de 1976. Ela foi seguida pelas fragatas Defensora, Constituição e Liberal. No Brasil, seriam construídas as fragatas Independência e a União.

Cada uma dessas fragatas tinha pouco mais de 129 metros de comprimento e capacidade para uma tripulação de 209 pessoas, com raio de ação de até 4.200 milhas náuticas. Elas continuam em uso pela Marinha brasileira.

FORÇA-TAREFA NO LÍBANO

Segundo o site da Marinha, no fim do ano passado, a Fragata União, por exemplo, regressou ao Brasil após capitanear a Força-Tarefa Marítima da Força Interina das Nações Unidas no Líbano. No início deste ano, a fragata Independência assumiu o lugar dela no país. Já a fragata Liberal foi recentemente aberta à visitação do público em Santa Catarina.

Segundo a investigação realizada em Londres nos anos 1970, o estaleiro britânico contratado para construir os navios pedia desconto aos fornecedores, que entregavam os equipamentos para a construção das fragatas, mas as notas fiscais saíam com o preço sem o desconto. “O equipamento era fornecido, mas não por aquele preço”, disse o professor.

Os documentos mostram que o governo inglês ficou preocupado porque depois do contrato se tornou o dono do estaleiro e recebeu a denúncia de fraude. Londres havia sido avalista de todas as notas do negócio, explicou Martins Filho, então o governo quis evitar ser acusado de ter responsabilidade.

“A coisa foi tão séria que chegou ao Ministro de Relações Exteriores e até mesmo ao primeiro-ministro James Callaghan”, disse Martins Filho.

Segundo ele, após uma reunião com o representante do governo brasileiro em Londres, entretanto, os britânicos se mostravam surpresos porque o Brasil não fez nenhuma menção de cobrar reparação pelo que foi desviado. Em determinado trecho, um documento da pasta indica que os brasileiros preferiam que o assunto seja “deixado de lado” o mais rapidamente possível.

“O governo inglês fica sem entender por que o governo brasileiro não queria receber de volta o valor numa ordem de 500 mil libras”, diz Martins Filho.

Correios devem demorar 15 dias para normalizar entregas

Agência Brasil

Os Correiros devem demorar cerca de 15 dias para conseguir normalizar as entregas atrasadas. Em função da falta de combustível e dos bloqueios nas estradas decorrentes da paralisação de 11 dias dos caminhoneiros, a empresa pública deixou de entregar cerca de 85 milhões de encomendas e mensagens nos últimos dias.

Em nota, a empresa garante que, desde o fim do movimento paredista, está reforçando as operações, convocando mutirões para distribuir as cargas no menor espaço de tempo possível.

Apesar disso, serviços com dia e hora marcados (Sedex 10, Sedex 12, Sedex Hoje, Disque Coleta e Logística Reversa Domiciliária) permanecem temporariamente suspensos. Os demais serviços de encomendas como o Sedex convencional e o PAC foram mantidos e tiveram apenas o prazo de entrega ampliado.

Segundo a empresa, em condições normais, são entregues aproximadamente 25 milhões de objetos por dia.