Arquivo diários:25/06/2018

Wilmistas descontentes com o ex-prefeito Carlos Eduardo Alves

Resultado de imagem para Wilma e Carlos Eduardo Alves
Para os wimistas, Carlos Eduardo Alves aproveitou-se do prestígio de Wilma

Wilmistas visitando o memorial da ex-governadora instalado num shopping do Natal reclamam da postura do ex-prefeito Carlos Eduardo Alves com relação a memória dela.

Para um wilmista não se justifica o fato do ex-prefeito que foi acolhido por Wilma quando traiu sua família para ser prefeito de Natal na condição de vice, não ter denominado nenhuma obra ou logradouro com o nome de Wilma de Faria.

Enquanto o x-prefeito Carlos Eduardo Alves esqueceu, o governador Robinson Faria lembrou-se de denominar o anel viário metropolitano de Natal de Wilma de Faria.

Wilma além de ter feito Carlos Alves prefeito no primeiro mandato, apoiou no segundo e foi sua vice-prefeita no terceiro mandato..

Brasil reconhece apátridas pela primeira vez na história e abre caminho para naturalização

POR ISABELLA MACEDO

Congresso em Foco

Nesta segunda-feira (25), Maha Mamo e sua irmã Souad, ambas filhas de sírios e nascidas do Líbano, entraram para a história brasileira por serem as primeiras pessoas apátridas reconhecidas pelo governo. As irmãs, refugiadas no Brasil há quase quatro anos, foram enquadradas na nova Lei da Migração, em vigor desde o fim do ano passado, e têm aberto o caminho para conseguir a nacionalidade brasileira, agora que foram formalmente declaradas sem pátria. O documento foi formalizado e será assinado em uma mesa redonda, a ser realizada no Ministério da Justiça nesta segunda-feira (25), sobre os desafios na implementação de políticas de proteção e integração de refugiados.

Em entrevista ao Congresso em Foco, Maha contou que soube que ela e sua irmã seriam reconhecidas como apátridas no último sábado (23). “A gente estava com uma esperança a mais, de naturalização mesmo, mas não deu desta vez. Mas tudo bem, esse é um passo muito grande. É uma conquista, uma vitória muito grande”, disse.

Como a Revista Congresso em Foco mostrou em sua última edição, Maha até os 26 anos de idade, nunca existiu oficialmente. Sua não-existência acabou a transformou em embaixadora do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur). Maha nasceu no Líbano, em 1988. Chegou ao Brasil em 2014 e, desde então, vive em Belo Horizonte, cidade que a acolheu desde o primeiro dia em solo brasileiro.

O reconhecimento como apátridas é o primeiro passo para que as irmãs sejam naturalizadas brasileiras. Ela explica que, pelas novas regras, a naturalização é permitida para aqueles que moram no Brasil há mais de dois anos, não tenham antecedentes criminais, a apatridia reconhecida e o Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe-Bras), prova que deve ser realizada em outubro. “Fazendo essa prova, já entra em processo de nacionalização”, diz ela.

Jacosagem política evangélica digna dos sabidões

Resultado de imagem para Antônio Jácome e Jacó JácomeComo diz o deputado estadual José Adécio ” político te que ter cara e lado”, os Jácomes querem ter uma cara e dois lados..

Os crentes Jácomes estão chegando no limite da perfeição quando o assunto é oportunismo politico..

O pai deputado federal Antônio Jácome filiou-se no Podemos, o filho deputado estadual Jacó Jácome filiou-se no PSD do governador Robinson Faria. Depois da eleição eles deixaram o PMN aderiram ao governo, mudaram de partido e indicaram cargos..

Agora, depois da desistência da reeleição do senador José Agripino, Antônio Jácome querendo ser senador, já anuncia sua traição ao governador apoiando o candidato ao governo Carlos Eduardo Alves. O mais interessante é que o deputado estadual Jacó Jácome, que é do PSD, já está anunciando que poderá votar no governador Robinson Faria..

O deputado Jacó votando em Robinson e o pai Antônio Jácome votando em Carlos Eduardo Alves é uma jacosacagem política nunca vista no RN..

Reforma trabalhista do deputado Rogério Marinho aumentou a desigualdade, dizem pesquisadores

Resultado de imagem para deputado Rogério Marinho
Rogério Marinho e Aécio Neves
Por Thais Carrança | Valor

SÃO PAULO  –  Ao completar seis meses em vigor, a reforma trabalhista tem impactado de maneira mais relevante setores marcados por baixos salários e alta rotatividade, como o comércio, aumentando a precarização para os empregados desse segmento, apontam pesquisadores da Unicamp, em artigo.

Publicado na semana passada no site “Brasil Debate”, o texto foi citado nesta segunda-feira (25) na rede social Twitter pelo ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, cotado para substituir Luiz Inácio Lula da Silva como candidato do PT à presidência nas eleições de outubro.

No artigo, os pesquisadores Barbara Vallejos Vazquez, Euzebio Jorge Silveira de Sousa e Ana Luíza Matos de Oliveira, do programa de pós-graduação em Desenvolvimento Econômico da Unicamp, analisam os efeitos da reforma trabalhista, que entrou em vigor em novembro do ano passado, em três aspectos: o nível de emprego formal, as demissões por comum acordo e o trabalho intermitente.

Quanto ao nível de emprego celetista, os pesquisadores destacam que a tímida recuperação de 2018, com a criação líquida de 311 mil empregos formais até abril, “está longe de significar recomposição do estoque de empregos”. Segundo os especialistas, o estoque de empregos formais chegou a 41,3 milhões de postos em setembro de 2014, nível máximo da série, caindo para 38,2 milhões em abril de 2018.

Quanto à variação do saldo de emprego nas regiões do país entre janeiro e abril deste ano, os pesquisadores destacam que o Nordeste é a única região que apresenta saldo negativo de emprego formal (-0,61%) e o Norte apresentou crescimento inexpressivo (0,04%), enquanto o Sudeste (0,98%), Sul (1,72%) e o Centro-Oeste (1,87%) tiveram variações positivas no saldo de empregos formais.

“Considerando-se que o estoque de empregos formais é muito maior nos Estados do Sudeste e Sul, e estas regiões registraram crescimento no acumulado do ano, verifica-se uma ampliação da desigualdade regional na geração de empregos formais no país”, escrevem os pesquisadores.

Eles mesmos ressaltam, porém, que “a reforma trabalhista entra em vigor em um período de profunda crise econômica e persistente piora nos indicadores do mercado de trabalho, o que dificulta a distinção entre fenômenos associados aos reflexos da reforma daqueles associados à recessão na economia brasileira”.

A reforma trabalhista criou a figura da demissão por comum acordo, que autoriza a extinção do contrato de trabalho mediante pagamento pela empresa de apenas metade do aviso prévio e metade da indenização sobre o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Já o funcionário pode sacar até 80% do FGTS, mas não tem direito ao seguro-desemprego.

Os pesquisadores destacam que, de janeiro a abril, já foram realizados 52,9 mil desligamentos nesta modalidade. Também houve um gradual aumento da utilização desta forma de desligamento, saindo de 805 em novembro e 5,8 mil em dezembro, para um pico de 13,5 mil em março, caindo novamente a 12,2 mil em abril — quando foram realizados menos desligamentos na economia em geral.

Por tipo de ocupação, as demissões por comum acordo foram mais comuns para vendedor do comércio varejista (2.904 entre novembro de 2017 e abril de 2018), seguida por auxiliar de escritório (1.968), vigilante (1.720) e faxineiro (1.714).

Por setores de atividade, o mais impactado foi o de restaurantes e outros estabelecimentos de serviços de alimentação e bebida (2.787), seguido por transporte rodoviário de carga (1.752), atividade de vigilância e segurança privada (1.721) e comércio varejista (1.681).

Quanto ao trabalho intermitente, 17 mil trabalhadores foram contratados desta maneira desde a aprovação da reforma trabalhista. As ocupações com maior saldo de empregos nesta modalidade de contrato são respectivamente “assistente de vendas”, “servente de obras” e “faxineiro”. Além disso, 93% dos trabalhadores com contratos intermitentes possuem até o ensino médio.

“Com os dados iniciais, pode-se inferir que a reforma tem impactado setores marcados por baixos salários e alta rotatividade, como o comércio, relegando os empregados desse setor a uma situação mais aguda de precariedade”, avaliam os pesquisadores da Unicamp.

Além disso, segundo eles, não está provado que flexibilizar o mercado de trabalho efetivamente gere empregos. “O que os estudos mostram é que a geração de empregos está ligada ao crescimento econômico”, argumentam. “Mas, com os gastos do governo engessados e o crédito escasso, o crescimento hoje no Brasil patina por depender quase que somente do consumo das famílias (e por isso obviamente do mercado de trabalho), que é justamente a variável que se queria ajustar em 2015 com o choque recessivo”, concluem.

Candidatura de Adjuto Neto poderá ser deslocada para deputado federal

Resultado de imagem para adjuto dias neto
Delegado Adjuto Dias Neto poderá ser deslocado para deputado federal

O prefeito de Natal Álvaro Dias está recebendo sugestões de seus amigos do Seridó para remanejar à candidatura do seu filho Adjuto Neto que é candidato a deputado estadual para deputado federal.

Os argumentos dos amigos do grupo de Álvaro é que não existe uma candidatura à Câmara dos Deputados genuinamente seridoense..

À candidatura de Adjuto Neto poderia ser um movimento político acima dos partidos em defesa do Seridó incorporando apoios dos deputados seridoenses como Vivaldo Costa e Nelter Queiroz..

Álvaro tem escutado seus amigos e seridoenses, mas sem confirmar a possibilidade..

Uma fonte do Blog do Primo informou que essa possibilidade passaria por um entendimento com o deputado Walter Alves e Garibaldi Alves.

Com relação ao deputado Walter Alves não haveria problema pelo fato de Álvaro ter assumido compromisso com Henrique Alves que não é mais candidato.

Á candidatura de Adjuto Neto reforçaria a coligação para deputado federal que o PMDB participará com votos do Seridó e Natal..

 

O tempo fechou para José Agripino Maia, Carlos Augusto Rosado está dando uma ‘Trava Carneiro’

Resultado de imagem para Carlos Augusto Maia e José agripino
Rosalba e Carlos Augusto querem José Agripino longe

Notícias vindo de Mossoró estão dando conta que o ex-deputado estadual e esposo da prefeita Rosalba Ciarlini não aceita de jeito nenhum o nome do senado José Agripino Maia na chapa de deputado federal numa possível coligação na famosa e já batizada ‘Chapa Lava Jato’ que terá Carlos Eduardo Alves candidato a governador e o senador Garibaldi Alves candidato à reeleição.

Caso o nome de José Agripino seja incluído na chapa de deputado federal, Rosalba e Carlos Augusto estarão fora..

Carlos Augusto Rosado está dando o troco ao senador José Agripino Maia que impediu a ex-governadora Rosalba em disputar à releição em 2014.

Trava Carneiro é um equipamento que instalado o carro fica travado não andando para frente nem para trás.. 

 

Geraldo Melo está rindo à toa: José Agripino melado ainda é mais forte que Antônio Jácome

Resultado de imagem para Geraldo Melo
Até os suplentes de Garibaldi Alves votarão em Geraldo Melo

Com a desistência do senador José Agripino Maia em disputar à reeleição ao Senado, sendo substituído pelo deputado federal Antônio Jácome tem sido vista pelos analistas políticos como um fato que aumenta muito a possibilidade de vitória do candidato do PSDB e ex-governador Geraldo Melo.

Segundo os analistas à candidatura de Jácome é muito fraca, tem resistências até no segmento evangélico..

Um analista politico disse ao Blog do Primo, que José Agripino Maia mesmo enfrentando problemas na Justiça, acusado de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro ainda é bem mais forte que Antônio Jácome..

Os votos que José Agripino deverão migrar para o ex-senador Geraldo Melo que já recebe uma boa contingência de votos do eleitorado de Garibaldi Alves, diz o experiente analista político..

 

Globo e pai de Neymar costuram trégua após críticas de “parças” a Galvão

REUTERS/Lee SmithDanilo Lavieri, Dassler Marques, João Henrique Marques, Pedro Ivo de Almeida e Ricardo Perrone

Do UOL, em Sochi (Rússia)

Neymar da Silva Santos, o pai de Neymar, se esforça para retomar a paz com a Rede Globo após os fortes posicionamentos dos “parças”, o grupo de amigos do camisa 10, contra, principalmente, Galvão Bueno. Nos últimos dias, as partes costuraram uma trégua, segundo apurou o UOL Esporte.

– Simule resultados da última rodada e quem vai às oitavas
– Neymar S/A: a engrenagem por trás do maior jogador de futebol do Brasil
– De ídolo a homem de negócios, Ronaldo tem tudo a ver com a seleção atual

Neymar pai enviou, depois da vitória contra a Costa Rica, uma mensagem aos amigos de Neymar orientando para que ofensas em rede sociais contra críticos do camisa 10 fossem evitadas. Os “parças” concordaram em controlar melhor o conteúdo. Na última sexta, no calor das emoções, amigos próximos do camisa 10 se irritaram especialmente com a expressão “gesto artístico”, usada pelo narrador para definir a queda do craque no lance do pênalti corrigido pelo VAR. Nas redes sociais, chegaram a chamar Galvão Bueno de “lixo”.

Pelo lado da Globo, um representante da emissora em Sochi, na Rússia, tenta contornar atritos com o pai de Neymar. As conversas seguem bom entendimento, com pouca interferência após os comentários de Galvão Bueno

Os ataques dos “parças” foram vistos como excessivamente fortes pela Globo. Além de Galvão, o comentarista Walter Casagrande também foi atacado. Os amigos de Neymar constantemente recebem do pai do jogador orientação de bom senso nas redes sociais. Exposições críticas são evitadas, assim como da vida pessoal do jogador. Como exemplo, o jantar do camisa 10 com a família, a namorada Bruna Marquezine, e amigos na noite de sábado, em Sochi, não teve nenhuma foto publicada em rede social.

A relação entre a Rede Globo e Neymar está estremecida desde a Olimpíada, justamente por críticas de Galvao Bueno ao atacante durante a competição. Na época, o jogador comentou aos amigos não ter o interesse em atender pedidos do veiculo. Algo que foi futuramente contornado por Neymar pai e representantes da emissora.

Fábio Faria foi avisado do estilo escorpião de Antônio Jácome

Imagem relacionada
Jacó Jácome aderindo ao Governo

Ao articular o ingresso do deputado federal Antônio Jácome e seu filho Jacozinho no esquema governista, o deputado federal Fábio Faria foi avisado do estilo escorpião dos políticos evangélicos.

Fábio foi prevenido que para Antônio Jácome não existe palavra empenhada, o crente muda suas posições dependendo da oportunidade.

Fábio Faria, inocentemente com a maior das boas intenções queria fazer o deputado Jacó Jácome candidato a prefeito com o apoio do governador Robinson Faria, imagine se tivesse sido eleito, certamente estaria disputando o governo com Robinson..

O que o Jácome está fazendo com o governador Robinson Faria é o mesmo que fez com a ex-borboleta Micarla de Souza e Rosalba Ciarlini.

Os Jácomes que foram os primeiros a aderirem ao governo, agora já estão inventando história para romperem com Robinson e apoiarem o candidato Carlos Eduardo Alves em troca da candidatura de Antônio Jácome ao Senado.

Como diz a Bíblia: não se deve confiar em Jacó