Arquivo diários:27/06/2018

Vitória do Brasil tem brigas entre brasileiros e sérvios nas arquibancadas

Stu Forster/Getty Images

Felipe Pereira e Luiza Oliveira

Do UOL, em Saransk e Moscou (Rússia)

Um grupo de seis brasileiros se envolveu em uma briga com torcedores sérvios ao final da partida entre as duas seleções realizada em Moscou. Um vídeo foi gravado nas arquibancadas do estádio e mostra a confusão com troca de socos. O UOL Esporte conversou com a dentista Rosane Santiago, que gravou as imagens, e com os dois sérvios envolvidos na briga.

A brasileira disse que os brasileiros foram provocados durante todo o jogo e acrescentou que, enquanto comemoravam a vitória por 2 a 0, foram atacados pelos estrangeiros. Seguranças precisaram intervir.

“Eles provocaram o tempo todo. No primeiro tempo, um sérvio mexeu com uma das meninas e depois ficou tirando fotos dela sem autorização.  No final do jogo, a gente estava comemorando e eles arrancaram a bandeira, provocaram e partiram para cima”.

Rosane falou que não foi a única briga que aconteceu entre brasileiros e sérvios. A dentista estava no setor 1 e viu outra no setor 3, que fica num anel superior. Na confusão que aconteceu perto de onde ela estava, não houve feridos do lado brasileiro. Ela disse que dois sérvios foram parar na enfermaria.

“A gente comprou ingresso em um setor mais caro para não ter este tipo de coisa, mas não teve jeito. Um dos sérvios estava muito exaltado o jogo todo. Eles estavam bêbados e este ia na direção da beira das arquibancadas e era parado pelo segurança”.

Versão dos sérvios

Os sérvios, no entanto, apresentam versões bem diferentes sobre o episódio. O senhor de cabelo grisalho que aparece na foto estava acompanhado do filho, de cerca de 30 anos, e da mulher. Nenhum deles permitiu a divulgação do nome com medo de sofrer represálias da Fifa e perder a credencial de torcedor.

O filho dele informou à reportagem que o clima estava amistoso entre brasileiros e sérvios com as pessoas conversando e até tirando fotos. Mas que alguns brasileiros começaram a provocar ao final da partida fazendo sinal para que os sérvios calassem a boca por terem perdido a partida e usando palavras ofensicas. Ele então revidou a provocação da mesma forma, mas sem violência. O torcedor disse que, neste momento, um brasileiro partiu para cima do pai dele dando um soco.

“A gente não estava fazendo nada, eu não mexi com a namorada de ninguém. Eu estou com o meu pai e a minha mãe, estou em família. Não faria sentido. Eles ficaram provocando e eu provoquei de volta, mas sem briga, sem briga. De repente um partiu para cima do meu pai e vieram outros seis ou sete. Eu só entrei porque vi o meu pai naquela situação. É o meu pai, como eu não vou protegê-lo?”, disse ele.

O homem disse ainda que chegou a fazer vídeos dos brasileiros porque também estava sendo gravado sem autorização pelos rivais.

Na confusão, ele sofreu um corte na região do olho, enquanto o pai apresenta ferimentos próximo à orelha e um na boca. Ambos foram atendidos no centro médico do estádio e receberam curativos. Logo após serem atendidos, eles deixaram o local.

Alemanha caiu tensa e com jogadores se xingando

Getty Images

Marcel Rizzo/ UOL, em Kazan (Rússia)

Na Copa da Rússia, a Alemanha não foi a Alemanha a que estamos acostumados. Tradicionalmente organizada, o time não se encontrou nem fora, nem dentro de campo. Problemas de logística, convocação e formação da equipe criaram um time desorganizado em campo, que acabou eliminado após a derrota por 2 a 0 contra a Coreia do Sul. Pior, um grupo de jogadores irritados, bem longe da frieza com a qual os alemães são conhecidos ou da alegria que mostraram na Copa do Brasil em 2014, quando fizeram da Bahia sua casa e esbanjaram simpatia com os torcedores brasileiros.

O lance que caracteriza essa “louca Alemanha” talvez seja o fatal para a eliminação, Nos acréscimos, perdendo por 1 a 0, o goleiro Neuer desesperado foi ao ataque e lá ficou. Foi ele que perdeu a bola que, no contra-ataque, levou a Coreia a marcar o segundo gol, sacramentando o resultado. Ele já havia feito isso contra o México, no 1 a 0 contra na estreia. E também quase sofreu gol no contra-ataque.

Quando algo não dava certo, a reclamação passou a ser a regra, não a exceção para os alemães. Contra a Coreia do Sul, em Kazan, o jovem Timo Werner, o mais novo em campo aos 22 anos, nem parecia um novato: reclamava após erros de passes de atletas mais experientes (e campeões do mundo), como Kroos ou Ozil.

Braços levantados, cabeça balançando, aquele gesto de dar as costas ao lance, todas ações tradicionais em times com sangue mais quente como Brasil e Argentina, viraram normal para a Alemanha na Copa-2018. Mesmo campeões do mundo exageraram nas reclamações. O exemplo, aqui, é goleiro Neuer, um dos líderes da equipe.

 

Dirceu terá de usar tornozeleira eletrônica, decide Justiça

José Dirceu com Carlos Eduardo Alves

Por Agência Brasil  Brasília

A Justiça do Distrito Federal determinou hoje (27) que o ex-ministro José Dirceu compareça à 13ª Vara Federal em Curitiba, comanda pelo juiz Sérgio Moro, para colocar tornozeleira eletrônica. A medida foi tomada após a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que concedeu liberdade a Dirceu.

Na decisão, a Vara de Execuções Penais (VEP) entendeu que, com a decisão do STF, o ex-ministro volta a cumprir medidas cautelares diversas da prisão, como o uso de tornozeleira eletrônica, situação em que estava antes da decisão que o beneficiou.

Na sessão de ontem, a Segunda Turma da Corte decidiu suspender a execução da condenação José Dirceu a 30 anos de prisão na Operação Lava Jato. Com a decisão, Dirceu foi solto nesta madrugada e está em seu apartamento, em Brasília.

Distribuidoras terão que justificar a ausência de desconto no diesel

Por Carla Araújo | Valor

BRASÍLIA  –  O Ministério da Justiça, por meio do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), notificou sete distribuidoras para que esclareçam a suposta ausência de repasse integral nas operações de comercialização de diesel aos postos de combustíveis, em decorrência da redução no valor do diesel concedida pelo governo federal.

A norma foi estabelecida pelo governo na Medida Provisória nº 838, após a paralisação dos caminhoneiros no mês passado. A notificação do DPDC foi feita ontem (26).

De acordo com o ministro da Justiça, Torquato Jardim, Petrobras, Ipiranga, Raízen, Alesat, Ciapetro, Royal Fic e Zema terão 10 dias para fornecer esclarecimentos à Senacon. As empresas ainda precisarão apresentar as notas fiscais de venda do diesel em cada Estado brasileiro, em datas determinadas.

A Pasta explica que, caso as distribuidoras não respondam no prazo estipulado, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) poderá instaurar processo administrativo contra elas e aplicar multa que pode chegar a mais de R$ 9 milhões.

Segundo balanço do Ministério da Justiça, os postos de combustíveis enviaram à ouvidoria da Pasta 98 denúncias informando que as distribuidoras não estavam repassando o desconto fornecido pelo governo em relação ao preço do diesel.

Além da notificação para as distribuidoras, Torquato enviou correspondência aos governadores solicitando o apoio para o cumprimento das portarias. “A tarefa de defender o consumidor pressupõe uma ação coordenada de todos os agentes públicos e compete aos Procons estaduais e municipais o monitoramento da redução do valor do diesel ao consumidor final”, explicou o ministro, em nota.

Veja a lista das 42 lojas de automóceis investigadas até o momento pelo MPRN na operação Vitruvius

Interceptações telefônicas realizadas com autorização judicial e vídeos comprovam o esquema de fraudes desarticulado pela operação Vitruvius, deflagrada pelo Ministério Público do Rio Grande do Norte (MPRN) nesta terça-feira (26). As mídias mostram a negociação e a adulteração de marcadores de quilometragem de veículos, os hodômetros. Os indícios das investigações apontam que em apenas 45 dias pelo menos 202 veículos tiveram seus hodômetros adulterados. Até o momento, o MPRN já identificou 42 empresas suspeitas de envolvimento com o esquema.
Seis mandados de prisão preventiva e outros 50 de busca e apreensão foram cumpridos nas cidades de Natal, Parnamirim, São Gonçalo do Amarante e ainda em João Pessoa, capital da Paraíba. A operação Vitruvius apura crimes contra as relações de consumo, associação criminosa e estelionato.
Foram presos preventivamente os adulteradores Tiago Conceição Cachina, Gileno Cachina, Antônio Eric Carvalho de Souza, João Otávio Macedo da Silva, Alcivan Eufrásio da Silva e Lucas Oliveira de Farias.
Pelo o que foi apurado pelo MPRN, Tiago Cachina pode ser considerado o maior adulterador de hodômetros do ramo de automóveis usados em Natal, além de possuir “clientes” em outras cidades do Rio Grande do Norte, sendo habitualmente contratado para adulterações por diversas revendas de veículos usados de Natal. Os áudios interceptados demonstram que ele realiza a atividade criminosa diariamente, durante o dia todo, tendo sido possível detectar ao menos 153 carros que teriam sido adulterados em um período de 45 dias. Além dos áudios captados com autorização judicial, vídeos produzidos por agentes do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), órgão do MPRN, mostram Tiago Cachina transitando inúmeras vezes nas lojas investigadas carregando o scanner automotivo que usa para realização das fraudes em veículos. Por cada “serviço”, ele cobra entre R$ 50 e R$ 250.

GC VELOCÍMETROS (avenida Antônio Basílio, 3288, Lagoa Nova, Natal)

ALIANCE CAR (rua Lúcia Viveiros, 535, Neópolis, Natal)
AUTO FINANCE (rua Lúcia Viveiros, 535, Neópolis, Natal)
AUTO GRID MULTIMARCAS (rua Lúcia Viveiros, 535, Neópolis, Natal)
GÓIS MULTIMARCAS (rua Lúcia Viveiros, 535, Neópolis, Natal)
IDEAL MULTIMARCAS (rua Lúcia Viveiros, 535, Neópolis, Natal)
INDY CAR (rua Lúcia Viveiros, 535, Neópolis, Natal)
REAL MULTIMARCAS (rua Lúcia Viveiros, 535, Neópolis, Natal)
TOKIO MULTIMARCAS (rua Lúcia Viveiros, 535, Neópolis, Natal)
AUTO OESTE VEÍCULOS (avenida Dão Silveira, 7940, Pitimbu, Natal)
BRENO VEÍCULOS (avenida Dão Silveira, 7940, Pitimbu, Natal)
CELÚ MULTIMARCAS (avenida Dão Silveira, 7940, Pitimbu, Natal)
FORTALEZA AUTOMÓVEIS (avenida Dão Silveira, 7940, Pitimbu, Natal)
MIXX CAR MULTMARCAS (avenida Dão Silveira, 7940, Pitimbu, Natal)
ML CAR (avenida Dão Silveira, 7940, Pitimbu, Natal)
SÓ VEÍCULOS (avenida Dão Silveira, 7940, Pitimbu, Natal)
TOYOMAX SEMINOVOS (avenida Dão Silveira, 7940, Pitimbu, Natal)
ALFA VEÍCULOS (avenida Jerônimo Câmara, 439, bairro Nazaré, Natal)
AUTOVIA RENT A CAR (avenida Senador Dinarte Mariz, 8101, Ponta Negra, Natal)
BAHIA VEÍCULOS (rua Tereza Campos, 2279, Lagoa Nova, Natal)
BK MULTIMARCAS (rua dos Caicós, 1647, Alecrim, Natal)
CENTRAL CAR MULTIMARCAS (avenida Tenente Medeiros 113, Centro, Parnamirim)
EDGAR VEÍCULOS (rua Presidente Quaresma, 691, Alecrim, Natal)
EXCLUSIVE MULTIMARCAS (avenida Alexandrino de Alencar, 923, Barro Vermelho, Natal)
GUEDES VEÍCULOS (na rua Jaguarari, 1761, Lagoa Seca, Natal)
HVEL VEICULOS (rua Bento Gonçalves, 1959, Candelária, Natal)
JP VEÍCULOS (avenida Bernardo Vieira, 2634. Alecrim, Natal)
JÚNIOR MULTIMARCAS (rua Dr. Atila Paiva, 52, Vale do Sol, Parnamirim)
KARTH AUTOMÓVEIS (avenida Presidente Bandeira, 1240, Alecrim, Natal)
L & A VEÍCULOS (avenida Bernardo Vieira, 2518, Dix Sept Rosado, Natal)
LE MANS IMPORTS (avenida Prudente de Morais, 4750, Lagoa Nova, Natal)
LOGAUTO TRANSPORTADORA (rua Antônio Ribeiro de Andrade, 400, Neópolis, Natal)
MASTER CAR MULTIMARCAS (avenida Presidente Bandeira, 985, Lagoa Seca, Natal)
MIRASSOL RENT A CAR (avenida Dep. Antônio Florêncio de Queiroz, 3046, Ponta Negra, Natal)
NATAL CAR (avenida Bernado Vieira, 2979, Lagoa Seca, Natal)
OLIVEIRA DANTAS TRANSPORTES E CONSTRUÇÕES (rua dos Tororós, 142, Lagoa Nova, Natal)
PAULO VEÍCULOS (avenida Bernardo Vieira, 2496, Dix Sept Rosado, Natal)
PODIUM MULTIMARCAS (rua Dr. Átila Paiva, 47, Cohabinal, Parnamirim)
REALIZA VEICULOS (rua da Consolação, s/n, Emaús, Parnamirim)
RF MULTIMARCAS (avenida Presidente Bandeira, 1236-B, Lagoa Seca, Natal)
SANTA ROSA VEÍCULOS (avenida Interventor Mário Câmara, 1228, Alecrim, Natal)
TANGARÁ VEÍCULOS (rua dos Canindés, 1250, Alecrim, Natal)
FONTE: MPRN

“Vitaliciedade para alguns ministros do STF virou base para o cometimento dos maiores arbítrios”, diz a procuradora Monique Cheker

 

Resultado de imagem para A procuradora Monique Cheker
Procuradora Monique Cheker agride ministro do STF

 Agência O Globo

Procuradores do Ministério Público Federal ligados à Lava-Jato usaram as redes sociais para reagir às decisões da 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal nesta terça-feira.

Durante a sessão, além de decidir pela libertação do ex-ministro José Dirceu, condenado em segunda instância pela Lava-Jato, os ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli e Ricardo Lewandowski também libertaram o ex-tesoureiro do PP, João Genu, o operador Milton Lyra e também anulou provas recolhidas em buscas no apartamento funcional da senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) e trancou a ação penal contra o deputado estadual Fernando Capez pelo escândalo que ficou conhecido como “máfia das merendas”.

Coordenador da força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol afirmou que a decisão pode reforçar a sensação de impunidade para os poderosos.

— São imenso retrocesso em termos de império da lei. É esse Brasil que queremos? — questionou.

Decisões dos Ministros Gilmar, Toffoli e Lewandowski sobre preventivas e execução provisória tiram o Brasil dos trilhos que poderiam conduzir ao rompimento da impunidade dos poderosos. São imenso retrocesso em termos de império da lei (rule of law). É esse Brasil que queremos?

Para Dallagnol, os ministros desrespeitaram a decisão do plenário do Supremo Tribunal Federal que decidiu, em 2016, pela possibilidade de prisão após a condenação em segunda instância, a chamada execução provisória da pena.

A procuradora Monique Cheker, da força-tarefa da Lava-Jato no Rio de Janeiro, criticou o mandato vitalício de ministros do Supremo.

— Hoje, infelizmente, vitaliciedade para alguns ministros do STF virou base para o cometimento dos maiores arbítrios, sem sombra de responsabilidade — disse.

Hoje, infelizmente, vitaliciedade p/ alguns Ministros do STF virou base p/ o cometimento dos maiores arbítrios, sem sombra de responsabilidade. Como não são eleitos, a pressão popular ou da imprensa pouco importa. E ainda têm direito a área VIP em aeroportos, bem longe do povo.

A procuradora da força-tarefa da Lava-Jato em São Paulo, Thaméa Danelon, citou outro procurador, Roberson Pozzobon, de Curtibia, para também criticar o tribunal.

— STF deve ser o guardião da Constituição e não da injustiça e da impunidade — disse.

Também da força-tarefa paulista da Lava-Jato, a procuradora regional Janice Ascari indicou que as decisões do STF podem impactar o entendimento de juízes em instâncias inferiores.

— Preciso parar de tentar entender as estranhas decisões do STF. E não pensar no quanto elas impactam violentamente os milhares de processos aqui no andar de baixo — disse.

Preciso parar de tentar entender as estranhas decisões do STF. E não pensar no quanto elas impactam violentamente os milhares de processos aqui no andar de baixo.

DECLARAÇÕES FORAM ALVO DE PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

O uso das redes sociais por procuradores já foi alvo de processos internos dentro do Ministério Público. O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima respondeu ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) em maio deste ano após ter chamado o presidente Michel Temer de “leviano”.

Em abril, Deltan Dallagnol foi acusado pelos deputados federais Paulo Pimenta (PT-RS) e Wadih Damous (PT-RJ) no Conselho Nacional do Ministério Público por ter anunciado que faria um jejum durante o julgamento do habeas corpus do ex-presiente Lula, que poderia evitar a prisão do petista.

“Uma derrota significará que a maior parte dos corruptos de diferentes partidos, por todo país, jamais serão responsabilizados, na Lava-Jato e além. O cenário não é bom. Estarei em jejum, oração e torcendo pelo país”, escreveu Dallagnol no Twitter à época.

O Globo

Jácome, deixe seu neto nascer em paz!

Não repercutiu bem a atitude do deputado Antônio Jácome em aproveitar o nascimento do seu neto para fazer proselitismo político.

A repercussão é mais negativa quando  o deputado Antônio Jácome utiliza o nascimento do seu filho para justificar seu rompimento com o governador por falta de compromisso depois de fisiologicamente utilizar o governo para manter sua estrutura política.

Agindo da mesma maneira que fez com a ex-prefeita Micarla de Sousa, que ele abandonou na véspera da eleição, Jácome também ridiculamente publicou uma carta.

Se a credibilidade política do deputado Jácome que era baixa, agora piorou depois dessa manobra oportunista, envolvendo até o nascimento de seu neto num episódio político.

O filho de Antônio Jácome é deputado estadual pelo PSD, que é o partido do governador Robinson Faria, Jacó Jácome afirma que não vota em Robinson e declara que votará no candidato do PDT, Carlos Eduardo Alves, cometendo infidelidade partidária explicita e ainda se diz “injustiçado”..

Essa do deputado evangélico utilizar o nascimento do neto é uma apelação imperdoável..

Todos lamentam o envolvimento do neto recém nascido neste fato vergonhoso, ainda mais sabendo que a criança chega ao mundo trazendo o que existe de melhor no seu DNA como descendente do grande saudoso natalense e reserva moral Olímpio Procópio e João Faustino Ferreira Neto que foi um exemplo de vida e retidão com imensuráveis serviços prestados ao RN e o Brasil.

Confira carta política e proselitista que o deputado Antônio Jácome fez questão de publicar nas mídias sociais:

Meu filho, que agora também é pai!

Que dia esse?

Uma data que já é inesquecível por ser a data natalícia de sua mãe, hoje, nasceu João Antônio. Tão esperado, tão desejado.

Não era hoje o dia previsto, mas, Deus muda o tempo e as circunstâncias.

Logo hoje, no dia em que você foi injustiçado, hostilizado por quem você jamais esperava; por quem você acreditou ao ponto de deixar de se filiar ao partido de seu pai.

Como é difícil estar na vida pública sem ser subserviente e sem se prestar às manobras dos que, no poder, para se perpetuar, querem levar os aliados ao suicídio político coletivo.

Você sabe o preço que eu já paguei pra cumprir a missão que Deus me confiou.

Com você não seria diferente.

É doloroso pra mim, seu pai, que conhece sua índole, seu caráter, sua vocação e dedicação à coisa pública, vê-lo sofrendo, mesmo sem ter cometido nenhuma deslealdade, nenhuma traição.

Mas você sabe que Deus não tolera a injustiça.

E no dia que parecia ser o mais difícil de sua vida pública, pelo terrorismo psicológico perpetrado por abutres alugados, remunerados pelo erário público, eis que Deus reverte o quadro e lhe proporciona a maior emoção de sua vida: a chegada de seu primeiro filho.

Ele será, ao lado de sua Marianna, um bálsamo, um refrigério para contrapor a aridez do dia.

Deus é contigo, meu filho e lhe fará prosperar, levando-o a ocupar as maiores e mais honrosas funções.

Deus te abençoe!!

Seu pai.

Confira carta do deputado Antônio Jácome abandonando s então prefeita Micarla de Sousa no final do mandato dela:

 

 

Deixa de jacosagem!

Deixa de onda!

Por Robson Pires

Em postagem veiculada  em suas redes sociais o deputado federal e pré-candidato a senador na chapa de Carlos Eduardo Alves, Antônio Jácome (PODEMOS – na foto), diz que seu filho e deputado estadual Jacó Jácome (PSD) é vítima de perseguição política do governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD).

Isso é uma conversa bonita!

O cara é da coligação do governador, vai votar contra ele, é filiado ao partido de Robinson e quer a legenda para votar ao contrário?

Aí é de lascar. Pergunta para o deputado federal Antônio Jácome o que o senador José Agripino Maia fez com a ex-governadora Rosalba Ciarlini? Que queria ser candidata à reeleição no pleito passado e ele negou a legenda. Ou será que Jácome  – que vai receber o apoio de Agripino – esqueceu? Ora bolas!

Depois que Gustavo da Ponte disse saber quem é boi e vaca, inventaram na política potiguar o drible da vaca

Imagem relacionadaUma estratégia inovadora está sendo montada com sucesso na política potiguar..

Estão inflando determinados candidatos para depois secarem sua candidaturas..

O vice-governador Fábio Dantas comeu corda de uma ruma de elementos e rompeu com o governador, após o rompimento aqueles que deram corda ao primo Fabinho foram se entender com Robinson..

A mesma estratégia está sendo desenvolvida com o pré-candidato ao governo Carlos Eduardo Alves.

Nos últimos  10 dias Carlos Eduardo Alves sentiu que sua candidatura não está decolando como elem imaginou, diante dessa situação ele passou a examinar a possibilidade de se compor com Fátima Bezerra disputando uma vaga no Senado.

Os estrategistas sabem que isso ocorrendo Fátima Bezerra poderá bater a parada no primeiro turno, diante da ameaça, se faz necessário inflar artificialmente à candidatura de Carlos Eduardo a governador para esvaziá-la depois de homologada pela convenção e registrada na Justiça Eleitoral. Disputando a eleição sem coligação na chapa proporcional, Carlos Eduardo Alves é alvo fácil para uma debandada.. Na politica do RN, ninguém é  de ninguém, diz o soldado Vasco..

O drible da vaca no futebol é uma jogada que o jogador enfia a bola por um lado e corre para pegar ela pelo outro lado..

Segunda Turma do STF manda soltar ex-ministro José Dirceu

O ex-ministro José Dirceu voltou para casa, em Brasília, na madrugada desta quarta-feira (27), após passar um mês preso no Complexo Penitenciário da Papuda. Condenado a 30 anos e 9 meses de prisão no âmbito da operação Lava Jato, ele foi solto após uma votação da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF).

José Dirceu chegou ao apartamento dele, no Sudoeste (área nobre de Brasília), a 1h51 da madrugada. Ele entrou de carro pelo lado oposto de onde deveria entrar – ou seja, pela saída da garagem. O petista carregava uma bolsa preta na mão e mais duas sacolas. O repórter cinematográfico da TV Globo Edvaldo Lachu registrou a chegada de Dirceu.

MDB é tóxico e pode contaminar aliados nas eleições, diz cientista político

Resultado de imagem para Henrique Alves Eduardo cunha Carlos Eduardo Garibaldi
Turma do MDB do RN com Eduardo Cunha e com o pré candidato dos Alves no RN, Carlos Eduardo Alves – todos da foto estão sendo investigados por suspeita de corrupção – Henrique Alves e Eduardo Cunha estão presos

A má avaliação do governo Michel Temer torna o MDB — partido tradicional pelas alianças costuradas em eleições presidenciais –, um peso negativo no pleito deste ano.

A avaliação é do cientista político Alberto Carlos Almeida, que acaba de lançar o livro “O Voto do Brasileiro”, no qual analisa indicadores socioeconômicos e eleitorais para afirmar que o resultado das eleições no Brasil é “previsível”. Ele defende que o segundo turno deve se manter entre o duopólio PT x PSDB – partidos cujas máquinas eleitorais, segundo ele, “não têm competição”.

Autor de outros livros sobre o assunto, como “A Cabeça do Brasileiro” e “A Cabeça do Eleitor”, Almeida argumenta que apesar de o eleitorado brasileiro ter sido impactado pelas crises recentes e pelos escândalos de corrupção, não houve uma mudança significativa no perfil do eleitor. Segundo ele, apesar da demanda da população ser diferente, a oferta de candidatos e partidos permanece praticamente inalterada.

Flávio Rocha reitera que não será vice de nenhum candidato

Resultado de imagem para Flavio Rocha e Rogério Marinho
Flávio Rocha com seus apoiadores do MBL

Paulo Oliveira, especial para AE

O empresário e candidato à Presidência da República, Flávio Rocha (PRB), disse nesta terça-feira, 26, que a sua candidatura “foi uma decisão crítica, pela falta de se ter em quem votar”. Rocha reafirmou que pretende manter a candidatura ao Palácio do Planalto até o fim e descarta ser vice de qualquer candidato.

As declarações foram dadas na saída de uma reunião na residência do presidente da Câmara dos deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em que estiveram também presentes dirigentes do Centrão, de partidos como PP e Solidariedade. No encontro foi discutido os rumos da corrida presidencial deste ano.

Rocha afirma que contratou uma pesquisa que aferiu que quando os seus potenciais eleitores descobrem que ele é proprietário da rede de lojas Riachuelo, o número de votos é triplicado. “Temos um pouco mais de um quarto dos votos dos que conhecem a nossa candidatura. Quando associam o meu nome à Riachuelo, isso é triplicado”, afirmou o empresário.

Flávio Rocha disse que os membros do Centrão presentes na reunião afirmaram que vão se encontrar na próxima semana com Geraldo Alckmin (PSDB).

Do Blog do Primo: quando Flávio Rocha lançou o Movimento Brasil 200 disse que não seria candidato à Presidência da República, e depois mudou. Será que ele também não poderá mudar novamente?

PTC desiste de candidatura, e Collor fica fora da disputa à Presidência

 

Daniela Garcia

Do UOL, em São Paulo

O ex-presidente e senador Fernando Collor (PTC-AL) não será mais candidato ao Palácio do Planalto. A Executiva Nacional do PTC desistiu de lançar candidatura própria.

Em comunicado oficial na quarta passada (20), a legenda justificou que, por “sobrevivência”, irá focar na campanha de deputados estaduais, federais e senadores.

Segundo a nota assinada por Daniel Tourinho, presidente do PTC, há uma preocupação do partido de superar a cláusula de barreira nessas eleições para receber os recursos do fundo partidário e ter tempo de rádio e TV.

Collor não poderá, no entanto, se filiar a outro partido agora. A janela partidária terminou em 7 de abril.

Em suas redes sociais, o senador não comentou o fim de sua pré-candidatura. No Facebook, há uma publicação nesta terça (26), por exemplo, sobre suas atividades na Comissão de Relações Exteriores do Senado.

UOL ligou para o gabinete do senador, para o assessor de imprensa e mandou mensagem pelo Facebook, mas não teve resposta.

Cláusula de barreira

Para restringir o acesso dos partidos a recursos do fundo partidário e ao tempo de rádio e TV, a reforma eleitoral aprovada no ano passado criou uma espécie de cláusula de desempenho, com exigências gradativas até 2030.

As legendas deverão atingir pelo menos 1,5% dos votos válidos para a Câmara em 2018 em pelo menos nove estados ou ter eleito, no mínimo, nove deputados em nove estados.

Nas eleições de 2014, o PTC ficou longe desse porcentual: teve apenas 0,35% dos votos e só conseguiu eleger dois deputados. O partido recebeu neste ano R$ 6.334.282,12 do fundo eleitoral.

Em decisão, desembargador diz que Bolsonaro “dissemina ódio” contra minoria

  • O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), pré-candidato à Presidência

    O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), pré-candidato à Presidência

Leandro Prazeres e Gustavo Maia

Do UOL, em Brasília

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), também pré-candidato à Presidência, usou um discurso na Câmara dos Deputados para disseminar ódio contra minorias. A avaliação consta de voto do desembargador Rui Cascaldi, do TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), em um recurso movido por uma ONG que defende direitos da comunidade LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros).

Apesar de reconhecer que Bolsonaro “disseminou ódio”, o relator apontou que, por ter imunidade parlamentar, o pré-candidato não poderia ser responsabilizado pelo que havia dito.

O discurso em questão ocorreu em junho de 2015, dias após a realização da Parada do Orgulho LGBT em São Paulo. As palavras de Bolsonaro levaram a ONG ABCD’S (Ação Brotar pela Cidadania e Diversidade Sexual) a apresentar uma ação civil pública com pedido de indenização por danos morais contra o parlamentar. A organização não governamental não foi encontrada para se manifestar sobre a decisão.

A ação foi rejeitada em primeira instância pela juíza Flávia Poyares Miranda. A decisão foi mantida no dia 18 do mês passado pelos três desembargadores da 1ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP. É nesse acórdão que aparece a menção à disseminação de ódio por parte de Bolsonaro.

Em seu voto, Cascaldi reafirma que Bolsonaro não negou as declarações contra a comunidade LGBT. “Nada disso é negado pelo réu e, embora se reconheça tratar-se de que um discurso que dissemina o ódio contra a minoria representada pela autora, não há dúvida que, estando ele no exercício de seu mandato de deputado federal e tendo proferido tal discurso no uso de suas atribuições, goza de imunidade parlamentar”, concluiu o desembargador.

Cascaldi escreveu ainda que o discurso “alegadamente ofensivo proferido pelo apelado [Bolsonaro] é incontroverso, tendo sua defesa se limitado à impossibilidade de ser punido civil ou criminalmente por sua condição parlamentar que lhe garante imunidade, ressaltado que tais afirmações foram proferidas em plenário, em meio a uma sessão do Parlamento”.

Na ocasião, Bolsonaro criticou a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo daquele ano. Ele classificou as manifestações de participantes do evento como “um festival de baixarias”. “Eu não vi nenhum deputado do PT, do PSOL e do PCdoB se manifestarem contrários a esse festival de baixaria e desrespeito para com as famílias brasileiras. Esse mesmo tipo de gente é que me processa”, afirmou o deputado.

Em outro momento, Bolsonaro diz duvidar que o pai biológico de uma criança levaria seu filho ou sua filha para a Parada do Orgulho LGBT e criticou a adoção de crianças por casais homoafetivos. “Uma pergunta: o que uma criança, talvez de 7 ou 8 anos, faz numa parada gay? Eu duvido que o pai legítimo, biológico, dessa criança a colocaria numa situação dessas, como está aqui. Com toda a certeza, é uma criança adotada por um desses casais que falam em família”, disse Bolsonaro.

Imunidade parlamentar foi base para a defesa

A proteção às manifestações políticas é garantida pelo artigo 53 da Constituição Federal, segundo o qual “os deputados e senadores são invioláveis, civil e penalmente, por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos”.

Questionado pela reportagem do UOL, nesta terça-feira (26), Bolsonaro contou que não sabia da decisão. Em tom de brincadeira, disse que é alvo de tantos processos que seus advogados só o avisam quando ele perde algum.

Para ele, o teor do voto do relator foi “esquisito”. “Ódio, ódio… Fica esquisito isso. Toda hora ódio. Não vamos maltratar o português aqui. Se isso não é opinião, eu não sei o que é”, declarou, ressaltando que é investido de imunidade parlamentar. “Eu posso opinar sobre o que eu bem entender.”

Denúncia por racismo

Este não é o único processo ao qual Bolsonaro responde por conta de declarações polêmicas.

Em abril deste ano, o presidenciável foi denunciado pela PGR (Procuradoria-Geral da República) ao STF (Supremo Tribunal Federal) pela prática de racismo e manifestações discriminatórias contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs.

A denúncia se refere a um episódio ocorrido em abril de 2017 no qual, segundo a denúncia, ele teria usado expressões de cunho discriminatório, incitando o ódio e atingindo diretamente vários grupos sociais. Segundo a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, a conduta do deputado foi “ilícita, inaceitável e severamente reprovável”.

Na ocasião, durante palestra, Bolsonaro disse que “afrodescendentes” quilombolas “não fazem nada e nem para procriador (sic) eles servem mais” e que as reservas indígenas e quilombos atrapalham a economia do país.

Segundo a denúncia, Bolsonaro “tratou com total menoscabo os integrantes de comunidades quilombolas” e incitou “a discriminação entre seus ouvintes em relação aos estrangeiros”.

A denúncia diz ainda que as manifestações do deputado, “de incitação a comportamento e sentimento xenofóbico, reforçam atitudes de violência e discriminação que são vedadas pela Constituição e pela lei penal”.

Em defesa apresentada ao STF na semana passada, o deputado afirmou que a PGR tirou frases suas de contexto para denunciá-lo.

A defesa de Bolsonaro disse ainda que a Procuradoria “preferiu o caminho fácil de ofertar denúncia, com certo oportunismo diante da campanha eleitoral que se avizinhava”.

O deputado já é réu em duas ações penais sobre temas semelhantes: uma movida pela PGR e outra pela deputada federal Maria do Rosário (PT-RS), alvo da declaração que motivou os processos. Ele disse, no plenário da Câmara e em entrevistas, que não estupraria a colega porque ela “não merecia”.

O presidenciável tem afirmado que suas declarações estão resguardadas pela imunidade garantida a manifestações de parlamentares.