Arquivo diários:15/07/2018

Paris revive a euforia de 98 e tem as ruas tomadas por torcedores

Torcedores franceses lotaram as ruas de Paris para acompanhar a vitória dos 'bleus' na Copa do MundoPor Agência EFE 

Uma multidão de franceses comemorou neste domingo, nas ruas de Paris, o título conquistado pela seleção liderada por Mbappé, Pogba e Griezmann na Rússia, e reviveu, 20 anos depois, a euforia que tomou conta do país em 1998, quando os ‘Bleus’ foram campeões pela primeira vez.

Um buzinaço já podia ser ouvido desde as primeiras horas do dia, e a música “I will survive”, de Gloria Gaynor, que embalou a equipe de 98 nos vestiários, tocava repetidamente por todos os lugares.

“Como em 98!”, diziam os torcedores pelas ruas.

A conquista daquela equipe que contava com Zinedine Zidane e foram contadas aos jovens de hoje por seus pais contagiavam aqueles que ainda não eram nascidos ou muito pequenos na conquista do primeiro título mundial.

Nos arredores da Torre Eiffel, a Câmara Municipal de Paris instalou quatro telões para transmitir a final, e cerca de 100 mil pessoas já estavam posicionadas diante deles antes da partida.

Não havia mais espaço nas áreas para torcedores e também nas ruas. Motoristas encontravam dificuldades para trafegar e, com poucos controladores de trânsito, havia enormes engarrafamentos nas principais avenidas.

Os bares e restaurantes que transmitiram o jogo também já estavam lotados antes da partida, e alguns torcedores começaram a improvisar para assistir à decisão.

Em Cubyn, uma empresa de logística colocou um projetor para que seus funcionários pudessem acompanhar os lances.

“Decidimos abrir o escritório para que pudessem vir com os seus amigos, porque, enfim, é um momento de família, e queríamos que todos participassem. Amanhã de manhã não precisarão vir trabalhar”, contou Pierre Canard, um dos donos da empresa.

“Esta Copa é para nós! É a vitória da nossa geração!”, afirmou Guillaume, de 26 anos.

Apesar dos franceses terem se mostrado confiantes na conquista durante a semana, na capital os torcedores estavam apreensivos com a vontade da Croácia dentro de campo no início do jogo.

“Os croatas não têm nada a perder, e isso é o mais perigoso, estão jogando a 200%”, opinou Kevin, ao final do primeiro tempo.

A euforia pelo gol contra de Mandzukic, aos 18 minutos da partida, terminou rápido quando Perisic deixou tudo igual no placar, dez minutos depois. Aos 35, Griezmann colocou os franceses na frente mais uma vez, ao converter um pênalti e mudar o placar para 2 a 1, mas os torcedores se mostravam ainda apreensivos.

No segundo tempo, os gols de Pogba e Mbappé soltaram o grito da garganta dos franceses por toda Paris. Algumas das principais avenidas da cidade já estavam tomadas, mesmo com o gol marcado por Mandzukic aos 23 da segunda etapa.

Para dar conta da festa que deve seguir madrugada adentro, a prefeitura da capital francesa anunciou a interrupção do tráfego em diversos pontos do centro e da região oeste até o início da manhã desta segunda-feira. O objetivo é evitar acidentes como os que aconteceram durante a comemoração em 1998, que causaram uma morte e deixaram vários feridos.

A seleção da França é aguardada em Paris na tarde desta segunda-feira, quando serão recebidos pelo presidente Emmanuel Macron no Palácio do Eliseu.

João Maia vai anunciar posição do PR

Resultado de imagem para João Maia

O Blog do Primo foi informado por fonte segura que o ex-deputado federal e candidato a deputado federal, presidente do PR no RN, João Maia definiu seu apoio à reeleição do governador Robinson Faria..

O anúncio do apoio deverá ser feito até a próxima quarta-feira..

Família Rosado faz acordo com família Alves indicando o filho de Rosalba para ser o vice de Carlos Eduardo Alves

Resultado de imagem para Kadu ciarlini

Rosados querem colocar Beto na Câmara dos Deputados e Kadu na vice-governadoriaTudo fechado, as tradicionais famílias politicas do RN celebraram mais um acordão para controlar o Estado..

 A prefeita de Mossoró, Rosalba Ciarlini e seu esposo Carlos Augusto Rosado anunciaram apoio ao candidato a governador Carlos Eduardo Alves e indicaram seu filho, Kadu Ciarlini Rosado, sem nenhuma experiencia administrativa, para ser o vice-governador..

Além do candidato a vice-governador a família Rosado de Mossoró liderada por Carlos Augusto Rosado também  quer assegurar uma cadeira de deputado federal para o filho do ex-deputado Betinho Rosado, o atual deputado Beto Rosado quer é candidato à reeleição..

Presidente francês invade vestiário, beija taça e visita croatas após final

Resultado de imagem para Macron Copa final

Do UOL, em São Paulo (SP)

Poucas pessoas demonstraram tamanha felicidade com o bicampeonato da França quanto Emmanuel Macron. O presidente francês chamou a atenção na festa de comemoração ao invadir o vestiário, beijar a taça da Copa do Mundo e posar para fotos com destaques da conquista como Antoine Griezmann e Paul Pogba.

Copa 2018: Assista aos gols de França 4 x 2 Croácia

Macron entrou no clima de festa. O político mais importante da França até fez a dab dance com Pogba e Mendy, depois de cumprimentar jogador por jogador. Com Griezmann, o presidente francês não hesitou e beijou a taça.

Reprodução/Instagram/benmendy23
Macron faz o “dab dance” com Pogba e MendyImagem: Reprodução/Instagram/benmendy23

O político quebrou protocolo antes mesmo de ir aos vestiários. Antes de a taça chegar na mão do goleiro e capitão Lloris, responsável por ergue-la, Macron e a presidente croata, Kolinda Grabar-Kitarovi?, beijaram o troféu.

Emmanuel  Macron ainda visitou o vestiário croata para saudar os vice-campeões mundiais, em gesto elogiado pela federação da ex-república iugoslava. “Grande gesto do presidente francês, Emmanuel Macron, ao vir parabenizar os jogadores croatas depois da partida.”

Henrique Alves dá primeiros sinais da sua candidatura à Câmara dos Deputados

Ouvindo amigos e sobretudo seus advogados, o ex-presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Alves começou a sinalizar seu retorno ao cenário político partidário..

Sua assessoria distribui vídeos produzidos em seu apartamento recebendo bacuraus históricos e nota de agradecimentos.

A nota divulgada Henrique Alves diz claramente: “A todos, um até breve. Logo estaremos juntos, nos sonhos e na esperança! A luta continua!”

Confira a nota na integra:

Hora de agradecer

Vivi 328 dias de privação absoluta. Lutei por meus direitos na forma da Lei.

E enfrentei com as graças de Deus, de Nossa Senhora e de seu Filho, Jesus.

Superei, venci. Inteiro entrei. Sofrido, inteiro saí.

Agora, a liberdade!

Agradecer ao MP que aquiesceu, ao Judiciário que concedeu. À minha família que sempre acreditou e que, ao meu lado, sofreu. Muito! A minha mulher Laurita, a meus filhos Andressa, Eduardo, Pedro Henrique. Também a Anita e Antônio. Aos meus irmãos, e “meu irmão” Garibaldi. Tanta força e solidariedade.

Agora, a emoção indescritível!

Agradecer a milhares de pessoas, conhecidas, desconhecidas, próximas, distantes, “o bacurau de sempre”, pelas orações e torcida.

Aos policiais da Academia Militar; do Comandante aos mais humildes, o respeito devido.

Aos meus competentes e incansáveis advogados Marcelo Leal, Esequias Cortez, Erick Pereira e Alexandre Pereira.

Esperei passar esses dias. Emoção intensa.

Agora, agradecer. É o início do caminhar para a vitória final, da Justiça plena.

A todos, um até breve. Logo estaremos juntos, nos sonhos e na esperança!

A luta continua!

Henrique Eduardo Alves

Vídeo distribuído e gravado em seu apartamento revelando bacurau de Apodi emocionado: 

 

 

Em Londres, Gilmar Mendes defende reorganização do Judiciário

A judicialização do país, assim como o aumento vertical da interferência da Justiça na vida dos brasileiros, não foi uma opção da magistratura, mas uma imposição das circunstâncias. Esse foi o raciocínio do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, durante seminário na Universidade de Londres, no início deste mês. “O Brasil se tornou um país Judiciário-dependente”, afirma.

Solução para o Brasil seria desjudicializar os conflitos sociais, diz o ministro Gilmar Mendes.
Nelson Jr./SCO/STF

CONJUR

Para o ministro, a explosão da demanda criou disfuncionalidades que só serão enfrentadas com uma nova organização judiciária. A solução seria desjudicializar os conflitos, com iniciativas como a reforma trabalhista ou o recente acordo feito entre os bancos e investidores, no caso dos planos econômicos.

O ministro defendeu que fórmulas como essas devam ser aplicadas em outras áreas como nas relações de consumo: “É preciso planejar os próximos trinta anos da Constituição de 1988”.

Leia os principais trechos da palestra:

Os trinta anos da Constituição Federal em vigor são extremamente marcantes. Com todas as turbulências e dificuldades pelas quais passamos, não tivemos qualquer ruptura institucional e este é um dado positivo. O Judiciário também teve um papel marcante. É uma Constituição, já disse o ministro Lewandowski, com muitas peculiaridades.

Um parlamentar importante que foi embaixador aqui em Londres, meu conterrâneo Roberto Campos, foi muito irônico em relação à Constituição de 1988. Disse que um dos problemas era ser de 1988. Se fosse de 1989, no clima vivido com a queda do muro de Berlim, ela não teria essa tendência estatizante, socializante que a marcou inicialmente. Já se disse também que essa Constituição foi extremamente detalhada. Isso se explica, nós vínhamos, como já disse o ministro Lewandowski, de um momento longo autoritário. Mais de vinte anos de uma ditadura militar.

Os setores organizados se mobilizaram para inscrever as suas preocupações no texto constitucional. Já disse, com muita graça o ex-senador, ex-vice-presidente da República, ministro de vários governos, Marco Maciel, contava uma história sobre essa Constituição de 1988 ocorrida no ambiente de sua feitura.

Dizia ele que certa vez foi chamado para dialogar com o ministro da Justiça. Ele estava no senado. Voltou ali para a área de saída do Congresso e não encontrou seu motorista. Então, decidiu tomar um táxi. O taxista enredou uma conversa que ilustra bem o momento de feitura da Constituição. O taxista viu que era uma viagem muito curta. No geral os taxistas não gostam de viagens curtas. Logo interpelou o senador e disse: “Senador, esta Constituição está toda errada”. O senador, que é um homem muito (…) disse: “Ah, é? Está errada por quê?”. Ele disse: “Todo dia eu vejo pessoas chegando no Congresso para inserir alguma coisa no texto constitucional. No final da tarde, já noite, eles saem e dizem que conseguiram aquilo, que as lideranças foram sensíveis àquele apelo. Senador, esta Constituição está tratando de muita coisa. Agrupou todos os interesses de índio, garimpeiro e seringueiro, mas ainda não tratou dos taxistas”. Era a percepção do homem comum de que havia, de fato, uma busca por abrigo no texto Constitucional, que se explica de alguma forma.

Era um momento inaugural de institucionalização do país depois de atos institucionais, decretos-leis. Portanto, era uma tentativa de se colocar uma nova ordem e, claro, grupos buscaram então esse tipo de fortalecimento. Uma das novidades, já foi dito aqui pelo presidente da mesa e também pelo ministro Lewandowski, foi o fortalecimento do Judiciário. Um modelo singular da chamada autonomia administrativa, mas também de autonomia financeira, que hoje é também objeto de bastante discussão. E o fortalecimento institucional do Judiciário com, inclusive, o surgimento de novas ações ou garantias.

Ao lado do tradicional habeas corpus vem também o tradicional Mandado de Segurança, mas as novas ações: o Mandado de Injunção, o Habeas Data. Nós tínhamos, até então, como sabem aqueles que se dedicam ao constitucionalismo nacional, uma práxis que enfatizava muito ou uma cultura que enfatizava o que muitos hoje chamam de constitucionalismo simbólico. Promessas que eram colocadas no texto constitucional, mas não se efetivavam. Não se efetivavam porque o legislador não o regulamentava.

O constituinte de 1988, incorporando práxis que se desenvolvia em outras ordens como, por exemplo, a alemã e, inicialmente, a portuguesa, que permitia cobrar a chamada omissão inconstitucional.

Isso é um ponto importante sobre o ativismo judicial, porque é um ativismo, diria eu, institucionalizado. É a própria Constituição que cobra que o Judiciário faça essa intervenção, dê resposta em caso de omissão inconstitucional. Esse realmente é um importante desafio. Nós também lidamos com esse tema tendo… Vou chamar assim, para usar uma expressão cara a nosso colega americano-brasileiro, Mangabeira Unger, temos um experimentalismo institucional.

Inicialmente, o Supremo entendeu que a sua competência no quadro, na moldura da separação de poderes, se limitava a apelar ao legislador para que ele atendesse àquela demanda. Mas, talvez a falta de uma cultura constitucional sobre esse tema levou o legislador a não ser sensível a esses apelos.

Não podemos esquecer também das dificuldades políticas que se colocam na realização. O fato é que o legislador, em geral, ficava um pouco indiferente ou quedava inerte diante do apelo quanto à existência de uma omissão, o que levou o Supremo Tribunal Federal – já ia aí dos vinte anos da Constituição, talvez um pouco mais – a mudar seu entendimento e a dizer que em casos de recalcitrância sistêmica ou sistemática era possível regular provisoriamente a situação. De alguma forma, substituir-se ao legislador. Isso ocorreu, já foi citado aqui, no caso de direito de greve do servidor público, em que o Tribunal acabou por fazer uma ampla regulação desse tema.

E nós temos outras disciplinas. Essa é uma singularidade, realmente, que marca a nossa experiência institucional e me parece que é digna de nota. Esse é um ponto realmente relevante e me parece que nos diferencia… Não se pode dizer, como eu já apontei, que a participação do Tribunal nos temas de omissão se dê simplesmente porque o Tribunal quer intervir em uma atividade que é típica do poder Legislativo. Mas talvez o Tribunal tenha sido concitado por essa segunda omissão, que é o não atendimento àquela demanda inicialmente feita pelo Tribunal em face do legislador, diante da judicialização.

São dois os instrumentos importantes nesse contexto. A chamada ação direta por omissão, que é um controle abstrato de normas, e o mandado de injunção, um remédio que assume um caráter individual, mas também coletivo. Esse é um ponto relevante para anotação. A outra nota que me parece importante diz com a discussão que ainda hoje temos sobre direitos e garantias individuais, especialmente os direitos de liberdade. Se olharmos esses anos todos, vamos ver que vivemos uma crise, que está muito presente, inclusive, agora, certo conflito no que diz respeito às defesas tradicionais do direito de liberdade.

O Tribunal, para ficarmos com uma memória mais recente, em 2008, 2009, enfrentou uma grave crise no debate em relação ao combate à corrupção, vis-à-vis a proteção dos direitos e garantias individuais. Uso abusivo, por exemplo, de algemas. Isto foi um debate específico. E agora, com a adoção de novos instrumentos de meios de prova, como a chamada colaboração ou delação premiada, as prisões provisórias alongadas, o Tribunal de novo se vê às voltas com esse debate. Este é um debate permanente. Se olharmos também o texto constitucional, vamos verificar que praticamente a metade daquilo que nós chamamos núcleo dos nossos direitos fundamentais, a partir do inciso 35 até mais ou menos o 77, nós vamos ter normas de caráter processual ou procedimental de proteção. A ênfase ao uso do habeas corpus, a ênfase na proteção dos direitos dos presos.

Em suma, há toda uma temática em torno deste assunto e, nós, neste momento, discutimos no Brasil, inclusive no contexto dessa operação que hoje é muito conhecida, relacionada à Petrobras, a questão dos direitos e garantias individuais, vis-à-vis a necessidade de combate à corrupção. Portanto, aqui não é novidade, se trata do uso do velho e tradicional habeas corpus.

Devo fazer um registro e aí anotar inclusive a participação decisiva do ministro Lewandowski que os novos instrumentos que surgiram, inclusive o mandado de segurança coletivo, nos levaram a mimetizar agora a coletivização do habeas corpus e em um caso bastante singular.

A legislação estabeleceu, não faz muito tempo, que se deveria evitar a prisão provisória das mães com crianças pequenas até doze anos e também das gestantes. Aqui, como sabemos, e nesse cenário, como se sabe, no Brasil, à distância, especialmente no sistema prisional, a distância entre norma e realidade é muito grande, abissal.

A realidade dos nossos presídios – todos que já se debruçaram sobre isso sabem – é realmente uma realidade muito chocante. E também a Defensoria Pública, que também é um órgão agora pensado, fortalecido sob 1988, a Defensoria Pública da União, entrou com um habeas corpus coletivo. Tanto quanto os olhos alcançam, é o primeiro caso de uso de habeas corpus coletivo com esse viés. Isto foi para a turma, nós decidimos. O relator foi o ministro Lewandowski e o Tribunal, o colegiado, por unanimidade deferiu a ordem determinando que todos os juízes que tivessem mães presas, mães de crianças até doze anos ou lactantes, bem como com filhos maiores deficientes, que fossem para a prisão domiciliar.

Aqui é um caso também que podemos dizer de um ativismo positivo. Porque estamos, sem dúvida nenhuma, realizando um modelo que a Constituição reclama. É verdade, porém, como também sabemos, que aqui o Tribunal faz um pouco, pelo menos, de uma micropolítica pública. E tem dificuldade de fazer a implementação. Toda hora chegam pedidos para que essa decisão seja confirmada ou atendida topicamente. Tanto é que discutíamos na turma, há algum tempo, a necessidade…

Este é um ponto que eu gostaria de chamar a atenção. Na medida em que participamos um pouco de reformulação ou controle ou redirecionamento de políticas públicas, talvez tenhamos que mudar também o nosso approach em relação a isso. Discutíamos se não é necessário, por exemplo, ter um juiz auxiliar incumbido de fiscalizar o cumprimento dessa decisão. Esse é um caso singular, que já se colocou também no que diz respeito a decisões que tomamos para uma mudança no sistema prisional. Gostaria de reafirmar que o Judiciário tem um papel no Brasil, hoje bastante importante. Às vezes há queixas e, talvez, queixas pertinentes em relação a algum excesso, especialmente de decisões de caráter liminar ou provisórias.

Mas, ao mesmo tempo, há decisões, inclusive políticas, relevantes, que foram tomadas graças a um, vamos dizer assim, certo ativismo. Eu diria também, nesse ambiente, de um ativismo benfazejo, do Judiciário. Vamos pegar a última crise. E aqui há também uma singularidade. A última crise governamental, em que se colocou o impeachment da presidente Dilma como solução política. Aqui uma nota é importante: nós estamos vivendo este grau de estabilidade institucional em um grau, talvez, de alguma instabilidade política. Nós temos trinta anos de democracia, quatro presidentes eleitos, só dois deles terminaram o mandato. É um fenômeno que, alguém já disse, de uma certa parlamentarização do presidencialismo. É a ideia da parameterization of presidentialism.

Estamos usando o impeachment, talvez, com outro approach, com outro viés. Mas o curioso neste último embate, neste último caso, é que, até agora, nós não temos uma nova lei do impeachment. A lei vem dos anos 1950. Portanto, adaptada a outra Constituição. Se o Supremo não interviesse para regular a temática e dizer como se interpretaria aquela lei à luz da nova Constituição, portanto, fazendo, a grosso modo, uma lei do impeachment para o caso ad hoc, muito provavelmente nós teríamos mais impasse naquele processo.

O papel do Tribunal foi, portanto, importante para desatar o nó. Então, a mim, me parece que todas essas questões precisam ser discutidas. É claro, agora acho que é o momento – e acho que é até um momento importante para estarmos aqui fazendo esse diálogo – de pensarmos nos próximos trinta anos.

Certamente aí com os novos presidentes, planejar o Judiciário desses próximos trinta anos. Nós não podemos lidar com essa massa enorme de processos. O Brasil se tornou, em certa medida também, um país Judiciário-dependente. Muitas das questões dependem do Judiciário e, claro, que nós temos que incentivar outros processos decisórios e outros modos de solução de demandas.

O ministro Lewandowski fez referência a esse célebre acordo feito entre os bancos e os poupadores, uma questão imensa, que teve grande repercussão. Muito provavelmente nós temos que fazer esse tipo de encorajamento. Eu diria, se eu pudesse fazer uma sugestão às novas direções, que nós teríamos que fazer o esforço de desjudicialização, de encorajamento de soluções boas, autônomas nesse processo.

Mas é evidente que hoje temos ainda essa judicialização que tem a ver com o que o ministro Lewandowski falou, com essa consciência cidadã. As pessoas passaram a reivindicar mais seus direitos e nós tivemos realmente essa explosão de demandas que leva, é claro, à disfuncionalidades do próprio processo judicial. Eu queria, portanto, encerrar dizendo que é preciso que nós pensemos em uma nova organização do Poder Judiciário.

Algumas coisas estão acontecendo de maneira positiva. Por exemplo, a recente reforma trabalhista, segundo as anotações, pelo menos que têm sido feitas nos jornais, está levando a uma diminuição das demandas na área do trabalho e ao uso de meios alternativos de solução de conflitos. É possível que outras reformas em outras searas, por exemplo, no direito do consumidor ou em outros setores também estimulem essa dimensão. Os juízes não precisam ficar preocupados porque há trabalho para todo mundo. Continuam a serem demandados em questões relevantes. É preciso planejar os próximos trinta anos da Constituição de 1988 e claro, também, o papel do Judiciário. Muito obrigado.

Bolsonaro terá chapa puro sangue para governador e senador no RN

Resultado de imagem para coronel azevedo

O coronel da reserva de Polícia Militar do RN, André Luiz Vieira de Azevedo ter+a seu nome lançado como candidato a governador do RN durante esta semana pelo Patriotas.

Coronel Azevedo terá como companheiro de chapa para o senado o capitão Styvenson Valentim e o economista Douglas Azevedo..

Os três candidatos serão os legítimos representes do candidato a Presidente da República Jair Bolsonaro..Resultado de imagem para Bolsonaro em Natal

 

Bacuraus querem que Henrique Alves seja candidato a deputado federal

Resultado de imagem para Henrique Alves e garibaldi
Dobradinha de Garibaldi Alves e Henrique Alves

Uma grande discussão está sendo travada pelos amigos, correligionários e familiares de Henrique Alves.

Com a revogação de sua prisão pelo juiz Eduardo Guimarães que concedeu total liberdade, discute-se sua candidatura a deputado federal.

Uma corrente defende que Henrique seja candidato para promover sua defesa social e eleitoral, sendo eleito ele será absolvido pelo povo..

Analistas políticos afirmam que Henrique Alves não terá dificuldades para se eleger, existe uma forte vontade das lideranças mdbistas em elege-lo..

Um bacurau disse ao Blog do Primo que Henrique deve fazer o mesmo que o ex-presidente Lula está fazendo, ou seja, enfrentando todas dificuldades na Justiça, mas, mantendo sua candidatura à presidência de República inclusive liderando todas pesquisas de inteções de votos..

Existe uma diferençara no processo de Henrique para o de Lula, Henrique não tem condenação em segundo grau, portanto pode ser candidato..

Ciro faz ofensiva em SP por apoio do Centrão

Resultado de imagem para carlos Eduardo Alves e Ciro Gomes
Carlos Eduardo Alves e seu candidato a governador Ciro Gomes
Por Cristiane Agostine | Valor

SÃO PAULO  –  O pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, fará uma ofensiva neste sábado (14), em São Paulo, para tentar obter o apoio do Centrão, bloco político formado pelo DEM, PP, PRB, PR e SD. Ciro se reunirá com lideranças nacionais do bloco, como o presidente nacional do DEM e prefeito de Salvador, ACM Neto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (RJ) e o presidente do Solidariedade, deputado Paulinho da Força (SP), na expectativa de evitar que o grupo faça uma aliança com o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin.

O bloco está dividido ainda sobre qual candidato apoiar na eleição presidencial. Lideranças do Centrão marcaram um encontro hoje para definir o rumo do grupo e Ciro pediu para conversar com os dirigentes antes dessa reunião.

O presidenciável do PDT tem a preferência da cúpula do DEM e do Solidariedade, além de ter como interlocutor no PP o empresário Benjamin Steinbruch, cotado para ser vice em sua chapa.

O PRB, que anunciou ontem a retirada da pré-candidatura presidencial do partido, do empresário Flávio Rocha, prefere Alckmin. Com cargos no governo federal, o PP tem sido pressionado pelo presidente Michel Temer (MDB) a não apoiar Ciro. O partido controla os ministérios da Saúde, Agricultura e Cidades e comanda a Caixa.

Alckmin também tem se movimentado para tentar costurar uma aliança com o grupo e, nesta semana, reuniu-se com o ex-ministro Aldo Rebelo (SD), um dos nomes cotados para ser vice do tucano, e com o presidente nacional do PP, senador Ciro Nogueira (PI).

Consulta à cota do PIS estará disponível nesta segunda-feira

Os trabalhadores com direito à cota do PIS poderão conferir nesta segunda-feira (16), na Caixa Econômica Federal, quais são os valores que irão receber a partir de agosto. Os recursos no fundo terão reajuste de 8,9%.

Para saber quanto será possível retirar, os profissionais devem acessar o site www.caixa.gov.br/cotaspis. A consulta também pode ser feita pelo telefone 0800-7260207, nos caixas eletrônicos, com Cartão do Cidadão, e nas agências da Caixa.

É preciso informar CPF ou NIS (Número de Identificação Social) e data de nascimento.

Tem direito à cota do fundo PIS/Pasep quem trabalhou com carteira assinada ou foi servidor entre 1971 e 4 de outubro de 1988.

No caso do Banco do Brasil, que paga o Pasep, também haverá o reajuste, mas não é possível fazer a checagem. Nos canais de atendimento do banco, só é possível saber se o profissional tem direito ou não à cota. O BB não divulga valores.

O dinheiro corrigido cairá na conta dos clientes da Caixa e do BB no dia 8 de agosto. Entre 14 de agosto e 29 de setembro quem não é correntista ou poupador também poderá sacar os valores.

A cota do PIS/Pasep é diferente do abono, que é pago todo ano a quem trabalhou no ano anterior com carteira assinada por pelo menos um mês, ganhando até dois salários mínimos.

Putin comemora “fim dos mitos anti-Rússia” durante Copa do Mundo

Yuri Kadobnov/Pool via REUTERS
Vladimir Putin e Gianni Infantino. durante evento no Teatro Bolshoi Imagem: Yuri Kadobnov/Pool via REUTERS

Do UOL, em São Paulo

O presidente russo, Vladimir Putin, esteve ao lado do presidente da Fifa, Gianni Infantino, em uma sessão especial no Teatro Bolshoi, em Moscou, no último sábado (14), e comemorou o “fim dos mitos anti-Rússia” durante a Copa do Mundo.

“Estamos entusiasmados que nossos convidados viram tudo com os próprios olhos e que os mitos e preconceitos desmoronaram”, disse Putin à Agência de Notícias Russa (Tass).

“A Rússia estava se preparando para o torneio de forma substancial e responsável, e estamos sinceramente felizes por ter sido um sucesso e ter unido milhões de pessoas”, afirmou.

O evento no Bolshoi aconteceu na véspera da final do Mundial, entre França e Croácia, que se enfrentam neste domingo (15), às 12h (de Brasília), no Estádio Lujniki, em Moscou.

O presidente russo ainda falou sobre a “família” criada entre os torcedores durante a Copa. “Vieram para a Rússia para apoiar suas seleções e incorporaram a diversidade de uma família internacional do futebol. No entanto, o principal é que eles demonstraram suas melhores características, que são amizade, espiritualidade, lealdade aos princípios do esporte e os ideais de igualdade e respeito mútuo”, afirmou.

Polícia Federal acusa Aécio Neves de atuar para maquiar dados enviados a CPI

Resultado de imagem para Rogério marinho Aécio Neves
Aécio Neves e seu representante do RN, deputado saco preto Rogério Marinho

ESTADÃO

A Polícia Federal atribuiu ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) e ao ex-vice-governador de Minas Gerais Clésio Andrade o crime de corrupção ativa, no relatório final do inquérito que durante dois anos apurou suspeitas de maquiagem de dados do Banco Rural que deveriam ter sido entregues à CPMI dos Correios em 2005.

De posse do relatório, a Procuradoria-Geral da República enviou manifestação ao ministro-relator do inquérito no Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, o pedido para que o caso siga à primeira instância com base na limitação da regra do foro privilegiado, uma vez que os fatos são anteriores ao mandato parlamentar.

A conclusão da PF foi que Aécio Neves da Cunha, então governador de Minas Gerais, e Clesio Soares de Andrade, vice-governador, atuaram junto ao então senador Delcício do Amaral, presidente da CPMI, para que fosse dado mais prazo para o envio de informações bancárias, de tal modo que o Banco Rural pudesse alterar os dados referentes a contratos de empresas do publicitário Marcos Valério.

O intuito, segundo a PF, era impedir o acesso da CPI a conteúdos que ligassem a gestão tucana a crimes operados a partir das fraudes das empresas do publicitário com o banco.

“É seguro afirmar que, no início do segundo semestre de 2005, por intermédio de pessoa não plenamente identificada, Aécio Neves da Cunha e Clésio Soares de Andrade ofereceram vantagem indevida a Delcídio do Amaral para que este, na condição de presidente da CPMI dos Correios, viabilizasse o retardamento e a inadequação de remessa pelo Banco Rural de Informações bancárias envolvendo as empresas de Marcos Valério, com o propósito de, juntamente com atos pretéritos e posteriores, mitigassem evidências da existência e funcionamento dentro do Governo de Minas de esquema acentuadamente semelhante ao que ocorria no Governo Federal e era investigado naquela CPMI”, diz o delegado da PF Heliel Jefferson Martins Costa.

O delegado aponta que Delcídio do Amaral “praticou ato de ofício contrário a seu dever legal, a pedido mediato e no interesse de Aécio Neves a Cunha e Clesio Soares de Andrade, em troca de promessa ou oferecimento, tácitos ou expressos, de vantagem política futura e indevida”.

O relatório final não atribui crimes nem ao ex-prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, que era membro titular da CPMI dos Correios, nem ao deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP). A investigação sobre os dois não encontrou provas que sustentassem o relato de Delcídio do Amaral. “Deixo de indiciar, por ausência de provas, condutas típicas imputáveis aos investigados Eduardo Paes e Carlos Sampaio”, diz o relatório.