Arquivo diários:15/07/2018

Putin comemora “fim dos mitos anti-Rússia” durante Copa do Mundo

Yuri Kadobnov/Pool via REUTERS
Vladimir Putin e Gianni Infantino. durante evento no Teatro Bolshoi Imagem: Yuri Kadobnov/Pool via REUTERS

Do UOL, em São Paulo

O presidente russo, Vladimir Putin, esteve ao lado do presidente da Fifa, Gianni Infantino, em uma sessão especial no Teatro Bolshoi, em Moscou, no último sábado (14), e comemorou o “fim dos mitos anti-Rússia” durante a Copa do Mundo.

“Estamos entusiasmados que nossos convidados viram tudo com os próprios olhos e que os mitos e preconceitos desmoronaram”, disse Putin à Agência de Notícias Russa (Tass).

“A Rússia estava se preparando para o torneio de forma substancial e responsável, e estamos sinceramente felizes por ter sido um sucesso e ter unido milhões de pessoas”, afirmou.

O evento no Bolshoi aconteceu na véspera da final do Mundial, entre França e Croácia, que se enfrentam neste domingo (15), às 12h (de Brasília), no Estádio Lujniki, em Moscou.

O presidente russo ainda falou sobre a “família” criada entre os torcedores durante a Copa. “Vieram para a Rússia para apoiar suas seleções e incorporaram a diversidade de uma família internacional do futebol. No entanto, o principal é que eles demonstraram suas melhores características, que são amizade, espiritualidade, lealdade aos princípios do esporte e os ideais de igualdade e respeito mútuo”, afirmou.

Polícia Federal acusa Aécio Neves de atuar para maquiar dados enviados a CPI

Resultado de imagem para Rogério marinho Aécio Neves
Aécio Neves e seu representante do RN, deputado saco preto Rogério Marinho

ESTADÃO

A Polícia Federal atribuiu ao senador Aécio Neves (PSDB-MG) e ao ex-vice-governador de Minas Gerais Clésio Andrade o crime de corrupção ativa, no relatório final do inquérito que durante dois anos apurou suspeitas de maquiagem de dados do Banco Rural que deveriam ter sido entregues à CPMI dos Correios em 2005.

De posse do relatório, a Procuradoria-Geral da República enviou manifestação ao ministro-relator do inquérito no Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, o pedido para que o caso siga à primeira instância com base na limitação da regra do foro privilegiado, uma vez que os fatos são anteriores ao mandato parlamentar.

A conclusão da PF foi que Aécio Neves da Cunha, então governador de Minas Gerais, e Clesio Soares de Andrade, vice-governador, atuaram junto ao então senador Delcício do Amaral, presidente da CPMI, para que fosse dado mais prazo para o envio de informações bancárias, de tal modo que o Banco Rural pudesse alterar os dados referentes a contratos de empresas do publicitário Marcos Valério.

O intuito, segundo a PF, era impedir o acesso da CPI a conteúdos que ligassem a gestão tucana a crimes operados a partir das fraudes das empresas do publicitário com o banco.

“É seguro afirmar que, no início do segundo semestre de 2005, por intermédio de pessoa não plenamente identificada, Aécio Neves da Cunha e Clésio Soares de Andrade ofereceram vantagem indevida a Delcídio do Amaral para que este, na condição de presidente da CPMI dos Correios, viabilizasse o retardamento e a inadequação de remessa pelo Banco Rural de Informações bancárias envolvendo as empresas de Marcos Valério, com o propósito de, juntamente com atos pretéritos e posteriores, mitigassem evidências da existência e funcionamento dentro do Governo de Minas de esquema acentuadamente semelhante ao que ocorria no Governo Federal e era investigado naquela CPMI”, diz o delegado da PF Heliel Jefferson Martins Costa.

O delegado aponta que Delcídio do Amaral “praticou ato de ofício contrário a seu dever legal, a pedido mediato e no interesse de Aécio Neves a Cunha e Clesio Soares de Andrade, em troca de promessa ou oferecimento, tácitos ou expressos, de vantagem política futura e indevida”.

O relatório final não atribui crimes nem ao ex-prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, que era membro titular da CPMI dos Correios, nem ao deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP). A investigação sobre os dois não encontrou provas que sustentassem o relato de Delcídio do Amaral. “Deixo de indiciar, por ausência de provas, condutas típicas imputáveis aos investigados Eduardo Paes e Carlos Sampaio”, diz o relatório.