Arquivo diários:20/07/2018

Geddel e Luiz Estevão são transferidos para ala de segurança máxima da Papuda

Resultado de imagem para Geddel com Henrique Alves
Geddel com seu amigo potiguar Henrique Alves

Por Gabriela Coelho

Após encontrar indícios de privilégios nas celas do ex-ministro Geddel Vieira Lima e do ex-senador Luiz Estevão, a Vara de Execuções Penais do Distrito Federal determinou a transferência dos dois para o bloco de segurança máxima da Papuda, onde estão presos. Em revista na cela, a Polícia Civil encontrou chocolate, tesoura e cinco pen drives com o ex-senador.

Na decisão, a juíza Leila Cury afirma que há indícios de que Luiz Estevão esteja exercendo “liderança negativa”, após ter sido flagrado duas vezes com objetos proibidos. Foram encontrados 25 itens na cela de Luiz Estevão e dois itens na cela de Geddel.

“Há indícios de que ele vem exercendo liderança negativa no ambiente em que atualmente está recolhido, pois ele já foi flagrado, pelo menos duas vezes, na posse de objetos proibidos, tudo estando a indicar que, se não for imediatamente realocado em outro local, além de dificultar a efetiva apuração dos fatos, pode vir a conseguir novamente outros privilégios”, disse a juíza.

A juíza destacou ainda que os indícios da prática de falta disciplinar desclassificaram Luiz Estevão do trabalho interno que vinha desempenhando, por quebra de confiança. “Não se pode afirmar que Luiz Estevão seja ‘o dono da cadeia’ [como afirma a Polícia], porque não há prova do descontrole total do Estado ou vácuo de Poder”, concluiu a juíza.

Em nota, a defesa do ex-ministro Geddel Vieira Lima afirmou que a decisão é confusa, contraditória e sem fundamento. “Sob o pretexto de supostamente garantir a proteção à integridade física do senhor Geddel Vieira Lima, a decisão acaba por lhe aplicar regime de cumprimento de prisão preventiva de gravidade assemelhada ao regime disciplinar diferenciado, em clara inobservância aos regramentos do Código de Processo Penal e Lei de Execução Penal”, afirma advogado Gammil Föpel, que vai recorrer da decisão.

Paulinho da Força, do Solidariedade, reabre negociação com Ciro

Paulinho da Força com seu amigo, deputado potiguar Kelps Lima
Por Folhapress

BRASÍLIA  –  Um dia após celebrar o apoio do centrão à sua pré-candidatura ao Planalto, Geraldo Alckmin (PSDB) se tornou alvo da primeira ameaça de deserção. O deputado Paulinho da Força (SP), presidente do Solidariedade, foi pressionado por sindicalistas a discutir uma alternativa à aliança com o tucano e retomou as negociações com Ciro Gomes (PDT), que também disputa a sucessão de Michel Temer.

Os líderes sindicais, que compõem a base do Solidariedade, reclamam dos termos fechados nesta quinta (19) pelo chamado Centrão, que reúne as legendas DEM, PP, PR, PRB e SD, para apoiar Alckmin e fizeram com que Paulinho reabrisse as conversas com o PDT. A proposta, vista com ceticismo tanto por auxiliares de Ciro como de Alckmin, é que, se o ex-governador do Ceará conseguir atrair PSB e PCdoB, o Solidariedade poderia mudar de lado e se somar a eles.

O objetivo de Paulinho é que o tucano flexibilize seu discurso quanto à reforma trabalhista. Alckmin é favorável à nova lei, que excluiu o imposto sindical, mas se comprometeu com o Centrão a rever novas formas de financiamento para entidades. Ciro, por sua vez, é favorável à revogação da reforma trabalhista, o que agrada às centrais sindicais.

Presidenciáveis criticam Bolsonaro por ensinar menina a imitar arma

Resultado de imagem para Bolsonaro criança armaPor Folhapress

BRASÍLIA  –  Uma imagem em que o pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL-RJ) ensina uma criança a fazer com a mão o gesto de uma arma empunhada gerou polêmica nas redes sociais, inclusive entre presidenciáveis.

Durante evento em Goiânia ontem, o presidenciável segurou no colo uma menina, aparentando de 3 a 4 anos, e a ensinou a simular uma arma com as mãos. Ele colocou o polegar dela em riste e esticou o indicador para a frente, fazendo um “L” entre os dois dedos.

“O inominável fez, na mão de um ser ainda tão indefeso, o gesto de uma arma. O BR q eu sonho viver é aquele em q nenhuma criança seja submetida a violências. Em que educação forme brasileirinhos p/ a paz. A imagem é tão violenta q o sorriso do inominável deve ser apenas um deboche”, escreveu Manuela D’Ávila, presidenciável do PC do B..

O ato também foi criticado por Marina Silva (Rede) e Guilherme Boulos (PSOL). “Como mãe e professora, fiquei estarrecida ao ver um candidato ensinar uma criança a fazer gesto de revólver com as mãos. As mãos de uma criança devem ser treinadas para pegar em lápis e caderno, e jamais em armas”, publicou a ex-senadora.

Já Boulos, afirmou que a foto provocou nojo. “Eu como pai sinto nojo e lamento uma pessoa dessa estar solta por aí destilando ódio. Bolsonaro não é um adversário eleitoral, é adversário do Brasil.”

A reportagem tentou contato com a assessoria de Bolsonaro e com o próprio parlamentar, mas não obteve resposta.

Aliado do presidenciável e um dos parlamentares que o acompanhava na agenda em Goiânia, o delegado Waldir (PSL-GO) disse que a cena “não tem nada de mais”.

“O Bolsonaro não estava ensinando nenhuma ideologia de gênero não”, disse, justificando que o gesto foi feito, segundo ele, a pedido dos próprios pais da menina.

O deputado disse que trata-se de um símbolo que é marca sua e de seus eleitores e afirma que ele fez ato semelhante ao votar contra a ex-presidente Dilma Rousseff e contra o presidente Michel Temer.

“Crianças de três, quatro, cinco anos são treinadas nos Estados Unidos [a usar armas]. Isso é uma forma de disciplina naquele país, que é de primeiro mundo”, disse. “É uma marca de coragem, de atitude.”

Tribunal aceita recurso da defesa de Lula contra debate de elegibilidade

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

A vice-presidente do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região), desembargadora Maria de Fátima Freitas Labarrère, aceitou nesta sexta-feira (20) um recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que pedia para que ela reconsiderasse uma decisão judicial que podia acelerar a discussão sobre a elegibilidade do petista.

A defesa do ex-presidente alegou, no último dia 10, que houve “atropelo processual” quando a desembargadora enviou ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) por decisão própria uma cópia do chamado processo do tríplex, da Operação Lava Jato.

Labarrère tomou a decisão no dia 29 de junho. Ela afirmou, na ocasião, que o objetivo era “afastar qualquer alegação de prejudicialidade quanto ao afastamento da inelegibilidade pelo aguardo dos prazos legais”. A magistrada citou ainda que, no recurso de Lula ao STJ contra a condenação no caso do tríplex, julgado pelo ministro Felix Fischer em junho, a defesa solicitava também a suspensão da inelegibilidade do ex-presidente.

Os advogados de Lula, por outro lado, afirmam que, segundo a Lei da Ficha Limpa, apenas a defesa pode pedir a análise da suspensão da inelegibilidade, e que não havia menção a essa questão no pedido julgado pelo STJ.

No despacho desta sexta, Labarrère  acata o pedido da defesa e revoga o envio do material ao STJ. “De qualquer sorte, a fim de evitar maiores delongas e, tendo em vista que não é de interesse do recorrente [Lula] a remessa de cópia do presente processo à Corte Superior, reconsidero a decisão”, escreveu a desembargadora.

Apesar de aceitar o recurso, a desembargadora questionou pontos apresentados pela defesa. Ela afirma que a remessa dos autos não teria cunho decisório e foi tomada com base nos fundamentos do pedido de suspensão da condenação apresentado pelos advogados de Lula.

Ela também cita que, ao STJ, a defesa argumentou que o petista, por se tratar de um pré-candidato, “além de ver sua liberdade indevidamente tolhida, corre riscos de ter, da mesma forma, seus direitos políticos cerceados, em pleno processo eleitoral”.

A desembargadora ainda diz que a própria defesa do ex-presidente alegou ao STJ que houve demora do TRF-4 em intimar o MPF (Ministério Público Federal) para manifestação sobre os recursos protocolados pelos advogados no processo do tríplex.

Labarrère afirma então que, tendo em conta a inexistência de “qualquer atraso na tramitação processual, causa estranheza que uma providência adotada justamente para afastar qualquer alegação de prejuízo à defesa possa ensejar a inconformidade ora deduzida [com o envio dos autos ao STJ]”.

Mesmo preso e potencialmente inelegível, Lula lidera os cenários das pesquisas de intenção de voto em que seu nome é incluído. O PT garante que vai inscrevê-lo como candidato e refuta, ao menos publicamente, a ideia de um “plano B”.

Depois de Rogério 157, policial posa ao lado de “Doutor Bumbum” e será investigada

Renan Prates

Colaboração para o UOL, em São Paulo

Depois de fazer uma selfie com o cantor Naldo Benny e o traficante Rogério Avelino da Silva, conhecido como “Rogério 157”, a policial Mirian Santos posou para foto ao lado do médico Denis Barros Furtado. Conhecido como “Doutor Bumbum”, ele foi preso nesta quinta-feira (19) acusado de ser responsável pela morte da bancária Lilian Calixto, de 46 anos, que não resistiu a um procedimento estético.

A assessoria de imprensa da Polícia Civil informou ao UOL que a conduta da policial será avaliada pela Corregedoria Interna da Polícia Civil (Coinpol).

Existem dois tipos de pena que são impostas pela Polícia Civil para este tipo de prática: um a 15 dias de suspensão (se comprovado que o policial se exibiu em local público ou manteve relações com pessoas de má reputação) ou 41 a 90 dias de suspensão (se comprovado que o policial desrespeitou os direitos ou garantias individuais dos presos).

Reprodução/Facebook

Mirian fez selfie com Naldo após cantor ter sido preso

Mirian está na foto que circula nas redes sociais e nos grupos de WhatsApp ao lado de Denis Furtado e de sua mãe, Maria de Fátima Barros Furtado, que também foi presa. O advogado da dupla também aparece na imagem. A policial está com uma arma na mão. Outro policial aparece na foto sem armas.

Em dezembro do ano passado, Mirian havia feito uma selfie com “Rogério 157”, preso por ser apontado como chefe do tráfico de drogas na favela da Rocinha (RJ), e apareceu sorrindo na imagem.

Pouco tempo depois, Mirian também apareceu em uma foto ao lado de Naldo Benny, detido por porte ilegal de arma de fogo. A selfie foi feita logo após o cantor ter pago a fiança para ser liberado.

Por ter aparecido nas duas imagens, Mirian foi submetida a uma sindicância da Coinpol. De acordo com a assessoria da Polícia Civil, o processo está em fase de finalização. A policial foi indiciada e vai apresentar defesa pela “transgressão disciplinar continuada”. O episódio da foto com o “Doutor Bumbum” será levado em conta na sindicância.

Alvo de 6 investigações no STF e TJ, Rogério Marinho é relator do orçamento do Judiciário

Por Robson Pires

O orçamento do Poder Judiciário para 2019 vai passar pelo crivo do deputado federal Rogério Marinho (PSDB). Ele é investigado em 6 processos no Supremo Tribunal Federal e no Tribunal de Justiça do Estado pelos crimes que vão desde contratação de funcionários fantasmas na época em que presidia a Câmara Municipal de Natal, corrupção, lavagem de dinheiro, crime contra a ordem tributária, peculato e falsidade ideológica.

O orçamento para 2019 foi dividido em 16 relatorias. Em 2017, Rogério Marinho foi relator da reforma trabalhista, que mudou mais de 100 artigos na CLT retirando direitos conquistados pelos trabalhadores desde a era Vargas, e este ano vai analisar a proposta orçamentária do Poder Judiciário, o que inclui a Justiça do Trabalho, alvo de críticas públicas do parlamentar.

Conheça o Kadu Ciarlini Rosado o vice-governador de Carlos Eduardo Alves

Rede News 360

Atua na área de comunicação pública. Assessorou o governador do Amazonas em 2014, período em que a administração estadual teve grande crescimento de aprovação popular, contribuindo para a reeleição do então chefe do Poder Executivo.

Tem experiência na assessoria de prefeitos e candidatos a prefeito em diversas cidades.

Em 2016 foi o coordenador da campanha da atual prefeita de Mossoró Rosalba Ciarlini, tendo participação mais ampla do que apenas na área da comunicação, trazendo propostas inovadoras, a exemplo das iniciativas com o conceito de ‘smart city’ ou cidade inteligente, projetos que já estão acontecendo, tais como: Ônibus Inteligente, Ouvidoria Digital e o aplicativo Cidade Iluminada. O Ônibus Inteligente funciona informando através de um aplicativo de celular a hora exata dos ônibus na parada para o usuário do transporte coletivo. O Ouvidoria Digital é um sistema de ouvidoria totalmente on-line, onde a população pode contribuir, tirar dúvidas e solicitar serviços, recebendo respostas em um prazo pré-estabelecido. Já o Cidade Iluminada dispõe de um aplicativo para solicitação da troca de lâmpadas e acompanhamento da substituição das luminárias de LED em toda a cidade.

Atuou como chefe de Gabinete Civil da Prefeitura de Mossoró em 2017, saindo do cargo posteriormente para se dedicar a projetos na iniciativa privada, entretanto, continua fazendo o assessoramento político da prefeita Rosalba Ciarlini, que nessa gestão tem tido avaliação acima da média em relação aos municípios em geral, trabalho que iniciou em 2016.

Tem como principal bandeira a defesa das políticas públicas inteligentes, que são alicerçadas no uso da tecnologia para melhoria do funcionamento dos serviços públicos, tendo participado de seminários e congressos sobre o tema de “smart cities”, que versam sobre este assunto.

fonte/ Rede News 360

Energia elétrica impulsiona inflação oficial na prévia de julho

Por Vitor Abdala – Repórter da Agência Brasil  Rio de Janeiro

O aumento médio de 6,77% no custo da energia elétrica no país foi o principal responsável pela inflação de 0,64% registrada pela prévia de julho do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), o IPCA-15. Entre a segunda quinzena de junho e a primeira quinzena de julho (período de apuração da pesquisa), houve reajustes da tarifas nas concessionárias de São Paulo, Curitiba, Brasília, Porto Alegre e Belo Horizonte.

Segundo o IBGE, o custo com habitação, que subiu 1,99%, foi puxado também por aumentos de preço do gás de botijão (1,36%), gás encanado (1,24%) e tarifa de esgoto (1,27%).

Outros grupos de despesa que influenciaram a prévia de julho da inflação oficial foram os alimentos, com taxa de 0,61%, e os transportes, com alta de preços de 0,79%.

O aumento de preços dos alimentos foi puxado por produtos como leite longa vida (18,3%), frango inteiro (6,69%), frango em pedaços (4,11%), arroz (3,15%), pão francês (2,58%) e carne (1,1%). Por outro lado, alimentos que tinham sentido uma alta de preços na prévia de junho devido à greve dos caminhoneiros, desta vez tiveram deflação: batata-inglesa (24,8%), tomate (23,57%), cebola (21,37%), hortaliças (7,63%) e frutas (5,24%).

A inflação dos transportes foi influenciada bastante pelo aumento da passagem aérea (45,05%). Os combustíveis, que haviam tido alta de 5,94% em junho, tiveram deflação de 0,57%, por causa da queda de preços do óleo diesel (6,29%), etanol (0,78%) e gasolina (0,37%).

Tribunal do Crime: chefes do PCC acompanham em tempo real assassinatos pelo país

7 de outubro de 2017: Policiais encontram corpo de vítima do PCC em Campo Grande“Picotar é o de praxe, meu mano, se caso der. Se não der, só arranca a cabeça ali, tá tranquilo.” 

Flávio Costa e Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

A ordem acima foi emitida no dia 7 de outubro de 2017 durante uma conferência por celular na qual participaram chefes da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Eles decidiam na ocasião o destino de um integrante da organização rival, Comando Vermelho, capturado em Campo Grande (MS).

Interceptada durante as investigações da Operação Echelon, a conferência mostra o funcionamento de um “tribunal do crime” no qual inimigos do PCC acabam torturados e sentenciados à morte por líderes da facção, que acompanham os assassinatos em tempo real.

Na denúncia do MP-SP (Ministério Público de São Paulo) constam diversos flagrantes das “sessões de julgamento” do PCC realizadas por todo o país. Há casos relatados também no Ceará, Roraima, Amapá e Mato Grosso, por exemplo.

Do outro lado da linha, os chefes da facção comandam as ações, apesar de alguns deles estarem detidos em presídios com bloqueadores de celulares, como mostrou reportagem da Folha de S.Paulo.

Tortura precede assassinato

Os alvos preferenciais dos julgamentos descritos na denúncia da Operação Echelon são membros do Comando Vermelho.

Desde o segundo semestre de 2016, as duas maiores facções criminosas entraram em guerra pelo domínio das principais rotas de tráfico de drogas e armas e da massa carcerária do país.

Os chefes do PCC ordenam que os adversários sejam torturados nos interrogatórios. Após matá-los, os “soldados” do PCC devem enviar-lhes fotos e vídeos dos corpos, de preferência com as cabeças arrancadas.

O “sentenciado” no caso descrito no começo desta reportagem chamava-se Rudnei da Silva Rocha, 22, conhecido como Babidi. Ele foi torturado durante duas horas para que passasse informações sobre seus comparsas.

“Ou você oculta e deixa eles vivos e você morre, ou você abre o coração, sai vivo, e nois vai arregaça todos eles (sic)“, disse um membro do PCC.

Policiais encontraram o corpo de Babidi, na noite seguinte, em um matagal na região oeste da capital sul-mato-grossense. Enrolado em um colchão, o cadáver apresentava marcas de tortura e estava decapitado.

Lalo de Almeida/Folhapress

Membros da cúpula do PCC estão presos na Penitenciaria 2 de Presidente Venceslau (SP)

Tentativa de assassinato foi transmitida por celular

Em outro caso, os chefes do PCC acompanharam “ao vivo” a tentativa de assassinato de um desafeto da facção.

Enquanto atiradores entravam na casa de Rene Fernandes do Advento para matá-lo, outro membro falava ao celular com um dos líderes da facção e lhe informava sobre a “operação”.

“Gatilha então, põe o radinho no bolso, mete marcha… acerta na cabeça, irmão, chega daquele jeito”, disse um dos membros do PCC.

A tentativa de homicídio aconteceu na cidade de Naviraí (MS) no dia 15 de novembro de 2017.

De acordo com a transcrição feita pelos investigadores da Operação Echelon, “é possível ouvir disparos de arma de fogo e gritos de criança”. O alvo sobreviveu, apesar de ter recebido três tiros. Quinze dias antes ele já havia escapado de um primeiro atentado. Na ocasião, foi atingido sete vezes.

Secretaria pede isolamento de líderes do PCC

Autor da denúncia, o promotor de Justiça Lincoln Gakyia afirmou ao UOL que a Polícia Civil paulista compartilhou com as autoridades de outros estados as provas de participação de membros do PCC nos casos de assassinatos flagrados pela investigação.

Por sua vez, a SAP (Secretaria de Administração Penitenciária) de São Paulo afirmou, em nota, que pediu à Justiça a internação de alguns denunciados da Operação Echelon no RDD (Regime Disciplinar Diferenciado), o mais rigoroso das prisões brasileiras. Ou seja, eles ficarão em isolamento por no mínimo um ano, caso a Justiça autorize.

“A investigação ainda em curso já descobriu dezenas de outros crimes cometidos por eles, o que pode gerar outras condenações posteriormente”, diz a nota.

A punição para os envolvidos cabe agora ao trabalho da polícia e do MP nos estados em que as mortes aconteceram.

“O Brasil não terá paz enquanto Lula estiver preso”, diz Ciro Gomes

Reportagem de Catarina Alencastro no Globo informa que, em um breve discurso, de menos de oito minutos a representantes das centrais sindicais, o pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, disse que o Brasil nunca terá paz enquanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva estiver preso e voltou a criticar promotores e “juízes que fazem política”.

De acordo com o jornal, ele chamou de “aberração” as idas e vindas do Judiciário em torno da soltura do petista.

A sinalização à esquerda foi feita para plateia historicamente ligada ao PT, e no mesmo dia em que viu se esvair a possibilidade de fechar uma aliança com o bloco do centrão, diz o jornal O Globo.