Arquivo diários:08/08/2018

Rosado nervoso provoca reunião nervosa com Alves

Resultado de imagem para nervoso gifHoje à noite está marcada uma reunião nos caciques da coligação Alves/Rosado/Maia para rediscutirem a composição da chapa proporcional para deputado federal..

Sem conseguirem compor com partidos pequenos, à candidatura do deputado federal Beto Rosado virou bucha para eleger Walter Alves e José Agripino.

Beto Rosado já fez conta com seu pai e tio Carlos Augusto Rosado e viu que entrou numa esparela..

O deputado quer tirar o time de campo e ser candidato a deputado estadual quebrando um acordo com Larisa Rosado..

 

Promotora de Justiça quer ser presidente da República

No dia em que a lei Maria da Penha completa 12 anos, Glamurama traz a entrevista feita pela revista Joyce Pascowitch na edição de julho de 2018 com a promotora de Justiça, Gabriela Manssur, que luta pelos direitos das mulheres.

Gabriela Manssur || Créditos: Divulgação

À frente do blog Justiça de Saia, ela empodera mulheres, luta pela igualdade de direitos e, mais ainda, pelo fim da violência contra o sexo feminino. Gabriela Manssur é promotora de Justiça, militante e uma das maiores representantes das vítimas de agressões pelo Brasil – a cada 15 segundos, uma mulher sofre violência no nosso país pelo simples fato de ser mulher. Aqui, um papo sobre conquistas, batalhas diárias e revelações da nossa próxima presidente da República – é o desejo dela! Quem sabe, né?

Por Fernanda Grilo para a revista Joyce Pascowitch – julho/2018

J.P: Qual o maior engano em relação ao feminismo?
GABRIELA MANSSUR: Que sempre existe união entre todas as mulheres. Não é assim e precisamos avançar. Quando estamos juntas, somos imbatíveis.

J.P: Como você se descobriu feminista?
GM: Quando precisei dele para viver, trabalhar e combater a violência contra as mulheres.

J.P: O que fazer para sair de uma relação abusiva?
GM: Não esperando o primeiro tapa. Controle, ciúmes exagerado, xingamento e agressividade são sinais de relacionamento abusivo.

J.P: Qual a grande diferença entre ciúme e paixão?
GM: Do ponto de vista penal, nenhuma. Em excesso, podem se transformar em controle, obsessão e crime. Não existe mais o crime passional.

J.P: Rico também bate em mulher?
GM: Claro que sim. Bate, xinga, humilha e acha que não vai acontecer nada. Mas a lei é para todos, não tem classe social.

J.P: E essa mulher denuncia?
GM: Elas têm mais vergonha e medo de represália: perda patrimonial, julgamento social e a relação com os filhos. O caso da Luiza Brunet, por exemplo, abriu muitas portas: elas estão denunciando muito mais.

J.P: Estão mais na atitude do que no discurso?
GM: Sim! Veja o aumento de denúncias, a união das mulheres na internet, participação feminina no fundo partidário para as próximas eleições. Estamos organizadas e dispostas a conquistar o mundo.

J.P: Você já recebeu alguma ameaça?
GM: São 15 anos de carreira, então já recebi algumas. Uma vez denunciei um réu por ele ter cortado o cabelo da namorada. Ele me ameaçou dizendo que ia cortar o meu também. Fiquei um mês andando de coque, com medo.

J.P: Quais as conquistas do Justiça de Saia?
GM: Visibilidade à causa, voz para as mulheres e um canal de comunicação. Fui muito criticada no começo, era cafona falar sobre isso. Agora é chic.

J.P: O que de positivo e de negativo acompanhou nestes anos de Ministério Público?
GM: Positivo: conscientização das autoridades sobre a gravidade da violência contra a mulher no Brasil. Negativo: ver que muitas mulheres ainda são julgadas pela sociedade.

J.P: Qual a dica para as mulheres se libertarem das “regras da sociedade”?
GM: Tenham seu próprio dinheiro, não dependam de ninguém.

J.P: Femismo x feminismo.
GM: Preconceito x igualdade.

J.P: O radicalismo atrapalha o feminismo?
GM: Quando as próprias mulheres não se identificam com o feminis¬mo por causa do radicalismo, todas nós estamos perdendo.

J.P: Quando deixa de ser feminismo?
GM: Quando há “guerra dos sexos”. O feminismo não está contra os homens, mas a favor das mulheres.

J.P: Dado mais alarmante em relação à violência contra as mulheres?
GM: Ainda ouvir de muita gente que tudo isso é mimimi. Não é!

J.P: Como fazer com que o empoderamento chegue até trans e negras?
GM: Com a inclusão, debate, cons¬trução de políticas públicas, para ocupar todos os espaços ao nosso lado. Você já

parou para pensar quantas amigas negras tem?

J.P: O que não sai da sua cabeça?
GM: Injustiças.

J.P: Inspiração?
GM: Minha mãe. Guerreira, inde¬pendente, está sempre feliz e nem aí para a opinião dos outros.

J.P: Momento que definiu sua vida…
GM: Quando me aceitei do jeito que sou e parei de tentar me transfor¬mar para agradar os outros. Minha vida decolou.

J.P: Do que se arrepende?
GM: De não ter cultivado algumas amizades. Minha vida se resume ao trabalho, família e treinos de cor¬rida. Foi uma escolha, mas às vezes me sinto “sozinha de amigas”.

J.P: Melhor conselho que já deu?
GM: Não faça com o outros o que não quer que façam com você.

J.P: Melhor conselho que já ouviu?
GM: Respira.

J.P: Quem gostaria de ser?
GM: Eu mesma, só que numa versão melhorada e como presidente da República. Amo o Brasil, amo trabalhar para sociedade e fazer a diferença na vida das pessoas.

J.P: O que falta fazer na vida?
GM: Tudo o que estiver por vir. Estou só no começo.

Receita abre consulta ao terceiro lote de restituição do IR 2018

Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil  Brasília

A Receita Federal abre hoje (8), a partir das 9h, consulta ao terceiro lote de restituição do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2018. O crédito será feito no dia 15 de agosto para mais de 2,8 milhões de contribuintes e o lote inclui restituições residuais dos exercícios de 2008 a 2017.
Leita também no Blog do Primo: Carlos Eduardo Alves é um Alves da gema que tira onde de independente, mas até sua filha trabalha no gabinete de Garibaldi no Senado
Para saber se teve a declaração liberada, o contribuinte deve acessar a página da Receita na internet, ou ligar para o Receitafone, número 146. Na consulta à página da Receita, serviço e-CAC, é possível verificar o extrato da declaração e ver se há inconsistências de dados identificadas pelo processamento. Nessa hipótese, o contribuinte pode fazer a autorregularização, mediante entrega de declaração retificadora

.

Geraldo Alckmim na mira de um delator

Resultado de imagem para Geraldo Alckmin e Rogério Marinho
O candidato à Presidência da Republica , Geraldo Alckmin e seu amigo ppotiguar, deputado Rogério Marinho são investigados

O candidato à Presidência pelo PSDB, Geraldo Alckmin, refutou ontem, terça-feira, 7, rumores de que poderia ter sido citado em uma suposta delação do ex-secretário Laurence Casagrande e disse que a prisão de um ex-subordinado não deve atrapalhar a campanha tucana.

“Quero dizer primeiro que defendemos toda a investigação e que toda experiência que tivemos com Laurence Casagrande foi de uma pessoa correta. Quando assumi o governo, coloquei um procurador do Estado na secretaria de Logística e ele escolheu Casagrande. Não temos nada a temer”, disse o ex-governador de São Paulo, após participar de evento do GovTech, em São Paulo.

Alckmin afirmou ainda que não foi citado em nenhuma delação.

Nesta terça-feira, 7, rumores de que Laurence, que também foi presidente da Dersa, teria citado Alckmin em uma eventual delação circularam nas mesas de operação do mercado financeiro e ajudaram a bolsa a cair e o dólar a subir.

Questionado se não acha que teria sido aventado por operadores buscando lucrar com um boato, Alckmin disse que não poder fazer esse tipo de afirmação. “Mas que é estranho, é”, limitou-se a comentar.

ESTADÃO CONTEÚDO

Querendo aumento, mesmo ganhando R$ 33 mil mais auxílios, juízes e procuradores do MP dizem que não recebendo aumento serão “os únicos a sofrerem a dureza da inflação”

Painel/Folha de São Paulo

Nove associações de juízes e procuradores assinam ofício enviado a ministros do STF com apelos para que eles aprovem um aumento de 16,3% nos próprios salários –desencadeando reajustes em todo o Judiciário. As entidades dizem que não majorar o subsídio é “condenar os magistrados a serem os únicos a sofrerem, sem recomposição, a dureza da inflação”. Em junho, o IBGE contabilizou 13,2 milhões de desempregados. Em 2017, o CNJ apontou o gasto médio com um juiz: R$ 47,7 mil/mês.

Um ministro do STF ganha R$ 33,7 mil. O estudo do Conselho Nacional de Justiça leva em conta quanto se gasta em média no país com salários e benefícios pagos a magistrados, como o auxílio-moradia, diárias e passagens.

O ofício lembra que a magistratura está sem reajuste desde 2015, “com sensível e insuportável perda monetária acumulada”.

Os signatários dizem ver uma “janela política” para a aprovação do reajuste neste ano e lembram que, dada a crise que assola o país, dificilmente haverá nova oportunidade até 2021.

Por fim, os juízes e procuradores listam outras categorias do serviço público que tiveram aumentos. “Não é a mera recomposição parcial dos subsídios de juízes e membros do MP a responsável pela dureza da situação orçamentária.”

Como mostrou o Painel na segunda (6), os ministros do STF estão divididos sobre o assunto, mas a tendência, hoje, apostam integrantes do Supremo e das entidades de classe, é a de que o novo salário seja aprovado.