Vai comprar um usado 4×4? Veja no que você mais precisa se ligar

Imagem relacionadaFelipe Carvalho

Colaboração para o UOL

Caçador de carros conta quais são os principais pontos de atenção dos veículos feitos para encarar o off-road

Inúmeras estradas cortam nosso país e muitas delas não são pavimentadas. Enfrentá-las com carros de passeio exige maior atenção por parte do motorista, pois esse tipo de veículo não foi desenvolvido para suportar esse tipo de terreno.

Pneus, suspensão e até a estrutura terão vida mais curta nesse uso severo, além do risco de que a falta de aptidão off-road culmine em acidente.

Senti isso na pele no primeiro dia de 2016, quando passei o réveillon na casa de um cunhado que mora em Tuiuti, interior de São Paulo. Na ocasião, estava dirigindo seu Toyota Etios na estradinha de terra que liga o bairro até a rodovia principal. Havia chovido muito no dia anterior e a estrada estava bem ruim para o coitado enfrentar. Mesmo assim, achei que daria conta do recado até que, em uma curva com ponto cego, me deparei com outro carro vindo no sentido contrário.

No momento que tentei desviar, perdi totalmente o controle e o carro foi deslizando na lama até bater na lateral da estrada. A sensação de não ter controle de volante, acelerador e freio foi terrível, pois me tornei passageiro. Pior que isso foi ter batido o carro dos outros, algo que estragou definitivamente aquela entrada de ano novo.

Hoje meu cunhado tem um Corolla, ou seja, ainda não considerou a compra de um modelo voltado ao off-road, mesmo tendo que enfrentar essa estrada todos os dias e já ter relatado que, às vezes, ele e sua família ficam “presos” em casa por conta das condições da estrada em dias de muita chuva. Ao contrário de muitos que compram veículos off-road sem nunca ter enfrentado uma estrada de terra.

Ou seja: para alguns, a racionalidade passa longe na compra de um carro. Entretanto, para quem precisa de fato precisa de um “jipão” com tração nas quem rodas e está cogitando a compra de um usado ao invés de um zero-quilômetro, vou listar alguns pontos que devem ser observados na avaliação do pretendido.

O que inspecionar

Para a compra valer a pena, é importante saber o histórico de uso e dar preferência por veículos que foram pouco usados em condições fora de estrada. São veículos com peças de reposição caras e, portanto, quanto menos o novo dono tiver que intervir na mecânica, melhor.

Se não houver como levantar o histórico, procure por cantos e frestas de difícil acesso em uma lavagem, tanto na parte externa quanto interna do veículo. Se encontrar sinais de terra, pode ter certeza que esse foi o uso comum desse carro e ele deve ser evitado.

Quanto à estrutura, procure por sinais de corrosão, trincas ou soldas fora do padrão de fábrica. Se atende às condições do assoalho que, mesmo em um carro com maior distância em relação ao solo, pode ter sofrido em situações extremas. Esse são pontos que, na minha visão, descartam a compra por completo.

Os pneus desse tipo de veículo são bem mais caros que o normal, por conta do tamanho e da própria construção dele, sendo mais robustos para enfrentarem irregularidades de uma estrada de terra. Sabendo disso, eles precisam ter um bom tempo de uso pela frente para que você não tenha esse alto custo no curto prazo.

Também recomendo que se atente à aparência, pois podem ter bastante banda de rodagem, mas estarem com a borracha ressecada por conta de pouco uso. Esse ressecamento deixa os pneus inseguros e também devem ser descartados.

As suspensões devem ser analisadas com muita atenção, pois são as que mais sofrem nesses carros. Procure por vazamentos nos amortecedores, folgas em buchas e trincas em bandejas e barras estabilizadoras.

Dê uma geral no visual externo para verificar se o carro está torto, pendendo mais para um dos lados, o que indica fadiga da suspensão. Aproveite para ver se existe vazamento no diferencial. Nesse caso é até bom que o veículo não tenha sido lavado por baixo, o que pode estar maquiando um possível vazamento.

Não são raros os casos de suspensões redimensionadas, algo que pode ser bom em alguns casos extremos. Mas para isso valer a pena, é preciso ter um bom conhecimento para entender se tudo foi feito da maneira correta. Na maioria dos casos, recomendo buscar pelo máximo de originalidade.

Para finalizar a avaliação, faça um test drive e verifique o funcionamento de todos os recursos off-road. Procure por barulhos de folgas em suspensão, algo que pode não ter sido detectado visualmente.

Qual 4×4 comprar

Quanto à escolha dos modelos, felizmente temos em nosso país uma variedade muito grande que possa atender os mais variados bolsos e gostos. Ao longo dos anos como Caçador de Carros, tive a oportunidade de avaliar diversos deles e tenho alguns favoritos.

Para aquele trilheiro raiz, que precisa de algo simples, robusto e compacto, o Suzuki Jimny é imbatível. Se no mercado de novos o preço bate de frente com veículos mais luxuosos e refinados, no de usados é possível comprá-lo por uma fração desse valor, sendo que ele é basicamente o mesmo nos últimos 20 anos.

Se a necessidade for parecida, mas é preciso de mais espaço interno, o Suzuki Grand Vitara ou o Mitsubishi Pajero TR4 são os meus indicados. O primeiro é ainda maior e tem opções com motor V6, porém é mais desconfortável no uso urbano que o TR4. Ambos têm opções de câmbio automático, indicado apenas para quem vai usar a maior parte do tempo no trânsito lento das grandes cidades.

Quem pode partir para veículos maiores e ainda mais robustos, encontra nos grandalhões Mitsubishi Pajero e Toyota Hilux SW4 boas opções. Esses são veículos aptos a enfrentar terrenos ruins sem deixar de lado o conforto dos passageiros. As versões a diesel são as mais indicadas e procuradas, mas dependendo do uso não faz sentido o investimento maior e as versões flex ou à gasolina podem ser mais racionais.

No topo da lista, alguns fabricantes disponibilizam veículos extremamente refinados e bem construídos, com dinâmica de carros esportivos, mas com capacidade off-road invejável. Nesse campo, a inglesa Land Rover domina, mas a bem da verdade é que é cada vez mais raro ver os caros modelos das famílias Discovery e Range Rover na lama.

Porém, ainda existe um forte mercado daqueles jipões mais antigos, insuportáveis no dia a dia, mas que são eficientes nas trilhas de quem busca apenas diversão. O famoso Willys é o mais indicado para isso, mas é bom que você tenha outro veículo mais moderno para usar no cotidiano e não cansar logo.

Facebook Comments
Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.