Arquivo diários:28/08/2018

Luciano Huck doa R$ 235 mil para oito candidatos. Veja os beneficiados

huck1

No início do ano, o apresentador de TV Luciano Huck provocou alvoroço no meio político com a possibilidade de se candidatar à Presidência da República. Chegou a figurar na quarta colocação nas pesquisas de intenção de voto, à frente do candidato do PSDB, Geraldo Alckmin. Seis meses após anunciar sua desistência de concorrer, após idas e vindas em suas declarações, Huck participa das eleições. Não como candidato, mas como doador. De acordo com os registros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ele doou R$ 235 mil para a campanha de oito candidatos do PPS, partido ao qual esteve próximo de se filiar.

Um dos contemplados é o presidente da legenda, o deputado Roberto Freire (SP), que foi um dos principais incentivadores da candidatura presidencial de Huck. Freire o convidou a se filiar e a se lançar à sucessão presidencial pelo PPS. O apresentador destinou R$ 25 mil para a campanha à reeleição do deputado paulista.

O ex-ministro da Cultura Marcelo Calero, que concorre a uma vaga de deputado federal pelo Rio de Janeiro, recebeu R$ 50 mil. Calero deixou o governo Michel Temer acusando o presidente e o ex-ministro Geddel Vieira Lima de usarem o cargo para favorecer negócios particulares do político baiano.

Além de Calero, outros dois candidatos à Câmara foram agraciados com R$ 50 mil cada. Huck também doou, em menor valor, para candidatos a deputado estadual e federal de Minas, Mato Grosso e Paraná.

Veja a lista dos candidatos financiados, até o momento, pelo apresentador:

MARCELO CALERO
R$ 50.000,00
Deputado federal -RJ

MARCO MARRAFON
R$ 50.000,00
Deputado federal – MT

HUMBERTO VIEIRA BARBOSA LAUDARES PEREIRA
R$ 50.000,00
Deputado federal – SP

PAULO GONTIJO OLINTO RAMOS
R$ 25.000,00
Deputado estadual – SP

ROBERTO FREIRE
R$ 25.000,00
Deputado federal – SP

WILLIAN BUENO E SILVA
R$ 20.000,00
Deputado federal – MG

DIOGO NASCIMENTO BUSSE
R$ 10.000,00
Deputado estadual – PR

ERICK MARCIO MENDES MUNIZ
R$ 5.000,00
Deputado estadual – RJ

Programa de Ciro para limpar nome de devedores propõe reduzir dívida em 70%

CONGRESSO EM FOCO

O “Programa Nome Limpo”, proposta de campanha do candidato a presidente pelo PDT, Ciro Gomes, para ajudar a limpar o nome de 63 milhões de pessoas endividadas no SPC e na Serasa, estima conseguir um desconto médio de cerca de 70% no valor das dívidas.

A informação faz parte da cartilha que a campanha do candidato divulgou em seu site na noite de segunda-feira (27), depois da participação do pedetista em sabatina no Jornal Nacional. Ciro entregou o documento ao apresentador do telejornal William Bonner, ao falar do programa.

A cartilha está dividida em 7 segmentos, cada um intitulado com uma pergunta sobre o programa, seguida da resposta. As explicações informam quem pode participar do programa, como ele funcionará e se o governo vai pagar as dívidas, entre outras questões. Leia aqui a íntegra.

Segundo o informativo, só poderão aderir ao programa quem estava com o nome no SPC e na Serasa até o dia 20 de julho de 2018, data em que o candidato lançou a proposta. “Ou seja: quem fez ou fizer dívidas depois dessa data não poderá ser incluído no Programa Nome Limpo”, diz a cartilha.

A proposta de Ciro é negociar com os credores por meio do governo federal para obter o máximo de desconto, derrubando em cerca de 70% o valor da dívida.

A próprio texto informa que essa negociação já é feita nos feirões do SPC e da Serasa, individualmente. As vantagens, segundo o programa, estão na capacidade de o governo negociar coletivamente, acelerando o processo e chegando mais rapidamente a uma solução, e na possibilidade de parcelar o restante da dívida. “Nos feirões do SPC e da Serasa, a dívida que sobra depois dos descontos negociados por cada devedor tem que ser paga à vista.”

Além da renegociação das dívidas, o programa propõe a abertura de “uma linha de crédito no Banco do Brasil, na Caixa Econômica Federal e em outros bancos públicos ou privados que desejarem participar do programa, para que as pessoas possam parcelar suas dívidas, já com o desconto dos juros e multas, em até 36 vezes e com três meses de carência para começar a pagar”. Conforme a cartilha, cada parcela ficaria abaixo de R$ 40,00 por mês.

Devedores terão de pagar dívidas de caloteiros

Um ponto que chama a atenção na proposta de Ciro para limpar o nome dos endividados é o chamado “sistema de Aval Solidário”. Por meio dele, os devedores serão agrupados em 5 ou 10 e ficarão responsáveis uns pelos outros.

No caso de um deles não pagar a prestação, os outros integrantes ficam responsáveis pelo pagamento.

A cartilha menciona a existência desse sistema em outros programas, como o CrediAmigo, do Banco do Nordeste. “Funciona há muitos anos e tem uma taxa de inadimplência muito baixa, da ordem de 1,4%”, diz o texto.

Após empate, pedido de vista suspende julgamento contra Bolsonaro no STF

Resultado de imagem para presidente Jair Bolsonaro

UOL

Um pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes, do STF (Supremo Tribunal Federal), suspendeu nesta terça-feira (28) a análise do recebimento da denúncia pelo crime de racismo contra o deputado federal e candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

Moraes pediu vista do processo quando o julgamento estava empatado por dois votos a dois. Os ministros Marco Aurélio Mello e Luiz Fux votaram contra o recebimento da denúncia, e os ministros Luís Roberto Barroso e Rosa Weber defenderam o recebimento da acusação..

Moraes afirmou que o julgamento deverá ser retomado na sessão da próxima semana.

A Primeira Turma do STF está julgando se recebe a denúncia da PGR (Procuradoria-Geral da República) e torna Bolsonaro réu pelo crime de racismo, referente a afirmações do deputado sobre quilombolas, índios e estrangeiros feitas durante uma palestra no Rio de Janeiro, em 2017.

Na fase de recebimento da denúncia, cabe à Justiça analisar se a acusação traz elementos suficientes para que seja dado prosseguimento à ação. Apenas ao fim do processo é que há julgamento sobre se o investigado é culpado ou inocente das acusações.

Alguns dos ministros, como Fux e Marco Aurélio, defenderam a liberdade de Bolsonaro proferir discursos diante da imunidade parlamentar.

Dólar retoma escalada e bate R$ 4,14; Ibovespa cai

Por Lucas Hirata, Victor Aguiar e Daniela Meibak | Valor

SÃO PAULO  –  A trégua no mercado de câmbio durou pouco e o dólar engatou em nova alta firme nesta terça-feira. A escalada da divisa americana volta a refletir os ventos contrários a emergentes, que se intensificam por aqui devido à cautela com a cena política. Na máxima do dia, o dólar subiu para R$ 4,1454, maior nível intradiário desde 21 de janeiro de 2016 quando bateu R$ 4,1723, deixando para trás todo o alívio das últimas sessões.

Por volta das 13h55, o dólar comercial subia 1,23%, a R$ 4,1316. O contrato futuro para setembro, por sua vez, avançava 1,21%, a R$ 4,1330.

Com o salto do dólar por aqui, o real brasileiro tem o terceiro pior desempenho do dia entre as principais divisas globais, melhor apenas que a lira turca e o peso argentino, que perdem quase 2%. Outros emergentes completam a lista das maiores desvalorizações da sessão: peso colombiano, peso mexicano, peso chileno e rublo russo

Obras do Hospital da Mulher entram em ritmo acelerado em Mossoró

A realidade do atendimento à mulher em Mossoró e região será completamente transformada quando o Hospital da Mulher, atualmente em construção, começar a funcionar. A expectativa é que o complexo hospitalar seja capaz de atender 20 mil pessoas por ano, vindas de 62 municípios do Oeste.

As obras estão 8% concluídas e devem entrar em ritmo acelerado esta semana, com a contratação de mais 30 profissionais, além dos 99 operários que atualmente trabalham no canteiro.

O Hospital funcionará dentro dos padrões de atendimento da Rede Cegonha e inclui leitos de observação no pronto-socorro, leitos de internação e de suporte para mulheres vítimas de violência, leitos de unidade de terapia intensiva e cuidados intermediários e unidades funcionais para centro obstétrico com salas de parto humanizado e salas cirúrgicas de obstetrícia, cirurgias eletivas, banco de leite humano, casa da gestante e o centro de parto normal.

Cerca de R$ 100 milhões estão sendo investidos pelo Estado, com recursos do acordo de empréstimo com o Banco Mundial.

Carlos Eduardo Alves, parou

Resultado de imagem para parou gifO Blog do Primo procurou saber da agenda e das movimentações do candidato a governador Carlos Eduardo Alves para publicar fotos e vídeos, mas, recebemos a informação que sua campanha parou nesta segunda-feira (27).

Não foram realizados nenhuma reunião, comício, caminhada ou caravanas..

Comenta-se que teve uma confusão neste final de semana e decidiram parar à campanha para fazer ajuste e acalmar coordenadores..

Robinson Faria em São Gonçalo do Amarante

Numa maratona impressionante, o governador Robinson Faria tem feito campanha nos quatros cantos do RN.

Ontem (27), o governador Robinson Faria foi recebido pelo prefeito Paulinho Emídio de São Gonçalo do Amarante e pela candidata a deputada estadual Terezinha Maia.

A concentração estava programada para ser realizada nas dependências do Clube Alto Esporte com lideranças políticas, mas com a inesperada e grande presença de pessoas, simpatizantes e eleitores do Robinson, transformou o que seria uma reunião em comício e teve ser transferida realizada na rua para poder acomodar o povo.

O prefeito Paulinho Emídio tem sido o melhor avaliado dos municípios da Região Metropolitana de Natal.

Confira imagens:

Presidente do partido de Carlos Eduardo Alves abandona sua candidatura para apoiar Robinson Faria

Resultado de imagem para Vereador Tomaz Neto e Robinson Faria

Bastou o candidato a governador Carlos Eduardo Alves tentar iniciar sua campanha para muitos dos seus correligionários do PDT abandonarem sua candidatura.

Em 10 dias romperam com Carlos Eduardo Alves o único prefeito do PDT no RN, Raimundinho de Zé da Panha e o presidente do PDT de Mossoró, ex-vereador Tomaz Neto.

Em Mossoró, ocorreu uma forte rejeição ao nome do filho do casal Rosalba e Carlos Augusto Rosado, Kadu Rosado, que foi indicado para ser companheiro de chapa como vice-governador de Carlos Eduardo Alves.

Constata-se um grande constrangimento na classe política com a indicação do menino de Rosalba e Carlos Augusto em Mossoró, diz uma fonte do Blog do Primo.

Mais dois apartamentos da ex-primeira-dama do Rio vão a leilão

Adriana Ancelmo, Justiça Federal, Rio de JaneiroPor Agência Brasil

Dois imóveis em nome da ex-primeira-dama Adriana Ancelmo, serão leiloados. Os apartamentos, com valor total estimado em R$ 6,3 milhões, ficam na zona sul do Rio e serão vendidos por decisão do juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, com base na Lei de Lavagem de Dinheiro.

Os dois imóveis ficam na Rua Prudente de Morais, em Ipanema, endereço de classe média alta. Um dos imóveis foi avaliado em R$ 3 milhões e o outro, em R$ 3,3 milhões. Pela decisão de decisão de Bretas, a venda será feita pelo leiloeiro Renato Guedes, o mesmo que venderá, na próxima terça-feira (4), a mansão de Mangaratiba, avaliada em R$ 8 milhões, e uma lancha, com lance mínimo de R$ 4 milhões, entre outros bens do ex-governador Sérgio Cabral e sua mulher, Adriana, incluindo veículos, totalizando R$ 12,5 milhões.

“Ressalte-se que o objetivo da alienação antecipada é salvaguardar a restituição aos cofres públicos de eventual produto/proveito de crime, de forma que, obviamente, fica resguardado o direito à devolução da quantia em caso de sentença absolutória”, diz Bretas na decisão.

O advogado da ex-primeira-dama, Alexandre Lopes, afirmou que a venda dos dois apartamentos já era esperada, pois haviam sido listados à Receita Federal, e que, em nenhum momento, tinham sido ocultados da Justiça.

“Esses dois imóveis, localizados em Ipanema, desde que adquiridos, passaram a ser declarados à Receita Federal, e, por conta dos processos a que Adriana Ancelmo responde, já foram, inclusive, avaliados, para fins de leilão, pela 7ª Vara Federal Criminal. Nada foi escondido da Justiça”, disse Lopes.

Venezuela ordena bancos a adotarem criptomoeda como unidade de conta

Mulher segura bandeira da Venezuela em Madri, na Espanha

Por AFP

O governo da Venezuela ordenou nesta segunda-feira (27) que os bancos adotem o petro como “unidade de conta”. O petro é a criptomoeda lançada pelo presidente Nicolás Maduro em busca de financiamento.

Os bancos públicos e privados deverão agora refletir toda informação financeira em bolívares e petros, segundo a resolução da Superintendência das Instituições do Setor Bancário (Sudeban).

Para isso, as entidades terão que adequar suas plataformas tecnológicas.

A medida faz parte de um plano lançado por Maduro para enfrentar a grave crise, refletida em cinco anos de recessão e uma inflação projetada pelo FMI em 1.000.000% para 2018.

Além de cortar cinco zeros do bolívar, o programa contempla a “ancoragem” da moeda ao petro, criptoativo que o governo dá um valor equivalente ao do barril de petróleo (cerca de 60 dólares).

Economistas como Jean Paul Leidenz asseguram que com essa medida o governo socialista tenta imitar o ‘Plano Real’, implementado no Brasil na década de 1990, quando o real substituiu o cruzeiro, corroído pela hiperinflação.

Desse modo, o petro poderá deixar de ser formalmente uma criptomoeda para converter-se em uma “referência nominal” diante da desconfiança em torno do bolívar, disse Leidenz à AFP.

Com o ‘Plano Real’, os preços eram marcados em cruzeiros e reais (esses últimos se ajustavam segundo a inflação), mas “somente se transacionava em reais”, lembra o especialista.

O cruzeiro foi substituído pelo real. No entanto, o governo venezuelano não planeja substituir o bolívar.

Embora Maduro garanta ter recebido ofertas de 5 bilhões de dólares quando iniciou a pré-venda do petro há cinco meses, a criptomoeda não é vendida em casas de câmbio virtuais. Tampouco registra transações, que no caso das criptomoedas são públicas.

Leidenz adverte que a ancoragem enfrenta dois desafios: o financiamento monetário do déficit (20% do PIB) e as restrições de financiamento diante do default parcial da Venezuela e as sanções dos Estados Unidos.