Arquivo diários:07/09/2018

Ataque a Bolsonaro expõe face violenta da polarização no Brasil, afirmam analistas

Mariana Schreiber – @marischreiber – Da BBC News Brasil em Brasília

O ataque ao candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) – esfaqueado nesta quinta-feira durante um ato de campanha em Minas Gerais – é reflexo de uma escalada de violência no discurso político brasileiro que tem se agravado desde a eleição de 2014, avaliam cientistas políticos ouvidos pela BBC News Brasil.

Eles destacam o ineditismo de uma agressão dessa gravidade a um candidato presidencial na história brasileira e lamentam que lideranças de diferentes partidos tenham acirrado o discurso contra seus adversários nos últimos anos, alimentando a intolerância.

Há quatro anos, a então presidente Dilma Rousseff (PT) venceu Aécio Neves (PSDB) no segundo turno por apertada diferença, em uma campanha marcada por agressões de ambos os lados. A polarização se acentuou após oface violenta resultado com a divisão da sociedade em torno do processo de impeachment da petista.

“A campanha de 2014 já foi extremamente violenta na retórica dos candidatos. E, às vezes, essa retórica violenta ultrapassa a retórica e chega às ruas. Refletir sobre isso é indispensável”, afirma o cientista político e professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV) Marco Antônio Carvalho Teixeira.

Preso outro suspeito de participar do atentado contra Bolsonaro

Resultado de imagem para atentado contra Bolsonaro

UOL

Um segundo homem, suspeito de participação no atentado contra o candidato do PSL à Presidência da República nas eleições 2018, Jair Bolsonaro, foi detido pelas forças policiais na cidade de Juiz de Fora (Minas Gerais). As informações são do Superintendente da Polícia Judiciária, Carlos Capistrano.

O suspeito, que não teve a identidade revelada, estaria neste momento sendo ouvido na Polícia Federal em Juiz de Fora. “Há informação de um segundo suspeito no caso. As investigações estão em andamento mas já temos a identificação de um provável segundo suspeito na cena do crime”, disse o superintendente.

Assessora de Dilma demitida por atacar Bolsonaro

A campanha de Dilma Rousseff  ao Senado em Minas demitiu a assessora de imprensa Paula Zagotti, informa Lauro Jardim.

Mais cedo, Paula publicara no Twitter uma mensagem com os dizeres “O feitiço virou contra o feiticeiro. Quem planta ódio colhe ódio. Metralhar petralhas? Parabéns por estimular a violência, @jairbolsonaro!”

Logo depois, a assessora apagou a postagem e disse ter sido “mal interpretada”: “Lamento o comentário infeliz. Repudio qualquer tipo de violência contra quem quer que seja”.