Inacreditável ter que ouvir ‘asneira’ de quem representa o povo, diz Moraes

Marcelo Osakabe/São Paulo

Sem citar nominalmente o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que criou polêmica ao dizer que bastaria apenas “um soldado e um cabo” para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Alexandre de Moraes disse nesta segunda-feira, 22, que as declarações do deputado são “absolutamente irresponsáveis” e defendeu que a Procuradoria-Geral da República (PGR) abra uma investigação contra o parlamentar por crime tipificado na lei de segurança nacional.

Moraes esteve nesta segunda em São Paulo para uma palestra no Ministério Público, disse que a sociedade brasileira hoje vive um “paradoxo”. “Porque mesmo com 30 anos de Constituição, temos que conviver com declarações dúbias, feitas de maneira absolutamente irresponsável, por um membro do parlamento brasileiro”, criticou o ministro. “É algo inacreditável que tenhamos que ouvir tanta asneira da boca de quem representa o povo. Nada justifica a defesa do fechamento das instituições republicanas.”

Os comentários de Eduardo Bolsonaro, filho do candidato à presidência, Jair Bolsonaro (PSL), foram feitos em julho, durante um evento com policiais federais. Ao responder a uma pergunta sobre uma hipotética ação do Exército no caso de o STF tente impedir seu pai de assumir a Presidência, o deputado, reeleito por São Paulo este ano, disse que bastariam “um soldado e um cabo” para fechar o Supremo. “Será que eles vão ter essa força mesmo (de impugnar)? O pessoal até brinca lá: se quiser fechar o STF sabe o que você faz? Você não manda nem um Jipe, manda um soldado e um cabo. Não é querendo desmerecer o soldado e o cabo. O que é o STF, cara? Tira o poder da caneta de um ministro do STF, o que ele é na rua?”, questiona.

Investigação

O ministro do STF deixou o evento sem dar entrevista. Na palestra, porém, disse que as declarações merecem “imediata abertura de investigação” da PGR por incitar animosidade entre forças armadas e instituições civis. “Não é possível que se afirme dizer que estava brincando, não se brinca com a democracia”, disse.

Forças Armadas

Moraes afirmou ainda que os comentários refletem um “total desrespeito” às Forças Armadas, uma vez que atribuem a elas “servilismo das forças a uma pessoa, o que não existe”.

Facebook Comments
Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *