Arquivo diários:07/03/2019

Filho de ex-prefeita em GO teria matado a mulher e se suicidado, segundo delegado

Crédito: Reprodução/Facebook

ISTO É

O corpo do empresário Fábio Tomazini, de 42 anos, e da esposa Kátia Tomazini, de 39 anos, foram encontrados mortos em Pires do Rio (GO). O homem é filho da ex-prefeita da cidade e, segundo a Polícia Civil de Goiás, teria se suicidado após matar a mulher com várias facadas na residência do casal. As informações são do jornal Extra.

Ainda não há informações sobre o crime, pois não foram encontrados bilhetes ou cartas de despedida. A faca de cozinha usada no crime foi apreendida pelos policiais. A linha de investigação indica feminicídio seguido de suicídio. O crime aconteceu um dia após Fábio completar 42 anos.

Igor Carvalho Carneiro, delegado responsável pelo caso, afirmou que havia perfurações na perna, nas costas e no tórax de Kátia Tomazini, mas não soube especificar o número de facadas, pois a informação só será definida pela necropsia. O corpo de Fábio apresenta lesões no abdômen e no peito, indicando “autoextermínio”, disse o delegado.

Governo do RN inicia distribuição de sementes para 52,5 mil agricultores

O Governo do RN, por intermédio da Secretaria Estadual da Agricultura, da Pecuária e da Pesca (Sape), inicia nesta quinta-feira, 7, a distribuição de sementes aos agricultores familiares cadastrados no Programa Banco de Sementes. O abastecimento dos bancos coincide com a consolidação da quadra chuvosa, prevista para este mês de março, período considerado propício ao plantio pelos especialistas.

Para o secretário de Agricultura, Guilherme Saldanha, as sementes chegam em uma boa hora com a consolidação das chuvas e devem atender as necessidades do pequeno produtor rural. “A governadora Fátima Bezerra é sensível a causa da agricultura familiar, e manteve o compromisso de dar continuidade a esse projeto tão importante de desenvolvimento social e econômico rural. As sementes chegam ao agricultor no momento certo, para que ele possa plantar seu roçado e manter sua produção de subsistência e comercializar seu excedente”, ressalta Saldanha.

Segundo o coordenador de Agropecuária da Sape, Antônio Carlos Magalhães, as sementes de milho, feijão, sorgo e arroz são destinadas principalmente ao plantio de subsistência e forragem animal. As variedades distribuídas são adaptadas às condições do semiárido do nosso Estado, permitindo precocidade e produção com baixo índice pluviométrico. São resultantes de um longo trabalho de pesquisas realizadas pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), e pela Empresa de Pesquisas Agropecuárias do RN (Emparn).

“Este ano o Programa vai distribuir cerca de 700 toneladas de sementes. A reposição dos estoques de cada banco é aferida pelos técnicos da Emater no final de cada safra. A filosofia do Programa requer que os agricultores realimentem os bancos com as sementes produzidas, entretanto, a dificuldade em virtude da seca tem exigido que o Governo reponha plenamente esses estoques” explica Magalhães.

A distribuição das sementes fica sob a responsabilidade da Emater, por meio das suas 10 Gerências Regionais espalhadas pelo território potiguar que, em seguida, encaminham diretamente aos Bancos de Sementes de seus respectivos locais. Nesta primeira etapa de distribuição, as sementes a serem distribuídas são provenientes da Emparn, para atender as regionais do oeste: Pau dos Ferros, Mossoró e Umarizal. Nas duas semanas seguintes, serão atendidas as demais regionais: Assú, Caicó, Currais Novos, João Câmara, Santa Cruz, São Paulo do Potengi e São José de Mipibu.

Bolsonaro anuncia fim das lombadas eletrônicas

Jair Bolsonaro anunciou no Facebook que não serão instaladas novas lombadas eletrônicas, equipamentos que detectam a velocidade dos veículos nas estradas.

“Decisão nossa né: não teremos mais nenhuma nova lombada eletrônica para o Brasil. As lombadas que porventura existem ainda, que são muitas, quando forem perdendo sua validade, a princípio… A princípio, não!… Não serão renovadas”, disse o presidente.

Na live, ele reclamou do uso do valor pago em multas e pedágios na instalação dos equipamentos.

Congresso “renovado” fica 12 dias sem votar e não haverá desconto no salário

CONGRESSO EM FOCO

Apenas um mês após o início dos trabalhos no Legislativo, os parlamentares, mesmo aqueles eleitos sob o discurso de “renovação” e da “nova política”, não hesitaram em sair para o recesso do Carnaval, emendar a semana e totalizar 12 dias sem votação. Nesta quinta-feira (7), por exemplo, dos 594 deputados e senadores, apenas 21 haviam registrado presença até o meio da tarde. Os congressistas, porém, argumentam que não falta trabalho em suas bases eleitorais.

O novo Congresso é considerado um dos mais renovados da história. O Senado renovou 59% das suas cadeiras, o mais alto índice pelo menos desde a redemocratização do país. Na Câmara, o percentual chegou a 52,5%, o maior desde 1994. Dos 567 parlamentares empossados em 1º de fevereiro, 118 deputados e dez senadores jamais haviam ocupado cargo eletivo.

Procurado desde quarta-feira (6), Alcolumbre não foi encontrado pela reportagem em seu telefone pessoal. Sua assessoria de imprensa disse nesta quinta que não se trata de um “feriado prolongado”, uma vez que havia sessões não deliberativas – quando não há votações – no Congresso convocadas para hoje e amanhã (8). O senador, contudo, não retornou a Brasília após o Carnaval, tendo, ainda de acordo com sua assessoria, permanecido no Amapá. A previsão é que ele só volte à capital federal na segunda (11).

Rodrigo Maia também não retornou o contato da reportagem. Com a suspensão das atividades nesta semana, a Câmara adiou para a próxima a instalação das comissões da Casa, inclusive a de Constituição e Justiça (CCJ), primeira parada da reforma da Previdência.

Nesta quinta, no Senado, a sessão foi aberta pouco depois das 14h, apenas para discursos. Até as 15h30, apenas quatro senadores haviam registrado presença na Casa e se inscrito para falar: Izalci Lucas (PSDB-DF), Reguffe (S/Partido-DF), Jorge Kajuru (PSB-GO) e Marcos do Val (PPS-ES).

“Querer demais”

senador Sérgio Petecão (PSD-AC), primeiro-secretário do Senado, uma espécie de prefeito da Casa, afirmou que seu gabinete no estado está cheio e completou: “Dizer que o Congresso tem que trabalhar no Carnaval é querer demais. Tem que ser realista. Ontem foi feriado [na verdade, o feriado foi na terça]. Ter que ir para Brasília hoje, para voltar para o estado amanhã é um gasto desnecessário”. O senador passa a semana no Acre.

Os parlamentares recebem R$ 33.763 mil por mês, considerando o salário bruto, sem descontos. Apenas em vencimentos, cada congressista ganha R$ 1.125,43 por dia, mais que um salário mínimo, que é de R$ 954. Pelo feriado prolongado de 12 dias sem trabalhos legislativos, cada parlamentar deve embolsar R$ 13.505,46.

A ONG Contas Abertas faz uma conta mais ampla: os sete dias úteis sem votação (quinta e sexta passadas, toda esta semana, com exceção de terça, que foi feriado, e a próxima segunda), de acordo com a organização, custam aos cofres públicos cerca de R$ 207,12 milhões.

O secretário-geral da instituição, Gil Castello Branco, explica ter chegado a esse número a partir da soma dos orçamentos da Câmara e do Senado, dividida pelos 365 dias do ano, multiplicada pelos sete dias úteis. Para ele, as sessões não deliberativas “são uma simulação de funcionamento” e “valeria inclusive colocar no cálculo os finais de semana”. “Se considerássemos somente os dias úteis ao calcular o valor de um dia do Congresso – R$ 29.589.041,09 –, esse número seria muito maior”, afirmou.

Renovação questionada

O cientista político Carlos Nepomuceno relativiza a renovação do Congresso, ponderando que, em muitos casos, os eleitos apenas migraram de cargos; em outros, vieram de famílias de políticos e já carregavam consigo um legado. “A renovação efetiva é muito menor do que os números dão a entender num primeiro momento.”

O especialista destaca uma “cultura enraizada”, não apenas nos congressistas, mas nos servidores, comissionados e demais funcionários que trabalham no local. “Já existe uma dinâmica bem estabelecida que leva tempo para mudar”, considera.

Para o cientista político Benedito Tadeu, as práticas continuam as mesmas porque o que carece de modificações é o sistema eleitoral. “Sem entrar no mérito das personalidades individuais, não basta mudar as pessoas, precisa mudar a estrutura de representação, o sistema de representação”, avalia.

Coletiva Nísia Floresta comemora o Dia Internacional da Mulher com ações de solidariedade

A COLETIVA NÍSIA FLORESTA no mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher está organizando uma ação especial no dia 29 de março de 2019, às 16h00min em baixo do Viaduto do Baldo para a entrega de Bolsa de Mulher a *

Mulheres em Situação de Rua.

Vamos arrecadar até o dia 20 de março bolsas, eco bags, produtos de higiene pessoal, entre eles, sabonetes, pasta e escova de dentes, absorventes.

PONTOS DE ARRECADAÇÃO

DEFENSORIA PÚBLICA RIBEIRA:
●Sala da ADPERN – Associação de Defensores Públicos do RN, das 08h00min às 14h00min.

ESCOLA DOMÉSTICA:
● Sala da Secretaria – sob a responsabilidade da AEED.

Marco Aurélio concede HC a advogado e fala em inversão da ordem processo-crime

Por Fernando MartinesCONJUR

O ministro Marco Aurélio, do Supremo Tribunal Federal, concedeu Habeas Corpus a um advogado preso preventivamente acusado de dar um golpe em um cliente. Para o julgador, a primeira instância fez uma inversão da ordem do processo-crime: primeiro prendeu para depois julgar.

O advogado preso é acusado de dar um golpe de R$ 100 mil em um cliente que defendeu em um processo contra o Banco do Brasil. A prisão foi decretada pela Comarca de Dom Aquino (MT) com base em justificativa genérica de manter a ordem pública e a aplicação da lei penal.

Ao conceder o HC, Marco Aurélio afirma que a materialidade do delito e os indícios de autoria são, por si sós, elementos neutros, insuficientes para respaldar o argumento da preservação da ordem pública.

“O Juízo partiu da capacidade intuitiva, olvidando que a presunção seria de postura digna, por achar-se o paciente submetido aos holofotes da Justiça. Tem-se a insubsistência das premissas lançadas”, disse o ministro.

Um Habeas Corpus do mesmo caso está pendente de julgamento no Superior Tribunal de Justiça, com relatoria do ministro Reynaldo Soares da Fonseca.

A defesa do acusado foi feita pelo advogado Rafael Santos de Oliveira.

Luz do sol sobre nuvens na Itália formam imagem de Cristo, e registro viraliza no mundo

Foto de “Jesus” foi tirada durante o pôr do sol, em Agropoli, na Itália. Imagem: Alfredo Lo Brutto

Alfredo Lo Brutto não imaginava que uma foto tirada em um fim de tarde, na região da Campania, na Itália, daria tanto o que falar. O clique do chef de cozinha rodou o mundo e ele foi entrevistado pela Rai, uma das maiores redes de rádio e TV da Itália.

Na fotografia, as nuvens e o sol dão a impressão de que a figura de Jesus está surgindo no céu, com os braços abertos, como na estátua do Cristo Redentor.

Alfredo estava na praça Sanseverino, uma das principais da cidade, no último sábado (2), quando resolveu fotografar o pôr do sol. Foi quando notou que as nuvens faziam uma figura que lembrava a imagem de Cristo.

“Assim que vi essa imagem brilhante, senti uma grande necessidade de compartilhá-la”, afirmou Alfredo à Rai.

“Imediatamente reconheci como a imagem do Cristo Redentor, de braços abertos, como se quisesse abençoar toda a cidade de Agropoli”.

O pároco local, Bruno Lancuba, afirmou à Rai que a foto é sugestiva.

“Todos podem interpretar pessoalmente de acordo com a intensidade de sua fé”, disse.

Alfredo disse que sentiu uma mudança muito forte em sua religiosidade.

“Depois desta experiência intensa e dos sentimentos fortes que senti, posso dizer que tenho uma fé religiosa ainda maior”, afirmou.

Reprodução

UOL

Senadora dos EUA denuncia que foi estuprada quando servia na Força Aérea

JOSHUA ROBERTS/REUTERS

A senadora dos Estados Unidos, Martha McSally, durante reunião do subcomitê sobre prevenção de agressões sexuaisImagem: JOSHUA ROBERTS/REUTERS

“Fiquei em silêncio durante muitos anos, mas, mais adiante na minha carreira, enquanto os militares lidavam com os escândalos e suas respostas totalmente inadequadas, senti a necessidade que algumas pessoas soubessem que eu também era uma sobrevivente” disse McSally em uma audiência no Senado sobre agressões sexuais nas Forças Armadas.

A republicana do Arizona, que serviu na Força Aérea durante 26 anos, disse que não denunciou a agressão então porque “não confiava no sistema” e acrescentou que estava “envergonhada e confusa” após o estupro.

“Quase me afastei da Força Aérea com 18 anos de serviço devido ao meu desespero. Como muitas vítimas, senti que o sistema estava me violentando de novo “, argumentou em seu discurso McSally, que não identificou seu agressor.

“Percorremos um longo caminho para deter o assédio sexual militar, mas temos ainda um longo caminho pela frente”, acrescentou.

Após explicar esse episódio, McSally defendeu que os comandantes do exército “não devem ser eximidos da responsabilidade da tomada de decisões de prevenir, detectar e processar o assédio sexual militar”.

Em janeiro, outra senadora republicana, Joni Ernst, tornou público que ela também foi violentada durante seus anos de estudante na Universidade Estadual de Iowa.

Depois de conhecer ambos testemunhos, o líder da maioria republicana no Senado, Mitch McConnell, garantiu que a bancada que lidera “está aberta” para qualquer recomendação das senadoras para legislar neste campo.

“Isto obviamente é um grande problema e, se pudermos encontrar outra forma de abordá-lo, deveríamos fazê-lo”, destacou o líder republicano.

Tuíte de Bolsonaro gera críticas até de apoiadores

O presidente Jair Bolsonaro ouviu nesta quarta-feira, 6, de auxiliares próximos a avaliação de que a postagem em sua conta no Twitter de um vídeo no qual dois homens aparecem em atos obscenos no Carnaval foi considerada “inapropriada” e “chocante”. A repercussão causou desconforto no núcleo central do governo. A polêmica publicação do presidente gerou críticas entre seus opositores e mesmo entre os apoiadores nas redes sociais. O Palácio do Planalto precisou divulgar uma nota no início da noite para explicar a atitude de Bolsonaro.O presidente Jair Bolsonaro durante café da manhã com jornalistas

O presidente Jair Bolsonaro durante café da manhã com jornalistas

Foto: Marcos Corrêa/Presidência da República / Estadão Conteúdo

Uma pesquisa de monitoramento diário das mídias sociais encomendada pela Secretaria de Comunicação (Secom) e apresentada a Bolsonaro indicou que, no início da tarde, 69% das mensagens sobre o episódio eram negativas. Na avaliação de ministros e auxiliares ouvidos pelo Estado, as imagens provocaram uma reação “virulenta” especialmente do “público interno”, como são classificados os seguidores do presidente nas redes sociais. Diversas publicações estrangeiras repercutiram o tuíte do presidente.

Em pouco mais de dois meses de governo, Bolsonaro tem utilizado o Twitter como principal meio de comunicação com a população. Na plataforma, porém, o presidente fez poucas menções a assuntos classificados como prioridade de sua gestão. A reforma da Previdênciafoi tema de apenas cinco mensagens desde o início do ano, – o equivalente a menos de 1% das postagens na rede social.

A maior parcela de comentários são textos com teor ideológico em que o presidente critica o globalismo, a suposta partidarização da educação e ações dos governos petistas e da esquerda. O pacote anticrime foi tratado em duas mensagens, e a reforma tributária, em apenas uma.

Durante o Carnaval, Bolsonaro fez 29 postagens no Twitter. Nesta terça-feira, 5, ele publicou o vídeo polêmico – dois foliões de um bloco em São Paulo praticam o fetiche chamado “golden shower” (“chuva dourada”, que envolve o ato de urinar no parceiro ou na parceira). “Temos que expor a verdade para a população ter conhecimento e sempre tomar suas prioridades”, escreveu. “É isto que tem virado muitos blocos de rua no Carnaval brasileiro.” Nesta quarta-feira, Bolsonaro voltou ao tema, ao perguntar qual era o significado de “golden shower”.

Na nota divulgada nesta quarta-feira, o Planalto afirma que as cenas do vídeo escandalizaram não só o presidente, mas grande parte da sociedade. “É um crime, tipificado na legislação brasileira, que violenta os valores familiares e as tradições culturais do Carnaval”, destacou. “Não houve intenção de criticar o Carnaval de forma genérica, mas, sim, caracterizar uma distorção clara do espírito momesco.”

No Palácio, no entanto, o episódio foi considerado um “constrangimento imensurável”, conforme um dos militares do governo. O próprio presidente se impressionou com a reação negativa. O clima de desconforto só foi atenuado no fim do dia, quando nova parcial de análise mostrou que o porcentual crítico ao tuíte caiu para menos da metade.

Entre assessores, contudo, a expectativa é de que a insatisfação e crítica dos próprios apoiadores de Bolsonaro levem o presidente e seus filhos a “caírem na real” sobre os perigos de postagens “inconsequentes”.

Analistas de diferentes áreas ouvidos pelo Estado afirmaram que a conduta constitui “quebra de decoro social” porque “não corresponde à liturgia do cargo” e pode ter reflexos na imagem do País no exterior e na aprovação das reformas para que a economia volte a crescer.

O professor de Relações Internacionais da FGV Oliver Stuenkel relatou que a divulgação do vídeo causou “perplexidade” em diplomatas e investidores internacionais e que a mensagem foi interpretada como “sinal de que o governo está com problemas”. “A percepção foi de que isso faz parte da estratégia do governo em função da dificuldade que ele está tendo em relação aos projetos relevantes, como a reforma da Previdência e o projeto anticrime.”

O professor de comunicação digital da Escola de Comunicação e Artes da USP Luli Radfahrer apontou uma “desmontagem do ritual do cargo”. “Ele não fala ali no Twitter da Previdência, que é a bandeira maior que ele tem, o seu grande trunfo. Tem também o exemplo da reunião dos ministros em que ele estava com chinelo e camiseta pirata de time de futebol.”

Temas

Estado contabilizou 515 mensagens publicadas pelo presidente desde 1.º de janeiro. O principal conteúdo é o de agradecimento e saudação a aliados (95 tuítes). Depois, vêm textos com teor ideológico em que o presidente critica o globalismo, a suposta partidarização da educação e ações dos governos petistas e da esquerda. São 51 mensagens com esse tom.

Textos sobre relações internacionais, com críticas a Cuba e Venezuela, e sua passagem pelo Fórum Econômico de Davos são o terceiro tipo de publicação mais comum: somam 43. Ações e projetos para melhorar a infraestrutura do País foram tema de 41 mensagens. Pelo menos 31 tuítes foram críticas à imprensa.

A modificação no sistema de aposentadorias, no entanto, ficou de fora do canal durante todo o mês de janeiro. Em 20 de fevereiro, dia do anúncio da nova Previdência, surgiu a primeira mensagem sobre o tema, com uma entrevista do ministro da Economia, Paulo Guedes. No mesmo dia, o presidente republicou texto dizendo que a reforma acaba com a “aposentadoria especial” de políticos.

Divisão do setor de comunicação preocupa equipe

A divisão do setor de comunicação preocupa a equipe de governo. A área é dividida em três grupos: o do porta-voz, general Otávio do Rêgo Barros; o de amigos de Carlos Bolsonaro (de onde partiria a maioria dos ataques na internet); e o da Secretaria de Comunicação, vinculada ao ministro da Secretaria de Governo, general Carlos Alberto dos Santos Cruz.

Na avaliação de interlocutores de Jair Bolsonaro, o momento não é de abrir flancos com polêmicas “sem sentido”, quando o governo enfrenta um tema “muito sério”, que é a reforma da Previdência. O Planalto estuda, agora, se renova os contratos das agências Isobar e TV1, que cuidam das mídias digitais do governo. Nesta quarta-feira, foi o último dia de contrato das duas, que, juntas, recebem R$ 45 milhões por ano.

Fonte: Tânia Monteiro, Naira Trindade, Julia Lindner, Tulio Kruse, Matheus Lara, Paulo Beraldo, Fabio Leite

Bruna Marquezine diz que não gosta de beijar estranhos

Bruna Marquezine foi um dos destaques deste Carnaval 2019. Além de brilhar com look ousado no retorno de Ivete Sangalo à folia baiana, a atriz também causou ao surgir com cabelo loiro em Salvador e quebrar tudo com Ludmilla na Sapucaí. Em entrevista ao canal do Youtube do Stylist Matheus Mazzafera, a artista admitiu que acontece de trocar beijos nos dias de festa, mas ponderou: “Rola, mas eu sou chata. Eu tenho nervoso de ficar com estranho”. Quando assunto foi status na temporada, Marquezine disse que já curtiu tanto sozinha quanto em um relacionamento. “Acho que já passei os dois. Normalmente eu estou solteira, né?”, brincou ela, que nesta quarta-feira (6) participou de feijoada promovida por Sabrina Sato.

Bruna Marquezine no Bloco das Poderosas
Bruna Marquezine no Bloco das Poderosas

Foto: Dilson Silva / AgNews

Anitta diz que beijo em Neymar não foi pra provocar Marquezine

Pelo Carnaval, a atriz ainda viu seu nome em meio a polêmica envolvendo Neymar e Anitta. Musa do Nosso Camarote, ela teria chorado ao reencontrar o ex e ficado incomodada ao vê-lo na companhia da funkeira. No Instagram, um vídeo publicado pelo jornalista Leo Dias, do programa “Fofocalizando”, comprova que a cantora e o jogador trocaram beijos no mesmo espaço que estava Marquezine. Rebatendo críticas na web, a intérprete do hit “Bola Rebola” negou intenção de magoar a global. “Não é só porque as pessoas são famosas e se cruzam nos lugares, que elas são melhores amigas, não. Eu não sou amiga da (Bruna) Marquezine. Conheço. Ela foi no meu trio porque o meu assessor de imprensa é grande amigo dela, então, eles estavam curtindo o Carnaval”, disse. “Não tenho nada contra ela. Não tenho nada contra ninguém. Quando quero provocar alguém eu trabalho para fazer sucesso. Beijar na boca eu beijo por estar a fim mesmo”, completou.

Cantora chegou a negar ter ficado com Neymar: ‘Saí no zero a zero’

Antes das imagens mostrando o beijo dos dois famosos, Anitta comentou em seu Stories que saiu no “zero a zero” neste Carnaval: “Eu não vou deixar de sair com meus amigos. Agora, se vocês vão inventar que eu peguei, que eu deixei de pegar, infelizmente não peguei ninguém. Acabei inclusive com um pouco de raiva, que saí no zero a zero”.

Terra