Arquivo diários:23/05/2019

Consultoria técnica do Senado diz que decreto de armas ainda é ilegal

Por estabelecer que são presumidas as pessoas que podem ser enquadradas em atividade profissional de risco, a nova versão do decreto de armas da presidência continua sendo ilegal. É o que  afirmam especialistas da Consultoria Técnica do Senado.

Senador Randolfe Rodrigues afirma que recuo no decreto foi apenas estético. Moreira Mariz/Agência Senado

“No nosso entendimento, o Decreto permanece extrapolando o poder regulamentar, uma vez que, embora não seja presumida mais a “efetiva necessidade”, são presumidas as pessoas que podem ser consideradas enquadradas na ‘atividade profissional de risco’ e na circunstância de “ameaça à integridade física””, afirmam os consultores do Senado, Daniel Osti e Jayme Benjamin Sampaio

Para os consultores, tanto o decreto antigo como atual extrapolam a regulamentação do Estatuto do Desarmamento, uma vez que criam direito e obrigação não previstos no Estatuto, mesmo que seja para suprir uma lacuna na legislação.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), um dos autores do pedido de estudo, afirma que a manifestação técnica, de um órgão independente, “deixa claro que o recuo foi só estético e que o presidente Bolsonaro insiste em violar a Lei e tapear os Poderes Legislativos e Judiciário”.

Para o Senador Fabiano Contarato (Rede-ES), também requerente do estudo, “ o STF fatalmente derrubará esse decreto porque ele excede todos os limites legais. Estamos diante de uma tentativa reincidente de impor, goela abaixo, o ‘libera-geral’ das armas, à revelia do Constituição”.

ADPF
A Rede Sustentabilidade ajuizou ontem (22/05) uma nova ação (ADPF 586) no STF, contestando as mudanças do decreto das armas, editado por Bolsonaro e pedindo sua imediata suspensão. O pedido será apreciado pela Ministra Rosa Weber.

No entendimento do Partido, o governo descumpriu o preceito de separação dos Poderes com os decretos e contrariou preceitos do Estatuto do Desarmamento, aprovado pelo Congresso em 2003.

Clique aqui para ler a nota técnica

Eduardo Cunha será transferido para cadeia no Rio de Janeiro

Cunha com seus amigos Alves

O deputado cassado Eduardo Cunha (MDB) deve ser transferido para um presídio no Rio de Janeiro nas próximas semanas.

Agora, as autoridades de administração penitenciária do Paraná e Rio precisam decidir sobre o deslocamento do preso.

O pedido de transferência foi protocolado pela defesa de Cunha tendo em vista que familiares têm residência na capital fluminense.

Ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho visita o ex-presidente Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu nesta quinta-feira (23) a visita do presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, e do ex-governador da Paraíba, Ricardo Coutinho (PSB), atual presidente da Fundação João Mangabeira.

Lula recebe, sempre às quintas-feiras, a visita de dois amigos. Eles têm direito a permanecer pelo período de uma hora na cela onde se encontra o ex-presidente

Lobão diz que Bolsonaro faz “coisa de imbecil

Nos últimos anos, Lobão se destacou por sua mobilização política. Adepto das redes sociais, o músico virou um ícone da direita brasileira ao ser uma das mais fortes vozes pelo impeachment de Dilma Rousseff e por ser contra o PT. Em 2018, ele apoiou Jair Bolsonaro, mas, meses depois, virou um dos maiores críticos do governo.

“Estão me chamando de traidor agora? Isso já aconteceu antes comigo, em relação ao PT. Esse país é uma várzea. Político, para mim, é um funcionário que você elege e pode te decepcionar, não tenho vínculo passional”, disse o cantor em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

Lobão diz que sentia Bolsonaro cercado por uma “extrema direita burra”, mas decidiu apoiar o atual presidente quando Paulo Guedes foi anunciado como ministro da Economia. O músico, no entanto, reclama da interferência de Olavo de Carvalho no governo, inclusive incentivando ataques dos filhos de Bolsonaro a opositores do pai.

“Olavo escreveu que só tem quatro pessoas no Brasil que ele escuta: o presidente e seus três filhos. O resto que vá tomar no c*! Falou bem assim. Imagina toda a cúpula do governo ouvindo isso. Paulo Guedes, Moro, esses não têm importância nenhuma”, afirma Lobão à Folha.

O músico ainda criticou as recentes atitudes do presidente. “O cara faz piada com tamanho do pau de japonês e os imbecis gritam ‘mito’. Esse cara não me representa. Com a minha história, não posso ficar calado com tanta grosseria e burrice”, afirma. “Chamar estudante de massa de manobra é coisa de imbecil”, completou relembrando uma declaração de Bolsonaro sobre os recentes protestos contra os cortes de verba na educação.

IstoÉ

Justiça determina que Bolsonaro indenize Maria do Rosário em 15 dias

A Justiça determinou que o presidente Jair Bolsonaro cumpra a obrigação de retratação pública e indenização por danos morais em favor da deputada Maria do Rosário (PT-RS).

Em 2014, Bolsonaro afirmou que a deputada não merecia ser estuprada porque ele a considera “muito feia” e porque ela “não faz” seu “tipo”.

“Meu sentimento é de Justiça”, diz a deputada. Ela afirma ainda que vai doar o valor recebido de indenização, de R$ 10 mil, para entidades que atuam para as defesas das mulheres.

A decisão foi expedida pela 18ª Vara Cível de Brasília nesta terça. Bolsonaro tem até 15 dias úteis para veicular o pedido de retratação e pagar o equivalente aos R$ 10 mil estipulados pela Justiça mais multas e juros.

Os advogados de Bolsonaro não foram localizados para comentar a sentença. A assessoria do presidente também não retornou até o fechamento da matéria.

Mônica Bergamo/Folha de S.Paulo

Cição Bandido tem seu nome lembrado para disputar à Prefeitura de Caicó

Depois da entrevista concedida ao programa Agora é a Hora/Primando pela Verdade na Agora FM, o nome de Cição Bandido começou a ser ventilado como candidato a prefeito

O blogueiro do Seridó, Tales Vale informou que um movimento independente, apartidário, que reúne empresários, comerciantes,  agricultores, jovens universitários e setores da sociedade organizada  em Caicó, vem incentivando a candidatura do agricultor  Cição Bandido à prefeitura municipal em 2020. Uma pesquisa será realizada nos próximos meses.
Fonte: Blog do Tales Vale

Nesta sexta-feira(24), tem protesto dos estudantes contra o aumento da tarifa de ônibus concedido pelo prefeito Álvaro Dias

Prefeito de Natal Álvaro Dias é seu líder orientador Henrique Alves

Estudantes realizam nesta sexta-feira(24), um protesto contra o aumento da passagem de ônibus em Natal, que teve sua tarifa reajustada de R$ 3,65 para R$ 4,00.

O Ato acontecerá em frente ao Shopping MidWay na Av.Salgado Filho e é organizado pela União Estadual dos Estudantes(UEE).

Perguntas e respostas sobre porte de armas após novo decreto

Por Marco Antônio Carvalho

O governo federal publicou nesta quarta-feira, 22, um novo decreto que altera detalhes do porte de armas de fogo no País, que constavam em um ato do Executivo publicado há duas semanas. Entre as principais mudanças estão os critérios que diferenciam armas de uso permitido e uso retrito e a permissão para menores de idade treinarem em clubes de tiro.

Confira abaixo respostas sobre as últimas mudanças:

Funcionário da Taurus trabalha em fábrica da empresa em São Leopoldo
15/01/2019 REUTERS/Diego Vara
Funcionário da Taurus trabalha em fábrica da empresa em São Leopoldo 15/01/2019 REUTERS/Diego Vara
Foto: Reuters

1. Por que Bolsonaro alterou o decreto das armas?

O governo federal admitiu que alguns pontos foram alterados a partir de questionamentos feitos ao Poder Judiciário, no âmbito do Poder Legislativo e pela sociedade em geral. O Ministério Público Federal ajuizou ação na Justiça pedindo a revogação integral do decreto de 7 de maio por acreditar que o texto “extrapola a sua natureza regulamentar, desrespeita as regras previstas no Estatuto do Desarmamento e coloca em risco a segurança pública de todos os brasileiros”. Dois partidos também acionaram o Supremo Tribunal Federal (STF) com questionamentos ao decreto. Consultorias do Senado e da Câmara também apontaram inconsistências no texto.

Além disso, nos últimos dias cresceram as críticas ao decreto diante da brecha para a população civil adquirir um fuzil, o T4 semiautomático calibre 5,56 da fabricante brasileira Taurus. A empresa anunciou que já tinha uma fila de 2 mil clientes para obter o armamento, que na sua interpretação estaria liberado pelo decreto de 7 de maio. O novo decreto passou a vetar essa permissão. Nesta semana, 14 governadores também se manifestaram contra a medida em carta aberta.

2. Os novos decretos mudaram quais regras para o porte de armas?

O mais novo decreto, de 21 de maio, reiterou que determinadas categorias profissionais são consideradas como “de risco” e, portanto, são passíveis de requererem porte de armas para circularem nas ruas.

Veja quais são essas categorias:

  • instrutor de tiro ou armeiro credenciado pela Polícia Federal;
  • agente público, inclusive inativo da área de segurança pública, da Agência Brasileira de Inteligência, da administração penitenciária, do sistema socioeducativo, desde que lotado nas unidades de internação, que exerça atividade com poder de polícia administrativa ou de correição em caráter permanente, dos órgãos policiais das assembleias legislativas dos Estados e da Câmara Legislativa do Distrito Federal, detentor de mandato eletivo nos Poderes Executivo e Legislativo da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, durante o exercício do mandato, que seja oficial de justiça, ou de trânsito;
  • advogado
  • proprietário de estabelecimentos que comercializem armas de fogo; ou de escolas de tiro, dirigente de clubes de tiro, empregado de estabelecimentos que comercializem armas de fogo, de escolas de tiro e de clubes de tiro que sejam responsáveis pela guarda do arsenal armazenado nesses locais
  • profissional da imprensa que atue na cobertura policial;
  • conselheiro tutelar;
  • motorista de empresa de transporte de cargas ou transportador autônomo de cargas;
  • proprietário ou empregado de empresas de segurança privada ou de transporte de valores;
  • guarda portuário;
  • integrante de órgão do Poder Judiciário que esteja efetivamente no exercício de funções de segurança;
  • integrante de órgão dos Ministérios Públicos da União, dos Estados ou do Distrito Federal e Territórios que esteja efetivamente no exercício de funções de segurança.

3. Quais as regras para menores de idade praticarem tiro esportivo?

O decreto revisado ainda fixa idade mínima de 14 anos para a prática de tiro esportivo por adolescentes, agora com a exigência de autorização de ambos os responsáveis, ou por apenas um deles, na falta do outro. No primeiro decreto, o esporte estava liberado para menores de 18 anos, o que incluía crianças, e era necessário a autorização de apenas um dos responsáveis. A autorização judicial que no passado era obrigatória caiu no primeiro decreto e não foi retomada na nova versão.

4. Quem hoje pode comprar uma arma?

Todo cidadão acima de 25 anos que desejar adquirir uma arma de fogo pode fazer requisição e obter a liberação para comprar uma arma de uso permitido, mediante apresentação de uma justificativa de efetiva necessidade. A arma poderá ser mantida dentro da residência ou no interior do estabelecimento comercial.

5. Quem pode circular armado pela rua?

Para andar armado na rua é necessário obter uma autorização de porte de arma pela Polícia Federal. Para isso, o requerente deve apresentar a razão pela qual deseja andar armado, que pode ser, por exemplo, proteção após sofrer ameaças de morte. Pode obter o porte também por exercer atividade profissional de risco. O decreto de Jair Bolsonaro aumenta a lista de categorias englobadas nesse critério, entre elas estão: jornalistas que atuem em cobertura policial, caminhoneiros, advogados, guardas de trânsito, conselheiros tutelares, guarda portuário e funcionário de empresa de segurança privada.

6. Fuzis estão liberados?

Os fuzis, armamento considerado pesado e com alto poder de destruição, classifica-se na categoria chamada de arma portátil. O decreto anterior de Bolsonaro deixava uma brecha para que um fuzil específico tivesse a venda liberada para civis; ele tinha uma potência abaixo do limite previsto. O novo decreto, porém, vetou o porte de armas portáteis, como fuzis, pela população comum. O governo federal acredita que o armamento poderá ser liberado para ser mantido em casa por domiciliados em imóveis rurais, mas, para especialistas, isso não está objetivamente descrito no texto.

Estadão

Operação Xeque-Mate pegando fogo: STJ autoriza busca e apreensão em João Pessoa e Campina Grande na Paraíba

Atendimento a pedidos de Raquel Dodge, estão sendo cumpridos mandados de busca e apreensão em João Pessoa e Campina Grande, na Paraíba.

O STJ autorizou as medidas no âmbito da Operação Xeque-Mate.

O objetivo, segundo o MPF, “é reunir provas de um esquema criminoso envolvendo o pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos com o propósito de impedir a construção de um shopping no estado”.

A investigação está em sigilo.

Operação Xeque-Mate: veja como as investigações ocorreram na Paraíba

Deflagrada pela PF e Gaeco, ação desarticulou um grande esquema de corrupção na cidade do Litoral Norte paraibano

Por Vitor Feitosa

Leto Viana é levado para sede da Polícia Federal, em Cabedelo, durante primeira fase da Operação Xeque-Mate
Leto Viana é levado para sede da Polícia Federal, em Cabedelo, durante primeira fase da Operação Xeque-MateFoto: Vitor Feitosa/Portal T5
O dia 3 de abril de 2018 marcou uma nova era para o município de Cabedelo, localizado no Litoral Norte da Paraíba, na região da Grande João Pessoa. Nesta data, há exatamente um ano, a Polícia Federal (PF) e o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público da Paraíba (MPPB) deflagraram a Operação Xeque-Mate, com o objetivo de desarticular um grandioso esquema de corrupção que tomava conta da administração pública da cidade.

Na época, o principal alvo da primeira fase da operação foi o então prefeito de Cabedelo, Wellington Viana França, mais conhecido como Leto Viana (PRP). Ele foi preso e afastado do cargo ao ser considerado o líder da organização criminosa que atuava tanto no poder Executivo, através da Prefeitura, quanto no Legislativo, pela Câmara Municipal.

Além de Leto, também foi presa a sua esposa, Jacqueline Monteiro França, que tinha mandato de vereadora, e outras 9 pessoas, apontadas como tendo relação direta com o esquema:

  • Lúcio José do Nascimento Araújo, vereador e presidente da Câmara;
  • Antonio Bezerra do Vale Filho, vereador;
  • Tércio de Figueiredo Dornelas Filho, vereador;
  • Rosildo Pereira de Araújo Junior (Júnior Datele), vereador;
  • Marcos Antonio da Silva Santos, empresário;
  • Inaldo Figueiredo da Silva, presidente da Comissão de Avaliação de Imóveis;
  • Gleuryston Vasconcelos Bezerra Filho, operador financeiro de Júnior Datele;
  • Adeildo Bezerra Duarte, operador financeiro;
  • Leila Maria Viana do Amaral, servidora da Câmara.

A ação contou com um efetivo de 200 policiais federais, que também realizaram 15 sequestros de imóveis, 36 mandados de busca e apreensão e o afastamento de 85 agentes públicos de suas respectivas funções. Entre eles, estão o então vice-prefeito de Cabedelo, Flávio Oliveira (PRP), que acabou morrendo em julho de 2018, e mais cinco vereadores:

  • Josué Góes;
  • Antônio Moacir Dantas;
  • Belmiro Mamede;
  • Rogério Santiago;
  • Rosivaldo Galan.
A vereadora e primeira-dama, Jacqueline Viana, também foi presa na ação, em abril de 2018
A vereadora e primeira-dama, Jacqueline Viana, também foi presa na ação, em abril de 2018Foto: Vitor Feitosa/Portal T5
Como funcionava o esquema e quando começou

De acordo com a Polícia Federal e o MPPB, o grupo criminoso começou a atuar a partir da compra de mandato do ex-prefeito de Cabedelo José Maria de Lucena Filho, o Luceninha. Eleito em 2012 para comandar o município, ele renunciou ao cargo em 2013, deixando a gestão nas mãos do vice-prefeito da época, Leto Viana. Luceninha teria afirmado que abriu mão da prefeitura porque a administração municipal estava com muitos débitos e dívidas.

Com relação à Operação Xeque-Mate, a PF informou que ela começou a partir de uma colaboração premiada feita pelo ex-presidente da Câmara Municipal de Cabedelo Lucas Santino, que estava no cargo quando ocorreu a renúncia de Luceninha.

Após o início das investigações, foi descoberto que a organização criminosa comandada por Leto teria desviado uma quantia aproximada de R$ 30 milhões. Entre os crimes cometidos nas esferas do Executivo, estão a própria compra do mandato do ex-prefeito, fraudes em licitações, desvio de pagamentos dos salários de servidores fantasmas, doações fraudulentas de imóveis do patrimônio público municipal e associação a empresários para recebimento de propina.

Já no Legislativo, envolvendo a Câmara, foram investigadas denúncias de fraudes na contratação de terceirizados, desvio de dinheiro público destinado ao pagamento de assessores fantasmas, empréstimos fraudulentos em nome de servidores e recebimento de propina para aprovação ou rejeição de projetos de lei.

Ainda com relação a Leto Viana e sua esposa, Jacqueline Viana, Polícia Federal e Gaeco detectaram um considerável aumento de patrimônio na família. O casal chegou a gastar milhões com imóveis e carros de luxo, algo que era incompatível com a renda de ambos.

Seis meses após o início das ações, em outubro de 2018, Leto, que continuava preso e afastado da prefeitura, renunciou ao cargo. A medida possibilitou que novas eleições fossem realizadas na cidade. Prefeito em exercício desde que a Xeque-Mate foi deflagrada, Vítor Hugo (PRB) se candidatou e venceu o pleito, sendo eleito o novo prefeito de Cabedelo em março de 2019.

Na primeira fase da operação as autoridades também cumpriram um mandado de busca e apreensão na casa do empresário paraibano Roberto Santiago. Ele foi apontado como membro do núcleo financeiro do esquema de corrupção, e teria partido dele os cerca de R$ 5 milhões destinados à compra de mandato de Luceninha.

Especula-se que a intenção de Santiago seria barrar um projeto de construção de um novo shopping na cidade, que circulava na Câmara Municipal. Ele acabou sendo preso em março de 2019, quase um ano depois.

Em julho de 2018, a PF executou busca e apreensão em imóveis de Fabiano Gomes. Um mês depois ele acabou preso, mas já está em liberdade
Em julho de 2018, a PF executou busca e apreensão em imóveis de Fabiano Gomes. Um mês depois ele acabou preso, mas já está em liberdadeFoto: Pollyana Sorrentino/RTC
Segunda fase da Xeque-Mate e prisão de Fabiano Gomes

Com o andamento das investigações, Polícia Federal e Gaeco deflagraram em julho de 2018 a segunda fase da Operação Xeque-Mate. Assim como na primeira etapa, o objetivo foi apurar a compra de mandato do ex-prefeito Luceninha, mas de forma ainda mais aprofundada.

As ações foram baseadas em mais nove eixos de investigação do esquema de corrupção, a exemplo da utilização de servidores fantasmas na Prefeitura de Cabedelo, das irregularidades na Câmara Municipal, do financiamento de campanhas de vereadores, de atos envolvendo permutas de terrenos de propriedade da prefeitura e também de atos para impedir a construção de um novo shopping na cidade, no bairro de Intermares.

As autoridades realizaram quatro mandados de busca e apreensão, inclusive com um sequestro de bens no valor de R$ 3.162.840,29 para ressarcir os cofres municipais. Nesta fase, sete pessoas foram denunciadas, sendo que todas já haviam sido alvos da primeira fase:

  • Leto Viana, que ainda estava preso;
  • Luceninha, acusado da venda do mandato;
  • Roberto Santiago, empresário paraibano que teria destinado o dinheiro para a compra do mandato;
  • Olívio Oliveira dos Santos, ex-secretário de Comunicação de Cabedelo, que teria intermediado a compra do mandato;
  • Fabiano Gomes da Silva, comunicador, que teria entregue o dinheiro da negociação do mandato em troca de pagamento mensal;
  • Lucas Santino da Silva, ex-vereador e ex-presidente da Câmara Municipal, que realizou colaboração premiada;
  • Fabrício Magno Marques de Melo Silva, ex-secretário de Comunicação de Cabedelo na gestão de Leto Viana,

Pouco mais de um mês depois, no dia 22 de agosto, a Polícia Federal executou um mandado de prisão preventiva destinado ao radialista Fabiano Gomes, determinado pelo desembargador João Benedito, do Tribunal de Justiça da Paraíba (TJPB).

Denunciado nas duas fases da Operação Xeque-Mate, o comunicador paraibano estava sendo obrigado a cumprir medidas cautelares. Segundo a Justiça, o descumprimento de uma delas foi exatamente o motivo da prisão: Fabiano deveria se apresentar dentro dos 10 primeiros dias de cada mês para informar e justificar suas atividades, mas teria desobedecido a determinação.

Ele foi encaminhado à Penitenciária de Segurança Máxima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes, em João Pessoa, conhecida como PB-1. O comunicador passou mais de 30 dias detido, até que no dia 26 de setembro a Justiça acatou um pedido feito pela defesa e decretou a liberdade provisória de Fabiano Gomes, que deixou a prisão no mesmo dia.

Roberto Santiago está preso no 1º BPM, em João Pessoa
Roberto Santiago está preso no 1º BPM, em João PessoaFoto: Divulgação/TJPB
Terceira fase da Xeque-Mate: PF prende Roberto Santiago

A Polícia Federal e o Gaeco deram prosseguimento à Operação Xeque-Mate e executaram a terceira fase no dia 22 de março de 2019, com expedição de vários mandados de busca e apreensão de bens e documentos, além da prisão do empresário Roberto Santiago, uma das personalidades mais conhecidas no meio empresarial da capital paraibana por ser proprietário de dois shoppings.

Na operação, foram cumpridos mandados de busca e apreensão na Paraíba e em duas cidades do Rio Grande do Norte: Parnamirim e Mossoró. Todos foram expedidos pela 1ª Vara Criminal de Justiça Estadual de Cabedelo.

Em território paraibano, a PF visitou às residências de Lavanério Queiroz Duarte Júnior, Severino Medeiros Ramos Filho, Mykel Alexandre Filgueira, Mário Sérgio Lopez, Fabrício Magno de Melo Silva e Cláudio Monteiro Costa, além da sede da empresa Light Engenharia, em Campina Grande.

De acordo com a Polícia Federal e o Gaeco, Roberto Santiago é apontado como membro do “núcleo financeiro” da organização criminosa que operava desvios de verba pública no município de Cabedelo, na Grande João Pessoa, e teria destinado o dinheiro para a compra de mandato de Luceninha.

Segundo Rafael Linhares, promotor do Ministério Público da Paraíba (MPPB), a última denúncia que faz referência a Roberto Santiago comprova que ele negociava contratos ilícitos em processos licitatórios na Prefeitura de Cabedelo, controlando a empresa vencedora. Conforme as investigações, os valores envolvidos nos contratos superam os R$ 42 milhões.

O empresário foi preso preventivamente e encaminhado ao 1º Batalhão de Polícia Militar (1º BPM), que fica na região central de João Pessoa. Ele permanece detido até o momento, em uma cela separada das demais, a qual divide com outro preso. O Portal T5 mostrou com exclusividade como é o local onde Roberto Santiago está.

Moradores de Cabedelo protestam na Câmara Municipal contra a corrupção
Moradores de Cabedelo protestam na Câmara Municipal contra a corrupçãoFoto: Portal T5
Como estão os principais investigados no esquema, um ano depois:

Presos

  • Leto Viana (ex-prefeito): permanece preso no 5º Batalhão de Polícia Militar (5º BPM), em João Pessoa;
  • Roberto Santiago (empresário): continua preso preventivamente no 1º Batalhão de Polícia Militar (1º BPM);
  • Jacqueline Viana (vereadora e primeira-dama): permanece presa na 6ª Companhia Independente de Polícia Militar (6ª CIPM), em Cabedelo;
  • Lúcio José do Nascimento Araújo (vereador): preso no 5º Batalhão de Polícia Militar (5º BPM), em João Pessoa;
  • Tércio de Figueiredo Dornelas Filho (vereador): preso na 6ª Companhia Independente de Polícia Militar (6ª CIPM), em Cabedelo;
  • Inaldo Figueiredo da Silva: permanece preso na 6ª Companhia Independente de Polícia Militar (6ª CIPM), em Cabedelo;
  • Adeildo Bezerra Duarte: detido no Presídio do Róger, em João Pessoa,
  • Leila Viana (servidora): ficou presa na 6ª CIPM, mas teve prisão domiciliar concedida ainda em abril de 2018, para cuidar do filho. Também cumpre medidas cautelares.

Em liberdade

  • Fabiano Gomes (radialista): ficou preso por um mês no PB-1, mas atualmente está em liberdade sem precisar cumprir medidas cautelares;
  • Júnior Datele (vereador): foi liberado para responder em liberdade;
  • Gleuryston Vasconcelos: foi liberado para responder em liberdade;
  • Marcos Antônio Silva dos Santos;
  • Luceninha (ex-prefeito).

Com participação de romeiros vindos do RN e estados vizinhos, procissão de Santa Rita de Cássia leva 80 mil pessoas às ruas de Santa Cruz

Santa Cruz – Mesmo sob uma temperatura de mais de 31 graus Celsius, a fé e a religiosidade levaram às ruas da cidade de Santa Cruz (RN) uma multidão de cerca de 80 mil pessoas que acompanharam  a procissão de Santa Rita de Cássia, segundo revela a secretária de Turismo do municipio, Marcela Pessoa. O evento religioso reuniu romeiros e turistas vindos de diversas regiões do Rio Grande do Norte e de estado vizinhos, além de representantes da classe política potiguar, que foram recepcionados pelo deputado estadual Tomba Farias (PSDB), sua esposa, a ex-prefeita Fernanda Costa e o prefeito Ivanildo Filho, o “Ivanildinho”.

A governadora Fátima Bezerra (PT) e os deputados estaduais Francisco do PT e Ubaldo Fernandes (PTC) também acompanharam a procissão que percorreu as principais ruas da cidade e terminou no pátio da Igreja Matriz, onde o arcebispo metropolitano de Natal, Dom Jaime Vieira Rocha, realizou a “Benção  do Santíssimo”.

Para o deputado Tomba Farias, a procissão de Santa Rita de Cássia confirma Santa Cruz como um dos principais eventos religiosos do Rio Grande do Norte, atraindo à cidade romeiros de Pernambuco, Ceará e Paraíba, entre outros estados nordestinos.

Desde o último dia 13, Santa Cruz comemora a festa da padroeira Santa Rita de Cássia e assume o papel de “capital da religiosidade do Rio Grande do Norte”, por conta das comemorações alusivas à padroeira da cidade.

Segundo o prefeito Ivanildinho Filho, somente no último domingo, cerca de 300 ônibus de turistas e peregrinos lotavam o estacionamento principal do Santuário de Santa Rita de Cássia, onde está erguida a maior estátua católica do mundo.

Além de visitantes vindos em ônibus,  famílias se deslocaram em carro particulares para Santa Cruz

O prefeito de Santa Cruz comemora ainda o fato de o resultado do grande fluxo turístico no município ter gerado um resultado positivo para a economia local, esgotando a oferta de leitos de hotéis e pousadas da cidade e lotando bares e restaurantes.