Arquivo diários:17/07/2019

Caso Daniel: mulher de suspeito buscou casa de swing na web

A perícia realizada no celular de Cristina Brittes, esposa do suspeito de assassinar o jogador Daniel, reforçou a tese de uma testemunha do caso que o marido Edison teria convidado o atleta para dormir com a mulher na manhã do crime. De acordo com a investigação, a moça pesquisou por casas de swing no Google.

(Imagens: Reprodução de internet)
(Imagens: Reprodução de internet)
Foto: LANCE!
Além disso, a perícia constatou que o casal estava em conflito e que a mulher buscava o divórcio. Em conversas no aplicativo WhatsApp, Cris Brittes e Edison trocavam xingamentos. Em um trecho, o suposto assassino do jogador fez até ameaças à esposa. Vale destacar que já existe um Boletim de Ocorrência feito pela moça, onde ela admite que foi ameaçada de morte pelo marido.

O empresário Edison Brittes já confessou ter matado Daniel no mês de outubro do ano passado, alegando que jogador tentou estuprar Cristiana Brittes, sua esposa, em casa. Por outro lado, a Polícia Civil e o MP-PR (Ministério Público do Paraná) entendem que não houve tentativa de estupro.

Fonte:Lance

Prefeito Álvaro Dias sanciona a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa

Álvaro fez o que Carlos Eduardo Alves nunca fez

Estamos iniciando um novo momento na cidade com a sanção desta lei que moderniza, facilita e cria um ambiente de negócios favorável para atração de investimentos, geração de emprego e ampliação de recursos para a administração municipal executar os programas que a cidade precisa para se desenvolver”. Com essas palavras o prefeito de Natal, Álvaro Dias, celebrou a sanção da Lei Geral da Micro e Pequena empresa. A solenidade ocorreu na manhã desta quarta-feira (17) no salão nobre do Palácio Felipe Camarão.

A Lei Geral da Micro e Pequena Empresa foi desenvolvida com o objetivo de reduzir a informalidade e gerar novas oportunidades de negócios em um ambiente propício ao desenvolvimento e a empregabilidade. Isto é, incentivar a abertura e a regularização desses empreendimentos. Além de criar uma rede municipal de políticas de desenvolvimento para promover discussões acerca das políticas públicas de desenvolvimento econômico na cidade.

A nova lei vai propiciar ainda uma modernização nas vistorias e fiscalizações. Entre os pontos a serem incluídos está a simplificação das normas do alvará de funcionamento provisório, que poderá passar a ser definitivo, em alguns casos, e o alvará definitivo que será facilitado, permitindo o início de operação do estabelecimento imediatamente após o ato de registro. A medida também vai compatibilizar e integrar procedimentos em conjunto com outros órgãos, garantindo-se a linearidade dos processos e evitando a duplicidade de exigências, por exemplo. E ainda permitir que o registro e a legalização em vários aspectos sejam simplificados, racionalizados e uniformizados pelos órgãos envolvidos na abertura, alteração e fechamento de empresas.

Continue lendo Prefeito Álvaro Dias sanciona a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa

Ipem/RN orienta sobre balanças irregulares no comércio

Presidente do IPEM/RN Theodorico Netto com a governadora Fátima Bezerra

Os consumidores e comerciantes devem estar atentos as possíveis fraudes nas balanças de pesagem de alimentos. O equipamento tanto pode estar fraudado para alterar a pesagem como pode ser uma balança que não foi certificada pelo Inmetro e pelo Instituto de Pesos e Medidas do Rio Grande do Norte – IPEM/RN.

De acordo com o diretor-geral do IPEM/RN, Theodorico Bezerra Netto, para saber se a balança está regularizada o consumidor deve ficar atento se a mesma possui o Selo do Inmetro. “O selo é a garantia de que aquele produto foi verificado e está em conformidade de acordo com as exigências do órgão regulador e que, no caso das balanças, medirá corretamente o peso. Caso o consumidor verifique alguma irregularidade basta comunicar ao IPEM/RN e se for comprovada será feita a apreensão. O comerciante terá um prazo de dez dias para fazer uma defesa administrativa e poderá ser multado em valores que variam de R$100 a R$1,5 milhão”, explica.

Uma balança irregular além de prejudicar o consumidor, também pode indicar crime de receptação (origem ilícita) e sonegação fiscal. “Por vezes o comerciante e um feirante, por exemplo, nem tem consciência que estão cometendo um crime ao utilizar balanças irregulares. Por isso que o comerciante deve ter o cuidado de adquirir uma balança que seja certificada em lojas especializadas”, reforça o diretor.

Além de verificar a presença do Selo do Inmetro na balança, consumidores e comerciantes devem verificar a unidade de medida, que deve ter a grafia em letra minúscula, e o modelo e a marca da balança, que devem estar na frente e fundo do equipamento.

Caso o comerciante ou consumidor desconfie de alguma irregularidade deve denunciar ao IPEM/RN pelo número 0800 281 4054, pelo email – ouvidoriaipem.rn@gmail.com ou pelo whats app 84 98147-9433.

 

Guedes elogia ideia de PEC paralela para incluir Estados e municípios

Foto: Divulgação
O ministro da Economia, Paulo Guedes, elogiou na terça-feira, 16, a possibilidade de que o Senado Federal crie uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) separada para incluir Estados e municípios na legislação da nova Previdência. Isso evitaria que a reforma tenha que voltar para a Câmara dos Deputados, alongando o tempo de tramitação e aumentando o risco de que mais modificações sejam feitas.Guedes afirmou que a inclusão de Estados e municípios geraria economia de R$ 350 bilhões. “Nós estamos falando do Brasil, não é só da União. Se voltam R$ 350 bilhões via Senado, isso é bom para o Brasil, porque Estados e municípios também participam desse ajuste que o sistema previdenciário precisa. Temos que esperar e eu confio no Congresso”, disse em entrevista à imprensa.

Guedes completou: “Agora vai entrar em campo o Senado, que tem a possibilidade não apenas de ratificar esta vitória, como também de estender e dar uma nova dimensão, que poderia ser Estados e municípios”.

Estadão Conteúdo

Observatório Parnamirim convida Ney Lopes para falar sobre importância de uma Área de Livre Comércio para Parnamirim

Professor e advogado Iran Padilha representando o movimento Observatório Parnamirim convidando o ex-deputado Ney Lopes

O professor e advogado Iran Padilha que é um dos representantes do movimento social Observatório Parnamirim , convidou o ex-deputado federal Ney Lopes para proferir palestra sobre importância de instalação de uma Área de Livre Comércio em Parnamirim.

O ex-deputado Ney Lopes de pronto aceitou o convite do evento que terá o apoio do Blog do Primo e do Jornal Agora Parnamirim do Grupo Agora RN e outras organizações convidadas como o Potiguar Notícias de Parnamirim do jornalista Pinto Júnior que também integra o Observatório Parnamirim.

Na visão do professor Iran Padilha e demais pessoas que compõem o Observatório Parnamirim, uma Área de Livre Comércio será um meio de retomar e resgatar o desenvolvimento gerando empregos  em Parnamirim compensando a perda do Terminal de Passageiros do Aeroporto Augusto Severo e diversas indústrias que deixaram o município.

O Observatório Parnamirim é um movimento apartidário, composto por profissionais liberais, empresários e servidores públicos.

O evento denominado de “Parnamirim Trampolim do Livre Comércio “, está planejado para o mês de setembro deste ano.

Agora com o intercâmbio comercial entre o Mercosul e o Mercado Comum Europeu mais que nunca uma Área de Livre Comércio será viável e importante vetora de geração de riquesas para Parnamirim é o RN.

Área de Livre Comércio trata-se um terreno devidamente cercado, monitorado e alfandegado, com cerca de 200 hectares, onde industriais serão instaladas  para produzirem produtos para exportação gozando de benefícios fiscais utilizando a mão de obra nativa da região. Onde elas são instalaras os ganhos econômicos e sociais são imediatos.

O convite foi feito quando o ex-deputado Ney Lopes participou do Programa Agora é a Hora/Primando pela Verdade apresentado por Renato Dantas e Fábio Holanda na Agora FM.

 

Delator da “lava jato” diz ter sido “quase coagido” a falar de Lula

Em depoimento à Justiça de São Paulo, o ex-diretor-superintendente da Odebrecht Carlos Armando Paschoal disse que foi “quase que coagido a fazer um relato sobre o que tinha ocorrido” e que teve que “construir um relato” no caso do sítio de Atibaia que envolve o ex-presidente Lula. O executivo fez acordo de delação premiada com os procuradores da “lava jato”.

Conforme reportagem do UOL, o ex-diretor da Odebrecht prestou depoimento no dia 3 em um caso de improbidade administrativa que envolve o ex-secretário-executivo do Ministério de Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações do governo Michel Temer (MDB), Elton Santa Fé Zacarias.

“No caso do sítio, que eu não tenho absolutamente nada, por exemplo, fui quase que coagido a fazer um relato sobre o que tinha ocorrido. E eu, na verdade, lá no caso, identifiquei o engenheiro para fazer a obra do sítio. Tive que construir um relato”, disse Paschoal.

O executivo não deu detalhes de como se deu essa coação nem em quais pontos o seu relato no caso do sítio de Atibaia teria sido construído.

Em novembro de 2018, em depoimento à Justiça Federal no Paraná, Paschoal disse que recebeu um pedido da cúpula da Odebrecht para “ajuda na reforma de uma casa em Atibaia, que seria, segundo ele me relatou, oportunamente utilizada pelo então presidente [Lula]”.

Ele disse que esse envolvimento da Odebrecht na obra não poderia ser revelado e que não lhe foi dado nenhuma explicação sobre o motivo da tarefa.

Danilo Gentili expõe o inglês nada fluente de Eduardo Bolsonaro e diz que foi demitido do SBT por ter criticado o filho do presidente

Blog Thaisa Galvão

Depois de muitos problemas no SBT, o humorista sem graça Danilo Gentili provocou sua demissão.

Ele criticou o deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente Jair Bolsonaro, que tem cadeira cativa a qualquer hora do dia ou da noite na emissora do amigão Silvio Santos.

Nesta terça-feira ele anunciou a demissão pelo twitter.

 

Abaixo o vídeo com o trecho do programa onde ele critica – sem mentir em uma linha sequer – o filho do presidente que trava uma luta ferrenha com o resto do mundo para ser embaixador do Brasil nos Estados Unidos.

Vale muito a pena ver o vídeo, não para achar graça do humor sem graça de Danilo Gentili, mas para comprovar o “inglês fluente” do candidato a embaixador nos Estados Unidos.

Esse não foi o primeiro problema causado por Danilo Gentili, do SBT.

Em 2017 ele foi condenado pela 5ª Vara Federal Criminal de São Paulo a seis meses e 28 dias de prisão em regime semiaberto por injúria à deputada federal Maria do Rosário (PT-RS).

Em 2016, o apresentador do SBT publicou uma série de tuítes chamando a deputada de “falsa”, “cínica” e “nojenta” e ao receber uma notificação extrajudicial pedindo que apagasse as mensagens, gravou vídeo rasgando o documento e colocando-o dentro da calça.

Em abril deste ano o apresentador do SBT foi condenado a indenizar em R$ 20 mil o deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ) por “ofensa, injúria, difamação e danos morais”, pela 26ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.

MP denuncia presidente do PSL em Mato Grosso do Sul por ameaça a senadora

Por Fernando Martines/CONJUR

Segundo denúncia, Rodolfo Oliveira Nogueira, presidente do PSL em Mato Grosso do Sul e suplente da senadora Soraya Thronicke, a ameaçou de morte
Divulgação

O Ministério Público de Mato Grosso do Sul denunciou o presidente local do PSL, Rodolfo Oliveira Nogueira, pelo crime de ameaça contra a senadora Soraya Thronicke (PSL-MS). Eles concorreram juntos ao Senado em 2018. Ela era a titular da chapa e ele, suplente. Hoje, ele é o primeiro suplente dela.

Segundo notícia-crime enviada por ela ao MP, Rodolfo Nogueira ficou incomodado por ela ter levado uma reclamação ao então presidente nacional do PSL, o advogado Gustavo Bebianno. De acordo com o ofício, Nogueira telefonou a Thronicke e disse:

“Eu vou te avisar, nunca mais passe por cima de mim. Escute bem: na próxima vez que você passar por cima de mim, eu acabo com você. Você não sabe do que eu sou capaz. Eu vou acabar com você. Eu vou arrebentar com você”.

A briga aconteceu porque a então candidata viu, durante a campanha, santinhos de candidatos de outros partidos com a foto de Jair Bolsonaro. Para Thronicke, os demais candidatos estavam se aproveitando da popularidade de Bolsonaro sem pertencer ao partido dele — enquanto ela se prejudicava com a manobra.

Soraya Thronicke conta na notícia-crime que reportou o fato a Nogueira, que se recusou a tomar providências. E por isso ela foi a Bebianno. A notícia-crime é assinada pelos advogados Marcelo Knopfelmacher e Felipe Locke Cavalcanti, do Knopfelmacher Advogados.

De acordo com reportagem do site da revista Piauí, a senadora se sentia realmente ameaçada por seu suplente. Segundo ela, Rodolfo se apresentava como “amigo do capitão” e diversas fotos dele com Bolsonaro vinham sendo divulgadas. A Piauí conta na reportagem que Thronicke fez eventos de campanha de colete à prova de balas, já que Nogueira a acompanhou em diversas ocasiões.

Lista do Não me Perturbe já tem mais de 600 mil pessoas

O site Não me Perturbe já teve 620 mil pessoas cadastradas no primeiro dia no ar. A iniciativa é das operadoras de telecomunicações e atende a uma determinação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). O site é um canal no qual podem se cadastrar pessoas que não desejam mais receber chamadas de telemarketing de serviços de telefonia, dados e de TV paga.

O balanço preliminar foi divulgado pela Anatel em reunião com representantes das companhias do setor e do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), nesta terça-feira (16).

As pessoas que não desejarem receber esse tipo de chamada podem incluir seu nome no site, no ar desde o início desta terça-feira (16).

A lista vai ser única e atingirá as principais empresas do setor: Algar, Claro/Net, Nextel, Oi, Sercomtel, Sky, TIM e Vivo.

Segundo a Anatel, se uma pessoa solicitar a sua inclusão na lista do Não me Perturbe e continuar recebendo ligações de oferta de bens e serviços de telecomunicações, pode ligar para o número 1331 e fazer uma reclamação. As sanções podem variar de advertência a multa de até R$ 50 milhões.