Arquivo diários:24/11/2019

Veja os campeões da Copa Libertadores da América

O Flamengo venceu o River Plate de virada, por 2 a 1, conquistou seu segundo título da Libertadores e diminuiu a vantagem da Argentina no número de conquistas do torneio frente ao Brasil. Agora, os argentinos seguem com 25 taças contra 19 dos brasileiros.

O Rubro-Negro agora se junta ao Cruzeiro, Internacional e Atlético Nacional, todos com duas conquistas da Libertadores. O River Plate teve o seu terceiro vice-campeonato na história. Confira todos os detalhes e números abaixo:

  • Independiente (7): 1964, 1965, 1972, 1973, 1974, 1975 e 1984
  • Boca Juniors (6): 1977, 1978, 2000, 2001, 2003 e 2007
  • Peñarol (5): 1960, 1961, 1966, 1982 e 1987
  • River Plate (4): 1986, 1996, 2015, 2018
  • Estudiantes (4): 1968, 1969, 1970, 2009
  • Olimpia (3): 1979, 1990 e 2002
  • Nacional-URU (3): 1971, 1980 e 1988
  • São Paulo (3): 1992, 1993 e 2005
  • Santos (3): 1962, 1963 e 2011
  • Grêmio (3): 1983, 1995 e 2017
  • Cruzeiro (2): 1976 e 1997
  • Internacional (2): 2006 e 2010
  • Atlético Nacional (2): 1989 e 2016
  • Flamengo (2): 1981 e 2019
  • Racing (1): 1967
  • Argentinos Juniors (1): 1985
  • Palmeiras (1): 1999
  • Colo-Colo (1): 1991
  • Vélez Sarsfield (1): 1994
  • Vasco (1): 1998
  • LDU (1): 2008
  • Corinthians (1): 2012
  • Atlético-MG (1): 2013
  • San Lorenzo (1): 2014

CLUBES MAIS VEZES VICE

  • Boca Juniors (5): 1963, 1979, 2004, 2012 e 2018
  • Peñarol (5): 1962, 1965, 1970, 1983 e 2011
  • Olimpia (4): 1960, 1989, 1991 e 2013
  • América de Cali (4): 1985, 1986, 1987 e 1996
  • Nacional-URU (3): 1964, 1967 e 1969
  • São Paulo (3): 1974, 1994 e 2006
  • Palmeiras (3): 1961, 1968 e 2000
  • River Plate (3): 1966, 1976 e 2019
  • Grêmio (2): 1984 e 2007
  • Cruzeiro (2): 1977 e 2009
  • Cobreloa (2): 1981 e 982
  • Newell’s Old Boys (2): 1988 e 1992
  • Barcelona-EQU (2): 1990 e 1998
  • Deportivo Cali (2): 1978 e 1999
  • Estudiantes (1): 1971
  • Santos (1): 2003
  • Internacional (1): 1980
  • Atlético-Nacional (1): 1995
  • Colo-Colo (1): 1973
  • Universitario (1): 1972
  • Unión Española (1): 1975
  • Universidad Católica (1): 1993
  • Sporting Cristal (1): 1997
  • Cruz Azul (1): 2001
  • São Caetano (1): 2002
  • Atlhletico-PR (1): 2005
  • Fluminense (1): 2008
  • Chivas Guadalajara (1): 2010
  • Nacional-PAR (1): 2014
  • Tigres-MEX (1): 2015
  • Independiente del Valle (1): 2016
  • Lanús (1): 2017

Flamengo é campeão brasileiro após vitória do Grêmio sobre o Palmeiras

O Globo

Enquanto os jogadores do Flamengofaziam a festa pelo título daLibertadores com a torcida (antes de o caos se instalar na dispersão no centro do Rio), Palmeiras e Grêmio, em São Paulo, davam o pontapé inicial na partida que podia dar o campeão brasileiro ao rubro-negro. Já a caminho de casa, os jogadores celebraram o título com a vitória por 2 a 1 dos gaúchos.

Continue lendo Flamengo é campeão brasileiro após vitória do Grêmio sobre o Palmeiras

Multidão e tumulto na chegada do Flamengo no Rio de Janeiro

Um tumulto generalizado ocorreu por volta das 16h25 durante as comemorações do Flamengo pela conquista da Taça Libertadores das Américas no Centro do Rio. Um grupo de populares, muitos com os rostos cobertos, começaram a arremessar pedras e outros objetos em direção a  Polícia Militar. Os PMs, por sua vez, revidaram bom bombas de gas lacrimogêneo. Os incidentes ocorreram na altura do  prédio Balanço Mais não Cai.  Houve correrria entre o público. Em meio a tumulto, o ônibus do Flamento desviou da Avenida Presidente Vargas e seguiu pela contramão da Rua de Santanna, que já estava interditada.

O elenco do Flamengo chegou ao Rio de Janeiro às 10h49 deste domingo e foi comemorar o bicampeonato daLibertadores, conquistado na véspera sobre o River Plate, nos braços da torcida. Os jogadores desfilaram em um trio pela Avenida Presidente Vargas, no Centro. No fim do trajeto, houve confusão generalizada: a polícia usou bombas de gás, enquanto um grupo de torcedores tentava revidar atirando pedras.

O clima é de euforia. A massa de rubro-negros se intensifica a partir do Mercado Popular da Uruguaiana. Na porta da Candelária, torcedores se amontoam ao redor de carros técnicos de transmissão. O grupo Flaparódias é um dos que animam os presentes, puxando as principais letras da torcida em ritmo de samba e pagode e ainda improvisando rimas.

— Todo jogo do Flamengo a gente está junto. Saímos da Ilha do Fundão e hoje não podia ser diferente — conta Diego Fonseca.

Mas a polícia já precisou agir por conta de furtos e roubos. Dois homens e uma mulher foram detidos pelo Centro Presente na Presidente Vargas. Com ela, foram encontrados muitos celulares. Clima é de revolta. Torcedores os acusaram de furto e tentaram agredi-l

Mais tarde, outra acusação de roubo virou pancadaria generalizada. A polícia conteve com uso da força, enquanto torcedores correram para dentro de uma lanchonete, que é um dos únicos estabelecimentos abertos ao longo da Presidente Vargas.

Um funcionário da Sunset, empresa que ajuda no cordão de isolamento, foi atingido por fogos de artifício. Ele foi retirado reclamando que não escutava no ouvido direito. O suspeito de disparar os fogos foi levado para a delegacia.

No Galeão, o primeiro a entrar na mira das lentes das câmeras de TV foi Gabigol, herói da decisão. O camisa 9 apareceu na janela do avião com uma bandeira do Flamengo e fez a festa de funcionários do aeroporto na pista. Depois, jogou o próprio celular para que um deles registrasse o momento.

O governador do Rio, Wilson Witzel, veio no avião com a delegação rubro-negra. Um dia antes, ele viralizara por conta de um vídeo em que é ignorado por Gabigol após se ajoelhar para cumprimentá-lo.

O Flamengo conquistou a América pela segunda vez em sua história de maneira dramática. Dominado durante a maior parte do jogo, virou sobre o River Plate com dois gols de Gabigol em um intervalo de três minutos.

Bolsonaro manda FAB interceptar voo do Flamengo para dar parabéns ao time

BRASÍLIA —  A Força Aérea Brasileira, a pedido do presidente Jair Bolsonaro , interceptou o avião que trazia jogadores e comissão técnica do Flamengo para parabenizar pela conquista do bicampeonato da Taça Libertadores da América. A mensagem foi lida antes de a aeronave pousar no Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio, no fim  da manhã deste domingo.

— A Força Aérea Brasileira, em nome do presidente da República, Jair Bolsonaro, dá as boas-vindas ao time do Flamengo e felicita a equipe campeã que tão bem representou o Brasil para a conquista da Copa Libertadores da América. Brasil acima de tudo. Parabéns — falou um integrante da FAB.

Gravado no RN, ‘Bacurau’ é eleito o melhor filme em Festival na Espanha

Bacurau, de Juliano Dornelles e Kleber Mendonça Filho, foi eleito o melhor longa-metragem da 29ª edição do Festival de Cinema Fantástico da Universidade de Málaga (Fancine), que terminou na quinta-feira (21).

Ambientado em um pequeno povoado do sertão brasileiro abandonado pelo poder público, Bacurau levou o prêmio principal, que inclui a quantia de ¤9 mil (cerca de R$ 42 mil), e o prêmio da crítica. O filme tem no elenco Bárbara Colen, Sônia Braga, Thomas Aquino, Wilson Rabelo e Silvero Pereira.

Na categoria de melhor direção, o vencedor foi o americano Richard Stanley, por A Cor que Caiu do Espaço, que também obteve o prêmio de melhores efeitos especiais.

A melhor atriz do Fancine foi a britânica Imogen Poots, pelo trabalho em Vivarium, de Lorcan Finnegan.

Neurocirurgião explica como foi atendimento de Gugu: ‘Deteriorou rapidamente’

O médico brasileiro que confirmou a morte encefálica de Gugu Liberato explicou o procedimento, que aconteceu em um hospital de Orlando, nos EUA, onde o apresentador se acidentou. Guilherme Lepsky contou em entrevista ao Jornal Nacional que o apresentador não chegou à unidade médica com quadro de morte cerebral, mas seu estado de saúde piorou de maneira muito rápida.

“Aí foi um tempo para se declarar a morte encefálica, um tempo maior. Porque a gente precisa ter um tempo de observação. Uma coisa é avaliação da gravidade neurológica no momento que o paciente entra. Outra coisa é diagnóstico da morte encefálica, que demanda tempo. Tinha alguma atividade respiratória no início, então não era de início morte encefálica. Tinha alguma atividade na prova de apneia, uma prova que se faz. Acontece que o quadro foi se deteriorando rapidamente. E aí as provas subsequentes comprovaram isso (a morte cerebral)”, diz.

Acidente
Gugu estava com a esposa, Rose, e os três filhos em sua casa. Ele costumava passar um período do ano em Orlando, alternando com o Brasil, e mantinha uma rotina low profile, desfrutando uma vida anônima.

O apresentador tinha chegado aos EUA na própria quarta, após uma viagem a Singapura. Ele subiu no forro da casa para tentar trocar o filtro do ar-condicionado. Uma parte de gesso do forro não aguentou o peso de Gugu e cedeu. O apresentador caiu de uma altura de quatro metros, na sala da casa, e bateu a cabeça.

Simulação do acidente

O filho mais velho de Gugu, João Augusto, 18 anos, presenciou a queda e foi quem chamou os serviços de emergência. O socorro chegou rapidamente à casa de Gugu e o levou para um hospital – segundo o Jornal Nacional, um trajeto de 27 minutos.

Quando deu entrada, o apresentador tinha uma fratura na têmpora direita. Também foi detectado que ele estava em nível 3 na escala Glasgow, que mede a atividade cerebral. A escala vai de 3 até 15, ou seja, Gugu já deu entrada com baixa atividade no cérebro. Como a hemorragia era grande, os médicos preferiram não fazer uma cirurgia e o apresentador ficou em observação.

Nos EUA, milionário alega em ação quebra de contrato por fim de namoro

Por João Ozorio de Melo

Em uma ação por danos morais, candidata à ação frívola do ano, um milionário processou a ex-namorada por término de namoro, em um tribunal de Los Angeles. Mas há mais uma surpresa, em busca de explicação: ele é representado na ação por um dos sócios de um grande escritório de advocacia – não por outra alma solitária. Entrevistado, o advogado se recusou a explicar por que aceitou a causa.

O advogado Kevin Dwight, sócio da banca Manatt Phelps & Phillips, especializada em casos complexos de contencioso comercial, representa o milionário Syed Husain, que está processando a ex-namorada Elina Todorov por “quebra de contrato”. Husain alega que ela havia prometido dar uma chance ao namoro por um ano, antes de decidir se ficava com ele ou não. Mas terminou o namoro alguns meses depois.

Na ação, Husain alega, além da “quebra de contrato”, imposição intencional de sofrimento emocional, enriquecimento ilícito e “fraude promissória” (promissory fraud), que é uma promessa feita por um(a) prometedor(a) que não tinha intenção de cumpri-la, na época em que foi feita. Husain pede uma indenização de US$ 225 mil por danos.

Sob a acusação de enriquecimento ilícito, é fato que Husain paparicou Elina com presentes caros. Na ação, seu advogado explicou que durante 14 anos, seu cliente gastou centenas de milhares de dólares com a ré. Ele pagou por joias finas, bolsas de grife, roupas da moda, viagens à Europa, estada em hotéis de luxo e refeições em restaurantes caros.

Na versão de Husain, conforme o relacionamento evoluiu, Elina costumava desaparecer por longos períodos de tempo. Mas ela apareceria, quando recebia um convite para uma viagem, para um jantar em um restaurante sofisticado ou para outras atividades que levavam o autor da ação a gastar somas substanciais de dinheiro. Ultimamente, “o autor começou a sentir que a ré estava tirando vantagem de sua generosidade e amizade”, diz a petição.

Curiosamente, Hussein não pede que Elina lhe devolva nada. Ela chegou a lhe propor, por e-mail, a devolução das joias, bolsas e roupas – não podia devolver os jantares e viagens. Mas Husain recusou a oferta. Pelo que sugerem os e-mails que enviou a Elina, Husain quer que ela pague por seu coração partido. Que ela aprenda uma lição sobre a dureza do sofrimento e de ficar quebrada financeiramente. Nos e-mails, ele escreveu:

“Elina, uma ação judicial irá abrir a porta para muitas coisas, incluindo depoimentos de todos os seus ex-namorados, que meu advogado planeja intimar para demonstrar seu padrão de comportamento”.

“Irá envolver um longo depoimento de sua parte, que requer, por lei, que você fale sobre assuntos muito particulares, em relação a mim e a outros, que se tornarão públicos. Muitas coisas que você não gostaria que o público soubesse, porque você dá valor a sua privacidade, vão aparecer. Eu não desejo isso para você, mas você tem de entender que é melhor nos sentarmos e conversar.”

“A defesa será muito custosa. Você quer realmente gastar dezenas de milhares de dólares em vez de gastar algum tempo para sentar comigo e discutir o que está nos incomodando? Eu insisto que você reserve algum tempo para conversar comigo.”

Husain realmente tratou de tornar a ação custosa. Ele moveu a ação em Los Angeles, em vez de em São Francisco, onde Elina mora e trabalha. Husain também vive na área da Baía de São Francisco, em uma mansão avaliada em US$ 3,5 milhões. A distância entre as duas cidades é de 615 quilômetros.

O advogado autônomo Joshua Davis, que representa Elina, ainda não apresentou uma defesa, mas peticionou a transferência do caso de Los Angeles para São Francisco. Husain alega que moveu a ação em Los Angeles, porque o “contrato” de relacionamento entre os dois foi “celebrado” em Santa Mônica (25 quilômetros de Los Angeles). E não escondeu que queria tornar a disputa judicial mais dura para ela. A petição do autor conta a história.

“Por volta de junho de 2016, o autor e a ré se encontraram em um jantar. Durante o jantar, o autor expressou à réu sua frustração em relação aos frequentes desaparecimentos da ré. A ré reconheceu o problema e, após alguma discussão, concordou que deveria manter o relacionamento com o autor, sem desaparecer, sem ficar em silêncio ou terminar o relacionamento. O autor documentou o acordo com a ré com uma foto de aperto de mão entre os dois.”

“Infelizmente, a ré deixou regularmente de cumprir o acordo. Em 2018, Elina pediu a Husain uma bolsa Chanel (US$ 5,146 à época) e um bracelete. Husain disse que sim, mas apenas se ela garantisse que daria ao relacionamento um esforço honesto de pelo menos um ano. Após um ano, eles discutiriam se deveriam assumir um compromisso ou se deveriam terminar o relacionamento. Mas nenhuma decisão poderia, em nenhuma circunstância, ser tomada antes de vencido um ano”.

Meses depois, ela terminou um relacionamento “muito próximo”, nas palavras de Husain, que durou 14 anos. Mas na verdade, eles nunca moraram juntos, nunca assumiram um compromisso (como de noivado) e namoraram apenas 4 meses, nas palavras de Elina. Eles se conheceram na Universidade da Califórnia em Berkeley, onde Elina se formou em engenharia química e engenharia de materiais.

Legislação
Apesar de se recusar a explicar por que aceitou a causa, perguntado se havia precedentes para sustentar o caso, o advogado de Husain mencionou apenas o caso Marvin versus Marvin, de 1976, julgado pelo Tribunal Superior da Califórnia, que envolveu a execução de um contrato entre namorados que viveram juntos por sete anos, e tiveram uma disputa sobre propriedade e pagamento de pensão depois que se separaram.

Como muitos estados dos EUA, a Califórnia tem uma lei antiga, chamada de “antibálsamo para o coração” (“anti-heart balm”). A lei estabelece “uma “política pública contra litígio sobre assuntos do coração”, diz uma decisão de 1994 de um tribunal federal de recursos na Flórida. “A lei proíbe obviamente ações judiciais por danos por quebra de contrato, em caso de rompimento de compromisso, que causaram dor emocional”, diz a decisão.

“Claramente, essas leis não apenas impedem certas causas de ação à moda antiga, mas também incorporam uma relutância básica por parte do legislativo e do judiciário de permitir indenização por promessa de amor. Essa relutância deriva, sem dúvida, da simples impropriedade de pleitear em juízo matérias delicadas de emoção romântica ou sexual”.

O advogado de Husain antecipou esse problema, escrevendo na petição que a lei “antibálsamo para o coração” não se aplica porque não havia promessa de casamento. “Qualquer referência a tais leis é irrelevante e parece não ser nada mais do que uma tentativa de tentar persuadir a corte de que esta é alguma espécie de ação frívola.

 é correspondente da revista Consultor Jurídico nos Estados Unidos.

Silvio Santos chorou ao saber da morte de Gugu Liberato

A família de Silvio Santos teve muito cuidado para dar a ele as notícias sobre Gugu Liberato.

Silvio ficou sabendo “aos poucos”. E chorou muito quando lhe contaram do desfecho de Gugu, seu aluno.

O menino Augusto Liberato estreou na televisão através de Silvio Santos. Eram tempos de Silvio na Globo. O jovem de 14 anos o procurou com ideias de quadros.

Gugu foi contratado, saiu para estudar Odontologia, desistiu do curso e voltou. Quando Silvio colocou a TVS no ar, Gugu estava lá.

Quando Silvio enfrentou problemas de saúde, nos anos 1980, Gugu tinha seguido para a Globo. Mas o respeito e o carinho, além da chance de ir para os domingos, o levou de volta ao SBT.

Foi o próprio Silvio Santos quem aconselhou Gugu a ir para a Record diante de uma proposta milionária, dez anos atrás.

A história dos dois se mistura. Justamente por isso a cobertura da Globo e de outros veículos aborde mais a passagem de Gugu pelo SBT do que pela Record.

Agora, Gugu, o aprendiz, partiu aos 60 anos. Silvio Santos, seu mestre, completa 89 em 12 de dezembro.

A vida é o que acontece quando estamos fazendo outros planos e neste caso foi o que aconteceu.

Fonte RD1