Arquivo diários:30/12/2019

Natal ocupa 12ª posição entre as capitais do país com maior número de diagnósticos de câncer de pele

Foto: Cedida/Flávio Rezende

Dezembro, férias, praia, sol e um dado alarmante: 33.339 pessoas morreram no Brasil em uma década (2008-2017) em decorrência do câncer de pele, segundo dados da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) obtidos com exclusividade pelo GLOBO.

O levantamento mostra que o número de óbitos subiu 48% de 2008 para 2017. Hoje, o câncer de pele é o mais frequente e responde por 30% dos diagnósticos de tumores malignos no país.

De acordo com o Painel Oncologia, base de dados coordenada pelo Ministério da Saúde, São Paulo foi o estado brasileiro com o maior número de mortes em decorrência do câncer de pele nos últimos 10 anos, com 7.668 casos, seguido por Rio Grande do Sul, com 3.753, e Minas Gerais, com 2.822. Em quarto lugar, aparece o Paraná, com 2.800 casos. O Rio de Janeiro está em 5º, com 2.747 mortes.

Embora associado à exposição inadequada ao sol, dos 20 municípios que registraram o maior número de diagnósticos da doença entre 2013 e 2019, somente três estão no litoral brasileiro: Fortaleza, na 4ª posição; Salvador, na 10ª posição, e Natal, na 12ª posição.

Segundo o presidente da SBD, Sérgio Palma, o número é um alerta para que a população tome cuidados diários em relação à exposição aos raios ultravioletas, não apenas quando forem à praia ou à piscina durante o verão.

— A radiação ultravioleta está presente no país inteiro sempre. O Centro Oeste, por exemplo, tem uma radiação imensa, como não há em Recife. Temos no Brasil a cultura do bronzeado, e todo câncer de pele tem uma assinatura da radiação ultravioleta em sua essência. É preciso usar filtro solar, roupa adequada, óculos com fotoproteção e evitar o sol em horários de pico.

Pessoas de pele clara, sensíveis à ação do sol e com histórico familiar deste câncer costumam ser as mais atingidas.

O outro é o melanoma, que representa apenas 3% dos cânceres malignos da pele e é o mais grave, devido ao alto potencial de provocar metástase (a disseminação para outros órgãos).

No caso, a cirurgia é o tratamento mais indicado, mas radioterapia e quimioterapia também podem ser utilizadas dependendo do estágio.

O Globo

Viagem de Bolsonaro com comitiva à Ásia e ao Oriente Médio custou mais de R$ 1 milhão, anuncia site

Foto: Sérgio Lima/Poder360

A viagem do presidente Jair Bolsonaro e de sua comitiva à Ásia e ao Oriente Médio custou exatamente R$ 1.008.658,70 aos cofres públicos, de acordo com dados foram obtidos pelo Poder360 via LAI (Lei de Acesso à Informação). A equipe embarcou em 19 de outubro e retornou ao Brasil no dia 31 daquele mês.

Do total, R$ 931.301,77 foram gastos com as passagens áreas e R$ 77.356,93 com o seguro-viagem internacional. Os dados são da Secretaria Geral da Presidência.

A ida de Bolsonaro ao Sudeste Asiático foi a mais longa viagem do presidente até o momento. Ficou ausente por 10 dias, a contar a partir do dia 21, quando chegou em Tóquio, no Japão. Além da capital daquele país, ele passou por China, Emirados Árabes, Qatar e Arábia Saudita.

OUTRAS VIAGENS

Até o dia 7 de outubro, Bolsonaro e sua comitiva já tinham utilizado mais de R$ 5 milhões em dinheiro público em viagens oficiais, de acordo com a newsletter “Don´t LAI to me”, especializada na obtenção de informações do poder público via Lei de Acesso à Informação e publicada pela agência independente Fiquem Sabendo.

Uma parte dos dados obtidos é de 9 viagens internacionais. O custo total de todas elas é R$ 1.275.189,15. As despesas referem-se a pagamento de Comissária Aérea, Handling (apoio de solo para aeronave), aquisição de chips eletrônicos no exterior, seguro-viagem para as equipes de segurança e apoio da comitiva presidencial.

Eis a descrição dos gastos (por destino, data e custo):

Suíça (15.jan.2019): R$ 278.412,43

Washington (11.mar.2019): R$ 85.412,00

Chile (17.mar.2019): R$ 20.531,77

Israel (23.mar.2019): R$ 186.810,34

Dallas (11.mai.2019): R$ 131.921,51

Buenos Aires (30.mai.2016): R$ 25.003,43

Japão (16.jun.2019): R$ 331.396,25

Santa Fé (12.jul.2019): R$ 15.579,33

Nova Iorque (23.set.2019): R$ 200.122,09

“Você pode bancar o fodão pra muita gente. Pra mim, não”, diz deputado do PSL peitando filho de Bolsonaro

O deputado federal Julian Lemos (PSL-PB) discutiu nas redes sociais neste domingo (29) com o segundo filho do presidente Jair Bolsonaro, o vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ).

“Você pode bancar o fodão para muita gente, pra mim não, esse ano o lugar do debate vai ser no microfone da Câmara dos Deputados, o remédio de um doido é outro na porta. Esse aí é o grande influenciador do líder do nosso país, apenas um desequilibrado, Carluxa…Tu é um merda!”, escreveu o deputado em mensagem no Twitter.