Arquivo diários:01/02/2020

Fátima sinaliza preferência por Maurício Marques

Fátima e Maurício

A governadora Fátima Bezerra ao conceder entrevista ao jornalista Tiago Rebolo em seu programa na Agora FM não escondeu sua simpatia pela candidatura do ex-prefeito Maurício Marques a prefeito de Parnamirim.

Fátima tem uma ligação histórica com Maurício Marques que esteve sempre a seu lado desde quando Fátima tentou pela primeira vez sua eleição de deputada federal.

Pessoas amigas e decepcionadas com o atual prefeito estão engrossando fileiras pela volta de Maurício à Prefeitura.

Pesquisas já revelam um empate técnico entre Maurício e Taveira.  Fátima sabe que uma chapa composta por Maurício e Carlos Augusto Maia é fortíssima.

Maurício ouviu o recado de Fátima e tem sentido um clima favorável à sua candidatura, ele começou a conversar, andar mais em Parnamirim intensificando sua vida social e pública.

Para muitos, Maurício está ligando turbinas e estudando qual o melhor partido para disputar o pleito.  Um analista político de Parnamirim disse ao Blog do Primo que Maurício Marques entra em todas correntes políticas, tanto da direita como da esquerda. Taveira começou a ficar aperreado.

Maurício Marques tem articulado sua volta conversando com todas as forças de Parnamirim. 

 

Governador e 22 prefeitos se desfiliam do PSB na Paraíba

O governador da Paraíba, João Azêvedo, anunciou nesta sexta-feira, 31, sua filiação ao partido Cidadania (ex-PPS). Em dezembro do ano passado, o chefe do Executivo estadual saiu do PSB, após romper a aliança com o ex-governador Ricardo Coutinho (PSB), preso na Operação Calvário por acusações de envolvimento de desvio de verbas na Saúde.

Com o anúncio de Azevedo, 22 prefeitos de desfiliaram do PSB, em carta coletiva divulgada nas redes sociais. Eles alegam falta de diálogo com o partido. No texto, os prefeitos dizem que irão seguir o projeto político do governador. A reportagem entrou em contato com o atual presidente do PSB, Gervásio Maia, mas não obteve resposta.

Petroleiros iniciam neste sábado greve por tempo indeterminado

Os petroleiros iniciaram na madrugada deste sábado, 1º, uma greve por tempo indeterminado nas unidades da Petrobrás. Segundo a Federação Única dos Petroleiros (FUP), a greve atinge 14 unidades da empresa em nove Estados. Apesar da paralisação, a categoria garante que vai manter o abastecimento de combustíveis para não prejudicar a população.

Os petroleiros cobram a suspensão das demissões na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados do Paraná (Fafen), prevista para começar no dia 14 e que deve afetar mais de mil famílias. Eles também querem o estabelecimento imediato de um processo de negociação com a empresa, acusada pelos trabalhadores de descumprir itens do Acordo Coletivo de Trabalho, com suspensão imediata das medidas unilaterais tomadas pela direção.

Fugindo dos marqueteiros tubarões prefeito de Caraúbas dá um show de comunicação

Inovando e reduzindo custos, o prefeito de Carnaúbas, Juninho Alves adotou um eficiente e barato meio de fazer a comunicação do município.

Fugindo dos ditos tubarões do marketing, meninos sabidos que cobram uma fortuna para fazer o que qualquer estudioso e buliçoso pode fazer, o prefeito Juninho montou uma equipe genuinamente de Carnaúbas que está dando um show de criatividade e competência.

Por causa de uma gestão inovadora e eficiente, o prefeito Juninho é o prefeito melhor avaliado da região do médio oeste do RN com reeleição garantida.

Confira peças publicitárias da sua equipe de marketing:

Número de mortes por coronavírus chega a 259 na China

O número de mortos pelo novo coronavírus aumentou para 259, segundo balanço divulgado nesta sexta-feira, 31, pelas autoridades chineses. O volume de infectados já chega a 11.791.

Além da China, outros 23 países já confirmaram casos da doença. Quatro nações passaram a integrar essa lista nesta sexta, ao confirmarem casos em seus territórios: Espanha, Suécia, Reino Unido e Rússia.

Na Espanha, um homem foi diagnosticado com a doença nas Ilhas Canárias. O paciente faz parte de um grupo de cinco pessoas que já estava isolado e sendo monitorado por ter tido contato com um alemão contaminado.

Na Suécia, uma mulher do condado de Jönköping teve a infecção confirmada após exames. Ela havia viajado à Wuhan, cidade chinesa epicentro do surto.

A Rússia confirmou dois casos do novo vírus. Ambos os pacientes são cidadãos chineses. O Reino Unido também anunciou duas infecções.

Diante da propagação global do vírus, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou na quinta-feira, 30, emergência de saúde pública de interesse internacional pelo surto.

Mercedes-Benz quer voltar a lucrar no Brasil para não depender da matriz

Por Estadão Conteúdo

São Paulo — A operação brasileira da Mercedes-Benz pôs como principal meta para 2020 voltar a dar lucro, por perceber que está cada vez mais difícil receber recursos enviados pela matriz na Alemanha, disse nesta sexta-feira, 31, o presidente da montadora no Brasil, Philipp Schiemer. Segundo ele, o objetivo é que a filial, de volta ao azul, tenha condições de bancar os próprios investimentos, sem depender dos alemães.

“Nos últimos 10 anos, nós vimos as matrizes das montadoras fazendo uma injeção forte de capital em suas operações no Brasil. Esse tempo acabou. Não vamos ver esse fluxo nos próximos anos com tanta facilidade”, afirmou o executivo a jornalistas, em evento na fábrica de São Bernardo de Campo (SP), uma das três da marca no Brasil – as outras duas ficam em Juiz de Fora (MG) e Iracemápolis (SP).

Segundo Schiemer, tem sido mais difícil convencer a matriz alemã a investir no Brasil porque a indústria automobilística global tem passado por uma “transformação muito forte”, que exige investimentos “elevados” e deixa o dinheiro mais escasso para alocá-lo em outros países, principalmente aqueles onde os negócios não estão rentáveis.

“Por exemplo, a eletrificação da indústria automobilística é vista como o futuro. Você, se fosse a matriz, iria investir em eletrificação ou em uma operação que não está dando retorno? O investidor vai colocar o dinheiro dele onde ele acha que pode dar retorno”, disse ele.

A operação brasileira, de acordo com Schiemer, não fecha o ano no azul desde 2014, o último antes da crise econômica. No ano seguinte, o executivo passou por “fortes questionamentos” da matriz para conseguir investimentos para o Brasil. À época, acabou anunciando um ciclo de investimento de R$ 730 milhões entre 2015 e 2018. O plano atual é de R$ 2,4 bilhões entre 2018 e 2022, dos quais R$ 900 milhões serão aplicados entre este ano e 2021.

O executivo, contudo, fez questão de ressaltar que a matriz está satisfeita com o Brasil e vê avanços na operação local. “Eles veem que os investimentos feitos aqui foram uma boa decisão e a unidade está na direção correta”, disse. “Mas será mais difícil conseguir recursos, por causa das transformações no setor, mesmo que o mercado brasileiro esteja melhor”, acrescentou.

Para voltar ao azul, Schiemer disse que a estratégia por uma combinação de fatores, como a eficiência da operação, “fazendo mais com menos”, e a política de preços, de olho numa margem maior.

Projeções

A Mercedes-Benz estima que o mercado de caminhões deve crescer 18% em 2020, para 120 mil unidades, informou Schiemer. É a mesma projeção da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

A estimativa da Mercedes-Benz considera expansão do Produto Interno Bruto (PIB) de 2,5% e Selic a 4,5%. “Os juros continuam muito atraentes para o consumidor e os investimentos em infraestrutura devem começar a aparecer”, disse o executivo, que reconheceu que a taxa básica pode cair ainda mais.

Na visão de Schiemer, o ano de 2020 deve ser marcado pelo aumento da participação dos segmentos de caminhões leves e médios, que perderam fatia nos últimos anos para os semipesados e extrapesados.

O executivo explicou que os leves e médios são mais sensíveis à atividade econômica e vão se beneficiar da aceleração do PIB, esperada pelos analistas do mercado financeiro e pela própria companhia.

Schiemer lembrou que, no auge do mercado de caminhões, em 2011, os leves e médios tiveram resultados expressivos nas vendas. Os clientes desses segmentos, contudo, evitaram fazer a troca durante a crise. Agora, chegou o momento de o consumidor fazer a renovação.

“Nos últimos anos, a renovação foi feita mais nos segmentos de semipesados e extrapesados, pois são clientes mais profissionais, que precisam de caminhões mais atualizados para seus negócios. Os leves e médios, de consumidores de menor porte, adiaram a troca e agora é o momento, pois já se passaram quase 10 anos”, explicou o executivo.

Os leves e médios eram cerca de um terço do mercado de caminhões em 2011 e caíram para 20%, participação registrada em 2019. Os extrapesados, por sua vez, saltaram de 36% para 57%. Schiemer acredita que, em 2020, os leves e médios podem aumentar para 25%.

Reformas

O presidente da Mercedes-Benz no Brasil afirmou ainda que as reformas econômicas precisam continuar ocorrendo para que a indústria automobilística seja menos dependente da Argentina no mercado externo.

Com a Argentina em crise, as exportações de veículos para o país vizinho caíram cerca de 50% em 2019. Como o mercado argentino é o principal destino, as exportações totais também tiveram recuo, de cerca de 30%.

“O mercado externo continua sendo o nosso calcanhar de Aquiles. Temos de trabalhar para sermos menos dependentes da Argentina no futuro. Para isso, além de as empresas fazerem a sua parte, as reformas precisam continuar acontecendo”, disse o executivo.

Schiemer está otimista com a aprovação da reforma tributária em 2020 e espera que o projeto inclua a desoneração sobre exportações. “Eu tenho um concorrente indiano no Peru e o frete dele para levar um caminhão da Índia para o Peru é menor do que o do Brasil para o Peru”, comparou.

Proposta de reforma da previdência da governadora Fátima Bezerra protege quem ganha menos

Os novos percentuais apresentados pelo Governo do RN em sua proposta de reforma da previdência protegem os servidores ativos e inativos que recebem os menores salários, garantindo o caráter progressivo da medida. As alíquotas de contribuição dos servidores que serão incluídas no projeto que será encaminhado à Assembleia Legislativa vão de 12% a 18,5% de contribuição para os servidores ativos, aumentando progressivamente de acordo com cada faixa salarial. Atualmente, todos os servidores ativos pagam a mesma alíquota de 11%. O Governo do Estado apresentou à imprensa a proposta na tarde desta sexta-feira (31).

Entre os inativos, a sugestão é manter uma faixa de isenção até R$ 2,5 mil, o que atinge cerca de 20 mil dos 54 mil inativos e pensionistas do Estado, e repetir as mesmas alíquotas a partir dessa faixa, indo de 14% a 18,5%. A medida visa dar sustentabilidade à previdência estadual, reduzindo o déficit que apenas em 2019 foi de R$ 1,57 bilhão.

Os dados foram apresentados na Governadoria, com a presença dos secretários de Estado Raimundo Alves (Gabinete Civil), Carlos Eduardo Xavier (Tributação) e Aldemir Freire (Planejamento e Finanças), do presidente do Instituto de Previdência dos Servidores Estaduais (IPERN), Nereu Linhares, e do procurador-geral do Estado, Luiz Antônio Marinho.

Concomitantemente, a proposta foi enviada ao Fórum Estadual dos Servidores do RN. No próximo dia 05 de fevereiro a proposição de mudança nas alíquotas de contribuição será discutida entre a equipe do Governo e a representação dos trabalhadores. “Só vamos enviar a proposta para a Assembleia Legislativa após esgotar toda a negociação com o Fórum”, destacou o secretário Raimundo Alves.

A expectativa do Governo é de que a reforma tenha um impacto fiscal de cerca de R$ 1 bilhão até 2023. “Caso a reforma não seja feita, o Tesouro Estadual terá que aportar mais de R$ 6 bilhões dentro dos próximos três anos. Não é possível equacionarmos de uma vez só, mas o efeito no caixa é muito importante, pois não será preciso tirar dinheiro de outras áreas para cobrir o déficit”, disse Aldemir Freire.

O Governo está desenvolvendo um sistema de cálculo para os servidores simularem as mudanças, que será disponibilizado em breve.

OBRIGATORIEDADE

A reforma atende uma determinação da União, que com a emenda constitucional da reforma da previdência obrigou o Estado a fazer o mesmo processo para que continue a receber convênios oriundos de transferências não-obrigatórias.
“Periodicamente, em qualquer lugar do mundo, é necessário fazer reforma nos sistemas previdenciários, pois há mudanças nas expectativas de vida, entre outras coisas. No caso do sistema de repartição que funciona hoje no Governo, ele foi desenhado quando se tinha cinco servidores ativos para um aposentado. Atualmente a balança mudou, pois temos 46 mil ativos e 54 mil aposentados, além da projeção de que mais 12 mil se aposentem dentro dos próximos anos”, analisou Nereu Linhares, presidente do IPERN.

A proposição do Governo vem para atender as requisições da Emenda Constitucional 103, que reformou a previdência nacional, mas com impactos menores junto ao servidor do que a legislação aprovada pelo Congresso em 2019. A regra da acumulação de pensão, por exemplo, não será modificada no RN, assim como não há previsão de contribuição extraordinária.

Outro exemplo é o cálculo feito para apontar o valor do benefício. A proposta de emenda à Constituição Estadual mantém os 70% da média aritmética do período contributivo, com o acréscimo de 2% para cada ano que exceder 20 anos de contribuição, o que limita aos 35 anos o período para alcançar a integralidade da média aritmética dos salários de contribuição.

Para calcular a média aritmética, que a reforma da previdência da União estipula atualmente um cálculo em cima de 100% do período contributivo, o Governo do Estado propõe uma incidência gradual, mantendo os 80% até 2021 e chegando aos 90% somente em 2025. “Isso quer dizer que os menores salários recebidos ao longo da vida não serão considerados no cálculo do valor do benefício”, explicou Raimundo Alves.

As mudanças na idade e o tempo de contribuição mínimos para a aposentadoria também são menores do que as realizadas a nível federal. Enquanto a reforma da União aumentou 7 anos na idade mínima da mulher, a proposta do Governo aumenta apenas 5 anos.

Para as professoras e professores da rede estadual, a reforma aponta uma idade mínima de 55 anos para as mulheres e 60 anos para os homens. A medida ainda iguala o período de contribuição: 25 anos.
As regras de transição tanto por acúmulo de pontos como por pedágio também foram suavizadas, em comparação com a reforma nacional.

O sistema de pontuação para aposentadoria voluntária fica com 86 para as mulheres (56 anos, 30 anos de contribuição, 20 de serviço público, cinco no último cargo efetivo) e 96 para homens (61 anos, 35 anos de contribuição, 20 de serviço público, cinco no último cargo efetivo).

A partir de 2021, as pontuações serão acrescidas de um ponto por ano, até chegar aos 100 para as mulheres e 105 no caso dos homens. E em janeiro de 2023, as idades mínimas sobem para 57 e 62 anos, respectivamente, para mulheres e homens.

O somatório de pontos para aposentadoria do magistério também passa por mudança, sendo 76 para as professoras e 86 para os professores, com a idade das mulheres sendo 51 e entre os homens 56 anos e o período de contribuição, respectivamente, 25 e 30 anos.

A partir de janeiro do próximo ano, o sistema ganha um ponto por ano até chegar em 82 e 95, com as idades sendo elevadas em 2023 para 57 e 62 anos.
Já no caso do “pedágio” exigido para aposentadoria no serviço público estadual, segundo a proposta do Governo do Estado, será equivalente à metade do tempo de contribuição que falta para atingir o tempo exigido quando da entrada em vigor da reforma. Caso, por exemplo, o servidor necessite de seis anos para atingir o tempo mínimo, precisará alcançar nove anos para se aposentar, enquanto que em âmbito federal esse número vai para 12 anos.

Onyx busca apoio para ficar na Casa Civil em meio a crise com Bolsonaro e Rogério Marinho ciscando para sentar na cadeira dele

O presidente Jair Bolsonaro tem buscado uma saída para a crise política protagonizada pelo ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM). O auxiliar, por sua vez, ainda trabalha para se manter no cargo.

Bolsonaro discutiu nesta sexta-feira (31) formas de contemplar o aliado com um novo posto na Esplanada dos Ministérios. A Casa Civil foi esvaziada quando o presidente decidiu retirar da pasta o PPI (Programa de Parceira de Investimentos) após demissão, recontratação e nova demissão de Vicente Santini, secretário-executivo de Onyx.