Arquivo diários:11/03/2020

PT conquista Anna Nunes e sai fortalecido para eleições em Parnamirim


O Partido dos Trabalhadores ganhou um excelente quadro político para disputa eleitoral deste ano em Parnamirim.
A jovem advogada Anna Nunes atendendo convite das lideranças locais e da governadora Fátima Bezerra decidiu registrar sua filiação no PT.
Liderança na advocacia potiguar, militante das causas sociais, excelente oradora, carismática, super popular e religiosa, Anna Nunes caminha rapidamente para conquistar uma cadeira na Câmara Municipal, embora seu nome sempre é ventilado para compor uma chapa majoritária.
Anna Nunes foi convidada por outros partidos, mas prevaleceu sua matriz ideológica progressista e amizades fraternas com o padre Murilo e Fátima Bezerra. Sua ficha de filiação tem o abono da presidente do Diretório Municipal do PT Josiane Bezerra.  A pré-candidata aparece bem em todas pesquisas eleitorais de Parnamirim com todas possibilidade de ampliar a bancada feminina no legislativo municipal.

Itália decide fechar lojas e restaurantes para conter coronavírus

Primeiro-ministro anunciou que apenas as atividades essenciais devem continuar funcionando, como supermercados, indústrias e serviços de emergência

São Paulo — O primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, determinou nesta quarta-feira, 11, que o comércio não essencial do país deve permanecer com as portas fechadas, incluindo pequenos comércios, restaurantes e demais serviços para conter o avanço do coronavírus.

Apenas as atividades essenciais devem continuar funcionando, como supermercados, indústrias e serviços de emergência. Estabelecimentos que não puderem garantir um metro de distância entre clientes não podem abrir.

Já entregas de refeições em domicílio podem continuar, desde que passem por regras
“Pedimos a todos que respeitem as regras para sairmos o mais rápido possível dessa emergência”, disse Conte. “Devemos esperar duas semanas ao menos para ver se os números vão continuar a crescer, mas devem recuar”, complementou o primeiro-ministro sobre as medidas para conter o aumento das infecções da doença.

Nas últimas 24 horas, o número de mortes saltou 31% e chegou a 827, segundo informações da Agência de Proteção Civil do país. Esse foi o maior aumento em números absolutos desde que o contágio veio à luz em 21 de fevereiro.

Sobe para 69 o número de casos de coronavírus no Brasil; SP tem 30

Doença foi considerada pandemia pela Organização Mundial da Saúde nesta quarta-feira

São Paulo — O Hospital Israelita Albert Einstein informou ao jornal O Estado de S. Paulo que confirmou, somente ao longo desta quarta-feira, 16 novas infecções pelo novo coronavírus.

Como o resultado desses exames saíram nas últimas horas, esses casos ainda não foram notificados ao Ministério da Saúde, já que as unidades de saúde têm até 24 horas para informar a pasta sobre os registros da doença.

Com os novos casos, sobe para 69 o número de infecções confirmadas no País. Além das 16 registradas nesta quarta pelo Einstein, 52 já haviam sido divulgadas nesta tarde pelo ministério. No último balanço eram 37 casos. O total de suspeitos está em 907.

De acordo com a assessoria de imprensa do hospital, desde o início da circulação do vírus no País, 38 infecções já foram confirmadas no hospital, mas 22 já haviam sido informadas ao governo.

O número de infectados em São Paulo saltou de 19 para 30, entre ontem e hoje. Já no Rio de Janeiro, os casos chegam a 13. Distrito Federal e Rio Grande do Sul têm dois confirmados em cada estado. Alagoas, Minas Gerais e Espírito Santo têm um.

O governo do Estado da Bahia confirmou o terceiro caso de contaminação por coronavírus. Se trata de uma mulher de 68 anos da cidade de Feira de Santana. Segundo nota emitida pela Secretaria de Saúde da Bahia, a paciente “teve contato domiciliar com a segunda paciente do Estado com covid-19 quando ainda estava assintomática

Weintraub diz que MEC está se preparando para suspensão de aulas por coronavírus

Em vídeo publicado em rede social, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse nesta quarta-feira que as instituições de ensino precisam se preparar para “medidas emergenciais pontuais” por conta do novo coronavírus. Weintraub sugere que, caso seja necessário, é preciso ter pronto um plano de aulas “remotas”.

Porém, durante uma audiência na Câmara dos Deputados, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que vê a possibilidade de suspensão de aulas como um potencial risco para avós de crianças que, por serem idosos, integram o principal grupo de risco da Covid-19.

FolhaPress

Congresso vai suspender visitações por causa de pandemia de coronavírus

Diante da pandemia de coronavírus, o Congresso Nacional vai suspender as visitações públicas nas dependências do Legislativo. Esta é uma das medidas tomadas pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que também preside o Congresso, nesta quarta-feira (11). Um ato deverá ser divulgado até o fim da tarde com as normas.

Ele vai suspender também as sessões especiais, reuniões que reúnem deputados e senadores para homenagens. Até o momento, as sessões de votação em plenário e em comissões estão mantidas. Também serão suspensas as autorizações para viagens internacionais de senadores e servidores. Os que já fizeram viagens recentes ao exterior recentemente receberão um comunicado com orientações.

Pastor farsante vai pregar sua palavra na Polícia Federal

Imagem: Reprodução/Internet

O suposto pastor foi intimado a prestar depoimento na Polícia Federal, em Natal, após uma confusão no trânsito. Ele deve prestar esclarecimentos na sede da PF na capital potiguar nesta quinta (12). Um inquérito foi instaurado e Diego será investigado por usurpação da função pública.

Vídeos que circulam nas redes sociaismostram Diego Araújo discutindo com um casal ao se identificar como policial federal. De acordo com a própria PF, Diego não faz parte da instituição. Ele se identifica como pastor nas redes sociais próprias, que sumiram após os vídeos da discussão se espalharem pela Internet.

As gravações mostram Diego discutindo com um homem e uma mulher após supostamente ter trancado o carro do casal em uma manobra no trânsito. “Abordou a gente, ultrapassou a gente, agrediu meu marido usando da carteira de policial”, relatou a mulher.

A discussão começou quando Diego afirmou ser policial federal da corregedoria trabalhando à paisana. “Vocês só saem daqui quando a viatura chegar. Estou em serviço”, disse ao casal, que estava com a filha pequena dentro do carro. Em certo momento do vídeo, é possível ouvir o choro da menina. Durante a briga, Diego exigiu a documentação do veículo do casal e tirou fotos da placa do carro, reforçando a autoridade de policial federal.

Segundo a PF, o episódio registrado nos vídeos aconteceu no último sábado (7) no cruzamento da avenida Alexandrino de Alencar com a rua Jaguarari. A família prestou queixa na sede da PF nesta quarta-feira (11).

Com informações do AGORA RN

Ibovespa perde 7,64% após OMS declarar pandemia de coronavírus; dólar sobe a R$ 4,72

Em mais um dia de perdas expressivas nos mercados globais depois que a Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou pandemia do coronavírus, a Bolsa de Valores de São Paulo encerrou o pregão com desvalorização de 7,64% aos 85.171 pontos.

É o menor nível de pontuação desde 26 de dezembro de 2018, quando o Ibovespa fechou a 85.136 pontos. Pela segunda vez em três dias, foi acionado o circuit breaker, mecanismo que interrompe as negociações quando o índice cai mais de 10%. A Bolsa caiu 12% na segunda e subiu 7% ontem. Na semana, acumula perda de 13,08%.

Por volta de 15h14, o índice perdia 10,11% aos 82.887 pontos, e o pregão foi paralisado por 30 minutos. Na volta, o Ibovespa ampliou as perdas e chegou a cair 12%. Mas, segundo operadores consultados pelo GLOBO, um fluxo positivo no final da sessão para compra de ações, que ficaram baratas, acabou reduzindo a queda no encerramento do dia.

Declarações do presidente americano Donald Trump de que medidas econômicas e para a área de saúde serão anunciadas nesta noite também ajudaram a reduzir a desvalorização do índice.

O circuit breaker já havia sido acionado na segunda-feira, pela primeira vez desde 2017, quando a queda do Ibovespa atingiu 10,02%. Naquele dia, o Ibovespa fechou com baixa de 12,17%.

O dólar comercial chegou a ser negociado a R$ 4,756 na venda, nova máxima histórica durante o pregão, mas encerrou a sessão cotado a R$ 4,721, alta de 1,65%.

O índice afundou depois que a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou, às 13h29 no horário de Brasília, pandemia mundial de coronavírus. A entidade vinha resistindo a caracterizar a disseminação da Covid-19 dessa forma há semanas, embora a nova doença tenha atingido mais de 110 países. O número de casos confirmados no Brasil subiu para 37, com dois novos casos no Rio. O número de casos suspeitos no país é de 876.

Também pesaram no humor dos investidores as frustrações com o pacote de estímulos nos EUA e a revisão para baixo do crescimento do PIB brasileiro pelo governo. O risco-país medido pelo Credit Default Swap (CDS), uma espécie de seguro contra caolte, subiu para 217 pontos, alta de 20,97% frente ao fechamento de terça, de 179 pontos.

— A declaração de pandemia feita pela OMS ampliou a incerteza sobre os impactos do vírus na economia global, que já era grande. A cada dia surgem mais informações negativas. A primeira-ministra alemã, Angela Merkel, afirmou que 70% da população alemã terá coronavírus. No Brasil, espera-se um crescimento de casos em duas ou três semanas — disse Pedro Galdi, analista da Mirae Asset Management.

As principais ações do índice apresentaram fortes perdas no final do dia: as ordinárias da Petrobras (ON, com direito a voto) recuaram 12,42% a R$ 16,08, enquanto a preferenciais (sem direito a voto) tiveram baixa de 11,39% a R$ 15,56. A Petrobras perdeu R$ 24,3 bilhões em valor de mercado nesta quarta. Na semana, a perda é de R$ 96,3 bilhões.

O valor do barril do petróleo tipo Brent recuou 4% a US$ 35,75. As cotações do petróleo tinham subido na terça-feira após o tombo recorde do início da semana, mas voltam a recuar nesta quarta-feira.

O GLOBO

Coronavírus: Ibaneis anuncia suspensão de aulas, shows e eventos esportivos no Distrito Federal

Foto: Mariane Silva/Esp. CB/D.A Press

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, anunciou, na noite desta quarta-feira (11/3), que, devido à pandemia de coronavírus, tem a intenção de suspender as aulas, nas escolas e faculdades públicas e privadas, e os eventos que reúnam grande número de pessoas.

Segundo o governador, a medida, que será publicada em edição extra do Diário Oficial do DF (DODF), deve prever a suspensão das aulas por cinco dias, a partir desta quinta-feira (12/3). Além de atingir escolas, deve envolver eventos que exigem alvará para realização, o que inclui shows e jogos esportivos.

significa que manifestações públicas, como a prevista para o próximo domingo (15/3) na Esplanada dos Ministérios, não serão afetadas, por não depender de autorização do GDF.

Ao Correio, Ibaneis disse não ter a intenção de proibir a realização de missas. O governador, no entanto, disse ser recomendável que os fiéis evitem a presença nos templos.
“Proteger as pessoas”

“A nossa linha é proteger as pessoas que estão com o vírus e proteger a sociedade”, afirmou Ibanies nesta tarde. De acordo com o governador, não há motivo para alarde, mas que a população deve seguir o recomendado pela Secretaria de Saúde.

“O protocolo tem que ser cumprido na integralidade. As pessoas estão chegando ao balcão acreditando que o atendimento é comum. Mas ele tem que ser comunicado. Nós colocamos um telefone e o WhatsApp a disposição da população”, alertou.

Segundo o Ministério da Saúde, há 74 casos suspeitos de coronavírus no Distrito Federal, além dos dois já confirmados. Até o início da tarde desta quarta-feira, o Brasil tinha 35 casos suspeitos de coronavírus, mas não há registros de mortes pela doença.

Pandemia

O coronavírus foi definido, nesta quarta-feira (11/3), em Genebra, pela Organização Mundial da Saúde (OMS) que o novo coronavírus é uma pandemia, devido aos surtos diversas regiões do mundo. O Covid-19 infectou mais de 110 mil pessoas desde o fim de dezembro de 2019 e matou mais de 4 mil pacientes nos cinco continentes.

CORREIO BRAZILIENSE

Pinto Júnior desiste em favor de Maurício Marques e do fortalecimento do PROS

Maurício Marques em articulação com o jornalista Pinto Júnior

O jornalista Pinto Júnior desistiu da sua pretenção de ser candidato a prefeito de Prefeito Parnamirim em favor do ex-prefeito e pré-candidato Maurício Marques.
Habilidoso e consciente que não pontua bem nas pesquisas de intenção de votos, apesar de sua bagagem técnica e intelectual,  sempre trabalhando para unir e fortalecer a oposição, Pinto escancarou as postas do seu partido (PROD) para receber Maurício Marques.
Maurício já está acertado com a governadora Fátima Bezerra e o secretário Jaime Calado sua filiação e marcarão uma data para fazer uma grande festa com outras filiações de pessoas com densidade eleitoral.
Maurício Marques é o político da oposição com maior trajetória no município, exercendo varias vezes secretarias importantes,  com um mandato de vice-prefeito, dois mandatos de prefeito, Maurício Marques se destaca como individualmente o maior líder da oposição.
Maurício foi o responsável pela vitória do atual prefeito Rosano Taveira e sua vice-prefeita Elienai Cartaxo que também foi para oposição podendo inclusive ser sua companheira de chapa.

Pinto Júnior e Maurício sempre tiveram uma fraternal amizade e parceria política..

Projeto de Lei da vereadora Júlia Arruda propõe isonomia de premiações em eventos e competições públicas

Projeto de Lei proposto pela vereadora Júlia Arruda se aplica a eventos culturais, artísticos e esportivos organizados direta ou indiretamente por órgãos públicos do município

Neste mês marcado pela luta de mulheres, a vereadora Júlia Arruda apresentou, na Câmara Municipal de Natal, o Projeto de Lei nº 34/2020, que garante isonomia na concessão de premiações em competições financiadas pela administração pública. Se aprovada, a legislação se aplicará a eventos esportivos, culturais e artísticos, organizados direta ou indiretamente por órgãos públicos do município, e que disponham de categorias iguais ou análogas entre homens e mulheres.

A iniciativa foi motivada por diversos relatos, sobretudo no âmbito esportivo, de desigualdades em premiações e nas condições de trabalho entre homens e mulheres. O caso mais simbólico aconteceu no ano passado, na Copa do Mundo de Futebol Feminino, quando atletas denunciaram a disparidade. Durante o campeonato, a brasileira Marta, eleita por seis vezes a melhor jogadora do mundo, estampou em suas chuteiras o símbolo do movimento “GoEqual”, pela equidade de gênero nos esportes.

Às vésperas da mesma competição, considerada um marco na luta de mulheres por mais valorização no esporte mundial, atletas da seleção americana de futebol entraram com uma ação trabalhista contra a US Soccer (Federação Americana de Futebol) alegando discriminação e reivindicando, entre outras demandas, um pagamento justo. Realidade endossada por pesquisa da BBC, que aponta que em 30% das principais competições esportivas mundiais, as vencedoras de modalidades femininas recebem menos dinheiro do que os atletas homens.

“O sexismo segue sendo o maior adversário das mulheres, seja nos campos, nas quadras ou fora deles. Porque a desigualdade de gênero é algo que transpassa todas as esferas da sociedade, inclusive no meio artístico e cultural. E o nosso papel na Câmara é criar legislações que revertam essa situação e garantam igualdade de condições”, comenta a vereadora Júlia Arruda, autora do projeto e coordenadora da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos das Mulheres.

O PL nº 34/2020 está tramitando nas comissões técnicas da Câmara Municipal de Natal e deve ir a plenário ainda neste mês de março.

Casos de coronavírus devem começar a crescer exponencialmente no Brasil

Diante de uma projeção de aumento de casos do novo coronavírus nas próximas semanas, o Ministério da Saúde pediu a cinco hospitais filantrópicos de excelência no país que usem recursos e pessoal envolvidos hoje em projetos desenvolvidos no SUS no enfrentamento da epidemia.

O Brasil registra 34 casos confirmados de infecção. No pior cenário, a previsão do ministério é que em até duas semanas e meia, o país tenha aumentado exponencialmente os registros, que se manteriam em um platô por mais oito semanas.

Nesse período, o governo estima um grande aumento da demanda por atendimento hospitalar, ainda mais levando em conta a possibilidade de o momento coincidir com o pico de casos de gripe por influenza.

A projeção foi descrita pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, em reunião na última segunda-feira (9), em Brasília, com gestores de cinco hospitais: Sírio-Libanês, Albert Einstein, Oswaldo Cruz e Hospital do Coração (HCor), de São Paulo, e Moinhos de Vento, de Porto Alegre.

As cinco instituições convocadas para a reunião integram o Proadi (Programa de Apoio e Desenvolvimento Institucional do SUS), o maior projeto público-privado na área da saúde no país. Existente desde 2009, ele atua em várias frentes, de capacitação pessoal à assistência especializada.

“Foi pedido para que fiquemos atentos à curva de aumento de casos, nos resguardarmos de estrutura e pessoas e redirecionarmos os recursos do Proadi, durante a crise [do coronavírus], para projetos de atendimento e suporte dos hospitais públicos”, diz o médico Paulo Chapchap, diretor-geral do Sírio-Libanês.

FOLHAPRESS

Investigações nunca viram sinal mínimo de fraude em urna, diz TSE após fala de Bolsonaro

O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e a Vice-Procuradoria-Geral eleitoral afirmaram que nunca houve fraude em urna eletrônica após o presidente Jair Bolsonaro dizer ter provas de que foi eleito em primeiro turno em 2018.

Segundo o secretário-geral da presidência do TSE, Estêvão Waterloo, a corte não tem um levantamento de quantas investigações sobre urnas já foram realizadas porque elas são feitas pela Polícia Federal perante os TREs (Tribunais Regionais Eleitorais).

Ele, porém, refutou a acusação do presidente, que até agora não apresentou indícios de irregularidades. Bolsonaro foi eleito no segundo turno ao vencer o candidato do PT, Fernando Haddad.

“Eu sei da gravidade de uma assertiva peremptória, mas posso dizer que tudo que foi formalizado e investigado [nos estados], em nenhum momento se concluiu ou se sinalizou minimamente a ocorrência de fraude ou qualquer tipo de intervenção indevida, e sim falhas de equipamento que ocorreram”, disse Waterloo à Folha.

Após o primeiro turno em 2018, o TSE reuniu em um site uma série de denúncias contra as urnas que circularam nas redes sociais. Todas acabaram esclarecidas.

Em um dos exemplos mais ruidosos à época, dois policiais militares do Distrito Federal gravaram um vídeo alegando que urnas já tinham votos registrados antes do início da votação.

“Eu sei da gravidade de uma assertiva peremptória, mas posso dizer que tudo que foi formalizado e investigado [nos estados], em nenhum momento se concluiu ou se sinalizou minimamente a ocorrência de fraude ou qualquer tipo de intervenção indevida, e sim falhas de equipamento que ocorreram”, disse Waterloo à Folha.

Após o primeiro turno em 2018, o TSE reuniu em um site uma série de denúncias contra as urnas que circularam nas redes sociais. Todas acabaram esclarecidas.

Em um dos exemplos mais ruidosos à época, dois policiais militares do Distrito Federal gravaram um vídeo alegando que urnas já tinham votos registrados antes do início da votação.

Nesta terça-feira (10), a primeira resposta veio por meio de nota divulgada pelo TSE. O tom foi de cobrança para que Bolsonaro apresente as provas que disse ter.

“Ante a recente notícia quanto a suspeitas sobre a lisura das eleições 2018, em particular o resultado da votação no 1º turno, o TSE reafirma a absoluta confiabilidade e segurança do sistema eletrônico de votação e, sobretudo, a sua auditabilidade, a permitir a apuração de eventuais denúncias e suspeitas, sem que jamais tenha sido comprovado um caso de fraude, ao longo de mais de 20 anos de sua utilização”, afirmou a corte.

Segundo a nota, existindo qualquer elemento que sugira algo irregular, o tribunal agirá com presteza e transparência para investigá-lo.

O texto foi escrito pela presidente do TSE, ministra Rosa Weber, e pelo futuro presidente, Luís Roberto Barroso, que assumirá o cargo em maio.

Auxiliares de ministros chamaram a atenção para o fato de Bolsonaro retomar o discurso de fraude nas urnas, muito presente em sua campanha, às vésperas de um ato de apoio ao governo, marcado para domingo (15).

Na segunda-feira (9), em visita aos Estados Unidos, o presidente disse, sem apresentar provas, que houve fraude em 2018 e que ele foi eleito no primeiro turno, e não no segundo, como expressou o resultado oficial.

“Pelas provas que tenho em minhas mãos, que vou mostrar brevemente, eu fui eleito no primeiro turno, mas, no meu entender, teve fraude”, disse o presidente.

Após 30 minutos de discurso, Bolsonaro não apresentou nenhum indício concreto do que chamou de fraude e não respondeu sobre possíveis provas.

FOLHAPRESS

Empresários bolsonaristas financiam ataques contra STF, revela inquérito

O inquérito do Supremo Tribunal Federal (STF) aberto para investigar fake news identificou empresários bolsonaristas que estariam financiando ataques contra ministros da Corte nas redes sociais. O Estado apurou que as investigações estão adiantadas e atingem até mesmo sócios de empresas do setor de comércio e serviços, todos apoiadores do presidente Jair Bolsonaro.

Embora o inquérito, que tramita sob sigilo, seja destinado a investigar ameaças, ofensas e calúnias dirigidas a ministros do STF e suas famílias, as informações são de que o mesmo grupo de empresários também está ajudando a convocar os atos do próximo domingo, tendo como alvo o Congresso e o Judiciário.

O custo dos ataques virtuais pode chegar a R$ 5 milhões por mês. As apurações indicam que esses empresários bancam despesas com robôs – programas de computador que podem ser usados para fazer postagens automáticas nas redes – e produção de material destinado a insultar e constranger opositores de Bolsonaro nas mídias digitais.

Aberto em março do ano passado por determinação do presidente do Supremo, Dias Toffoli, o inquérito não identificou apenas fake news, mas também evasão de divisas, lavagem de dinheiro e sonegação fiscal por parte de alguns empresários bolsonaristas. A expectativa é de que o processo, sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes, seja concluído em maio e enviado ao Ministério Público.

Em outra frente, a CPI das Fake News vai buscar reforços para a investigação que tramita no Congresso, mas está patinando porque virou uma disputa fratricida entre governo e oposição. Um dos primeiros movimentos da deputada Joice Hasselmann (SP), ao assumir a liderança do PSL, foi substituir quatro deputados bolsonaristas por outros quatro de seu grupo.

Pedido

A estratégia é lotear a CPI para tentar avançar nas apurações sobre o pagamento de robôs que propagam notícias falsas ou atacam políticos que batem de frente com Bolsonaro. Integrantes da CPI já solicitaram ao Supremo o compartilhamento de dados relativos ao inquérito das fake news, mas tiveram o pedido negado, sob o argumento de que o foco da Corte está apenas nos magistrados e suas famílias.

A CPI é mais abrangente e apura a ofensiva contra os parlamentares. Nas redes sociais, os principais alvos das agressões são os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); do SenadoDavi Alcolumbre (DEM-AP); e a própria Joice. Uma das mensagens em poder da CPI traz ordem para disseminar críticas a Maia na internet, chamando-o de “filho da p…”.

O primeiro objetivo da CPI, após o troca-troca de cadeiras, será aprovar a convocação do vereador Carlos Bolsonaro (PSC), filho do presidente. Carlos é apontado como responsável pelo chamado “gabinete do ódio”. Como revelou o Estado, o grupo trabalha dentro do Palácio do Planalto e tem como missão disseminar ataques contra “inimigos” do governo.

ESTADÃO CONTEÚDO