Arquivo diários:16/03/2020

Janaína tirou Dilma e agora quer tirar Bolsonaro e Mourão

 Foto: PEDRO FRANÇA/AGÊNCIA SENADO

deputada Janaina Paschoal (PSL-SP) defendeu durante pequeno expediente na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) nesta segunda-feira (16) que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) seja afastado do cargo. Ela ainda afirmou ter se arrependido de seu voto nas eleições de 2018.

“Esse senhor tem que sair da Presidência da Republica, deixa o [vice-presidente Hamilton] Mourão que entende de defesa. Nosso país está entrando em uma guerra contra um inimigo invisível. Deixa o Mourão, que é treinado para defesa, conduzir a nação”, defendeu Janaina.

“Não tem mais justificativa. Como um homem que está possivelmente infectado vai para o meio da multidão? Como um homem, que faz uma live na quinta e diz para não ter protestos, vai participar desses mesmos protestos e manda as deputadas que são paus-mandados dele chamar o povo pra rua?”

A deputada afirmou que Bolsonaro não só não está tomando medidas de contenção, como também estimula aglomerações em meio à crise do novo coronavírus “estando ele própprio de quarentena”.

“Eu me arrependi do meu voto. Que país é esse? Como é que esse homem vai lá, potencialmente contaminando as pessoas, pegando nas mãos, beijando? Ele está brincando? Ele acha que ele pode tudo? As autoridades têm que se unir e pedir para ele se afastar. Nós não temos tempo para um processo de impeachment. Nós estamos sendo invadidos por um inimigo invisível.”

Em 2016, Janaina Paschoal foi uma das autoras do impeachment de Dilma Rousseff (PT).

Grupos de simpatizantes do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ignoraram o cancelamento oficial dos atos pelo país por causa da pandemia de coronavírus e saíram às ruas para protestar neste domingo (15).

Houve manifestações em cidades de todas as regiões do país, com gritos de guerra e faixas em defesa do governo federal e com uma série de ataques ao Congresso e ao STF (Supremo Tribunal Federal).

Na semana passada, Bolsonaro chegou a pedir para que as manifestações fossem adiadas, mas apoiadores seguiram insistido em promover os protestos e iniciaram um movimento nas redes sociais: #DesculpeJairMasEuVou.

Apesar de inicialmente ter pedido a seus apoiadores que não fossem aos atos pró-governo deste domingo (15) por causa da crise do coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro estimulou os protestos, com postagens desde cedo nas redes sociais, e ainda participou das manifestações em Brasília.

Bolsonaro deixou o Palácio da Alvorada por volta do meio-dia e seguiu para a Esplanada dos Ministérios, onde um grupo de apoiadores realiza o ato. O presidente não desceu do comboio presidencial e, de carro, passou a ser seguido por veículos com simpatizantes.

Mônica Bergamo – Folha de São Paulo

Coronavírus se propaga mais rápido no Brasil que na China, diz Guedes

Ministro Paulo Guedes 

PODER360

O ministro Paulo Guedes (Economia) disse que projeções do Banco Central (BC) mostram que a velocidade de contágio do coronavírus no Brasil é mais rápida do que em países como a China e a Itália.

A informação foi revelada em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo na manhã deste domingo (15.mar.2020), publicada nesta 2ª feira (16.mar).

“O BC tem modelos estatísticos, altamente matemáticos, que permitem modelar qualquer coisa. Modelaram a velocidade de contágio […]. A inclinação de contágio nos modelos do BC é mais rápida do que nos outros países. Estados Unidos e Brasil estariam com a taxa de contágio mais rápida do que ocorreu na própria China e na Itália”, afirmou.

O ministro disse ainda que não lembrava exatamente quais eram os números divulgados, “mas era algo assim: na Itália era previsão de 60% de contágio e aqui, de 80%. Podemos atingir o pico em 1 mês. Mas tudo vai depender da prevenção”.

Rio de Janeiro registra caso de paciente ‘muito grave’ com coronavírus

Igor Mello do UOL, no Rio – O estado do Rio de Janeiro registrou o primeiro caso de um doente que apresenta estado de saúde muito grave devido à contaminação por coronavírus. Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, o homem é um médico de 65 anos que está internado em estado gravíssimo num hospital da rede privada da capital fluminense. Não há informações de como ele contraiu o vírus.

“Ele apresentou sintomas de febre, tosse, dificuldades respiratórias no dia 11 de março. Não teve histórico de viagem nos 14 dias anteriores ao início dos sintomas e também não teve contato direto com casos confirmados nem suspeitos”, informou a pasta em nota. O UOL apurou que o paciente é o médico nefrologista e ex-vereador Edison Régio de Moraes Souza, o Dr. Edison da Creatinina. Ele é professor da Faculdade de Medicina da Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro), onde ministra aulas de nefrologia.

Por coronavírus, governo brasileiro avalia fechar fronteira e mudar protocolo de voos

Fernando Azevedo: ministro da Defesa participou da reunião (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

São Paulo — Acabou agora há pouco uma reunião no Ministério da Defesa, que começou às 11h, sobre possíveis medidas a serem tomadas em relação ao fechamento das fronteiras do Brasil com outros países, apurou EXAME.

O objetivo é reduzir as probabilidades de propagação do coronavírus.

Participaram da reunião o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, o general Augusto Heleno, o ministro Sérgio Moro, o ministro da Saúde, Luiz Mandetta e o ministro da Casa Civil, Braga Neto, além do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Veleixo, e Antonio Barra Torres, diretor-presidente substituto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Uma das maiores preocupações é a Venezuela. Desconfia-se que o número de casos no país possa estar subnotificado, como parece estar acontecendo no Irã, que oficialmente tem quase 15.000 casos. Ambos são regimes fechados, em que as informações são pouco transparentes.

Além do mais, a Venezuela possui um sistema de saúde precário, o que faria com que pessoas que morem perto da fronteira venham a buscar atendimento médico no sistema brasileiro.

Foi discutida também a possibilidade de adotar novos procedimentos em relação à chegada de aviões com passageiros de outros países. Outro assunto que esteve em pauta foi a implementação de novas regras para o funcionamento da Esplanada dos Ministérios e da circulação de pessoas nos gabinetes do governo.

É aguardado um pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro ou do ministro Fernando Azevedo e Silva nas próximas horas.

Ibovespa cai 13,5% com pânico sobre efeito econômico do coronavírus

Redução dos juros pelo Banco Central americano indica que efeito negativo do coronavírus sobre economia pode ser maior do que o esperado

São Paulo – O Ibovespa, principal índice acionário brasileiro, recuava 13,54% por volta das 15h10 desta segunda-feira (16), para 71.484 pontos.  A bolsa de valores B3 sofre com uma nova onda de pânico global por conta do avanço da pandemia de coronavírus Covid-19 e teve as negociações suspensas no início do pregão pelo mecanismo de “circuit breaker” quando a baixa do Ibovespa atingiu 12,5%.

O “circuit breaker” é um mecanismo que interrompe as negociações por 30 minutos quando a queda do índice chega a 10% em relação ao fechamento anterior e por uma hora quando a baixa encosta em 15%. O objetivo da medida é esfriar os ânimos na bolsa. Se não adiantar e a baixa do Ibovespa chegar a 20%, as transações são interrompidas por um período de tempo a ser definido pela B3. Na semana passada, as transações chegaram a ser suspensas quatro vezes em meio aos temores dos efeitos do surto de coronavírus sobre a economia mundial.

A decisão do Federal Reserve (Fed), banco central americano, de cortar sua taxa de juro para zero na noite de domingo (15) piorou o humor dos investidores ao indicar grande preocupação com esse impacto. Em Nova York, as transações no mercado de ações também foram paralisadas logo cedo hoje por 15 minutos após a baixa do índice S&P 500, que reúne os 500 papéis mais importantes, chegar a 8%.

Emparn registra 93 postos com chuva em todas as regiões do estado

Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) registrou 93 postos com chuva em todas as regiões do estado ao longo deste final de semana. A lista completa (clique AQUI) foi divulgada nesta segunda-feira (16).

Embora as regiões Oeste e Central tenham registrado a maior quantidade de municípios com chuvas, a região Leste registrou o maior volume. Foi em Parnamirim, na Grande Natal, com 67 milímetros acumulados entra as 7h da sexta (13) e as 7h desta segunda (16).

Senador irado e descontrolado chama governador de vagabundo

A visita de João Doria ao Departamento de Operações Policiais Estratégicas – DOPE na manhã desta segunda-feira (16/3) foi marcada por um embate com o senador Major Olímpio. Na confusão, o parlamentar chamou o governador de vagabundo e que estava agindo como um moleque.

O senador contido por vários seguranças e expulso do local. Em sua rede social, Major Olímpio, afirmou Doria escalou policiais para ficarem horas aguardando para que ele fizesse uma foto. ” Mostrei a verdade e quando ele chegou, me insultou e se escondeu atrás de policiais que ele mesmo desvaloriza, mas que estão cumprindo sua missão e juramento. Covarde e mentiroso”.

Manifestantes em Natal pedem o fechamento do STF e do Congresso

Militantes da direita natalense participaram
Mesmo tendo sido oficialmente na tarde deste domingo ao lado do shopping Midway Mall,  de ato público conter o Congresso Nacional e Supremo Tribunal Federal.

Vestidos de verde e amarelo, os manifestantes exibiam faixas de protesto pedindo o fechamento do Congresso e STF, além de pedir intervenção militar.

A manifestação foi encerrada no início da noite e não havendo registro de vandalismo ou tumultos.

Argentina fecha fronteiras por 15 dias após avanço do coronavírus

Foto: divulgação

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, anunciou na tarde de hoje que as aulas no país estão suspensas e as fronteiras fechadas pelos próximos 15 dias para conter o avanço de coronavírus no país. O vírus foi chamado de “inimigo invisível” pelo presidente, que cobrou “atitudes solidárias” da população.

“Tomamos diversas decisões. A mais importante é que fechamos as fronteiras da Argentina por 15 dias”, declarou ele nesta tarde após participar de uma reunião com ministros para discutir questões de saúde pública.

O país concedeu licenças médicas a todas as pessoas com mais de 65 anos para evitar o contágio em grupos de risco. Fernández também discute implementar horários específicos de atendimento a idosos nos postos de saúde para que evitem aglomerações.

“Temos que tentar minimizar a circulação do vírus, fazer o máximo para que ele não corra entre nós. Sabemos que todos os casos vieram de fora”, observou. “Mas ganhar tempo é importante. Assim podemos administrar melhor essas questões sanitárias”, acrescentou.

Antes, o governo já havia publicado um decreto proibindo, por 30 dias, todos os voos da Europa e demais zonas afetadas pelas covid-19. A medida passa a valer a partir de amanhã. A Argentina faz fronteira com Brasil, Uruguai, Paraguai, Bolívia e Chile.

No fim de semana, autoridades já monitoravam a entrada de estrangeiros vindos dos países mais afetados pelo coronavírus; foram 237 postos nos quais europeus, norte-americanos, coreanos, chineses, japoneses e iranianos foram abordados.

Aulas suspensas

“Tomamos a decisão de suspender as aulas a partir de amanhã, ao menos até 31 de março. Fizemos isso para tentar minimizar a circulação dos estudantes e do vírus. Mas as aulas suspensas não significam que as escolas fecharão. Apenas que, durante 15 dias, os alunos não terão aulas”, observou.

Fernández salientou que, ainda que a covid-19 não tenha provocado grande letalidade entre crianças, os menores são, muitas vezes, portadores que acabam passando o vírus adiante para adultos e idosos.

Patrulha contra quem não obeceder quarentena

A partir de hoje, pessoas que entraram no país nos últimos 15 dias já são monitoradas por autoridades em todo o país.

Fernández determinou 14 dias de “isolamento social obrigatório” para todos aqueles que chegarem das zonas mais afetadas pelo coronavírus: Europa, Estados Unidos, Coreia do Sul, China, Japão e Irã.

Aqueles que descumprirem podem ser detidos pela polícia. Turistas correm risco de expulsão, enquanto argentinos podem sofrer sanções penais.

Vídeo: Bispo Edir Macedo diz que coronavírus é coisa do Satanás

Um vídeo em que o bispo Edir Macedo aparece endossando um médico que desacredita os alertas sobre a gravidade da disseminação do coronavírus está sendo distribuído em grupos de WhatsApp neste domingo (15).

Nele, Macedo diz que tudo não passa de uma estratégia de Satanás e da mídia para induzir as pessoas ao pânico.

“Meu amigo e minha amiga, não se preocupe com o coronavírus. Porque essa é a tática, ou mais uma tática, de Satanás. Satanás trabalha com o medo, o pavor. Trabalha com a dúvida. E quando as pessoas ficam apavoradas, com medo, em dúvida, as pessoas ficam fracas, débeis e suscetíveis. Qualquer ventinho que tiver é uma pneumonia para elas”, diz Macedo no vídeo que circula na rede social.

Segundo ele, “por trás dessa campanha toda de coronavírus existe um interesse econômico. E onde há um interesse econômico, aí tem”.

Nas imagens, o bispo da Igreja Universal do Reino de Deus recomenda o depoimento do patologista Ben Schmidt, que foi divulgado pelo médico em seu canal do YouTube e que já foi apagado depois de o doutor ser acusado de disseminar notícias falsas sobre a doença.

Macedo introduz o vídeo dizendo ter “excelente notícias” que “vêm de um médico, um cientista que tem a falar a respeito do coronavírus. Todo mundo esta assustado, todo mundo esta apavorado. Não há, segundo ele [médico], razão para isso. As pessoas estão apavoradas por algo que verdadeiramente não condiz com a realidade que a mídia, a mídia tem jogado no ar. O pavor que a mídia tem usado para levar as populações, as nações, apavoradas com respeito a esse vírus, coronavírus. Por trás de toda essa campanha do coronavírus existe um interesse econômico. E onde há interesse econômico, aí tem”.Em seguida, começa a fala do médico. Contrariando dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde, Schmidt afirma que o vírus “está muito longe de ser letal” e que “não faz mal a ninguém”. “A gente morre de tantas coisas, mas de coronavírus a gente não morre. Não morre porque Deus não quis”, disse.

“Fica aí o recado do doutor, que é um cientista e que tem fundamentos científicos para falar o que ele falou com certeza”, diz Edir Macedo no vídeo, após o depoimento do médico.

A coluna entrou em contato com a assessoria da Igreja Universal do Reino de Deus, que ainda não se manifestou.

MÔNICA BERGAMO