Arquivo diários:22/03/2020

10 boas notícias sobre o coronavírus em meio a “pandemia de medo”

Ignacio López-Goñi
BBC
Uma pandemia implica uma transmissão sustentada, eficaz e contínua da doença simultaneamente em mais de três regiões geográficas diferentes. Já estamos nesta fase, mas isso não é sinônimo de morte, pois o termo não se refere à taxa de mortalidade do agente infeccioso, mas à sua transmissibilidade e extensão geográfica.
O que certamente existe é uma pandemia de medo. Pela primeira vez na história, estamos enfrentando uma epidemia em tempo real: toda a mídia, várias vezes ao dia, todos os dias, em todo o planeta, fala sobre o novo coronavírus, que causa a doença covid-19.
Seguimos a identificação de cada caso ao vivo. Foi notícia de primeira página que o vírus no Brasil sofreu mutação três vezes!
Insisto: o assunto é sério, mas uma das primeiras vítimas do coronavírus na Espanha foi o Ibex35 (a bolsa de Madri). É necessário informar o que está acontecendo, mas também precisamos de boas notícias. Aqui estão dez delas.
null
Talvez também te interesse
Coronavírus: com chegada da doença ao Brasil, o que realmente funciona para se proteger?
Coronavírus: com chegada da doença ao Brasil, o que realmente funciona para se proteger?
Coronavírus: como proteger os idosos, para quem doença é mais fatal
Coronavírus: como proteger os idosos, para quem doença é mais fatal
Coronavírus pode infectar a mesma pessoa duas vezes? A pergunta que intriga cientistas
Coronavírus pode infectar a mesma pessoa duas vezes? A pergunta que intriga cientistas
De prata coloidal a água com vinagre: o perigo das falsas curas da covid-19 compartilhadas na internet
De prata coloidal a água com vinagre: o perigo das falsas curas da covid-19 compartilhadas na internet
null.
1. Sabemos quem é
Os primeiros casos de Aids foram descritos em junho de 1981 e foram necessários mais de dois anos para identificar o vírus causador da doença. Os primeiros casos do novo coronavírus foram relatados na China em 31 de dezembro de 2019 e em 7 de janeiro o vírus já havia sido identificado.
O genoma estava disponível no dia 10. Já sabemos que é um novo coronavírus do grupo 2B, da mesma família que a Sars, razão pela qual o chamamos de SARSCoV2. A doença é chamada covid-19.
Está relacionado ao coronavírus de morcegos. As análises genéticas confirmam que ela tem uma origem natural recente (entre o final de novembro e o início de dezembro) e que, embora os vírus sofram mutações, sua frequência de mutação não é muito alta.
2. Sabemos como detectá-lo
Desde 13 de janeiro está disponível para todo o mundo um teste de RT-PCR para detectar o vírus.
Nos últimos meses, esses tipos de testes foram aperfeiçoados e tiveram sua sensibilidade e especificidade avaliadas.
Turistas no aeroporto de La Paz, na Bolívia, passam por testes para detectar coronavírusDireito de imagemGETTY IMAGES
Image caption
Turistas no aeroporto de La Paz, na Bolívia, passam por testes para detectar coronavírus
3. Na China, a situação está melhorando
As fortes medidas de controle e isolamento impostas pela China estão gerando resultado. Há semanas, o número de casos diagnosticados diminui a cada dia.
Em outros países, está sendo realizado um acompanhamento epidemiológico muito detalhado. Os focos são muito concretos, o que permite que eles sejam controlados mais facilmente. Por exemplo, na Coreia do Sul e em Cingapura.
4. 81% dos casos são leves
A doença não causa sintomas ou é leve em 81% dos casos.
Em 14%, pode causar pneumonia grave e em 5% pode se tornar crítica ou letal.
5. Cura
Paciente recebe alta de hospital em Wuhan, epicentro do surto na ChinaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image caption
Paciente recebe alta de hospital em Wuhan, epicentro do surto na China
Os únicos dados que às vezes são mostrados na mídia são o aumento no número de casos confirmados e no número de mortes, mas a maioria das pessoas infectadas é curada.
Há 13 vezes mais pacientes curados do que mortos, e a proporção está aumentando.
6. Quase não afeta menores de idade
Apenas 3% dos casos ocorrem em menores de 20 anos e a mortalidade em menores de 40 anos é de apenas 0,2%.
Nas crianças, os sintomas são tão leves que podem passar despercebidos.
7. O vírus é facilmente inativado
O vírus pode ser inativado das superfícies com uma solução de etanol (álcool 62-71%), peróxido de hidrogênio (água oxigenada a 0,5%) ou hipoclorito de sódio (lixívia a 0,1%), em apenas um minuto.
A lavagem frequente das mãos com água e sabão é a maneira mais eficaz de evitar o contágio.
Homem lavando as mãosDireito de imagemGETTY IMAGES
Image caption
Lavar bem as mãos é a maneira mais eficaz de evitar o contágio
8. Já existem mais de 150 artigos científicos
É o tempo da ciência e da cooperação. Em pouco mais de um mês, 164 artigos já podem ser consultados no PubMed sobre covid-19 ou SARSCov2, além de muitos outros disponíveis nos bancos de artigos ainda não revisados (pré-impressões).
São trabalhos preliminares sobre vacinas, tratamentos, epidemiologia, genética e filogenia, diagnóstico e aspectos clínicos.
Esses artigos foram preparados por cerca de 700 autores espalhados pelo planeta. É ciência em comum, compartilhada e aberta. Em 2003, quando a Sars aconteceu, levou mais de um ano para obter menos da metade de artigos.
9. Já existem protótipos de vacinas
Nossa capacidade de projetar novas vacinas é espetacular. Já existem mais de oito projetos contra o novo coronavírus. Existem grupos que trabalham em projetos de vacinas contra outros vírus semelhantes e agora tentam adaptar as pesquisas.
O que pode prolongar seu desenvolvimento são todos os testes necessários de toxicidade, efeitos colaterais, segurança, imunogenicidade e eficácia na proteção. É por isso que se fala em vários meses ou anos, mas alguns protótipos já estão em andamento.
Por exemplo, a vacina mRNA-1273 da empresa Moderna consiste em um fragmento de RNA mensageiro que codifica uma proteína derivada da glicoproteína S da superfície do coronavírus. Esta empresa possui protótipos semelhantes para outros vírus.
A Inovio Pharmaceuticals anunciou uma vacina de DNA sintético para o novo coronavírus, INO-4800, também baseada no gene S da superfície do vírus. Por sua vez, a Sanofi usará sua plataforma de expressão de baculovírus recombinante para produzir grandes quantidades do antígeno de superfície do novo coronavírus.
Médico britânico segura uma placa de Petri com bactérias infectadas por coronavírusDireito de imagemGETTY IMAGES
Image caption
Vários laboratórios credenciados no mundo estão trabalhando no projeto de uma vacina
O grupo de vacinas da Universidade de Queensland, na Austrália, anunciou que já está trabalhando em um protótipo usando a técnica chamada “grampo molecular”, uma nova tecnologia que permite produzir vacinas usando o genoma do vírus em tempo recorde.
Na Espanha, o grupo de Luis Enjuanes e Isabel Sola, do CNB-CSIC, trabalha com vacinas contra coronavírus há anos.
Alguns desses protótipos serão testados em breve em humanos.
10. Existem mais de 80 ensaios clínicos com antivirais em andamento
As vacinas são preventivas. Mais importantes são os possíveis tratamentos de pessoas que já estão doentes. Já existem mais de 80 ensaios clínicos para analisar tratamentos contra coronavírus.
São antivirais que foram usados ​​para outras infecções, já aprovados e que sabemos que são seguros.
Um dos que já foram testados em humanos é o remdesivir, um antiviral de amplo espectro, ainda em estudo, que foi testado contra Ebola e Sars/Mers. É um análogo da adenosina que é incorporado na cadeia do RNA viral e inibe sua replicação.
Outro candidato é a cloroquina, um antimalárico que também possui atividade antiviral potente. Sabe-se que bloqueia a infecção aumentando o pH do endossomo necessário para a fusão do vírus com a célula, o que inibe sua entrada.
Está provado que este composto bloqueia o novo coronavírus in vitro e já está sendo usado em pacientes que tiveram pneumonia devido ao vírus.
Antiviral triazavirinDireito de imagemGETTY IMAGES
Image caption
A triazavirina antiviral foi sugerida por pesquisadores da Universidade Federal de Ural, na Rússia, para tratar pacientes com coronavírus
Lopinavir e Ritonavir são dois inibidores de protease usados ​​como terapia antiretroviral que inibem a maturação final do vírus da Aids. Como a protease SARSCov2 demonstrou ser semelhante à do HIV, essa combinação já foi testada em pacientes com coronavírus.
Outros estudos propostos são baseados no uso de oseltamivir (um inibidor da neuraminidase usado contra o vírus da gripe), interferon-1b ​​(proteína com função antiviral), anti-soros de pessoas já recuperadas e anticorpos monoclonais para neutralizar o vírus. Já foram sugeridas novas terapias com substâncias inibidoras, como a baricitinibina, selecionadas mediante inteligência artificial.
A pandemia de gripe de 1918 causou mais de 25 milhões de mortes em menos de 25 semanas. Algo semelhante poderia acontecer novamente hoje? Como vemos, provavelmente não. Nunca estivemos tão preparados para combater uma pandemia.

Prefeito de Natal prepara montagem do Hospital de Campanha para ficar pronto em duas semanas


Ao lado de auxiliares, o prefeito de Natal 9RN), Álvaro Dias, fez neste domingo (22) uma nova visita ao hotel Parque da Costeira, que está desativado e que terá parte de sua estrutura preparada para funcionar como uma espécie de hospital de campanha para atender emergencialmente a pessoas infectadas pelo Covid-19. O secretário municipal de Saúde, George Antunes, também participou da visita, junto com técnicos da SMS.
Além de verificar o resultado do trabalho de limpeza iniciado na última sexta-feira (20), o prefeito recebeu informações sobre a sequência dos trabalhos, desta segunda-feira (23) em diante. A estimativa é de que, em aproximadamente duas semanas, a unidade hospitalar provisória esteja pronta para receber os eventuais pacientes. A capacidade projetada será para instalar até 100 leitos, com possibilidade de ampliação, caso seja preciso. “Dentro de 15 a 20 dias, estaremos aptos a receber os pacientes portadores do novo coronavírus, se houver porventura essa necessidade”, calculou.

Brasil tem 25 mortes e 1.546 casos de covid-19

Ministério da Saúde confirmou neste domingo número de mortes e de casos confirmados por doença do coronavírus

O Ministério da Saúde confirmou neste domingo, 22, que o País já tem 25 mortes causadas pelo novo coronavírus. De acordo com a pasta, são 1.546 casos confirmados da doença.

Durante coletiva de imprensa na tarde deste domingo, 22, o Ministério da Saúde divulgou o novo balanço do coronavírus no Brasil, que por região e Estado fica assim:

NORTE
49 casos – 3.2% do total

Acre: 11
Amazonas: 26
Amapá: 1
Pará: 4
Rondônia: 3
Roraima: 2
Tocantins: 2

NORDESTE
231 casos – 14.9%

Alagoas: 7
Bahia: 49
Ceará: 112
Maranhão: 12
Paraíba: 1
Pernambuco: 37
Rio Grande do Norte: 9
Sergipe: 10

SUDESTE
916 – 59.9%

Espírito Santo: 26
Minas Gerais: 83
Rio de Janeiro: 186 – 3 óbitos
São Paulo: 631 – 22 óbtios

CENTRO-OESTE
161 casos – 10.4%

Distrito Federal: 117
Goiás: 21
Mato Grosso do Sul: 21
Mato Grosso:

SUL
169 – 11.6 %
Paraná: 50
Santa Catarina: 57
Rio Grande do Sul: 72

Durante a coletiva, o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta afirmou que os mais de 5 milhões de testes rápidos encomendados pelo governo para os próximos oito dias virão de uma fabricante chinesa e apresentam sensibilidade de 86,43% e especificade de 99,5%.

A expectativa é que a pasta trabalhe com uma escala de 30 a 50 mil exames por dia e obtenha máquinas de coleta automatizadas, sem necessidade humana para as amostras.

Ele também esclareceu que o vírus não sobreviver ao calor era uma possibilidade, até que informações oficiais da China e da OMS mostraram que “ele não respeita muito a temperatura” e “se mostra muito competente em sua transmissão”.

Ainda de acordo com o ministro, no próximo dia 27 será o “aniversário” de um mês do primeiro caso identificado no Brasil, o que garantirá mais quantidade de projeção sobre a doença no País, apesar de Mandetta acreditar que “todos os estados estão com algum tipo de expansão”.

Ele ainda desmentiu que tenha mandado qualquer áudio que tenha circulado pelo WhatsApp, classificando tais mensagens como fake news e declarando: “Os doentios das fake news gostam de se travestir de alguém”.

O ministro afirma que há duas empresas no Brasil, MagnaMed e KTK, capazes de fabricar respiradores. “Ainda temos um pessoal trabalhando para pensar solução fora da caixinha”, disse, após completar que há pesquisas e parcerias com o setor privado sendo feitas.

Sobre o uso da cloroquina no combate ao coronavírus, o ministro afirma que ainda não sabe se ele é eficiente contra a doença. “Já tínhamos pesquisas acontecendo, mas em número reduzido.” De acordo com ele, o Brasil tem “condição total” de produzir esse medicamento em grande escala, em instituições como FioCruz e Hospital do Exército, podendo até distribuir para outros países. Ele diz que o que está sendo debatido pelo momento é o protocolo de dosagem.

Ele reforça que a cloroquina tem “possíveis efeitos colaterais intensos que podem ser muito mais graves e danosos do que uma gripe que quase metade da população não vai pegar”. Ele diz ainda que a virose não será contraída por metade da população e, da que contrair, metade não terá sintoma por desenvolver anticorpos. “Temos uma base jovem enosso comprotamento será melhor contra o vírus, teremos um grande cordão imunológico com menos casos graves.”

De acordo com Mandetta, a maioria dos pacientes que apresentarem sintomas terão sintomas leves. “Depois, uma minoria irá necessitar de internação hospitalar. Se isso acontecesse distribuído no ano não teríamos problema nenhum, seria mais um resfriado, uma gripe forte, uma pneumonia que afeta nossos idosos e vamos solucionar quando tivermos uma vacina competente. Como ninguém tem imunidade, vai acontecer de maneira bruta e levar muita gente ao SUS. É como ter uma geladeira em casa e todo o quarteirão precisar guardar algo nela.”

Para Mandetta, o SUS está mostrando a sua verdadeira capilaridade. “O número de leitos vai aparecendo, aumentando. E nós vamos monitorando”, afirma.

Ele comunica ainda que a partir desta segunda-feira, 23, começa a campanha de vacinação com foco em profissionais de saúde e pessoas acima de 60 anos, como forma de evitar casos graves no futuro.

Prefeitura poderá cancelar o Mossoró Cidade Junina

Uma fonte próxima da prefeita de Mossoró (RN) Rosalba Ciarlini diz que ela está com todas as atenções voltadas para o enfrentamento da crise do Coronavírus. Mas que está de olho no futuro. E pretende se reunir muito em breve com os organizadores do Mossoró Cidade Junina para decidir quanto a sua realização neste ano de 2020 já que, conforme o Ministro da Saúde, o PICO da doença acontecerá em Maio entrando no mês de junho e com previsão de CERTO controle em setembro.
Fonte: Blog do Xerife

Natal (RN) tem 6 casos confirmados de Coronavírus

A Secretaria Municipal de Saúde de Natal, recebeu na noite deste sábado (21/03), a confirmação de mais um caso do Covid-19.

A paciente tem 41 anos é do sexo feminino, com histórico de contato com caso confirmado de pessoa residente na cidade de Recife. Ela passa bem e está seguindo as recomendações de isolamento preconizadas no seu município de residência.

Com isso, Natal passa a contar com seis casos, sendo um de transmissão local e cinco importados.

A SMS orienta que todos fiquem em casa, em casos de sintomas respiratórios como corista, tosse, dor de garganta procure uma UBS. Sintomas respiratórios mais graves como falta de ar e dor no peito se dirigia a uma UPA.A

SP decreta quarentena

Após a confirmação da 15ª morte por coronavírus no Estado, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), determinou a quarentena para todos os serviços não essenciais no estado de São Paulo a partir da próxima terça-feira (24) por causa do coronavírus. A medida terá validade de 15 dias e poderá ser prorrogada.

“É obrigação o fechamento de todo o comércio e serviços não essenciais à população em todo o territrio de São Paulo até 7 de abril. A medida pode ser ampliada”, disse o governador em pronunciamento na manhã de hoje. A decisão não afeta o funcionamento das indústrias, disse Doria.

UOL

Itália registra 793 mortes em 1 dia, e total sobe para 4.825

A Itália registrou um novo recorde de mortes por coronavírus em 24 horas, com 793 registros neste sábado (21).

Isso eleva a 4.825 o número de mortos pela pandemia na península em um mês, segundo dados da Proteção Civil.

Na última quinta (19), a Itália superou a China em número de mortos pela Covid-19. Até aquele dia, o país europeu contabilizava 3.405 mortes desde o início do surto, enquanto os chineses registravam 3.245.

Recorde também de novos casos
Ainda neste sábado, as autoridades italianas anunciaram 6.557 novos casos positivos, outro recorde.

O número total de casos subiu para 53.578, um aumento de 13,9%, informou a agência de proteção.

A região de Milão, Lombardia (norte), onde os serviços de saúde estão sobrecarregados, registrou a grande maioria das mortes (546) deste sábado e metade dos novos casos. Lá , o total chega a 3.095 mortes e 25.515 casos.

Das pessoas originalmente infectadas em todo o país, 6.072 haviam se recuperado totalmente até sábado, em comparação com 5.129 no dia anterior.

Havia 2.857 pessoas em terapia intensiva contra