Arquivo diários:04/05/2020

Hospital de Campanha de Natal é exemplo para o Brasil

Muitas pessoas dizem que o Blog do Primo tem uma grande tendência de apontar erros, falhas e prevaricações dos gestores públicos e agentes políticos. Mas, embora econômico nos elogios, não deixamos de reconhecer quando um fato merece nossas congratulações.
Dizemos isso, pelo fato do prefeito de Natal, Álvaro Dias ter em tempo recorde, instalado um hospital de campanha para socorrer os natalenses acometidos pela Covid-19.
É preciso dizer que o denominado hospital de campanha é hoje o melhor hospital público do RN. Hospital de campanha não tem nada, trata-se de um hospital amplo, moderno, bem equipado e totalmente humanizado.
Defendo que ao vencermos à pandemia que o Hospital de Campanha  seja consolidado como o Hospital Municipal de Natal.
O prefeito Álvaro Dias, o secretário de Saúde George Antunes e todos que estiveram nesta empreitada estão de parabéns..

Aqui fica o reconhecimento do Blog do Primo ao prefeito que mostrou ao resto do Brasil que Natal foi capaz de instalar o melhor hospital de campanha do que país.
Confira um vídeo revelando o moderno hospital:

 

Empresa brasileira produzirá capacete de ventilação para covid-19

Aparelho desenvolvido pela Roboris é similar a modelo usado no tratamento da sars; fabricante aguarda cadastro na Anvisa e negocia com operadoras de saúde
Thiago Marrachini, fisioterapeuta intensivista (à esq.), e Thiago Guilherme de Souza, idealizador do projeto (à dir.) (Life Tech Engenharia/Divulgação)

Um empresário da capital paulista decidiu reunir esforços para criar uma solução no combate ao novo coronavírus. O engenheiro Guilherme Thiago de Souza, presidente da empresa de tecnologia Roboris, conseguiu desenvolver localmente um capacete de ventilação não invasiva que pode evitar a intubação de pacientes com covid-19 e, consequentemente, reduzir a necessidade de ventiladores mecânicos.

Um aparelho similar já é usado em países como a Itália para casos de internação por doenças respiratórias, incluindo a Síndrome Respiratória Aguda Severa (sars). Estudos sobre o capacete de ventilação não invasiva vêm sendo feitos desde a década passada para o tratamento da sars em instituições como a Universidade de Chicago. No Brasil, a Universidade Federal da Paraíba também está trabalhando em projeto semelhante.

Desde o início da quarentena no país, Souza resolveu procurar médicos e colegas do mercado para descobrir uma forma de ajudar no combate à covid-19 por meio da engenharia. O empresário recebeu a ajuda principalmente do cluster aeroespacial brasileiro, conjunto de empresas que integram a cadeia de fornecimento de peças e serviços para a Embraer.

Após semanas de exaustivos testes, o grupo de trabalho conseguiu chegar ao protótipo definitivo do capacete de ventilação, que começou a ser produzido na sexta-feira.

O capacete de ventilação brasileiro, batizado de Bric (Bolha de Respiração Individual Controlada), tem como objetivo proteger pacientes da contaminação cruzada e a equipe do hospital, que também fica bastante exposta.

No caso da covid-19, inúmeros pacientes que ainda não estão em estágio grave da doença acabam ficando expostos a outros tipos de contaminação no ambiente hospitalar e, por esse motivo, estão suscetíveis à intubação.

“Este capacete pode mudar os rumos do combate ao novo coronavírus, porque vai deixar os respiradores para quem realmente precisa”, diz o empresário em entrevista à EXAME

Ele afirma que profissionais da saúde, de hospitais a universidades, acompanharam o projeto de perto. A única restrição é para pessoas alérgicas ao látex (borracha). O aparelho é uma espécie de “bolha” ligada a um ventilador, que cria uma atmosfera rica em oxigênio para o paciente, que fica acordado.

Com filtros, o aparelho permite a dosagem contínua do oxigênio sem a necessidade da intubação. Por se tratar de um aparelho não invasivo, o capacete de ventilação aguarda apenas um cadastro na Anvisa.

“Estamos negociando com operadoras de saúde, que estão interessadas no produto, e vamos destinar uma parte do primeiro lote de produção para estudos e testes”, diz Souza.

Operação de guerra

A Roboris, que atua na área de robôs industriais, destinou recursos próprios e dedicação, em tempo integral, para desenvolver o projeto e colocá-lo em prática o mais rapidamente possível.

“Muitas empresas quiseram nos ajudar, mas para uma tomada rápida de decisão, precisávamos que o processo fosse o mais simplificado possível”, conta Souza.

O primeiro lote de produção deve ficar pronto ainda nesta semana. Alguns processos produtivos envolvidos no projeto devem ser patenteados.

De acordo com o empresário, o capacete de ventilação será fabricado sob uma nova marca, Life Tech Engenharia, por questões legais. Outros cinco produtos da área de terapia intensiva já estão sendo desenvolvidos a pedido de empresas de saúde.

Souza afirma que só aguarda o retorno da Anvisa para acelerar o processo. “Estamos trabalhando todos os dias, inclusive aos finais de semana e feriados, para poder entregar o produto o mais rapidamente possível.”

Tanto faz na cabeça ou no chapéu: Bolsonaro nomeia delegado braço direito de Ramagem para a PF

Edição extra do Diário Oficial traz o nome de Rolando Alexandre de Souza para chefiar a Polícia Federal
Rolando Alexandre: delegado assume cargo em meio à disputa de Bolsonaro para ter uma pessoa de confiança na chefia da Polícia Federal (Divulgação/Divulgação)

O presidente Jair Bolsonaro nomeou nesta segunda-feira, 04, o delegado Rolando Alexandre de Souza para a direção-geral da Polícia Federal. A decisão foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União.

Até agora, Rolando era secretário de Planejamento e Gestão da Agência Brasileira de Investigação (ABIN) e próximo de Alexandre Ramagem, diretor-geral do órgão, de quem é considerado “braço direito”.

Inicialmente, a vaga na PF era de Ramagem, mas uma decisão do Supremo Tribunal Federal da semana passada o impediu de assumir o cargo. O ministro Alexandre de Moraes alegou “desvio de finalidade” na escolha, já que o chefe da Abin foi segurança do presidente durante as eleições de 2018 e tem relação com o clã Bolsonaro.

No dia seguinte, Bolsonaro classificou como “afronta” a decisão de Moraes de impedir a posse. “Não vou admitir eu ser um presidente pato manco, refém de decisões monocráticas de quem quer que seja. Não é um recado. É uma constatação ao senhor Alexandre de Moraes”, disse.

Segundo pessoas próximas ao presidente, o diretor-geral da Abin participou diretamente das decisões sobre o futuro do comando da PF, uma atribuição do ministro da Justiça, André Luiz Mendonça.
Preocupação com inquéritos

Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, há uma preocupação de Bolsonaro com o avanço do inquérito das “Fake News” em curso no STF, que poderia atingir filhos do presidente e até mesmo servidores que atuam no chamado “gabinete do ódio”.

A investigação já identificou empresários bolsonaristas que estariam financiando ataques contra ministros da Corte nas redes sociais.

Há ainda outro inquérito aberto por determinação do ministro do STF Alexandre de Moraes para apurar “fatos em tese delituosos” envolvendo a organização de atos antidemocráticos, após Bolsonaro participar de protesto em Brasília convocado nas redes sociais com mensagens contra o STF e o Congresso.

Outra apreensão do presidente é a apuração sobre o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) que trata de um esquema de “rachadinha” em seu antigo gabinete, na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.

ESA Brasil realiza workshop no RN

Instituição recebeu Thomaz Bryl, diretor da European Security

Academy, para um treinamento especial no último final de semana
Instrutores na entrada da ESA Brasil em Parnamirim-RN.
O Rio Grande do Norte tornou-se o segundo estado do Brasil a receber uma unidade da European Security Academy, a maior empresa privada especializada em segurança pública do mundo.
Com unidade também em Sergipe, um novo centro de treinamento chegou à Parnamirim para capacitar militares, policiais, profissionais de segurança privada e civis responsáveis para os novos desafios do mundo, trazendo para o Rio Grande do Norte uma bagagem de 25 anos de experiência em mais de 60 países.

No último final de semana, dias 2 e 3 de maio, a ESA Brasil realizou o workshop Time Reaction Time Protection​ (TRTP), com foco em diversos exercícios com armas de fogo. Oficiais da Polícia Militar, Exército, Marinha, Polícia Federal e profissionais de segurança privada participaram do treinamento com certificação internacional.
Uma das etapas do treinamento da ESA Brasil.
A função do TRTP é fazer o profissional avaliar precocemente todos os riscos, fortalecer a tomada de decisões e responder rapidamente a diversos alvos, mesmo sob situações de alto estresse.
Para a capacitação, a ESA Brasil convidou os instrutores brasileiros Roberto Alves Cavalcante Júnior e Marcel Martins Avila e também o instrutor internacional Thomaz

Bryl, diretor de Treinamento e Operações e Instrutor-Chefe da European Security Academy. Assim, os participantes puderam conhecer as técnicas de combate dos profissionais, que já vivenciaram experiências reais de alto conflito no Brasil, México e África do Sul, além de zonas de guerra como Iraque e Afeganistão.
A academia fornece grande estrutura de treinamento durante todo o ano, simulando cenários realísticos e, em virtude da crise do novo coronavírus causador da Covid-19, o workshop foi adaptado com higienização dos ambientes e uso de máscaras protetoras conforme decreto estadual de prevenção à pandemia.
Treinamento também para civis
Os treinamentos da ESA Brasil foram elaborados para operações militares, segurança pessoal de alta capacidade, agentes de segurança na área médica e treinamento de profissionais para gerenciamento de crises como zona de guerra, situação de pós-guerra, além de prevenção e ação contra terrorismo. Porém, civis também podem se capacitar.
O curso para civis tem foco nos fundamentos de combate, defesa e eficiência dos movimentos. O treinamento é apenas para cidadãos responsáveis e simula situações de estresse, como um indivíduo armado ou desarmado, sempre na busca por uma reação responsável e com a prioridade à vida.

Para aumentar o isolamento sociais, São Paulo inicia bloqueios de avenidas


A prefeitura de São Paulo realizou nesta segunda-feira (4) os primeiros quatro bloqueios de avenidas, programados como ação de enfrentamento à covid-19, para desestimular a população a sair de casa. A previsão era de que os fechamentos de vias ocorressem na faixa horária de 7h às 9h, mas, de acordo com o órgão, poderão ser ampliados nos próximos dias, caso haja melhora no índice de isolamento social no município. Neste sábado (2), o índice foi de apenas 52%, quando o ideal é de 60% a 70%.

Nesta segunda-feira, os locais bloqueados foram os seguintes: Av. Moreira Guimarães (B/C) x Av. Miruna, na zona sul; Av. Santos Dumont (B/C) x Av. do Estado, na zona norte; Av. Radial Leste (B/C) x Rua Pinhalzinho, na zona leste; Av. Francisco Morato (B/C) x Rua Sapetuba, na zona oeste. A regra é que em todos os pontos se mantenha uma faixa livre para a circulação dos veículos.

Os bloqueios estão sendo organizados em trabalho conjunto com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), a Guarda Civil Metropolitana (GCM) e o Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran). O monitoramento e a orientação do tráfego ficam a cargo da CET.

Também durante a manhã, das 7h às 9h, foram feitas duas blitzen educativas no cruzamento da Av. Dr. Vital Brasil (B/C) com a R. Camargo e na Av. João Paulo I (B/C) altura do n° 2.868, ambos os locais situados na zona oeste da capital. A ação contou com o apoio das secretarias municipais da Saúde (SMS), Mobilidade e Transportes (SMT) e Segurança Urbana (SMSU).

A prefeitura ainda divulgou recomendações para evitar a transmissão de covid-19. Confira:

– Se possível, fique em casa. O distanciamento social é ferramenta de prevenção e deve ser respeitado;
– Se precisar sair de casa, use máscara;
– Evite aglomerações ou locais pouco arejados;
– Cubra sempre a boca ao tossir (não utilizando as mãos, mas os braços);
– Utilize lenços descartáveis e jogue-os no lixo após o uso;
– Lave as mãos frequentemente com água e sabão;
– Evite tocar nos olhos, nariz e boca;
– Não compartilhe objetos de uso pessoal.

Agência Brasil

Primando por Parnamirim: Pandemia de nomeações pelo prefeito Taveira

Em tempos de pandemia, Taveira empesteou o Diário Oficial de nomeações

Enquanto o povo está dentro de casa com medo do coronavírus, o prefeito Rosano Taveira está desesperadamente tentando reverter a situação desfavorável para sua reeleição.
Sua estratégia é negociar cargos comissionados com seus adversários.
Quem está contra Taveira ou fazendo críticas a sua gestão, é procurado e convidado para ser nomeado na Prefeitura.
Uma fonte do Blog do Primo confidenciou que o prefeito vai nomear mais novos apoiadores e colaboradores, os menos expressivos eleitoralmente estão sendo contratados pelas empresas terceirizadas.

Confira alguns atos publicados no Diário Oficial:

Esticando a corda, se descumprir decisão, “Bolsonaro fica sujeito a impeachment”, diz Barroso

Presidente poderia ser considerado culpado pelos “crimes comum de desobediência e de responsabilidade”, segundo Luís Roberto Barroso

Pedro Caramuru

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso acredita que caso o presidente Jair Bolsonaro descumpra qualquer decisão judicial Bolsonaro poderia ser considerado culpado pelos “crimes comum de desobediência e de responsabilidade, passível de impeachment”.
Em entrevista à Globo News, Barroso disse que, por se tratar de um caso em andamento, que não iria comentar sobre a decisão do presidente do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF-3), desembargador Mairan Maia, que negou no sábado, 2, um segundo recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) contra a divulgação dos exames feitos por Jair Bolsonaro para verificar se foi contaminado ou não pelo novo coronavírus.

“Se fosse um cidadão comum, eu diria que (o respeito à) privacidade deve prevalecer. Sendo um presidente da República, é preciso ponderar um menor grau de privacidade que um funcionário público dessa estatura desfruta”, afirmou Barroso.

A Presidência da República se recusou a fornecer os dados ao Estadão/Broadcast via Lei de Acesso à Informação, argumentando que elas “dizem respeito à intimidade, vida privada, honra e imagem das pessoas, protegidas com restrição de acesso”.

Procurada pela reportagem, a AGU informou que o entendimento do presidente do tribunal “não altera a decisão que desobrigou a União de fornecer os laudos ainda neste sábado (02/05) e estabeleceu prazo de 5 dias para que o relator da ação no TRF-3 analise o caso”.

Barroso rebate ameaça de Bolsonaro


Em entrevista à GloboNews, Luís Roberto Barroso comentou as declarações de Jair Bolsonaro durante a manifestação pró-governo realizada em frente ao Palácio do Planalto.

“A mim, pessoalmente, só me preocupou uma coisa: a invocação de que as Forças Armadas apoiavam o governo. E aí eu acho que esse é um fato que traz algum grau de preocupação, porque as Forças Armadas são instituições de Estado, subordinadas à Constituição, e portanto elas não estão dentro de governo, não estão vinculadas a governo nenhum.”

Como publicamos mais cedo, Bolsonaro afirmou que o povo e as Forças Armadas estão ao lado de seu governo.

O ANTAGONISTA

Rodízio de pizza no depoimento de Moro à Polícia Federal


GUILHERME AMADO
Por volta das 21h, um entregador de pizza chegou à superintendência, a pedido dos delegados, para todo o grupo — conforme mostra o registro em foto e vídeo do repórter Eduardo Matysiak. Foram pedidas inicialmente oito pizzas.


Meia hora depois, chegou um segundo motoqueiro com masi oito pizzas, no valor de R$ 261. Foram pedidas pelo delegado Maurício Moscardi Grillo.


Além de Moro e de seu advogado, Rodrigo Rios, estavam na sala três procuradores, um escrivão e a delegada Cristiane Corrêa, chefe do Serviço de Inquéritos Especiais (Sinq), que investiga pessoas com foro privilegiado, entre outros delegados.

Correa foi quem conduziu o inquérito.

Os procuradores eram João Paulo Lordelo Guimarães Tavares, Antonio Morimoto e Hebert Reis Mesquita.

Após críticas de Bolsonaro a Alexandre de Moraes, associação de juízes diz que ‘ofensas pessoais’ a magistrados são ‘inadmissíveis’

Alexandre Moraes e seu amigo Temer

O Globo/Marco Grillo
BRASÍLIA – Depois das críticas do presidente Jair Bolsonaro na manhã desta quinta-feira, a Associação dos Juízes Federais (Ajufe) e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) saíram em defesa do ministro Alexandre de Moraes. Em nota, a entidade afirmou que considera “inadmissível” que magistrados sofram “ofensas pessoais” em função de suas decisões.

Ao deixar o Palácio da Alvorada, Bolsonaro disse que Moraes tomou uma decisão “política” ao suspender a nomeação de Alexandre Ramagem como diretor-geral da Polícia Federal e afirmou que o ministro foi indicado para a Corte porque mantinha “amizade” com o ex-presidente Michel Temer.

“É inadmissível que Magistrados, no exercício das funções constitucionais, dentro do seu poder de decidir com base em seu livre convencimento motivado, sejam alvos de ofensas pessoais”, diz a nota da Ajufe, que manifestou “total repúdio” às declarações de Bolsonaro. “O Poder Judiciário é um dos poderes da República, e é inadmissível que uma autoridade pública não reconheça esse princípio basilar ou queira se sobrepor a essa realidade constitucional”.