Arquivo diários:23/05/2020

Como relatado pelo médico potiguar Enildo Alves, Conselho Nacional de Saúde pede que ministério recue de liberação da cloroquina


O CNS (Conselho Nacional de Saúde), vinculado ao Ministério da Saúde, pediu a suspensão da orientação da própria pasta que libera o uso da hidroxicloroquina para tratar sintomas leves de contaminação pela Covid-19. No documento, o conselho afirma que a orientação do ministério não está baseada em evidências científicas e se baseia em estudos já criticados por pesquisadores.

“O uso da cloroquina, sem comprovação da eficácia, coloca em risco a vida de milhares de pessoas. As orientações desrespeitam a ciência porque inexistem estudos que indiquem eficácia do uso de cloroquina para sintomas leves”, afirma Débora Melecchi, representante da Federação Nacional dos Farmacêuticos (Fenafar) e integrante do conselho.

A substância é usada para o tratamento para o tratamento de outras doenças como contra a malária, lúpus e artrite reumatoide e, de acordo com a nota, sua indicação de uso contra a Covid-19 está impactado na disponibilidade do medicamento para os pacientes destas doenças.

“A possibilidade do desenvolvimento de efeitos colaterais graves, decorrentes do uso de cloroquina ou de hidroxicloroquina em pacientes leves, pode exigir uma internação que poderia não acontecer sem o uso desses medicamentos, acarretando a necessidade de mais leitos hospitalares”, aponta o documento encaminhado à pasta.

No recomendação, o CNS pede que o “governo federal desempenhe seu papel na defesa da ciência e a redução da dependência de equipamentos e insumos, construindo uma ampla e robusta produção nacional”. A recomendação também foi endereçada ao Ministério Público Federal a quem o CNS pede providências para que a indicação seja suspensa, pelos riscos à saúde da população brasileira.

Em encontro com apoiadores neste sábado, na entrada do Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a defender o uso da substância para tratar pacientes com o novo coronavírus — mesmo sem comprovação científica.

“Na Guerra do Pacífico o soldado chegava ferido, sem sangue, e não tinha doador. Daí os caras foram lá, pegaram um coco e meteram na veia dele água de coco. E deu certo Se fosse esperar um protocolo, né, uma comprovação científica, iam morrer centenas ou milhares e iam descobrir depois que dá certo”, disse.

Mudança no ministério

A liberação da substância para os casos de Covid-19 esteve no centro das discussões que levaram à queda de dois ministros da Saúde durante a pandemia, Henrique Mandetta e Nelson Teich. A mudança de protocolo se deu após o general Eduardo Pazuello assumir a pasta.

Pela nova recomendação, os pacientes podem tomar, entre o primeiro e 14º dia, cloroquina ou sulfato de hidroxicloroquina associado à azitromonicina durante cinco dias. A orientação vale para todos os casos (leves, moderados e graves), observadas as especificações de dosagem. Para os casos graves, o medicamento é indicado também após o 14º dia, observando as características de cada paciente.

O documento divulgado pelo Ministério da Saúde faz algumas ressalvas. Entre elas, que o medicamento deve ser prescrito por um médico e que ele tem autonomia para decidir ou não sobre o uso.

O texto afirma também que não existe outro medicamento eficaz disponível para o tratamento do novo coronavírus atualmente, que não recomenda a auto prescrição do remédio pelo portador da doença (uso sem acompanhamento médico) e que a divulgação do novo protocolo pretende uniformizar as orientações para os profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS) para o tratamento da Covid-19.

CNN Brasil

Leia artigo do médico e professor Enildo Alves AQUI

Bolsonaro é aconselhado a buscar Toffoli para minimizar fala de Weintraub

Antagonista
Aliados de Jair Bolsonaro aconselharam o presidente a procurar Dias Toffoli para minimizar a declaração de Abraham Weintraub na reunião ministerial do dia 22 de abril, diz a Folha.
“O receio do presidente foi manifestado nesta sexta e neste sábado (23) a assessores presidenciais e aliados. Ele teme que o episódio seja usado como justificativa para que o Judiciário imponha novas derrotas ao Executivo, seja no curso da investigação, seja em processos em tramitação no Supremo.”
Ontem, como publicamos, Celso de Mello enviou as falas de Weintraub aos outros ministros do STF para que “adotem medidas que julgarem pertinentes”.
O decano considerou “gravíssima aleivosia” a declaração do ministro da Educação de que “botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF”.

Estudo francês que listava benefícios da hidroxicloroquina contra a Covid-19 é retirado do ar pelos próprios autores


Um estudo francês que dissera ter encontrado benefícios da hidroxicloroquina combinada ao antibiótico azitromicina no tratamento da Covid-19 foi retirado por seus próprios autores.

Trata-se de uma das pesquisas de maior repercussão sobre o assunto, que ganhou popularidade ao ser difundida pela Fox News nos EUA. O médico francês Didier Raoult, o maior defensor da cloroquina e da hidroxicloroquina contra o coronavírus, havia tuitado a pesquisa, classificando-a como “muito boa”.

A pesquisa intitulada “Hidroxicloroquina mais azitromicina: potencial em reduzir a morbidade em hospital da pneumonia Covid-19” foi realizada por uma equipe do Hospital Raymond-Poincaré e liderada pelo médico Benjamin Davido.

Na verdade, o trabalho em questão jamais foi publicado em revista científica com revisão por pares – o processo normal de publicação em ciência. Ele havia sido apenas postado, em 11 de maio, no repositório de pesquisas medRxiv, de onde os próprios autores o retiraram nesta sexta-feira.

No lugar do estudo, agora há somente a mensagem: “Os autores retiraram este manuscrito e não querem que seja citado. Devido à controvérsia sobre a hidroxicloroquina e à natureza retrospectiva de seu estudo, eles pretendem revisar o manuscrito depois da revisão por pares”. Davido, o principal autor, não se pronunciou.

O Globo

Por Dr. Enildo Alves: “Cloroquina mata e não traz nenhum benefício


Primo Renato Dantas – Falando Sempre a Verdade
Caríssimo amigo, hoje sabemos que o vírus causador da COVID-19, também chamado de Coronavírus , é um vírus muito frágil pois é formado por uma fina faixa de RNA (ácido ribonucleico) tendo como maior adversário agua com sabão, destrói muito mais que o álcool gel , possui um poder de replicação nunca visto na história moderna da medicina.
Até ontem (22/05/2020) havia 5 milhões de infectados em todo mundo , 1/3 nos EUA particularmente em Nova York , a Rússia apresentava 320 mil casos e o Brasil 310 mil entrando no triste pódio, hoje assumimos a segunda posição de forma definitiva com mais de 330 mil casos.
Hoje após 45 anos de formando em medicina, pós-graduado, mestre pela PUC Rio, residência no famoso HSE-RJ a época o melhor hospital para residência clínica do Brasil e tendo mais de 40 anos de docência na UFRN, não imaginava que um agente infeccioso tão frágil pudesse parar o mundo, digo com segurança o mundo será outro no pós Covid. Tenham certeza.
A minha explicação para o Covid evoluir para uma pandemia com repercussão em todo mundo é: iniciando pela China , viajando pela Europa como um turista e descobrindo toda a América e chegando com força no Brasil,sem duvidas foi um acidente ocorrido em laboratório de virologia na cidade de Wuhan.
Recentemente tivemos a saída de dois ministros da Saúde do atual governo (Mandeta e Nelson Teich), pela simples razão de recusar assinar qualquer protocolo que incluísse a cloroquina.
A opinião pública precisa saber que o Sr. Jair Bolsonaro , não assinou o protocolo recentemente divulgado e mais não foi assinado por nenhuma autoridade do Governo Federal, comprovando a temeridade de serem responsabilizados por seus atos.
E tem mais o protocolo do Governo Federal publicado no último dia 20/05/2020 não possui:
• – assinatura de um responsável
• – avisa que a Cloroquina poderá não trazer qualquer benefício,
• – afirma que o seu uso pode levar a morte,
• – obriga a quem for usar assinar um termo de responsabilidade.
Pergunto : Que Governo é esse que sabendo que o referido medicamento não traz benéficos comprovados ao paciente e pode levar o mesmo a morte . Indica seu uso?
Na minha opinião isso é uma irresponsabilidade do Governo Federal.
Abordarei um pouco a fundamentação cientifica comprovada de que a cloroquina não favorece os portadores do COVID e pode mata-los por graves arritmias cardíacas e tromboembolismo e em alguns casos cegueiras. A Universidade de Albany / USA fez um estudo de 1438 pacientes internados em 25 hospitais na cidade de Nova York , usou um grupo aleatório como placebo e concluiu: os que tomaram cloroquina e o grupo com placebo tiveram o mesmo resultado , ou seja a droga não traz qualquer benefício comprovado e pode matar. Estudos semelhantes forma feitos em Oxford na Inglaterra e na famosa Universidade de Beida na China considerada uma das melhores do mundo e chegaram também a mesma conclusão: QUE A CLOROQUINA NÃO PRODUZ RESULTADOS POSITIVOS.
Defendo o uso do Tamiflu antiviral, o antibiótico Azitromicina, Corticoide, complexos de vitamina ricos em zinco, a vitamina D e inclusive a Ivermectina de 6 mg atualmente usado como melhor anti parasitário (verminoses)
Recentemente fui testemunho vivo de dois amigos pacientes, atendidos em hospitais de Natal. Um deles internado no Hospital do Coração onde trabalho no dia 11/05 e teve alta no dia 21/05 e salvou-se quase por milagre, o plano de saúde me faz passar 6 horas deste dia 11/05 das 19:30 a 01:30, sem autorizar o internamento que era imprescindível para salva-lo, após esta espera desnecessária e critica devido a urgência o plano autorizou. Mas me faz refletir , quantos pacientes podem esperar este tempo para liberação?
Acredito que muitos pacientes com indicação de internamento em Natal estão falecendo por não ter sido internados na hora correta. Isso é um absurdo e condeno veementemente.
Faço um apelo pessoal e pela história que tenho na medicina do Rio Grande do Norte e hoje conhecendo bem a doença:
– Colegas médicos , hospitais e planos de Saúde parem de prescrever a Cloroquina para seus pacientes.
Se perguntem porque o Covid-19 acomete fora do Brasil pacientes da denominada terceira idade acima de 60 anos, com letalidade ente 1 a 2% . A Letalidade media incluindo paciente entre 20 e 55 anos e os da terceira idade no Brasil está entre 7 e 10%.
Tenho certeza de que em nosso pais muitas das mortes foram causadas por arritmias cardíacas e tromboembolismo(embolia pulmonar e AVC), causada pelo uso da Cloroquina, isso antes de sua regulamentação oficial , imagino agora o que irá acontecer com o uso indiscriminado?
Não há nenhuma publicação cientifica no mundo respeitável, informando que o uso da cloroquina traga algum benefício para contaminados pela COVID-19, incluindo o início da doença.
IMPLORO parem de usar a Cloroquina, retirem-na dos protocolos, pois ela não traz nenhum benéfico mas podem levar a morte.

*Enildo Alves / Clinico Hematologista / Professor Aposentado UFRN / Atualmente atuando no UNACON do Hospital do Coração

PSDB e DEM se unem em “núcleo independente” na Câmara

Sem se assumir como governo e distantes da oposição, partidos se uniram para defender agenda em comum e nome para suceder Maia

Camila Turtelli

A aliança do Centrão com o presidente Jair Bolsonaro criou um novo desenho político na Câmara dos Deputados. Sem se assumir como base aliada do governo e distantes da oposição, partidos como DEM e PSDB se uniram para defender uma agenda em comum e também discutem um nome de consenso para a sucessão do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) na presidência da Casa.

Chamado internamente de “núcleo independente”, o grupo informal tem, ainda, a participação do MDB e do Cidadania e da parte do PSL, legenda que abrigou Bolsonaro, mas que atualmente está rompida com o presidente. No total, esses partidos reúnem 102 deputados, embora existam entre eles representantes governistas.

“Esse grupo independente acabou se formando de uma maneira muito natural”, disse o líder do PSDB na Câmara, deputado Carlos Sampaio (SP). “Dos dez grandes partidos, o PT é oposição, o PSL está dividido e quatro foram para o governo”, afirmou o tucano. As legendas citadas por Sampaio que estão na base do governo Bolsonaro são o Republicanos, o Progressistas (antigo PP), o PL (antigo PR) e o PSD, que, juntos, reúnem 146 parlamentares.

A aliança do Centrão com o presidente Jair Bolsonaro criou um novo desenho político na Câmara dos Deputados. Sem se assumir como base aliada do governo e distantes da oposição, partidos como DEM e PSDB se uniram para defender uma agenda em comum e também discutem um nome de consenso para a sucessão do deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) na presidência da Casa.