Arquivo diários:16/06/2020

Sobrinho de José Sarney, Diogo Campos é assassinado após briga de trânsito

Uma briga de trânsito causou a morte de Diogo Adriano Costa Campos, de 41 anos, sobrinho-neto do ex-presidente da República José Sarney. O caso ocorreu no Maranhão.

O publicitário foi assassinado com um tiro no pescoço no início da tarde desta terça-feira (16/06), depois de discutir com um motorista na Lagoa da Jansen, em São Luís.

O caso será investigado pela Superintendência Estadual de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP).

Uma equipe do Instituto Médico Legal (IML) esteve no local para fazer a remoção do corpo. Até agora, não se sabe o motivo do desentendimento.

Por decisão do STF, dez deputados federais, entre eles, Girão(PSL-RN)


Por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), dez deputados federais e um senador têm os sigilos bancários quebrados como parte do inquérito que apura a organização e o financiamento de atos antidemocráticos.

Na tarde desta terça-feira (16), mais três suspeitos foram presos pela PF, investigados por participação na organização destes atos. Todos os 11 parlamentares compõem a base de apoio do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Congresso Nacional, sendo que nove pertencem ao PSL, ex-partido do presidente.

São eles:

Deputados:

Daniel Silveira (PSL-RJ)
Junio Amaral (PSL-MG)
Otoni de Paula (PSC-RJ)
Carolina de Toni (PSL-SC)
Carla Zambelli (PSL-SP)
Alê Silva (PSL-MG)
Bia Kicis (PSL-DF)
Girão (PSL-RN)
Guiga Peixoto (PSL-SP)
Aline Sleutjes (PSL-PR)

Senadores:

Arolde de Oliveira (PSD-RJ)

CNN  Brasil

Brasil registra 45.241 mortes por Covid-19


O Ministério da Saúde divulgou nesta terça-feira (16) seu mais recente balanço de mortes e casos de Covid-19. Os principais dados são:

45.241, eram 43.959 na segunda;

Foram 1.282 registros de morte incluídos em 24 horas;

923.189 casos confirmados, eram 888.271 na segunda;

Foram 34.918 casos em 24 horas;

Ainda de acordo com o ministério, há 436.219 pacientes em acompanhamento (47,3% do total) e 441.729 recuperados (47,8%).

G1

Juiz arquiva inquérito da facada sofrida por Bolsonaro


Foto: reprodução

A Justiça Federal em Minas Gerais decidiu hoje (16) arquivar provisoriamente o segundo inquérito aberto para apurar a participação de terceiros no atentado cometido por Adélio Bispo contra o presidente Jair Bolsonaro em 2018.

Na decisão, o juiz Bruno Savino, da 3ª Vara Federal em Juiz de Fora (MG), aceitou pedido de arquivamento feito pelo Ministério Público Federal (MPF). Para o órgão, as investigações realizadas deram conta que Adélio agiu sozinho e não há indícios de que ele tenha se encontrado com um cúmplice ou que tenha recebido dinheiro para executar a facada.

O juiz responsável pelo caso também decidiu que o inquérito poderá ser reaberto se novas provas aparecerem e as diligências pendentes forem autorizadas, como a quebra de sigilo dos advogados que se apresentaram para fazer a defesa de Adélio após o ataque. A Polícia Federal chegou a pedir autorização para acessar os celulares dos defensores e descobrir se houve pagamento de honorários, mas uma decisão suspendeu a investigação.

“Esgotadas todas as diligências investigativas – à exceção da análise do conteúdo do aparelho de celular do principal advogado de defesa de Adélio Bispo de Oliveira, cuja diligência restou sobrestada por força de decisão liminar proferida pelo Tribunal Regional Federal da 1a Região, acolho a promoção de arquivamento apresentada pelo Ministério Público Federal”, decidiu o magistrado.

Em junho do ano passado, o juiz absolveu Adélio Bispo pela facada. A decisão foi proferida após o processo criminal que o considerou inimputável por transtorno mental.

Na decisão, o magistrado decidiu também que ele deveria ficar internado em um manicômio judiciário por tempo indeterminado. No entanto, diante da periculosidade do acusado, Adélio permaneceu no presídio federal de Campo Grande, onde está preso desde o atentado.

Conforme denúncia feita pelo MPF, o acusado colocou em risco o regime democrático ao tentar interferir no resultado das eleições por meio do assassinato de um dos concorrentes na disputa presidencial.

A defesa de Adélio afirmou que ele agiu sozinho e que o ataque foi apenas “fruto de uma mente atormentada e possivelmente desequilibrada” por conta de um problema mental.

IstoÉ

Prefeito Álvaro Dias determina pagamento da gratificação de enfrentamento à Covid-19 nesta quarta (17)

A Prefeitura do Natal (RN) publicou, no Diário Oficialdo Município desta terça-feira (16), a lista de funcionários da saúde que estão exercendo atividades durante o enfrentamento da Covid-19 (novo coronavírus) e passam a ter direito à gratificação transitória enquanto perdurar o estado de calamidade na capital potiguar. De acordo com a Secretaria Municipal de Administração – Semad – nesta quarta-feira (17) os valores serão pagos aos servidores em folha suplementar.

A gratificação tem como base de cálculo o valor de R$ 960,00, aos quais serão aplicados percentuais de 40%, 20% e 10%, de acordo com as atividades desenvolvidas por cada servidor. A Semad estima que serão investidos mais de R$ 1 milhão/mês, nesse processo, beneficiando 5.540 profissionais da saúde. A lista, publicada nesta terça, inclui servidores efetivos, comissionados, municipalizados e contratados temporariamente da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), utilizando os critérios determinados pela lei complementar nº 190, de 28 de maio de 2020, aprovada pela Câmara de Natal e sancionada pelo prefeito Álvaro Dias.

Continue lendo Prefeito Álvaro Dias determina pagamento da gratificação de enfrentamento à Covid-19 nesta quarta (17)

RN registra 585 mortes por Covid-19; equivalente ao desastre aéreo envolvendo dois grandes aviões


A Secretaria de Estado e Saúde Pública-Sesap atualizou os números do coronavírus no Rio Grande do Norte nesta terça-feira(16). O número de casos confirmados chega a 15.212, enquanto no boletim dessa segunda-feira(15) eram registrados 14.214.

Nas últimas 24 horas foram confirmadas duas mortes. O total de vítimas do covid-19 no RN chega a 585 – (32) óbitos a mais que a atualização do boletim dessa segunda-feira(15).

No caso dessas trinta mortes, todas elas foram confirmadas ao decorrer dos dias após exames laboratoriais.

Os casos suspeitos chegam a 24.873. Descartados somam 24.715. Recuperados são 1.993.

Ravox Brasil recebeu visita da Polícia Federal


O dono do canal Ravox Brasil no Youtube, informou na manhã de hoje (16/6), no perfil dele no Twitter, ter recebido visita da Polícia Federal “a pedido de Alexandre de Moraes“, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

De acordo com Ravox, trata-se de censura.

Outras duas visitas foram relatadas na manhã desta terça-feira nas residências do jornalista Allan dos Santos e do deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ).

A Policia Federal acabou de sair da minha casa, a pedido de Alexandre de Moares (STF). Estou sem os equipamentos de gravação e transmissão, além do meu celular. Estamos sendo censurados por uma instituição que deveria fazer justiça ao encontro de cidadãos de bem.“, tuitou Ravox.

 

Polícia Federal cumpre mandados de inquérito que investiga atos antidemocráticos em 5 estados e DF

 
A Polícia Federal cumpre 21 mandados de busca e apreensão nesta terça-feira (16). As ações foram autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF). As informações são do Portal G1X

Os mandados são cumpridos em uma ação que é desdobramento do inquérito que investiga a organização e o financiamento de atos antidemocráticos.

Segundo o G1, os alvos estão em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Santa Catarina e Maranhão.

Deputado e blogueiros são alvos

O deputado federal Daniel Silveira (PSL-RJ), apoiador de Jair Bolsonaro (sem partido), confirmou a presença da PF em sua residência. O parlamentar disse que “está incomodando algumas esferas do velho poder”.

Bolsonaro afirma que Forças Armadas impediriam impeachment

Bolsonaro e seu pupilo conselheiro Rogério Marinho, réu em processo de servidores fantasmas na Câmara Municipal

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta segunda-feira que as Forças Armadas não aceitarão “um julgamento político para destituir um presidente democraticamente eleito”, repetindo teor de nota divulgada na sexta-feira.
“Nós, militares das Forças Armadas, e eu também sou militar, somos os verdadeiros responsáveis pela democracia em nosso país”, disse Bolsonaro em entrevista à rádio e TV BandNews.

“Nós jamais cumpriríamos ordens absurdas, mas também jamais aceitaríamos um julgamento político para destituir um presidente democraticamente eleito”, acrescentou o presidente.

Demonstre seu carinho com clássicos da vovó. Nossocurso online ensina, em 2h, a preparar o bolo formigueiro, de cenoura e de mandioca. Se fizer sucesso, pode surpreender com outras 50 especializações em confeitaria. A mensalidade é única e você cancela quando quiser.Que tal?

A declaração desta segunda-feira, assim como a nota de sexta –que foi assinada também pelo vice-presidente Hamilton Mourão e pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo–, vem em meio ao julgamento pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) das primeiras duas ações contra a chapa Bolsonaro-Mourão, vitoriosa nas eleições de 2018.

Bolsonaro enfrenta ainda no Supremo Tribunal Federal um inquérito que investiga a possível tentativa de interferência na Polícia Federal. Além disso, há dezenas de pedidos de impeachment, sempre tratado como um julgamento político-jurídico, contra o presidente no Congresso.

O presidente voltou a criticar o julgamento das ações pelo TSE e a operação, dentro de um inquérito do Supremo sobre fake news, que teve como alvo aliados dele.

Por outro lado, Bolsonaro disse que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, não foi muito prudente em participar de manifestação domingo em Brasília.

Doria na mira do MPF


Foto: Governo de SP

O governador do estado de São Paulo, João Doria, está entre os investigados pelo Ministério Público Federal por irregularidades na utilização de recursos destinados ao combate ao coronavírus. A informação foi confirmada pelo jornalista Caio Junqueira, da CNN.

Além de Doria, os estados do Amazonas, Pará, Paraíba, Rio de Janeiro e Tocantins também são alvo de investigações do MPF pelo uso irregular de verbas.