Arquivo diários:29/06/2020

Empresa que realiza serviços de vistoria eletrônica se diz perseguida pelo Detran-RN

A Renavin, responsável pelo serviço de vistoria eletrônica prestado ao Detran-RN, se diz perseguida pelo órgão. A empresa afirma que o acesso dela ao sistema do Departamento Estadual de Trânsito do RN foi interrompido sem qualquer comunicação prévia. Tal fato impede a prestação dos serviços. A Renavin também alega de desde então não obteve qualquer retorno do Detran à respeito da situação.

O advogado da empresa, Pierre Formiga, diz que a impossibilidade de acesso ao sistema integrado vem acontecendo desde março, quando as atividades do órgão foram temporariamente suspensas em razão da pandemia.

Em 20 de maio, foi publicada a Portaria nº 407/2020. Ela permitiu o retorno de alguns serviços, inclusive os que são prestados pela empresa, mas segundo a Renavin, o Detran até o momento não liberou o acesso aos sistemas. “O órgão simplesmente ignora nossas tentativas de contato para tratar do assunto e restabelecer o acesso”, disse o advogado da empresa.

“O acesso [ao sistema integrado] é essencial para execução do serviço de vistoria eletrônica, pois lá estão disponíveis as informações sobre os veículos”, diz Pierre. “Na mesma portaria, foi regulamentada a vistoria ‘in loco’ (nas lojas e concessionárias), atividade que a Renavin também já realizava”, completa.

A vistoria eletrônica é um ponto chave para celeridade do serviço e identificação de possíveis de fraudes, tornando todo o processo mais ágil e também mais seguro. As transferências de propriedade de veículos e o primeiro emplacamento, por exemplo, dependem de vistoria.

Pierre também reforça que através da Resolução nº 466/2013, o Conselho Nacional de Trânsito-CONTRAN determinou a uniformização da modalidade de vistoria eletrônica pelos Detrans no país. O Rio Grande do Norte é um dos estados mais atrasados neste sentido. Atualmente, o Detran-RN está obrigado, por liminar, a também realizar vistoria eletrônica, referente ao credenciamento e o contrato com a Renavin que vigoram desde de 2018, processo que conta com parecer favoráveldo MP-RN.

No entendimento da empresa, a partir do momento que o Detran a impediu de acessar o sistema ocorre, o descumprimento do contrato e da decisão judicial. “Após tentativas de contato com o órgão e não obter retorno, o último passo dado pela empresa na tentativa de fazer com que o contrato seja cumprido, foi acionar mais uma vez o Poder Judiciário”, explica Pierre Formiga.

O caso encontra-se atualmente aguardando decisão judicial. A expectativa da empresa é ter o acesso ao sistema regularizado para que os cerca de 40 funcionários possa voltar a exercer suas atividades. Enquanto isso, mais de 3 mil veículos aguardam realização da vistoria no Rio Grande do Norte.

Fonte:Blog do BG

Prefeito Álvaro Dias decreta flexibilização do comércio natalense

Em coletiva na tarde desta segunda (29), a  o prefeito Álvaro Dias por decreto anunciou a reabertura do comércio a partir desta terça (30) na capital potiguar.  O Decreto será publicada no Diário Oficial do Município desta terça.

“Tomamos a decisão, discutida com o Comitê Científico do município, que se pronunciou e aprovou, por unanimidade, a flexibilização do comércio, e o retorno lento, gradual e responsável das atividades do comércio de Natal”, disse o prefeito Álvaro Dias (PSDB).

Segundo a Prefeitura, os órgãos de fiscalização como Guarda Municipal, fiscais da STTU, da Semsur e do Procon realizarão uma rigorosa fiscalização.

Na primeira fase de reabertura da economia, segundo o prefeito Álvaro Dias, poderão funcionar os seguintes estabelecimentos:

serviços de recursos humanos e terceirização;

atividades de informação, comunicação, agências de publicidade, designers e afins;

centros de distribuição e depósitos;

serviços sociais;

autônomos;

agências de turismo;

salão de beleza e barbearias;

lojas de até 300 metros quadrados de artigos usados; papelarias, material de escritório, variedades, climatização, bicicletas, plantas e vestuário

Por causa da pandemia, macacos invadem uma cidade

O aumento do número de macacos trouxe mudanças no cotidiano da população, com muitos moradores obrigando-se a se confinarem dentro de casa.

A pandemia do coronavírus transformou a forma como vivemos, mas em uma cidade na Tailândia, seus efeitos foram particularmente sentidos pelos moradores.

Em Lopburi, os macacos, outrora uma atração turística, “tomaram o controle” da cidade antiga.

Eles passaram a se alimentar de junk food e, com essa energia excedente, reproduziram-se indiscriminadamente
O aumento do número de macacos trouxe mudanças no cotidiano da população, com muitos moradores obrigando-se a se confinarem dentro de casa.

Além disso, gangues rivais de macacos brigam com frequência e há até zonas aonde os humanos não podem ir.

Prefeito Álvaro Dias inicia processo de abertura com monitoramento para ajustes


O prefeito Álvaro Dias deverá publicar, nesta segunda-feira, 29, um Decreto de reabertura gradual da economia.
Álvaro tem conversado com as classes produtoras e também com o Comitê Científico de Combate à Pandemia.
A abertura está sendo observada pelo aspecto sanitário e econômico. Depois da abertura haverá o monitoramento para ajustar medidas.
Algumas capitais que flexibilizaram o isolamento social que tiveram aumentadas os indicadores de contágio recrudesceram suas medidas.

Irã emite mandado de prisão contra Trump e pede ajuda da Interpol, diz agência

O Irã emitiu um mandado de prisão para o presidente americano, Donald Trump, e outras 35 pessoas pelo assassinato do general Qassem Soleimani e pediu ajuda à Interpol. A afirmação foi feita pelo promotor de Teerã, Ali Alqasimehr, nesta segunda-feira (29), segundo a agência de notícias iraniana de notícias Fars.

Para os Estados Unidos, a medida iraniana é um “golpe de propaganda que ninguém leva a sério”.

O promotor iraniano afirmou que os mandados foram emitidos sob a acusação de ação terrorista e de assassinato de Qassem Soleimani, chefe de uma unidade especial da Guarda Revolucionária do Irã e um dos homens mais poderosos do país.

Ele foi morto em um ataque com drone dos Estados Unidos em Bagdá, no Iraque, em janeiro. A ordem para que o general fosse executado partiu de Donald Trump. Washington acusou o general de orquestrar ataques de milícias alinhadas ao Irã contra forças norte-americanas na região.

Alqasimehr afirmou que o Irã pediu à Interpol para emitir um “aviso vermelho” para Trump e as outras autoridades civis e militares dos EUA que são acusadas ​​pela República Islâmica de participar do ataque. Ainda segundo o promotor, o Irã continuará a investigar o assunto após o término do mandato presidencial de Trump. O mandatário americano concorre à reeleição no início de novembro.

‘Golpe de propaganda’

O enviado norte-americano para o Irã, Brian Hook, afirmou que a iniciativa iraniana é um “golpe de propaganda”, segundo a France Presse.

“Nossa avaliação é de que a Interpol não intervém e não emite alertas vermelhos baseados em natureza política”, disse Hook ao lado do ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Adel al-Jubeir, em Riad.

“Esse é de natureza política. Isso não tem nada a ver com segurança nacional, paz internacional ou promoção da estabilidade. É um golpe de propaganda que ninguém leva a sério”, completou Hook.

Indiciados por morte de Floyd, ex-policiais vão a tribunal

A morte de Floyd, de 46 anos, desencadeou protestos de âmbito nacional exigindo justiça racial e reformas das polícias.


O ex-policial da cidade norte-americana de Mineápolis acusado de matar no dia 25 de maio e três outros ex-integrantes da corporação indiciados no caso devem comparecer a um tribunal nesta segunda-feira (29).
Derek Chauvin, de 44 anos, foi preso em 29 de maio, quatro dias depois de se ajoelhar sobre o pescoço de Floyd durante quase nove minutos e causar sua morte. Ele é acusado de homicídio doloso. Três outros ex-policiais de Mineápolis — J. Alexander Kueng, Tou Thao e Thomas Lane — foram acusados de cumplicidade no caso. Nenhum deles se pronunciou quanto à sua culpabilidade.
A fiança de Chauvin foi estabelecida em 1,25 milhão de dólares ou 1 milhão sob certas condições, e a fiança dos outros três agentes em 1 milhão de dólares cada ou 750 mil dólares sob certas condições.

Chauvin e Thao, de 34 anos, continuam sob custódia, e Kueng, de 26 anos, e Lane, de 37, foram soltos sob liberdade condicional, de acordo com registros prisionais.

Os procedimentos legais desta segunda-feira em Mineápolis não serão transmitidos, como um juiz decidiu na sexta-feira. Chauvin participará da audiência por videoconferência, e os outros três acusados em pessoa, segundo o site da corte

Amigos familiares rezam por Wanderley Mariz

Amigos e familiares estão orando pela vida do estimado Wanderlei Mariz..

Wanderley tem 79 anos e está lutando contra COVID-19 na Casa de Saúde São Lucas.
Lamentavelmente seu estado de saúde é crítico..

Recentemente perdemos para COVID-19 o primo de Wanderley, também estimado Carlos Mariz Duarte.
O Blog do Primo pede aos nossos leitores que fiquem em casa, a situação em Natal é muito grave.

 

Currículo falso? Universidade alemã também não confirma pós-doutorado de ministro da Educação


Após a Universidade de Rosário afirmar que o ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli, não terminou seu doutorado na instituição, seu pós-doutorado também foi colocado em xeque. Contatada, a Universidade de Wuppertal (Bergische Universität Wuppertal), onde o professor afirma ter concluído seu pós-doutorado, respondeu que ele não esteve na universidade por todo o período que consta em seu currículo.

Decotelli foi nomeado Ministro da Educação na última quinta-feira, 25.

Segundo a instituição alemã, Decotelli de fato esteve na universidade, para uma pesquisa de três meses em 2016, na cadeira de uma professora que é agora emérita na instituição.

Segundo o currículo Lattes de Decotelli, cuja última edição havia sido feita em 27 de junho no momento desta reportagem, o professor teria obtido seu pós-doutorado na Universidade de Wuppertal entre 2015 e 2017 (sem indicar os meses).

O título de pós-doutor, na academia, não implica em um título formal como mestrado ou doutorado, e requer um trabalho em pesquisa feito por um doutor, no geral, por períodos de pelo menos um ano. Mas o próprio título de doutorado de Decotelli foi questionado na semana passada pela Universidade de Rosário, na Argentina, que afirma que ele não teve a tese aprovada.

A nota enviada pelo departamento de imprensa da Universidade de Wuppertal, em inglês, por e-mail e por mensagem no perfil oficial do Facebook, diz que Decotelli “não obteve um título em nossa universidade”, mas que a universidade não pode fazer declarações sobre títulos obtidos no Brasil. É comum, para universidades, receber professores estrangeiros como pesquisadores e professores visitantes, sem a obtenção de um título específico.

O currículo Lattes é um documento eletrônico usado por pesquisadores brasileiros para registrar sua produção e experiência acadêmica. A plataforma é controlada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), mas o preenchimento é feito pelo próprio usuário.

Doutorado na Argentina

O reitor da Universidade Nacional de Rosário na Argentina, Franco Bartolacci, usou sua conta oficial do Twitter na sexta-feira, 26, para dizer que Decotelli não obteve o título de doutor na faculdade argentina.

“Nos vemos na necessidade de esclarecer que Carlos Alberto Decotelli da Silva não obteve na @unroficial o título de doutor que se menciona nesta comunicação”, escreveu Bartolacci, citando uma publicação do presidente Jair Bolsonaro em que consta a titulação do novo chefe do MEC.

A reportagem procurou o MEC, que enviou um documento da Universidade de Rosário mostrando que Decotelli cursou todos os créditos do curso. Não foi esclarecido se isso basta para lhe conferir o título de doutor. Segundo disse o reitor da universidade argentina em entrevistas, Decotelli de fato cursou o doutorado, mas não concluiu o programa.

Além de doutorado e pós-doutorado, em seu currículo, Decotelli informa ainda que é formado em Ciências Econômicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e mestre em Administração pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

No mestrado, surgiram ainda nos últimos dias acusações de que sua tese, obtida em 2008, teria sido plagiada. Em nota sobre o mestrado, o MEC disse que o ministro “refuta as alegações de dolo, informa que o trabalho foi aprovado pela instituição de ensino e que procurou creditar todos os pesquisadores e autores que serviram de referência”, que eventuais omissões são resultado de “falhas técnicas ou metodológicas”. O MEC diz ainda na nota que Decotelli “revisará seu trabalho e que, caso sejam identificadas omissões, procurará viabilizar junto à FGV uma solução para promover as devidas correções”.

A última modificação no currículo de Decotelli foi feita em 27 de junho, após as controvérsias sobre o doutorado. Mas o professor não retirou a titulação de doutorado ou pós-doutorado.

Procurado nesta manhã sobre a titulação de pós-doutorado de Decotelli, o MEC ainda não se manifestou. O espaço segue aberto para manifestações.

Leia a nota completa enviada pela Universidade de Wuppertal.

Carlos Decotelli veio para a cadeira da Prof. Dr. Brigette Wolf para uma pesquisa de três meses em 2 de janeiro de 2016.

Até 2017, ela foi professora de teoria do design, com foco em: metodologia, planejamento e estratégia na Universidade de Wuppertal e é agora emérita.

Ele não obteve um título em nossa universidade. A Universidade de Wuppertal não pode fazer nenhuma declaração sobre títulos adquiridos no Brasil.

*A reportagem foi atualizada para esclarecer as especificidades do trabalho de pós-doutorado, que não está ligado à obtenção de um título formal em universidades.

Exame

Para justificar surto de demagogia, senador Styvenson ataca imprensa

O senador Styverson Valentim fez a postagem de um desabafo nas redes sociais para se isentar de culpa na inscrição de sua irmã no programa de “Auxílio Emergencial” do Governo.

Vestindo uma prosaica camisa regata azul ele mostrou-se raivoso e alterado (nos bons tempos da campanha da Lei Seca um condutor com essas características não passava).

Mesmo sem o fato ter sido, até então, noticiado, ele reclamou “dessa imprensa que é suja, é baixa e eu não pago a ninguém, não dou dinheiro a ninguém aqui”.

O Senador disse que foi ele quem descobriu a inscrição da irmã e prometeu devolver o dinheiro ao governo. Sobrou para a imprensa que não tinha nada com sua irritação.

Roda Viva

Três pacientes morreram com Covid-19 no Hospital Regional do Seridó neste domingo (28)


Assessoria de Comunicação do Hospital Regional do Seridó, confirmou que ocorreram três mortes por Covid-19 na unidade, neste domingo, dia 28 de junho.

Os pacientes eram, 1 de Assu e dois de Currais Novos. Não foram divulgas informações como o tempo de internamento e se tinham algum tipo de comorbidade.

Fonte: Blog do Xerife Robson Pires