Primando por Parnamirim: Presidente do partido da vereadora Nilda é acusado de usar empresa que vende notas fiscais para justificar gastos

Por G1

O presidente do PSL, Luciano Bivar, é acusado de usar empresas que vendem notas fiscais para justificar gastos. O PSL é o partido da pré-candidata a prefeita de Parnamirim, professora e vereadora Nilda.

É numa casa, na periferia do Recife, onde mora a assessora de imprensa do deputado federal Luciano Bivar, presidente do PSL. Marta Patrícia Heitor Lemos é dona da ML Serviços de Comunicação e também é filiada ao PSL. Uma pessoa que disse ser a mãe de Marta informou que a empresária não estava.

Reportagem publicada pela “Folha de S.Paulo”, revela que o presidente do PSL, Luciano Bivar, apresentou a Câmara e ao Tribunal Superior Eleitoral notas fiscais de duas empresas que vendem esse tipo de documento, entre elas a a ML Serviços de Comunicação.

Luciano Bivar já é investigado pela justiça eleitoral de Pernambuco por denúncia de uso de candidatas laranjas na eleição passada, para desvio de R$600 mil do fundo partidário. Ele nega as acusações.

Segundo informações do jornal, confirmadas pela TV Globo, a ML recebeu R$ 50 mil de verbas da Câmara Federal, de 2017 a abril de 2019.

Marta Lemos confirmou para a “Folha de S. Paulo” que emitiu as notas sem prestar os serviços, que teriam sido feitos por uma outra assessora que não tinha empresa no seu nome.

A reportagem diz ainda que a fundação do partido contratou, no Rio de Janeiro, a Associação Pró-Esporte Cultural, que pertence a Gisele Miller do Amaral, candidata a deputada estadual pelo PSL em 2014. A Pró-Esporte recebeu R$ 15 mil para fazer um seminário sobre as eleições naquele ano no Rio.

O jornal cita ainda uma troca de mensagens entre a dona da empresa, Gisele Miller, e uma pessoa que se passou por assessor de um deputado federal. O falso assessor adquiriu uma nota fiscal fria de R$ 8 mil em troca de uma comissão. Na conversa, Gisele Miller teria dito que forneceu notas frias a Luciano Bivar. As notas fiscais foram entregues a Justiça Eleitoral na prestação de contas do uso do fundo partidário.

A procuradoria regional eleitoral em Pernambuco disse que vai analisar as denúncias. As notas fiscais apresentadas pelo deputado federal são reembolsadas pela câmara dentro da cota de despesas do dia a dia do mandato como passagens aéreas, consultoria e divulgação parlamentar.

O deputado Luciano Bivar disse que vai comprovar todo o serviço prestado por Marta Lemos, que ela tem uma condição financeira frágil, que caiu numa cilada quando aceitou vender notas frias e que por isso será demitida. O Jornal Nacional não conseguiu contato com Marta Lemos nem com Giselle Miller do Amaral.

Facebook Comments
Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *