Arquivo diários:08/07/2020

Primando por Parnamirim: Maurício e Kátia Pires

Independentemente, Kátia Pires é dona do seu nariz e confirma possibilidade de ser vice de Maurício

O soldado Vasco informou ao Blog do Primo que existe uma longa conversa entre o ex-prefeito Maurício Marques com a vereadora Kátia Pires.
Maurício e Kátia estão conversando acertando os ponteiros visando a possibilidade da vereadora ser candidata à vice-prefeita.
Segundo especialistas da política de Parnamirim, caso está chapa seja concretizada é o começo do fim do reinado do atual prefeito Rosano Taveira..

Kátia além de mulher, tem um forte prestígio eleitoral em Nova Parnamirim é um partido muito bem estruturado.
Consultada pelo Blog do Primo, a vereadora Kátia Pires disse que política é a arte da conversa e do entendimento visando o bem comum do povo.

Vítimas da Covid-19 no RN chega a 1.322

O número de pessoas mortas é equivalente a 5 desastres aéreos de aviões de grande porte tipo   Airbus A350
Cinco aviões com 300 passageiros

 A Secretaria de Estado e Saúde Pública-Sesap- atualizou os números do Coronavírus no Rio Grande do Norte nesta quarta-feira (08). Os casos confirmados chegam a 36.493. Em comparação ao boletim dessa terça (35.820), 673 registros a mais.

O total de vítimas da Covid-19 no RN chega a 1.322, sendo 31 confirmados de acordo com resultados de exames laboratoriais ao decorrer dos últimos dias, sendo cinco desse total nas últimas 24 horas. Óbitos em investigação são 191.

Os casos suspeitos são 50.065. Descartados somam 57.707. O número de recuperados, até então computado em 2.904 desde os últimos dias, não teve atualização.

Bolsonaro continua fazendo propaganda da hidroxicloroquina

Foto: Reprodução

O presidente Jair Bolsonaro voltou a defender o uso da hidroxicloroquina no tratamento de pacientes que, como ele, estão com Covid-19.

“Aos que torcem contra a hidroxicloroquina, mas não apresentam alternativas, lamento informar que estou muito bem com seu uso e, com a graça de Deus, viverei ainda por muito tempo”, tuitou.

Segundo Bolsonaro, “todas as medidas de isolamento adotadas por governadores e prefeitos sempre visaram [a] retardar o contágio, enquanto os hospitais se preparavam para receber respiradores e leitos [de] UTIs”.

Ele escreveu ainda:

“Nenhum país do mundo fez como o Brasil. Preservamos vidas e empregos sem propagar o pânico, que também leva a depressão e mortes. Sempre disse que o combate ao vírus não poderia ter um efeito colateral pior que o próprio vírus.”

O Antagonista

‘Ele colocou em risco outras pessoas’, avalia infectologista após Bolsonaro testar positivo para covid-19

Infectologista Roberto Focaccia critica medidas de Bolsonaro e afirma que exemplo do presidente é prejudicial para a população.
Vinicius Lemos – Da BBC News Brasil em São Paulo

Nos últimos dias, o presidente Jair Bolsonaro participou de uma live com outras seis pessoas, foi a um encontro com empresários e esteve em um almoço em Brasília. Durante esses compromissos, que foram alguns dos diversos que teve recentemente, Bolsonaro estava sem máscara e não respeitou o distanciamento social, medidas recomendadas por autoridades médicas para evitar a propagação do novo coronavírus.
O infectologista Roberto Focaccia, professor livre docente pela Universidade de São Paulo (USP), afirma que o presidente contraiu o novo coronavírus como consequência das atitudes que tem adotado desde o início da pandemia.

 

Fundador da Ricardo Eletro é preso acusado de fraudes fiscais


O empresário Ricardo Nunes, fundador e ex-principal acionista da rede varejista Ricardo Eletro, foi preso em São Paulo na manhã desta quarta-feira em operação de combate à sonegação fiscal e lavagem de dinheiro em Minas Gerais.

O trabalho é uma força-tarefa do Ministério Público de Minas Gerais, Receita Estadual e pela Polícia Civil. A operação recebeu o nome de “Direto com o Dono”.

A filha de Ricardo e seu irmão foram presos na Região Metropolitana de Belo Horizonte: a filha de Ricardo, Laura Nunes, e o irmão dele, Rodrigo Nunes. Além dos mandados de prisão, a operação cumpre outros 14 de busca e apreensão – em São Paulo e Minas

Primando por Natal: Carlos Eduardo Alves também quer indicar o vice-prefeito de Álvaro Dias

Prefeito Álvaro Dias deixou Carlos Eduardo Alves com cara de paisagem

Depois de fazer biquinho querendo garrotear o prefeito Álvaro Dias, o ex-prefeito Carlos Eduardo Alves, vencido pela grande popularidade e aprovação do atual prefeito, quer agora indicar o candidato a vice-prefeito.
Na verdade, segundo o soldado Vasco, Carlos Alves não quer indicar um candidato, ele quer indicar uma candidata, trata-se de uma indicação familiar, como sempre fez os Alves. Fonte do Blog do Primo informou que Carlos Alves quer indicar uma prima da sua esposa Andrea Ramalho. A indicada é Aila Cortez Pereira, filha do saudoso ex-governador Cortez Pereira.
Aila Pereira teve uma exitosa passagem na gestão de Alves quando ocupou à Secretaria de Tributação e PROCON Municipal.

O prefeito Álvaro Dias terá que ser muito habilidoso para compor sua chapa, muitas correntes querem indicar o nome.. Até candidato declarado com seu celular já mandou sondar Álvaro sobre a possibilidade de uma composição.. Uma coisa é certa, os resultados positivos da gestão Álvaro Dias está falando a oposição.

Bolsonaro fez ‘comercial de margarina’ com hidroxicloroquina, diz bióloga


Do UOL, em São Paulo

A bióloga Natalia Pasternak, doutora em microbiologia pela Universidade de São Paulo (USP), disse hoje que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) fez algo semelhante a um “comercial de margarina”, quando publicou um vídeo no qual toma um comprimido de hidroxicloroquina — substância que não tem eficácia comprovada no tratamento para o novo coronavírus.

A especialista ainda alertou que o chefe do Executivo deveria ter cuidado com o medicamento, que pode causar complicações cardíacas a idosos como ele (de 65 anos).

“É muito variável como a doença se comporta em diferentes pessoas. (…) O que dá para dizer com certeza é que a hidroxicloroquina que ele tomou em público, como se fosse em um comercial de margarina, não vai fazer diferença. A cloroquina não tem nada a ver. Nós já temos dados suficientes para saber que a cloroquina não tem benefício no tratamento dessa doença. Mas sabemos que ela traz certo risco cardíaco, que, na idade do presidente, não deveria ser negligenciado. Então vamos torcer para pelo menos a cloroquina não fazer mal para ele”, disse à GloboNews.

Pasternak manifestou outra preocupação relacionada ao fato de que Bolsonaro tomou hidroxicloroquina diante de uma câmera e publicou o vídeo na internet: a doutora acredita que a cena pode ser exemplo negativo para os cidadãos, que veriam no presidente da República um incentivo para a automedicação.

Além disso, alertou que a maior parte da população não teria monitoramento médico em caso de arritmia cardíaca ou outros efeitos colaterais da cloroquina.

“A live do presidente tomando a cloroquina, apesar de não ter comprovação médica, pode ser um convite à automedicação. As pessoas veem o presidente tomando e dizendo que está se sentindo bem e podem querer se automedicar. Isso é muito perigoso. Nem todo mundo tem atendimento médico tão acessível quanto o presidente ou pode fazer um eletrocardiograma de prevenção… Como, aliás, o presidente deveria fazer, porque é idoso e está tomando cloroquina. É bastante preocupante”, afirmou.

“Surpresa” com Bolsonaro

A doutora em microbiologia opinou que é uma “surpresa” que Bolsonaro tenha sido tão “transparente” sobre o resultado positivo de seu teste da covid-19. Quando a epidemia começou a crescer no Brasil, o presidente fez jogo duro e demorou para revelar seus exames da doença causada pelo novo coronavírus — que, na época, foram expostos como “negativos”.

“Em relação à pergunta da transparência, foi uma surpresa mesmo. Da outra vez, fez-se tanto suspense em relação ao exame, e desta vez o exame veio rapidamente. E seguido das declarações sobre o tratamento com hidroxicloroquina. O presidente é uma figura pública. Seria de bom tom, apesar de não ser obrigatório, ele compartilhar com a população quais foram as recomendações dos médicos. A gente vai ter de se contentar com a declaração dele de que está tomando a hidroxicloroquina como se servisse para alguma coisa”, lamentou Pasternak.

Ministro do STF afrouxou diante do general

O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), considerou “insólito e inadmissível” o comentário do ministro do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, Augusto Heleno, sobre eventual apreensão judicial do celular do presidente Jair Bolsonaro. Em 22 de maio, Heleno postou no Twitter que o pedido de apreensão do aparelho telefônico de Bolsonaro era “inconcebível”, “afronta ao Executivo” e “interferência inadmissível”do Judiciário. Em decisão tomada nesta terça-feira, Celso de Mello afirmou que a declaração ameaçava a ordem constitucional.

“O pronunciamento (…) veiculou declaração impregnada de insólito (e inadmissível) conteúdo admonitório claramente infringente do princípio da separação de poderes”, escreveu Celso de Mello, chamando o conteúdo da nota de “inacreditável e inconcebível”. Ainda segundo o ministro, “em um contexto de grave crise política, econômica, social e sanitária, podem, algumas vezes, insinuar-se pronunciamentos ou registrar-se movimentos que parecem prenunciar ensaios de retomada, absolutamente inadmissíveis, de práticas estranhas (e lesivas) à ordem constitucional, típicas de um pretorianismo que cumpre repelir”.

O ministro considerou o comportamento de Heleno “inaceitável”. Segundo Celso de Mello, “o respeito indeclinável à Constituição e às leis da República representam limite inultrapassável a que se devem submeter os agentes do Estado, qualquer que seja o estamento a que pertençam, eis que, no contexto do constitucionalismo democrático e republicano”. E completou: “ninguém, absolutamente ninguém, não importando que se trate de cidadão ou de agente público, tem legitimidade para transgredir e vilipendiar a autoridade do ordenamento jurídico do Estado”.

Na nota publicada no Twitter, Heleno também se referiu ao pedido de apreensão do celular de Bolsonaro como “tentativa de comprometer a harmonia entre os poderes, com consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional”. Apesar de ter considerado grave o comentário, Celso de Mello arquivou a notícia-crime ajuizada no STF por um grupo de parlamentares contra Heleno por crime de responsabilidade e crimes contra a segurança nacional.

O ministro do Supremo explicou que o procurador-geral da República, Augusto Aras, informou ao tribunal que já tinha instaurado procedimento para averiguação preliminar dos fatos. “Ao assim proceder, o Excelentíssimo Senhor Procurador-Geral da República mostrou-se absolutamente fiel ao dogma republicano que consagra o postulado de que todos, cidadãos e autoridades, são passíveis, em tese, de responsabilização no âmbito do Estado Democrático de Direito”, escreveu Celso de Mello. O ministro do Supremo explicou que a condução do caso é exclusividade do Ministério Público – e, portanto, o STF não teria como atuar nesse momento processual.

O GLOBO

Sales diz que está sendo queimado pelos militares

O ministro Ricardo Salles tem dito a aliados que vem sendo “queimado” pela ala militar do governo. O chefe da pasta do Meio Ambiente afirmou que, para ele, a intenção do grupo é colocar alguém de sua confiança no cargo.

Como a coluna informou, Salles confidenciou a interlocutores que sentia certo “cansaço” do ministério do Meio Ambiente e que gostaria de mudar de área dentro do governo.

O presidente Jair Bolsonaro foi aconselhado a afastar Salles e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo. Depois que a notícia veio à tona, integrantes do governo e os filhos do presidente publicaram mensagens elogiosas a Salles e afirmaram que ele permanece na Esplanada.

BELA MEGALE – O GLOBO