Arquivo diários:08/10/2020

Primando pelo Voto: confira os famosos que se candidataram a cargos políticos nas Eleições 2020

WhatsApp Image 2020 10 08 at 17.41.45 - Confira os famosos que se candidataram a cargos políticos nas Eleições 2020

As Eleições 2020 se aproximam. Os cidadãos vão escolher seus vereadores e prefeitos no dia 15 de novembro, entre às 7h e 17h. Este ano, como geralmente acontece, vários famosos vão tentar a carreira política. Na lista de candidatos, há nomes de celebridades como Thammy Miranda, Diego Hypólito, entre outros. Confira abaixo alguns famosos que vão tentar uma vaguinha no Legislativo municipal:

Jonathan Couto: Integrante da polêmica família Poncio, Jonathan Couto concorre a uma cadeira de vereador na capital do Rio de Janeiro pelo MDB. Para quem não se lembra, Jonathan é casado com Sarah Poncio. Ele teve uma filha, Madah, com Letícia Almeida, que era namorada de Saulo Poncio, seu cunhado e irmão de Sarah. Inicialmente, acreditou-se que Madah era filha de Saulo, mas testes de DNA comprovaram que Jonathan é o pai.

Kid Bengala: Clóvis Basílio dos Santos, conhecido como Kid Bengala por conta de sua atuação em filmes da indústria pornográfica, concorre a uma vaga de vereador em São Paulo. Em sua campanha, o ator pornô garante ser “pau pra toda obra”.

Dr. Marcos Harter: Depois de uma passagem conturbada pelo “Big Brother Brasil”, reality show do qual foi expulso por agredir a participante Emily Araújo, o médico Marcos Harter tenta ganhar o voto popular novamente, dessa vez não em um reality show mas sim como vereador pela cidade de Bonito, no Mato Grosso.

Renata Banhara: Ex-participante de “A Fazenda”, Renata Banhara tenta uma vaga de vereadora na cidade de São Paulo.

Mionzinho: Victor Coelho, mais conhecido como Mionzinho, uma versão em miniatura do apresentador Marcos Mion, tenta uma vaga na Câmara de São Paulo pelo Partido Novo.

‘Pedala, Robinho’: Nestor Bertolino Neto, o anão que viveu o personagem “Pedala, Robinho” no “Pânico na TV”, é candidato a vereador em São Paulo.
Jogadores de futebol: Marcelinho Carioca, ex-jogador do Corinthians; Dinei, ex-atleta do mesmo clube; e Ademir da Guia, ex-Palmeiras, são candidatos a vereador em São Paulo.
Diego Hypólito: O atleta da ginástica olímpica Diego Hypólito também tenta uma vaga de vereador em São Paulo pelo PSB.

Thammy Miranda: O ator Thammy Miranda, filho da cantora Gretchen, concorre a uma vaga de vereador pelo PL, em São Paulo.

FEMINICÍDIO: uma mulher é morta a cada 9 horas no Brasil durante a pandemia, aponta estudo


O Instituto AzMina em parceria com outras seis mídias independentes lançou nesta quinta-feira(8), um levantamento chamado “Um vírus e duas guerras” , para mostrar os efeitos que a pandemia e consequentemente o isolamento social tiveram na questão da violência doméstica.
Foram analisados dados de 19 estados e do Distrito Federal (7 estados não responderam aos pedidos de informação), que representam 94% da população feminina no Brasil. Ao todo, foram 497 feminicídios registrados de março a agosto.

São Paulo, com 79 mortes, Minas Gerais, 64, e Bahia, com 49, foram os estados com os maiores números de assasinatos no país. Foi registrada queda de 6% nas mortes em comparação ao mesmo período de 2019.

Apesar da queda, Helena Bertho , diretora do Instituto AzMina pondera e faz um alerta: Isoladas dentro de suas casas, as mulheres continuam ou estão ainda mais expostas à violência. Apesar dos dados oficiais indicarem queda no número de casos, muitos especialistas alertam para a subnotificação, que, estima-se, seja ainda maior em meio à pandemia, pela dificuldade de comunicação. Além disto, em alguns casos é difícil obter os dados de órgãos oficiais”.

Das 20 unidades federativas analisadas, 12 tiveram redução nos casos, sendo o Distrito Federal a ter maior queda percentual, de 56%. O Rio Grande do Sul foi o estado que teve a maior queda em números abolutos, registrando 18 mortes a menos em relação ao ano passado.

No outro lado, o Pará foi o estado com maior aumento, tendo 15 feminicídios registrados a mais em comparação com 2019. Outro estado em alerta é o Mato Grosso , lugar onde proporcionalmente mais mulheres foram mortas desde o início da pandemia, em março, com uma taxa de 1,72 por 100 mil mulheres, muito acima da média nacional, de 0,56.

O Instituto e seus parceiros continuarão com a coleta de dados até o final do ano para fazerem mais levantamentos sobre os crimes que vem sendo cometidos, sendo essa uma forma de combater os crimes de ódio contra mulheres.

Bolsonaro mandou Rogério Marinho fechar o bico

Em aval a Guedes, Bolsonaro manda ministros falarem apenas de temas de suas pastas
Decisão foi celebrada pela equipe econômica, porque Marinho ficaria impedido de se pronunciar sobre programa social ou teto de gastos
Bernardo Caram Gustavo Uribe
Thiago Resende
BRASÍLIA
Rogério tentou várias vezes ingressar no PC do B, mas foi vetado. Diante do veto ele ingressou no PDT de Brizola e depois no PSB do esquerdista nordestino Miguel Arraes. Agora é o maior conselheiro da extrema direita no Brasil. 

Em reunião do conselho de governo nesta quinta-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) determinou que, a partir de agora, cada ministro fale apenas sobre temas diretamente relacionados à sua respectiva pasta. Foi mais um gesto de apoio ao ministro Paulo Guedes (Economia).

Com a decisão, segundo relatos feitos à Folha, o ministro Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) não teria mais autorização para se pronunciar sobre a formulação de programas sociais, o cumprimento do teto de gastos ou qualquer outra ação ligada ao Ministério da Economia.

A ordem foi celebrada nos bastidores por membros da equipe econômica, que vinham tendo uma série de atritos com o ministro do Desenvolvimento.

A reunião desta quinta-feira, no Palácio do Planalto, teve foco no alinhamento da equipe após briga pública entre Guedes e Marinho.

Os dois já vinham trocando farpas nos bastidores por discordarem em relação à estratégia de retomada da economia após a pandemia do novo coronavírus. O ministro do Desenvolvimento defende uma ampliação dos gastos públicos com obras, enquanto chefe da Economia quer focar na retomada da atividade por meio de investimentos privados.

Na última semana, a disputa veio a público. Em encontro com analistas e investidores na sexta-feira (2), Marinho disse que Guedes é fraco em temas de microeconomia e ressaltou que o novo programa social do governo vai sair “da melhor maneira ou da pior”.

Marinho afirmou que as declarações foram distorcidas, mas isso não foi suficiente evitar um desgaste dentro do governo.

No mesmo dia, perguntado sobre as declarações, o ministro da Economia chamou o colega de despreparado, desleal e fura-teto, em referência a uma suposta tentativa de desrespeitar a regra do teto de gastos, que limita as despesas do governo à variação da inflação.

No domingo (4), a Folha antecipou a intenção do presidente de repreender Marinho por causa das críticas feitas a Guedes.

Na segunda-feira (5), Bolsonaro chamou Marinho no Palácio da Alvorada. Segundo relatos de assessores palacianos, o presidente condenou a atitude do ministro e pediu que, pelo menos no curto prazo, ele evite conceder entrevistas ou fazer declarações públicas.

O recado foi reafirmado na reunião ministerial. O presidente deixou claro que trocas públicas de críticas entre integrantes de sua equipe não serão admitidas.​

No Palácio do Planalto, apesar de haver uma resistência a Guedes na cúpula militar, a postura de Marinho foi classificada como um gesto descabido e de traição do ministro à equipe do presidente.

Apesar da insatisfação, Bolsonaro disse que não pretende trocar nem Guedes nem Marinho, mas ressaltou que a disputa entre os dois precisa ser superada.​

Conheça a trajetória do auxílio emergencial, Renda Brasil e Renda Cidadã
Contra pandemia, governo Bolsonaro decidiu em março distribuir R$ 200 para trabalhadores informais
No período, o presidente viu a avaliação de seu governo melhorar. Segundo o Datafolha de agosto, a rejeição a Bolsonaro caiu de 52% para 35% na região Nordeste, na qual mantinha a pior avaliação: 33% de ótimo e bom, subida de seis pontos em relação a junho. A correlação com a distribuição do auxílio de R$ 600 é sugerida, ainda que não direta Em junho o ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou a deputados federais que o governo lançaria o programa Renda Brasil para substituir o Bolsa Família logo após o fim da pandemia do novo coronavírus.
A irritação de Guedes com Marinho já havia se intensificado antes da briga pública. Na busca por saídas para o novo programa social do governo, o ministro da Economia disse a interlocutores que Marinho havia sugerido furar o teto de gastos em R$ 70 bilhões.

Nesse momento, Guedes teria determinado uma força-tarefa para vasculhar o Orçamento em busca de recursos, na tentativa de evitar a burla à regra fiscal.

Foi nessa busca, segundo auxiliares do ministro, que teria surgido a ideia de reavaliar gastos com precatórios, dívidas do governo reconhecidas pela Justiça.

O novo programa social chegou a ser anunciado com fonte de custeio diretamente ligada à limitação dos precatórios, o que não estava nos planos da Economia. Após forte reação negativa do mercado e críticas de especialistas e parlamentares, o governo recuou e agora busca novas fontes para bancar o programa.

Marinho, segundo integrantes do governo, se irritou com a atitude de Guedes em meio à polêmica sobre a paternidade da proposta de travar o pagamento de precatórios, o que foi considerado pelo mercado financeiro como um calote.

Guedes e o relator do Orçamento, senador Márcio Bittar (MDB-AC) se desentendiam sobre de onde surgiu a ideia. Marinho, que tem forte ligação com o Congresso, chegou a afirmar que a sugestão partiu do ministro da Economia, cuja equipe transferia a paternidade a Bittar.

Após a confusão, Guedes reconheceu que a ideia de usar os precatórios foi “um vírus que vazou do laboratório da Economia”, mas ponderou que a finalidade da proposta acabou desvirtuada.

Na sexta (2), Marinho, em nota, disse que “não foram feitas desqualificações ou adjetivações de qualquer natureza contra agentes públicos, nem tampouco às propostas já apresentadas”.

‘Diabão’ ataca Roberto Jefferson por expulsão do PTB: ‘Foi preconceito’

João Conrado Kneipp

Michel Prado, o “Diabão da Praia Grande”, acusou o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, de ter provocado sua expulsão da legenda motivado por preconceito devido sua aparência. Prado é candidato a vereador pelo PTB na Praia Grande, município no litoral de São Paulo, e se diz injustiçado.
“Estou sendo injustiçado, estou sofrendo preconceito de alguém que não tem envergadura moral alguma para me acusar de nada. No meu tornozelo nunca teve nenhuma tornozeleira eletrônica, independemente da minha imagem ou aparência”, afirmou Michel Prado, ao Yahoo! Notícias.

Tatuador, Michel Prado e a esposa, Carol Prado, conhecida como “Mulher Demônia”, ganharam repercussão recentemente na mídia devido às tatuagens e modificações corporais que ostentam. Ele tem 85% do corpo coberto por tatuagens, chifres implantados, pigmentação nos olhos, dentes alongados e removeu partes das orelhas e do nariz.

Filiado ao PTB em 2020 para disputar as eleições municipais, Prado usa o nome “Diabão Praddo” em seus santinhos virtuais. Na foto do registro da candidatura no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), a mesma que constará na urna no momento da votação, Michel Prado aparece usando o implante dos chifres e com as modificações corporais que realizou.
A notícia da expulsão veio pelo Cartório Eleitoral da Praia Grande, que recebeu na segunda-feira (5) uma petição do diretório estadual do PTB de São Paulo para cancelar o registro de candidatura de “Diabão Praddo”. No documento, o PTB/SP afirma que a expulsão foi uma “determinação da Comissão Executiva Nacional do PTB”.

‘PRECONCEITO DE ROBERTO JEFFERSON’, DIZ DIABÃO

Prado afirma não ter recebido notificação do diretório estadual do PTB de sua expulsão ou de qualquer processo contra ele. “Alegaram que eu não infringi regras do partido, mas não tive chance de defesa do partido. Tomaram essa decisão e me expulsaram sem que eu pudesse sequer me defender”, lamentou ele.

Ele acusa Roberto Jefferson de estar por trás dessa decisão de sua expulsão, alegando inclusive ter áudios nos quais o presidente nacional do PTB se manifesta contra sua candidatura. “Tenho áudios dele em que ele fala contra minha imagem, minha fisionomia. Ele falou até em acabar com o PTB na Praia Grande, em não mandar mais verbas para cá por minha causa”.

O advogado de “Diabão Praddo”, Fábio Motta, afirmou que foi criada uma ata notarial em cartório contendo a transcrição de quatro áudios que teriam chegado a Prado por meio de terceiros. Questionado se o documento atribuía os áudios a Roberto Jefferson, Motta afirmou que o nome do presidente nacional não consta no documento.

O defensor afirmou que a transcrição dos áudios será utilizada como prova junto ao TRE-SP (Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo) para impedir que candidatura seja suspensa.

“Registramos o teor dos áudios e demonstramos o caminho, a origem de quem veio, de quem partiu a ordem. (…) Ele não foi intimado a se defender, a dar explicações ou algo assim. Foi uma decisão unilateral e arbitrária do partido expulsá-lo. Se o partido entende que ele cometeu irregularidade, que instaure processo com defesa e que julgue”, explica o advogado.

Sem decisão judicial até o momento, a candidatura de “Diabão Praddo” segue válida.

PTB MUNICIPAL SE DIZ SURPRESO

O presidente municipal do PTB na Praia Grande, vereador Carlos Eduardo Barbosa, afirmou que a alegação do diretório estadual é de que Prado teria descumprido o inciso VIII do Artigo 113 do estatuto nacional do PTB. O trecho determina a expulsão do filiado que “recusar o cumprimento da orientação política defendida pelo partido ou faltar-lhe com a colaboração solicitada”.

Cadu Barbosa, como é conhecido o presidente do PTB da Praia Grande, confirmou que não foi notificado anteriormente de nenhum processo contra Michel Prado e defende a manutenção da candidatura do “Diabão”.

“Fomos surpreendidos da mesma forma que ele foi. Eu que convidei Michel para disputar eleição, para ser candidato. O Michel está com toda documentação regular e não existe motivo nenhum para expulsá-lo. Acreditamos que podemos reverter essa decisão”, afirmou Cadu Barbosa.

Primando pelo voto: candidata à vereadora exibe foto pelada em grupo de Whatsapp e pede votos

candidata - MANDOU NUDES: Candidata à vereadora exibe foto pelada em grupo de Whatsapp e pede votos

Ao justificar, ela disse tinha sido um “um escorregão, um deslize”, mas que “não tem problema nenhum”. Samara garante que o marido não ficou com raiva e disse que “o que é bonito é para se mostrar”.

Samara concluiu: “A foto está aí, quem quiser votar em mim, eu faço é agradecer, e arrumar uns votinhos para mim. Eu acho que eu vou mandar é mais fotos peladas”.

PF investiga participação de funcionários do Porto de Natal (RN) no tráfico de drogas

Segundo reportagem da Tribuna doNorte, a Polícia Federal desconfia da participação de funcionários do Portode Natal (RN) no grande esquema de tráfico internacional de drogas. Natal virou rota de exportação de cocaína para a Europa.

Segundo a reportagem, há pelo menos 11 meses a droga entra com facilidade no porto e era colocada no pátio de cargas e descargas, e dentro do porto ela seria descarregada para contêineres previamente marcados pela organização criminosa e eram usados lacres clonados

Desembargador/corregedor Cláudio Santos afirma que a Justiça Eleitoral não irá tolerar excessos nas Eleições no RN


“A Justiça Eleitoral irá aplicar com dureza a lei e nós vamos ter eleições tranquilas no Rio Grande do Norte. Esperamos a colaboração dos políticos e de todas as pessoas envolvidas para que a manifestação do cidadão possa se realizar com tranquilidade”, afirmou o Corregedor Regional Eleitoral, Desembargador Claudio Santos, em reunião realizada na tarde de hoje (07), no prédio-sede do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RN), com o objetivo de tratar de graves incidentes de violência ocorridos em manifestações políticas no município de Pedro Velho. O corregedor enfatizou que “a Justiça não vai tolerar nenhum excesso”.

Para discutir o assunto, o Corregedor reuniu-se com o Procurador Eleitoral, Ronaldo Chaves, a juíza da 11ª Zona Eleitoral, Daniela Cosmo; o secretário de Segurança Pública do Rio Grande do Norte, Coronel Araújo; o comandante da Polícia Militar, Coronel Alarico; o diretor da Polícia Civil no interior, Delegado Inácio Rodrigues e representantes da comarca de Pedro Velho, a juíza Deonita Antunes e o promotor Clayton Barreto.

Na ocasião, o Desembargador Cláudio Santos falou sobre a preocupação da Justiça Eleitoral com o fato ocorrido em Pedro Velho. “Trouxemos as forças da Justiça, Ministério Público e da Polícia para que nós possamos refrear esse fato de maneira exemplar, didática e pedagógica para que outros casos violentos não possam acontecer durante as eleições”, enfatizou o Corregedor Eleitoral.

A juíza Deonita Antunes manifestou preocupação com atos locais de violência e disse que a reunião era um momento muito importante para garantir que o direito do cidadão seja garantido, no que diz respeito à manifestação e ao voto. Em Pedro Velho, ocorreram duas mortes durante atos de campanha, na última segunda (05), que estão sendo investigadas pela polícia.

O Procurador Regional Eleitoral, Ronaldo Chaves, afirmou que irá publicar uma recomendação para que os partidos políticos comuniquem às forças de segurança a realização de eventos. “Os promotores vão recomendar novamente aos partidos e candidatos para que se faça uma comunicação prévia às forças de segurança, como determina a Legislação Eleitoral, sobre a realização de eventos, como comícios, carreatas e passeatas. A partir disso, a Polícia Rodoviária Federal ou a Polícia Militar podem organizar e ordenar o trânsito e a segurança da população”, disse.

Durante a reunião, o Desembargador Cláudio Santos orientou que houvesse um reforço das ações policiais antes de qualquer evento político. O secretário de Segurança Pública, Coronel Araújo, falou sobre a ajuda que os partidos políticos podem dar às forças de segurança e como a polícia irá reforçar as ações. “Os partidos políticos têm que cumprir a lei eleitoral e comunicar de forma prévia às forças de segurança pública, quando for realizar algum evento”, disse, acrescentando que o “reforço policial são operações antes de qualquer evento político justamente se encontrar alguém portando arma de fogo, essas pessoas serão conduzidas à delegacia”, conclui.

Primando por Natal : Álvaro Dias vai de live pra debate, liderança em pesquisa e Ivermectina

O prefeito de Natal (RN) e candidato à reeleição Álvaro Dias já anunciou que não sairá às ruas pedindo votos nem fará qualquer movimentação política em público para não aglomerar. Respaldado na credibilidade do Comitê Científico que preside e no sucesso do uso da Ivermectina, prevendo uma segunda onda de contaminação na Capital do Estado, ele quer restringir  a movimentação dos concorrentes em lugares públicos. Atua com inteligência.

Álvaro Dias vai pro debate através de “Lives”,respondendo e debatendo com a população e deixando os concorrentes se babando. Não é à toa que que a pesquisa Ibope cravou 33% de preferência do eleitorado da Capital para renovar seu mandado deixando-o bem afastado dos outros com indicação de vitória do primeiro turno das eleições. Além do mais, a aprovação de sua gestão foi além dos 63%. São dados consideráveis.

Bolsonaro faz doação irregular de R$ 10 mil em espécie ao filho Carlos Bolsonaro


O presidente Jair Bolsonaro doou R$ 10.000 em espécie à campanha do filho, Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). O valor supera o limite diário de R$ 1.064,10 estabelecido pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). O candidato nega as irregularidades.

De acordo com o site de prestação de contas do tribunal, a doação foi efetuada na última 6ª feira (2.out.2020). A Secretaria de Comunicação da Presidência da República declarou que não comentará o caso.

Carlos Bolsonaro tenta a reeleição a vereador da capital fluminense. A candidatura ainda não foi homologada.

TSE (Tribunal Superior Eleitoral) determina que “todas as doações de valor igual ou superior a R$ 1.064,10 somente poderão ser realizadas mediante transferência eletrônica entre as contas do doador e do candidato, ou ainda por meio de cheque cruzado e nominal”. 

Pelo Twitter, Carlos Bolsonaro explicou a situação. Segundo ele, houve 1 erro na hora de registrar a doação no sistema da Justiça Eleitoral. Ele afirmou que tudo será resolvido em breve.

Vacinas são patrimônios da humanidade e devem ser sempre criadas para o bem comum, não apenas para o sucesso financeiro de um país específico, diz Papa

Foto: reprodução

O papa Francisco voltou a cobrar nesta quarta-feira (07/10) que as vacinas devem ser sempre criadas para o bem comum e não apenas para o sucesso financeiro de um país específico.

Em uma entrevista publicada pelo site Vatican News, o pontífice disse que a saúde é um “bem comum” e que nenhum laboratório pode ser proprietário de uma possível vacina contra o novo coronavírus.

“A vacina não pode ser propriedade do laboratório que a encontrou ou de um grupo de países aliados só por isso. A vacina é um patrimônio da humanidade, de toda a humanidade, é universal porque a saúde é um bem comum, como nos ensina a pandemia [do novo coronavírus]. É um patrimônio comum, pertence ao bem comum e esse deveria ser o critério”, disse o líder católico.

Ao falar sobre a pandemia, Francisco voltou a dizer que a humanidade “não vai sair como antes” da crise sanitária e econômica, ressaltando que “ou vamos sair melhores ou piores”.

“A maneira com que sairemos disso depende das decisões que tomamos durante toda a crise”, acrescentou.

Essa não é a primeira vez que o pontífice se manifesta sobre a vacina anti covid-19 e sua posterior distribuição. Em agosto, o religioso afirmou que “seria triste” se a imunização fosse primeiro para os ricos e não para os mais vulneráveis. Cerca de um mês depois, o líder católico alertou para o “surgimento de interesses particulares […] para se apropriar de possíveis soluções, como no caso das vacinas, para depois vendê-las aos outros”.

O Papa também foi questionado sobre a realização das celebrações e audiências religiosas sem a presença do público por conta da segurança dos fiéis, no ápice da pandemia.

“Foi como falar com fantasmas. Mas, compensei essa ausência física com o telefone e com as cartas. Isso me ajudou muito a medir sobre como as famílias e as comunidades estavam vivendo”, disse ainda.

UOL com informações da ANSA