Arquivo diários:25/10/2020

Presidente Bolsonaro felicita vitória da esquerda na Bolívia

Luis Arce

RICARDO DELLA COLETTA
O presidente  Jair Bolsonaro felicitou a vitória de Luis Arce nas eleições presidenciais bolivianas na noite desta sexta (23), tornando-se o último país entre os que fazem fronteira com a nação andina a parabenizar o novo líder boliviano.
Ex-ministro de Evo Morales, Arce comandou a volta do MAS (Movimento ao Socialismo) ao poder na Bolívia, em um resultado eleitoral que incomodou o Palácio do Planalto.
O Tribunal Supremo Eleitoral da Bolívia chancelou oficialmente nesta sexta-feira (23) a vitória de Arce nas eleições realizadas no último domingo (18). Com 55,2% dos votos, o aliado de Evo Morales conquistou a Presidência já no primeiro turno, derrotando o ex-presidente Carlos Mesa, de centro-esquerda, que obteve 28,9%.

Em nota, o Itamaraty felicitou o resultado eleitoral e saudou “as forças políticas do país pelo respeito à vontade popular expressa nas urnas”.

“O governo brasileiro afirma sua disposição de trabalhar com as novas autoridades bolivianas com vistas à implementação de iniciativas de interesse comum e no âmbito dos laços de amizade, vizinhança e de cooperação que unem os dois países e seus povos”, disse a chancelaria.

Apesar da nota, o Brasil foi o último país entre os vizinhos da Bolívia a fazer o gesto a Arce. Argentina, Peru, Paraguai e até mesmo o Chile –que não tem relações diplomáticas com a Bolívia –parabenizaram Arce dias atrás, depois que institutos de pesquisa e até mesmo opositores já reconheciam a vitória do MAS.

O Itamaraty não havia se manifestado sobre o assunto, mas internamente interlocutores diziam que a hancelaria esperaria o resultado oficial.

A postura do Brasil diverge da adotada quando a atual presidente Jeanine Añez assumiu o poder. Em novembro de 2019, ela se autodeclarou presidente na esteira da crise sucessória aberta com a renúncia do de Evo.

Na ocasião, o Brasil foi um dos primeiros países a reconhecê-la como presidente legítima da Bolívia.

Na nota divulgada nesta sexta, o Itamaraty elogiou Añez e disse que seu governo teve uma atitude “democrática e construtiva”. Arce, por sua vez, considera que Añez não foi eleita de forma democrática.

A data da posse de Arce ainda será definida, mas deve ocorrer no início de novembro.

O MAS também conquistou a maioria nas duas Casas do Legislativo boliviano.

Além dos vizinhos da Bolívia, os latino-americanos Lenín Moreno, do Equador, Andrés Manuel Lopez Obrador, do México, e Luis Lacalle Pou (Uruguai) também parabenizaram o esquerdista.

O ditador venezuelano Nicolás Maduro, aliado de Evo Morales, publicou uma mensagem nas redes sociais comemorando a vitória do MAS.

Na Bolívia, adversários de Arce já haviam reconhecido a vitória após divulgação da pesquisa de boca de urna na madrugada de segunda (19). A sondagem previa 52,4% para o candidato do MAS, contra 31,5% de Mesa.

Bolsonaristas querem derrubar Amoêdo do NOVO

Uma ala bolsonarista dentro do Partido Novo se movimenta para tentartirar João Amoêdo da direção da legenda, que há tempos vem sofrendo abalos internos. Desde a eleição presidencial, o partido vem se “bolsonarizando” — o que incomoda Amoêdo, fundador e ex-presidente da sigla, além de seus aliados. Já existe, inclusive, um movimento para substituí-lo pelo governador Romeu Zema (MG), mais alinhado ao presidente Jair Bolsonaro.

As eleições municipais são vistas internamente como definidoras da bússola que o Novo deve seguir a partir de 2021. Se a ala bolsonarista eleger mais vereadores, a guinada será mais à direita e deve fortalecer Zema como o próximo presidenciável. O contrário beneficia Amôedo.

Mas o ex-presidente do Novo vem se isolando em seu próprio partido. No começo do ano, após Sergio Moro acusar Bolsonaro de interferência na Polícia Federal, Amoêdo defendeu a renúncia ou o impeachment do presidentee desagradou a alguns quadros.

As queixas se devem ao fato de que ele, que concorreu à presidência da República em 2018 e hoje não exerce mais funções administrativas na legenda, não quer “largar o osso”, segundo avaliação do grupo mais alinhado aos ideais de Bolsonaro.

Um integrante do partido, que pediu anonimato, afirmou que há insatisfação porque Amoêdo “não deixa os outros opinarem sobre nada nas redes sociais” e “criou um partido” para ele, sem ter a disposição de “tirá-lo das asas”.

Ao GLOBO, Amoêdo disse concordar que as eleições municipais podem mudar o rumo do Novo. Mas se disse confiante de que os diretórios vão saber manter o “DNA liberal” do partido. Ele criticou uma eventual candidatura de Zema à Presidência em 2022.

— Nesse caso, você não poderia, por exemplo, colocar o Zema como opositor ao Bolsonaro (em 2022), já que ele entende que o presidente está fazendo um bom governo. Para mim, seria incoerente — diz Amoêdo.

expulsão de Filipe Sabará, candidato à prefeitura de São Paulo, anteontem, voltou a chamar a atenção para as disputas internas.

Após ter defendido Bolsonaro e até o ex-prefeito Paulo Maluf, condenado por corrupção, Sabará foi expulso por unanimidade em processo na comissão de ética da sigla que apurou inconsistências em seu currículo. Mas correligionários afirmam que a legenda não se livraria dele se tivesse mantido uma postura mais alinhada ao partido.

O Novo também quis se livrar de um candidato a vereador em São Paulo, Marcelo Castro, depois que ele defendeu a descriminalização do tráfico de drogas. Apesar de dizer que permite o livre posicionamento, o partido virou alvo de críticas e preferiu suspender a filiação de Castro.

A bancada do Novo no Congresso Nacional simboliza essa força conservadora em ascensão. Os deputados votam com grande alinhamento ao governo. Marcel Van Hattem (RS) foi ao Twitter essa semana para criticar a opinião de Amoêdo favorável à obrigatoriedade da vacinação contra a Covid-19.

O GLOBO

Motoboy bate em dois em lanchonete de MG, e briga viraliza


O vídeo de uma briga em uma lanchonete viralizou nas redes sociais desde a última quinta-feira (22). Nas imagens registradas por câmeras de segurança, dois homens avançam contra o motoboy de uma lanchonete, que revida e bate nos rapazes dentro do estabelecimento.
O episódio ocorreu na noite de 12 de outubro, em Ouro Branco (MG). De acordo com a Polícia Militar, o homem que discutiu com o motoboy e aparece no vídeo usando uma regata preta é conhecido como Jackie Chan. A outra pessoa, de boné vermelho, não foi identificada.
Segundo boletim de ocorrência divulgado pelo G1, a PM foi chamada porque Jackie estava ameaçando todas as pessoas na lanchonete, com uma arma de fogo, após a cavalgada de Nossa Senhora Aparecida. Ele disse que mataria o motoboy e pediu que ele se afastasse de sua namorada.

Em depoimento, o motoboy disse ser casado e não conhecia Jackie Chan. Ainda perto da lanchonete, o suspeito atirou contra uma mulher, mas ela não foi atingida. Depois da luta, o suspeito entrou em um carro e deu quatro tiros em um automóvel estacionado na rua.

Os policiais perseguiram o veículo, que seguia na contramão, e deram ordem de parada. Jackie Chan não obedeceu, aumentou a velocidade e tentou atropelar um dos PMs. Eles atiraram no carro para que ele parasse e, mais uma vez, foram ignorados.

Quando desceu do carro, apresentou sintomas de embriaguez, com os punhos cerrados, e ameaçou agredir os militares. A PM precisou imobilizá-lo. Ele foi preso em flagrante por suspeita de dirigir embriagado e de tentativa homicídio.

Condenado por estupros, João de Deus está internado em estado grave, diz advogado

Colaboradores Yahoo Notícias

Condenado a mais de 60 anos de prisão, João Teixeira de Faria, conhecido como João de Deus, está internado no hospital Sírio Libanês de Brasília. Segundo seu advogado, o estado de saúde do idoso de 79 anos é considerado grave.

João de Deus cumpre prisão domiciliar desde abril, em função da pandemia de coronavírus, por pertencer ao grupo de risco de contágio da doença.
Ele foi atendido em um hospital de Anápolis (GO), onde passou por exames após sentir fortes dores no peito e muita fadiga, informou o advogado de defesa Anderson Van Gualberto. Depois, viajou até Brasília em uma UTI móvel.

“O que se sabe é que esse mal súbito está relacionado a problemas cardíacos e problemas gástricos. João está atualmente com 79 anos e 5 meses. Além dos problemas cardíacos, está fazendo tratamento de remissão do câncer que redundou na retirada de 60% do estômago”, disse Van Gualberto ao jornal O Globo.

João Teixeira de Faria foi condenado a mais de 60 anos de prisão por estupro de vulnerável, violação sexual mediante fraude e posse ilegal de armas de fogo, crimes que ele nega ter cometido.

Até a manhã deste sábado, nem o Ministério Público de Goiás nem o Tribunal de Justiça do estado haviam sido comunicados sobre a internação de João Teixeira, que usa tornozeleira eletrônica e, por determinação judicial, não pode deixar sua residência em Anápolis.

Rodrigo Maia diz que Salles “resolveu destruir o próprio governo”

Foto: O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).Agência CâmaraAgência Câmara

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), entrou na briga entre as alas militar e ideológica do governo. Depois de o ministro Ricardo Salles, do Meio Ambiente, chamar o ministro Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, de “Maria Fofoca”, Maia disse que  depois de acabar com o meio ambiente, Salles agora vai acabar com o próprio governo.
A fala de Salles, nesta sexta-feira (23), inaugurou uma série de ataques da ala mais radical do governo ao general Ramos, responsável pela articulação política do governo e pela aproximação com o Centrão.
O escritor Olavo de Carvalho, os deputados Filipe Barros (PSL-PR), Carla Zambelli (PSL-SP) e Bia Kicis (PSL-DF) e o empresário Otávio Fakhoury – os quatro últimos, investigados em inquérito das fake news – saíram em defesa de Salles na queda de braço contra Ramos. Filho do presidente, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) desejou “força” ao titular do Meio Ambiente. “O Brasil está contigo”, publicou.
“Não tente fingir que você é a honra viva das Forças Armadas. Você é apenas você mesmo e, cá entre nós, não acredito que isso seja grande coisa”, escreveu Olavo de Carvalho em comentário dirigido ao general Ramos. Filipe Barros compartilhou a mensagem de Salles, disse concordar 100% com ele e levantou a #ChegaDeMariaFofoca.

Fonte: Congresso em Foco