Arquivo diários:11/11/2020

Deu no Blog do Xerife notícias contra o delegado

Denúncia contra Sérgio Leocádio envolveu acusações de prática de violência, abuso de poder e ameaça com arma de fogo

Blog do Xerife Robson Pires
Hoje candidato a prefeito de Natal, Sérgio Leocádio (PSL) tem um histórico de processos por abuso de poder, cometidos quando exercia a função de delegado. Um deles foi instaurado pela Corregedoria da Secretaria Estadual de Segurança Pública e Defesa Social para apurar desvio disciplinar de Leocádio, a partir de denúncia. O ato foi publicado no Diário Oficial do Estado em 1º de junho de 2005.

Sérgio Leocádio foi acusado em 2005 de ter praticado violência física e moral contra Ednaldo Simplício Silva, inclusive com uso de arma de fogo. O caso envolveu o uso de um terreno cuja propriedade era atribuída a Leocádio e que era usado para estacionamento.

O então corregedor-geral da Sesed, Oswaldo Monte Filho, recebeu a denúncia e abriu o procedimento disciplinar contra o delegado e hoje candidato a prefeito. Os delegados Maria do Carmo Alves Macedo, Maria Iracema Gondim Lambert Moreira e Robson Celso Aranha foram designados pelo corregedor como integrantes da comissão responsável, para apurar o caso. A investigação foi encerrada em 2012, sem conclusão, apenas porque a denúncia havia prescrito.

Não é essa a primeira denúncia, que envolve Sérgio Leocádio. Nesta terça-feira (10), o blog do jornalista Dinarte Assunção trouxe à tona um outro episódio, ocorrido em 1998, em que Leocádio valeu-se do posto de delegado para ameaçar agentes da Polícia Rodoviária Federal na Paraíba e fugir da fiscalização de irregularidades verificadas pelos patrulheiros no veículo que o delegado potiguar conduzia.

A denúncia rendeu processo contra Leocádio na Justiça Federal da Paraíba, no início dos anos 90. O processo chegou a ser extinto condicionalmente, mediante acordo para que o atual representante do PSL na corrida pela Prefeitura de Natal cumprisse exigências da Justiça e escapasse da punição. Sérgio Leocádio cumpriu os termos do processo nos primeiros anos, mas depois foi denunciado por desrespeitá-los. Conseguiu ganhar nova oportunidade da Justiça Federal e a ação foi extinta em 2005.

Mais um: Petrobras anuncia reajustes nas refinarias de 6% para a gasolina e de 5% para o diesel

A Petrobras anunciou às distribuidoras que vai aumentar a partir da quinta-feira, 12, nas suas refinarias o preço da gasolina em 6% e do diesel (500 e S-10) em 5%. O diesel utilizado por navios terá alta de 5,2%, informou a estatal nesta quarta-feira, 11.

O aumento segue a valorização do preço do petróleo Brent no mercado internacional, que impulsionado por avanços nas pesquisas das vacinas contra o covid-19 vem subindo fortemente nos últimos dias, voltando a patamar próximo de US$ 45 o barril.

De acordo com a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom) o aumento do diesel será de R$ 0,0855 por litro e a gasolina de R$ 0,0947 por litro.

Aniversário de Wober Júnior

Quem for amigo do ex-deputado Wober Júnior pode enviar parabéns pelo seu natalício.
Em Brasília Wober comemora sua data com muitos amigos. Na próxima sexta-feira ele estará chegando em Natal para votar e comemorar seu aniversário com amigos.
As felicitações podem ser enviadas pelo WhatsApp 84 9647-1111.
O Blog do Primo felicita o amigo desejando muita saúde, paz e prosperidade.

Após Bolsonaro falar em “pólvora”, embaixador americano exalta força militar


Em São Paulo
O embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, publicou na noite desta terça-feira (10) uma mensagem congratulando o Corpo de Fuzileiros Navais americano pelo aniversário de 245 anos. O vídeo que acompanha a publicação relata que o destacamento é o “maior do mundo” e está “sempre de prontidão para responder de forma rápida, seja por terra, ar ou mar”.

A publicação de Chapman surgiu horas depois de o presidente Jair Bolsonaro falar em usar “pólvora” para proteger a Amazônia, em resposta a uma declaração do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, durante a campanha, sobre a possibilidade da imposição de sanções ao Brasil por causa da destruição da floresta.

Minha solidariedade ao ex-governador Robinson Faria

Fico estarrecido e chocado com o entusiasmo e frieza com  alguns blogueiros do RN que exibem com entusiasmo a condenação do ex-governador Robinson Faria por uma acusação de improbidade administrativa pelo fato de não “reduzir gastos com pessoal”, conforme determina à Lei de Responsabilidade Fiscal.
Muitos destes blogueiros, diferentemente do Blog do Primo, eram contemplados com volumosos e constantes anúncios do Governo na gestão de Robinson.
Tá certo que é um fato, mas no meu entendimento, uma condenação injusta.
Como um governador reduzir despesas com pessoal sem demitir ou retirar direitos garantidos?
Como retirar diretos e vantagens se o Estado sequer não estava podendo pagar à folha em dia?
Como reduzir despesas com pessoal retirando vantagens e benefícios que foram concedidos por outros governadores?
Se essa condenação de Robinson foi no campo legal, acho que a Justiça deu sua absolvição no campo humano e moral por não ter tirado o emprego de nenhum modesto e sofrido servidor público estadual.
Esses mesmos que elogiavam Robinson são os mesmos que estão elogiando a governadora Fátima Bezerra, e serão os mesmos que estarão contra ela quando deixar o governo.
Cuidado Fátima, essa turma amanhã estará falando mal de você..
Uma tristeza..

‘Brasil pode ir para hiperinflação muito rápido’, diz Guedes

Ministro disse se sentir frustrado por ainda não ter conseguido vender nenhuma estatal
Rogério Marinho vem tentando derrubar Guedes
Lorenna Rodrigues

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira, 10, que o Brasil pode “ir para uma hiperinflação muito rápido” se não rolar a dívida satisfatoriamente. No evento “Boas práticas e desafios para a implementação da política de desestatização do governo federal”, organizado pela Corregedoria-Geral da União (CGU), ele se disse frustrado por não ter conseguido ainda privatizar nenhuma empresa estatal, como prometido na campanha do presidente Jair Bolsonaro, e defendeu desinvestimentos para reduzir o endividamento público.
Estou bastante frustrado com o fato de estarmos aqui há dois anos e não termos conseguido ainda vender nenhuma estatal. Por isso, um secretário nosso foi embora [Salim Mattar, que deixou o ministério em agosto]. Entrou outro [Diogo Mac Cord] que só tem que fazer um gol pra ganhar; o outro fez zero”, afirmou.

O ministro disse que acordos políticos na Câmara dos Deputados e no Senado impediram as privatizações. “Precisamos recompor nosso eixo político para fazermos as privatizações prometidas na campanha”, completou.

Sem conseguir levar desinvestimentos nem a venda de imóveis públicos para frente, Guedes ressaltou que o País carrega empresas e bens ineficientes, enquanto tem uma dívida que cresce como “bola de neve”. “Se tivéssemos matado a dívida, estaríamos com recursos alocados para fazer transferência de renda”, completou.
Também no evento, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, ressaltou que é preciso bons projetos e editais, elaborados com transparência e que garantam segurança jurídica. “Só conseguimos vender o que o mercado quer comprar. O mercado participará se perceber que há transparência na elaboração de projetos.”

Missão de acelerar as privatizações

Em sua fala no encontro, do qual também participaram o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, e o secretário de Desestatização do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord, Guedes disse que os dois têm a missão de acelerar o programa de privatizações. “Tem que começar pela Cedae, é um ativo que já poderia ter sido desestatizado”, disse, em referência à empresa de saneamento do Rio de Janeiro, que está no programa de recuperação fiscal do governo federal.

Sem citar diretamente, Guedes comentou ainda as eleições dos Estados Unidos e disse que as democracias estão “em transe”. “Um candidato questiona se foi eleito, outro diz que tem uma fraude. A inquietação do Ocidente é porque ele não está aguentando a competição [do Oriente]”, completou.

Ameaça de guerra? “Quando acaba a saliva, tem pólvora”, diz Bolsonaro

Presidente disse que somente a diplomacia pode ser insuficiente para contornar o embate em relação à proteção da AmazôniaJuan Arias: Governo Bolsonaro vai taxar as grandes… fortunas? Não, as  grandes pobrezas | Brasil | EL PAÍS Brasil

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira que somente a diplomacia pode ser insuficiente para contornar o embate em relação à proteção da Amazônia, após se referir indiretamente a declarações do presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden, sobre levantar barreiras comerciais contra o Brasil para interromper o que o norte-americano chamou de destruição da floresta.
“Assistimos há pouco aí um grande candidato à chefia de Estado dizer que, se eu não apagar o fogo da Amazônia, ele levanta barreiras comerciais contra o Brasil”, disse.
“E como é que podemos fazer frente a tudo isso? Apenas a diplomacia não dá, não é, Ernesto? (citando o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo). Quando acaba a saliva, tem que ter pólvora, senão, não funciona. Não precisa nem usar pólvora, mas tem que saber que tem. Esse é o mundo. Ninguém tem o que nós temos”, emendou ele, em evento no Palácio do Planalto sobre a retomada do turismo.

Durante debate na campanha presidencial norte-americana, Biden disse que a floresta tropical do Brasil “está sendo destruída” e propôs reunir outros países para garantir 20 bilhões de dólares para a preservação da Amazônia.

“Aqui estão 20 bilhões de dólares. Parem de destruir a floresta e se não pararem, então enfrentarão consequências econômicas significativas”, disse o democrata.

Apesar de Biden ter sido declarado vitorioso nas eleições dos EUA, Bolsonaro ainda não reconheceu a vitória do democrata. Ele é um forte aliado do presidente dos EUA, o republicano Donald Trump, que contesta o resultado sob a alegação –sem apresentar evidências– de que teria havido fraude no processo eleitoral.

No discurso desta terça-feira, Bolsonaro destacou que Brasil tem que se fortalecer. “E como nos fortalecer? Liberando a economia, livre mercado. Dando liberdade para quem quer trabalhar, não enchendo o saco de quem quer produzir”, afirmou.

Bolsonaro criticou novamente o que chamou de “turma xiita ambiental”, que seriam os “baluartes do atraso do Brasil” e que a imprensa adora ao comentar sobre a possibilidade de enviar um projeto ao Congresso Nacional autorizando a exploração comercial da Baía de Angra dos Reis.

O presidente disse que a chance de mudar o país é agora e sugeriu não ser possível aparecer um líder até as eleições de 2022, a não ser que seja na base de muito dinheiro e “comprando um montão de coisa por aí”.

Ciro Gomes: se Doria, Huck e Moro são centro, sou ultra-esquerda

CIRO - Ciro Gomes: se Doria, Huck e Moro são centro, sou ultra-esquerda

Ciro Gomes reagiu a união entre o ex-ministro da Justiça e ex-juiz da Lava Jato, Sérgio Moro, o apresentador Luciano Huck e o governador de São Paulo, João Doria. Os três iniciaram conversas para se apresentarem ao eleitor em 2022 como uma alternativa de centro.

“No dia que Doria, Huck e Moro forem de centro, eu sou de ultra-esquerda, o que eu nunca fui”, afirmou o presidenciável após evento com a militância de seu partido, o PDT, em apoio ao ex-governador Márcio França (PSB), candidato à Prefeitura de São Paulo em uma chapa com o pedetista Antonio Neto como vice.

Ciro disputou a Presidência da República em 2018 pelo PDT e já declarou que gostaria de concorrer novamente. Para Ciro, Moro “vendeu a toga em toca de um cargo vitalício”

“Então vamos ter compostura. Moro vendeu a toga em troca de um cargo vitalício é um cara da extrema-direita. O Moro se veste como os fascistas italianos da década de 1930. Ele está sempre com uma camisa escura sobre um paletó escuro. O Moro é fascista. O Moro vendeu a toga, prendeu um adversário político, tirou o adversário político da eleição e, em seguida, aceitou ser ministro do que ganhou a eleição. Isso é uma lesão ética que transforma o Moro para mim em um grande malandro”, afirmou Ciro.

O pedetista poupou Huck de muitas críticas, sugerindo apenas que ele não tem experiência em governo para conseguir orientar o País. “O Luciano Huck é um apresentador de televisão. Ok, é uma tarefa das mais dignas. Isso prepara para enfrentar a maior crise social, econômica? O posicionamento internacional do Brasil, o Congresso hiper fraturado?”, indagou. “Só a irresponsabilidade de algumas pessoas da elite Brasileira é que permitem a gente acreditar isso”, afirmou. Sobre Doria, Ciro disse que ele foi um prefeito que mentiu para o povo, se referindo à promessa feita pelo tucano de que ele não deixaria o mandato na Prefeitura para disputar o governo do Estado.

“Ele já resolveu: vai terceirizar a Prefeitura para o MDB, vai terceirizar o governo do Estado para o DEM. Esse é o plano dele, para ele ser o presidente da República. E vocês que se arrebentem”, afirmou.