Barroso teimoso e perdedor

Os líderes dos TREs (Tribunais Regionais Eleitorais) de todo o Brasil ficaram irritados com a demora para a divulgação dos resultados das eleições municipais de domingo (15.nov.2020). Neste ano, houve atraso para a finalização dos resultados, porque as Cortes locais foram obrigadas a enviar os dados ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), que estava encarregado de publicar os números de todos ao mesmo tempo.

A mudança gerou sobrecarga nos computadores do TSE, que não suportaram a quantidade de dados inserida de uma só vez no sistema. O problema também atingiu sites de notícias, como o Poder360, que não conseguiu atualizar em tempo real os resultados das eleições, como ocorreu em eleições passadas. A instabilidade foi vista até mesmo no aplicativo da própria Justiça Eleitoral, desenvolvido para divulgar os números.

Para os juízes eleitorais consultados pelo Poder360, o presidente do TSE, ministro Luis Roberto Barroso, deveria ter mantido o sistema antigo, em que os Estados primeiro totalizavam e divulgavam os dados e depois enviavam aos poucos os números ao TSE. Eles dizem que avisaram o chefe da Justiça Eleitoral sobre a possibilidade de problemas.

O Poder360 teve acesso a uma mensagem de grupo de WhatsApp de desembargadores que atuam na Justiça Eleitoral. No grupo, 1 desses juízes escreveu que sentia “indignação com a determinação da centralização do Processo Judicial Eletrônico e da apuração do resultado das eleições”. Avaliou que “o atual sistema deixa muito a desejar”, pois provoca “desconfiança dos eleitores”. O magistrado disse achar necessário rever o processo que foi adotado.

Em entrevista na noite de domingo, Barroso disse que a decisão por centralizar os dados no TSE não foi tomada durante a gestão dele. O ministro afirmou não ter tido “simpatia” pela iniciativa. Disse também que 1 dos motivos para a adoção era economizar. “A explicação que me deram para a centralização era a de que os Estados precisavam renovar os seus sistemas de totalização”, havia dito. Ou seja, com a centralização apenas o sistema do TSE precisaria de tal investimento.

Pouco depois, Barroso disse que também teria tomado a decisão: “Se fosse sob minha gestão”. Afirmou ainda que “a centralização da totalização no TSE foi uma recomendação da perícia da Polícia Federal em nome de se prover mais segurança [ao processo]”

O magistrado disse ainda lamentar o atraso, mas reforçou a confiabilidade do sistema eleitoral brasileiro: “Todos [os resultados] são passíveis de conferência”.

Poder 360

Facebook Comments
Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *