Arquivo diários:03/01/2021

Mais uma de Styvenson: falta educação, civilidade, sobrando arrogância, prepotência do senador malcriado e gabola

Depois de humilhar sua própria irmã, de chamar jornalistas de vendidos, cometer grosserias com prefeitos e vereadores, o senador Styvenson continua arrogante, prepotente e mal educado com seus seguidores nas redes sociais.
Sua última grosseria foi com uma seguidora no Instagram que apenas, como sua eleitora, disse que iria avaliar o rendimento do seu mandato.
Bastou isso para ele reagir assim:

Lembrado para disputar uma cadeira na Assembleia Legislativa, empresário paga e inaugura praça Monsenhor Paulo Herôncio em Currais Novos

Sérgio Dantas sempre entrosado com a governadora Fátima Bezerra

Com seu nome sendo lembrado para disputar um mandato de deputado estadual pelo grupo político liderado pela governadora Fátima Bezerra, o empresário Sérgio Dantas do ramo de produtos para laboratórios, está inaugurando, neste domingo, à reforma da Praça monsenhor Paulo Herôncio, totalmente bancada por ele no município de Currais Novos. O empresário Sérgio Dantas é devoto é muito grato ao Monsenhor Paulo Herôncio.
Sérgio Dantas teve participação decisiva na reeleição do atual prefeito, Odon Júnior do PT.

Álvaro não é burro


Quem está pensando em dá corda ao prefeito Álvaro Dias para ele deixar à Prefeitura e disputar o governo do estado, pode tirar o cavalo da chuva.
Álvaro já disse e tem repetido que ficará os quatro anos.
Álvaro não é burro e sabe perfeitamente bem, que deixando à Prefeitura, o minervinador Carlos Eduardo Alves assume o controle da Prefeitura e negocia sua candidatura ao Senado contra Álvaro.

O silêncio como resposta de Álvaro Dias

No discurso de Álvaro não coube Carlos Alves

O soldado Vasco compareceu secretamente às solenidades de posse na Câmara Municipal e assunção de cargo no Palácio Felipe Camarão do prefeito Álvaro Dias.
Um detalhe chamou atenção do militar da Guarda Estadual: Álvaro não citou nenhuma vez o nome do ex-prefeito e candidato derrotado ao governo por duas vezes, o imponente e metido a impoluto Carlos Eduardo Alves.
Carlos Alves não deu um deu sinal de vida na campanha de Álvaro, então esse pode ter sido o motivo dó esquecimento.

Cadê Batata e Túlio Lemos?

Isso é castigo para não enganar os primos

Alguém sabe dizer para onde vão os radialistas fracassados que diante dos microfones tinham soluções para tudo, mas quando assumiram às prefeituras de Caicó e Macau foram protagonistas das maiores tragédias administrativas depois da borboleta Micarla?
Eles são considerados pela crônica política como os piores prefeitos do quadriênio passado.
Será que eles voltarão para o rádio com seus ensinamentos de como administrar uma cidade?

Depois da vergonhosa derrota, Túlio ficou com cara de paisagem
Batata e seus mentores e conselheiro s

E agora Rosalba? Prefeito de Mossoró decreta estado de calamidade financeira e administrativa

90DF839C DCF0 4381 9AD7 97A3424DF7AF Prefeito de Mossoró decreta estado de calamidade financeira e administrativa

O novo prefeito de Mossoró, Allyson Bezerra, decretou estado de calamidade financeira e administrativa. O gestor divulgou a informação via redes sociais, na noite deste sábado (2). De acordo com Allyson, a decisão foi tomada após um “dia intenso de discussão” com a equipe de transição e secretários.

“Encontramos o município em situação caótica, com salários atrasados, sérios riscos a oferta dos serviços públicos e sequer tivemos acesso a documentos importantes do município, como reconheceu a Justiça”, afirmou.

Ainda na publicação, o prefeito disse que as medidas são necessárias para a organização da Prefeitura de Mossoró.

Conta de energia elétrica fica com bandeira amarela em janeiro, diz Aneel

luz Conta de luz fica com bandeira amarela em janeiro, diz Aneel

A bandeira utilizada como referência para as contas de luz será amarela em janeiro deste 2021. A definição foi tomada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Com isso, o preço da energia fica em R$ 1,34 para cada 100 quilowatts consumidos por hora. O valor é menor do que o estabelecido para o mês passado, quando foi ativada a bandeira vermelha, com preço de R$ 6,2 para cada 100 quilowatts consumidos por hora.

O sistema de bandeiras é utilizado para gerir o valor cobrado aos consumidores a partir das condições de geração de energia. Quando o quadro piora, a bandeira pode ser alterada em uma escala de verde, amarela e vermelha.

Na mudança para a bandeira amarela, a Agência informou ter identificado melhoria no cenário de produção hidrelétrica com elevação das vazões dos afluentes dos principais reservatório

Anvisa aprova importação de 2 milhões de doses da vacina de Oxford

Coro

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a importação de dois milhões de doses da vacina contra o coronavírus desenvolvida pela Universidade de Oxford e a farmacêutica AstraZeneca, que será fabricada e distribuída no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Com a decisão, tomada em 31 de dezembro, o laboratório público espera que a vacinação no País comece ainda em janeiro. A Fiocruz afirma que irá pedir na próxima semana o aval para uso emergencial do imunizante, o que deve permitir a aplicação em grupos restritos pelo SUS, como de profissionais de saúde ou idosos. A Anvisa espera avaliar pedidos de uso emergencial em até dez dias.

Leia matéria completa no Estadão.

Rogério Marinho insiste em continuar brigando com Paulo Guedes

O novo ano começa com velhos problemas no governo, em razão da disputa que não cessa entre os ministros Paulo Guedes (Economia) e Rogério Marinho (Desenvolvimento).

Para governar sem sobressaltos, “Bolsonaro terá que atuar como o grande árbitro”, adverte o cientista político Paulo Kramer, “entre as correntes que dão prioridade às reformas (Guedes à frente) e aquelas que topam reformar desde que isso não as prejudique política e eleitoralmente, cujo símbolo é Rogério Marinho. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder.

É central o papel “arbitral” de Bolsonaro. “No nosso sistema político, o polo ativo é o Executivo”, lembra Kramer. “O Congresso é reativo”.

O caráter reativo faz Senado e Câmara baterem cabeça na escolha de prioridades, deixando a impressão de paralisia da agenda de reformas.

Kramer avalia que “a coisa deve fluir melhor” após um ajuste fino na concertação com o Centrão a ação dos líderes na Câmara e Senado.

O cientista político destaca a atuação dos líderes do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), e no Senado, Eduardo Gomes (MDB-TO).

DIÁRIO DO PODER