França usa cachorros para detectar coronavírus através da transpiração humana

O cachorro Eliot é especialista em encontrar o rastro de criminosos e pessoas desaparecidas, mas passou por um mês de treinamento para detectar o coronavírus por meio do suor humano em um programa desenvolvido no sudoeste da França. A ideia é dar uma “solução complementar” em um momento em que “é necessária uma oferta alargada, rápida e não invasiva de detecção”, explica Thierry Pistone, infectologista do Centro Hospitalar Universitário (CHU) de Bordéus, que aderiu ao projeto apresentado à imprensa na última sexta-feira, 29.

Como Eliot, o Labrador Marvel, três outros Malinois e pastores alemães, todos membros das brigadas caninas dos bombeiros, treinam com curativos usados por pessoas infectadas pelo novo coronavírus, que chegam quase todos os dias ao centro de treinamento. “Eles detectam matéria orgânica de degradação derivada da infecção”, explica Pierre-Marie Borne, referência do centro CEVA Santa Animale. Ao sinal “Ao cone!”, os cães vão trabalhar.

Depois de Eskiss, especialista na detecção de drogas, armas e munições, o Malinois Eliot também enfia o focinho em uma fileira de cones de metal. De repente, ele está na frente de dois funis, acenando com o rabo. Dentro, há duas amostras diferentes de suor retiradas de pacientes que testaram positivo para a covid. “Muito bom!”, seu treinador diz antes de dar-lhe um petisco para cães e seu brinquedo favorito.

Batizado de Cynocov, o projeto se baseia no método Nosais covid-19, desenvolvido pelo professor Dominique Grandjean, da Escola Nacional de Veterinária Maisons-Alfort, que pretende enriquecer a imensa “biblioteca olfativa” dos cachorros. “Os cães podem detectar em média 95% dos casos positivos de covid-19”, diz Grandjean. O método está sendo testado na Córsega, ilha francesa do Mediterrâneo, e de acordo com os responsáveis ​​pelo projeto, “40 países estão trabalhando no assunto”.

Após seis a oito semanas de treinamento, quatro vezes por semana, a aptidão dos cães deve ser demonstrada em um teste clínico no hospital antes de uma possível implantação da ferramenta.

Em caso de sucesso, “a ferramenta será utilizada principalmente para fazer uma pré-seleção” de pessoas suspeitas, a fim de “especificar a necessidade de realização de um teste confirmatório” (como o RT-PCR nasofaríngeo), explica o Dr. Pierre-Marie Terminal. “Quando se sabe que em breve será necessário identificar pessoas assintomáticas em todos os tipos de espaços – escolas, lares de idosos ou aeroportos – este tipo de ferramenta, que oferece pelo menos uma suspeita, facilitará o processo”, avalia Denis Malvy, chefe do serviço de doenças infecciosas e tropicais do CHU Bordeaux.

Para o professor, também membro do conselho científico, esses cães são “quase nossos aliados na produção de uma ferramenta de detecção que terá”, espera, “seu lugar no manejo dessa emergência sanitária”. /AFP

FOLHAPRESS

Facebook Comments
Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *