Todos os posts de renato renato

“Qual o problema? Vão matar?”, questiona mulher de Queiroz em mensagem interceptada pelo MP

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) interceptou uma mensagem na qual, a ex-assessora parlamentar Márcia Oliveira de Aguiar, esposa de Fabrício Queiroz, se queixou das táticas adotadas pelo advogado Frederick Wassef. As informações são do Estado de São Paulo.
Em novembro do ano passado, Márcia Aguiar, que teve prisão decretada mas segue foragida, diz à advogada Ana Flávia Rigamonti, que trabalha com Wassef: “Deixa a gente viver nossa vida. Qual o problema? Vão matar?”. A esposa de Queiroz também diz que não queria mais viver como “marionete do Anjo”.
O conteúdo da mensagem reforça a tese que Wassef protegia Queiroz e sua família. De acordo com as investigações, “Anjo” seria o codinome dado a Wassef, que atuou na defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) no processo que apura o esquema de “rachadinha” na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj). O advogado nega ser o “Anjo”.

Márcia está foragida desde o último dia 18, quando a Justiça fluminense determinou sua prisão e a de Queiroz. O aliado do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi detido em Atibaia (SP) numa casa que pertence a Wassef. Queiroz está preso em Bangu, no Rio de Janeiro.

Depois da prisão de Queiroz, Frederick Wassef deixou a defesa de Flávio Bolsonaro. O senador alega que o encerramento do vínculo partiu do advogado.

O MP teve acesso a mensagens nas quais Márcia admite a vontade de fugir caso tivesse a prisão decretada.

“A gente não pode mais viver sendo marionete do Anjo. ‘Ah, você tem que ficar aqui, tem que trazer a família’. Esquece, cara. Deixa a gente viver nossa vida. Qual o problema? Vão matar? Ninguém vai matar ninguém. Se fosse pra matar, já tinham pego um filho meu aqui”, diz Márcia, em mensagem enviada a Flávia no fim do ano passado, de acordo com o Estadão.

De acordo com os diálogos interceptados, Wassef planejaria alugar uma casa em São Paulo para abrigar toda a família de Queiroz. A própria advogada que trabalhava com Wassef aparece discordando da estratégia do advogado, conforme mostra o Estadão.

“O Anjo tem ideias boas, sim, mas na prática a gente sabe que não é igual às mil maravilhas que ele fala”, diz Ana Flávia à Márcia. Segundo o jornal, a advogada diz que havia conversado até com a esposa de Wassef na tentativa de frustrar a ideia de alugar uma casa para abrigar a família Queiroz em São Paulo.

Ana Flávia não é investigada no caso e disse que não irá comentar. Ela também ressaltou ao Estadão que não tem nada a ver com o processo e que apenas trabalhava no escritório de Wassef.

Wassef, que já apresentou versões distintas sobre o caso, afirmou ao Estadão que não articulou qualquer ocultação do paradeiro de Queiroz, além de negar que dava ordens à família do ex-assessor.

Em outro trecho de sua resposta ao veículo, Wassef se diz vítima de “uma campanha de fake news e ilações irresponsáveis” e alega nunca ter tido o apelido de “Anjo”.

Quem são os agentes do FBI que atuaram na Lava Jato

Natalia Viana, ,

São de dois tipos os agentes do FBI que atuaram na Lava Jato em solo brasileiro. Alguns são figuras públicas, dão entrevistas e aparecem cada vez mais frequentemente em eventos elogiando o trabalho da força-tarefa e dando conselhos a corporações sobre como seguir a lei americana.

Outros tiveram atuação temporária e são conhecidos por apelidos ou nomes tão comuns que é muito difícil encontrar algo sobre eles em fontes abertas na internet. Essa é uma prática comum nos escritórios do FBI no exterior, para evitar a exposição de agentes que realizam operações secretas ou controversas em território estrangeiro. Hoje, a agência mantém escritórios em embaixadas de 63 países e sub-escritórios em 27. Em 2011, o FBI empregava 289 agentes e pessoal de apoio nesses escritórios no exterior.

Embora as duas maiores investigações de casos de corrupção originados na Lava Jato pelo Departamento de Justiça (DOJ) americano já tenham terminado, com os acordos bilionários da Odebrecht e Petrobras, o FBI ainda tem muito a fazer para investigar corrupção no Brasil, nas palavras do atual chefe do FBI no país, David Brassanini, em palestra no 7º Congresso Internacional de Compliance, em maio de 2019, em São Paulo. A cooperação foi descrita como “fluida, sem problemas e transparente”, pois seus agentes já tinham familiaridade com a cultura e a sociedade brasileiras. “A habilidade de desenvolver e entender as peculiaridades locais é grande. Não só a questão da língua, mas em entender realmente como o Brasil funciona, entender as nuances”, afirmou. Brassanini relatou também, no mesmo evento, que agentes do FBI vêm a São Paulo “toda semana para tratar de diferentes casos que envolvem FCPA e lavagem de dinheiro”.

Com base em documentos da Vaza Jato entregues ao The Intercept Brasil e apuração em fontes abertas, a Agência Pública localizou 12 nomes de agentes do FBI que investigaram os casos da Lava Jato lado a lado com a PF e a Força-Tarefa, além da agente Leslie Backschies, que hoje comanda o esquadrão de corrupção internacional do FBI. E descobriu que essas investigações viraram símbolo de parceria bem sucedida e levaram à promoção diversos agentes americanos. Segundo um ex-promotor do Departamento de Justiça americano contou à Pública, a presença de agentes do FBI no Brasil foi fundamental para o governo americano concluir suas investigações sobre corrupção de empresas brasileiras.

Com base na lei americana Foreign Corrupt Practices Act (FCPA), o Departamento de Justiça investigou e puniu com multas bilionárias empresas brasileiras alvos da Lava Jato, entre elas a Petrobras e a Odebrecht.

Embora haja policiais lotados legalmente na embaixada em Brasília e no consulado em São Paulo, é proibido a qualquer polícia estrangeira realizar investigações em solo brasileiro sem autorização expressa do governo brasileiro, já que polícias estrangeiras não têm jurisdição no território de outros países.

A colaboração do FBI com a Lava Jato teve início em 2014 e foi fortalecida em 2015 e 2016, quando o foco da operação eram Odebrecht e Petrobras. Em 2016, a Odebrecht aceitou pagar a maior multa global de corrupção até então: US$ 2,6 bilhões a Brasil, Suíça e EUA. A parcela devida às autoridades americanas, no valor total de US$ 93 milhões, foi paga à vista. Hoje, a empresa está em processo de recuperação judicial.

Em 2018, a Petrobras aceitou pagar a maior multa cobrada de uma empresa pelo Departamento de Justiça americano: US$ 1,78 bilhão.

“O que ocorre no Brasil está mudando o modo como olhamos os negócios e a corrupção no mundo inteiro”, afirmou um dos maiores defensores da cooperação com os Estados Unidos, George “Ren” McEachern, em entrevista à Folha de S. Paulo em fevereiro de 2018, sob o título “Curitiba mandou a mensagem de que o Brasil está ficando limpo”.

George “Ren” McEachern, ex-agente do FBI, supervisionou as investigações da Lava Jato em nome do Departamento de Justiça americano

“Ren” McEachern chefiou a Unidade de Corrupção Internacional do FBI até dezembro de 2017 e supervisionou o grosso das investigações da Lava Jato em nome do Departamento de Justiça americano. Segundo os documentos vazados ao The Intercept Brasil e analisados em parceria com a Agência Pública, ele esteve na primeira delegação de investigadores americanos que esteve em Curitiba em outubro de 2015, sem autorização do Ministério da Justiça, conforme revelamos nesta reportagem.

Ren nunca escondeu sua participação nos casos ligados à Lava Jato. “Você precisa compartilhar informações [com outros países]. Porque agora todos os negócios são globais. Uma empresa que paga propina no Brasil paga também em outros países”, disse à Folha em fevereiro de 2018. Pouco antes, Ren deixara o FBI para passar ao setor privado. Na empresa de consultoria Exiger, ele viaja o mundo para ensinar métodos de “compliance” a leis anticorrupção para empresas evitarem investigações como as que ele liderava no FBI.

Em 2015, “Ren” foi o grande responsável pela ampliação do foco do FBI em corrupção internacional, com a abertura de três esquadrões dedicados a isso, em Nova York, Washington e Los Angeles. No seu perfil no site da Exiger, é descrito como aquele que “desenvolveu e implementou uma nova estratégia global proativa no FBI para investigar crimes financeiros complexos e temas de corrupção. Essa nova estratégia foi coordenada proximamente com o DOJ e a SEC [a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA]. Além disso, representou um aumento de quase 300% em novos recursos anticorrupção para o FBI”. O plano misturava investigações proativas por parte de polícias dedicadas a decifrar a corrupção internacional com tecnologia e análises de ponta sobre temas financeiros.

“Por volta de 2014, 2015, o FBI estava buscando maneiras de ser mais proativo nas investigações sobre corrupção internacional”, disse ele em uma conferência em Nova York sobre “o mundo após a Lava Jato”, em novembro de 2019. “Então começamos a olhar para países que poderiam convidar agentes do FBI até o país para analisar investigações de corrupção que tivessem um nexo com os Estados Unidos, em jurisdições como FCPA e lavagem de dinheiro”.

Foi assim que o FBI se engajou na Lava Jato.

“O timing foi simplesmente perfeito”, disse ele. “Nós estávamos ajudando em casos que tinham uma conexão com os EUA, mas eles [os procuradores da Lava Jato] eram realmente muito avançados e estavam usando técnicas muito sofisticadas e inteligentes”.

Uma das maiores lições que Ren diz ter adotado após a parceria com a Lava Jato foi a criação de equipes com agentes especializados que trabalham “proativamente” em casos de corrupção internacional. O caso da Petrobras, segundo ele, marcou um nível sem precedentes de “compartilhamento de inteligência, compartilhamento de evidência certificada”. “Aquilo foi uma grande mudança”, diz.

Fora do FBI, a agenda de “Ren” está cheia de eventos sobre “compliance” contra corrupção – muitos deles financiados por empresas que vendem ou compram tais serviços. Desde 2015, ele esteve em simpósios em Hong Kong, Polônia, China, Noruega, Holanda, Espanha, Inglaterra e Brasil. Entre os patrocinadores destes eventos estão a consultoria PriceWaterhouse Coopers, a associação de importadores e exportadores de armas Fair Trade Group, o conglomerado de mídia Warner Brothers, as médico-farmacêuticas Pfizer e Johnson&Johnson e a fabricante de armas militares Raytheon.

No Brasil, o ex-agente especial foi palestrante no 4o Annual International Compliance Congress and Regulator Summit, financiado pela agência de notícias Thomson Reuters em São Paulo em maio de 2016. Aproveitou a vinda ao país para dar uma palestra a 90 membros do Ministério Público Federal de São Paulo. Na ocasião, enalteceu a cooperação internacional e explicou que, no Brasil, o FBI “oferece suporte técnico a investigações, em relação a criptografia, telefonia móvel e dados em nuvem, com um analista cibernético sediado em Brasília”.

O escritório do FBI fica na embaixada americana, na capital brasileira.

Procurado pela Pública, Ren afirmou que decidiu não falar mais publicamente sobre sua carreira no FBI e seu trabalho no Brasil.

Convite de palestra com agentes do FBI sobre o mundo depois da Operação Lava Jato

Agentes quase anônimos

Quando veio na primeira delegação para negociar com os delatores das Lava Jato, em outubro de 2015, Ren estava acompanhado pela tradutora Tania Cannon e por outros agentes do FBI. Um deles, Jeff Pfeiffer, veio de Washington, onde é lotado desde 2002 e trabalha em casos de corrupção, segundo seu perfil no LinkedIn.

Formado em contabilidade e administração, o agente foi designado dois anos depois, em 2017, como assistente do procurador Robert Mueller na investigação sobre interferência russa nas eleições americanas. Pfeiffer investigou o chefe da campanha de Donald Trump, Paul Manafort, acusado de esconder contas bancárias no exterior, fraude bancária e conspiração para lavar mais de 30 milhões de dólares, além de tentar obstruir a Justiça, segundo o policial afirmou perante um tribunal em 2019.

Outro agente que esteve na comitiva de 2015 foi apresentado oficialmente à Lava Jato como Carlos Fernandes, um nome tão comum que é impossível encontrar referências a ele.

O FBI ainda enviou para Curitiba dois membros do escritório em Brasília, o adido legal Steve Moore e o adido-adjunto David F. Williams.

Williams aparece algumas vezes em comunicação direta com procuradores da Lava Lato nos diálogos vazados ao The Intercept Brasil. Foi ele quem atendeu ao pedido feito, em setembro de 2016, pelos procuradores Paulo Roberto Galvão de Carvalho e Carlos Bruno Ferreira da Silva, para verificar se o FBI conseguiria quebrar o sistema MyWebDay através do qual os funcionários da Odebrecht administravam as propinas pagas em diversos países, conforme revelamos na reportagem “o FBI e a Lava Jato”.

Olimpíadas de 2016 e Copa do Mundo em 2014

Já Steve Moore foi o chefe do escritório do FBI no Brasil entre agosto de 2014 e agosto de 2017, comandando a equipe de agentes lotados em São Paulo e Brasília. De acordo com sua página do LinkedIn, aposentou-se em 2018, após 22 anos trabalhando no FBI, onde obteve “extensa experiência internacional em fraudes internacionais complexas, corrupção, FCPA, antitruste, AML, investigações internas sensíveis, e investigações cibernéticas”. No seu perfil profissional ele declara ter “experiência significativa” em planejamento de segurança para megaeventos.

Essa experiência foi adquirida no Brasil. Steve chegou ao país no final da Copa do Mundo e coordenou o FBI durante as Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016, desenvolvendo uma relação próxima com alguns agentes da polícia federal. Certa feita, questionado pelo jornal USA Today sobre como o FBI treinava uma polícia que “há muito tempo é maculada com corrupção e laços com organizações criminosas em todo o país”, ele respondeu que trabalhava com brasileiros “cuidadosamente selecionados e treinados pelos EUA há muitos anos”, reduzindo o risco de informações sensíveis caírem em mãos erradas. “A chave para isso é que nós trabalhamos proximamente com a Polícia Federal brasileira e compartilhamos informações com as suas unidades especializadas”, afirmou ao jornal.

Tudo indica que foi Moore quem escreveu o memorando que iniciou a Operação Hashtag, deflagrada pela PF apenas 15 dias antes da Olimpíada. A Operação Hashtag acabou com a prisão de oito suspeitos de planejar um atentado que jamais chegou a ser planejado, conforme mostrou uma reportagem da Agência Pública. As prisões demonstraram força do governo de Michel Temer (MDB) logo após o impeachment de Dilma Rousseff (PT). Um dos suspeitos morreu linchado no presídio, acusado de terrorista.

Na época, o FBI deu a dica à PF, mas não detalhou como obteve as informações – se foram investigações realizadas dentro ou fora do território nacional.

O memorando de 6 de maio de 2016 vazado ao Blog do jornalista Fausto Macedo não traz o nome de Steve Moore, mas descreve a autoria: “adido legal do FBI”. O documento traz nomes e detalhes sobre os suspeitos que seriam depois investigados pela PF e gerariam a única condenação até hoje pelo crime de terrorismo no Brasil.

Também presente na comitiva sigilosa do FBI a Curitiba, em Outubro de 2015, “Chris” Martinez voltava ao Brasil depois de um período de ausência, já que ela também atuou na Copa do Mundo. Christina Martinez – seu nome completo – ocupou o cargo temporário de Especialista em Treinamento e Relações Cívicas, em Brasília, no período anterior à Copa do Mundo de 2014.

Christina foi a responsável pelo programa de treinamento do FBI, ministrado com outras agências americanas, a 837 policiais das 12 cidades-sede. Os cursos iam de investigação digital a relacionamento com a mídia e como lidar com protestos, segundo revelou a Agência Pública em 2014. Antes disso, entre outubro de 2010 e março de 2013, ela foi assistente de operações do Adido Legal na embaixada em Brasília, função que ocupava quando visitou, em março de 2012, centros de treinamento da Polícia Militar de São Paulo, ao lado de Leslie Rodrigues Backshies, hoje chefe da Unidade de Corrupção Internacional do FBI.

Christina Martinez também tem uma página no LinkedIn, onde lista sua experiência em realizar treinamentos em nome do FBI há mais de 17 anos – além do Brasil, teve cargos temporários na Cidade do México e em Buenos Aires. Antes de vir ao Brasil pela primeira vez, Chris havia sido técnica do FBI em vigilância eletrônica em local não especificado durante mais de 8 anos.

Christina Martinez (quarta pessoa da esquerda para à direita) e agentes do FBI visitaram o Grupamento de Radiopatrulha Aérea (GRPAe) da Polícia Militar do Estado de São Paulo (PMESP)

Outro integrante da comitiva que foi à sede da Força-Tarefa da Lava Jato em Curitiba em outubro de 2015 foi Mark Schweers. Mark retornou no ano seguinte, em julho de 2016, em uma nova comitiva do DOJ ao Brasil para conduzir interrogatórios em Curitiba e no Rio de Janeiro. Na sede da Procuradoria da República, no centro do Rio, essa comitiva interrogou os ex-diretores da Petrobras Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa durante nove horas cada. Em Curitiba, inquiriram o doleiro Alberto Yousseff ao longo de seis horas.

Mark Schweers não tem página no LinkedIn. A única referência a um agente do FBI com o mesmo nome encontrada pela reportagem refere-se a um agente especializado em investigar gangues em Oklahoma nos anos 90.

Além dele, participaram dos interrogatórios no Rio de Janeiro em julho de 2016 uma agente cujo nome está registrado como Becky Nguyen. Trata-se de nome comum, de origem vietnamita. Há pelo menos três pessoas com o mesmo nome nas redes sociais – nenhuma é a agente do FBI.

Duas intérpretes, Tania Cannon e Elaine Nayob, também participaram das comitivas que vieram ao Brasil em 2015 e 2016. Tânia esteve nas duas. Na sua página do LinkedIn, ela se descreve como tradutora e intérprete do Departamento de Justiça americano.

Patrick Kramer, herói de inteligência na guerra do Golfo, também atuou na Lava Jato

Os documentos entregues ao The Intercept mencionam ainda dois agentes especiais do FBI que atuaram proximamente com investigadores brasileiros a partir do consulado em São Paulo em 2016: June Drake e Patrick T. Kramer.

Patrick T. Kramer, agente do FBI, durante uma palestra no Brasil

Há pouca informação sobre a agente June. Segundo os diálogos vazados, o adido do FBI David Williams buscou mais informações com June para discutir a possibilidade do FBI ajudar a quebrar a criptografia do sistema MyWebDay, que reunia contabilidade de propinas da Odebrecht. “Através de explicações adicionais fornecidos pelo Patrick e June (do FBI em São Paulo) eu acho que entendemos bem a situação e já passei a pergunta para alguns peritos de ciber no FBI. Carlos, se você gostaria de fazer uma reunião em Brasilia comigo (ou nosso Adido Steve Moore, dependendo da data da reunião) nos podemos encontrar rapidinho para conversar mais”, escreveu o adido legal, por email, ao procurador Carlos Bruno Ferreira da Silva, em setembro daquele ano.

Já a trajetória de Patrick T. Kramer revela um super agente que desde muito jovem atuou em missões de inteligência e investigações complexas. A se considerar o seu perfil público no LinkedIn, sua vida daria um filme.

Durante os anos universitários, Patrick se graduou em espanhol e estudou português do Brasil na Universidade de San Diego, na Califórnia. No final da década de 80, começou sua carreira como marinheiro da II Força Expedicionária, tendo atuado na Operação Tempestade no Deserto, na Arábia Saudita, durante a Guerra do Golfo nos anos de 1990 e 1991, como oficial de comunicação. Nos anos seguintes, fez parte da 300ª brigada de Inteligência Militar e do Special Forces Group (Airborne) em Camp Williams, Utah, capitaneando uma equipe de análise linguística em espanhol para apoiar investigações anti-narcóticos.

Em 2002, já no FBI, investigou cartéis de drogas mexicanos próximos à fronteira do Texas. Depois, debruçou-se sobre membros de gangues em Porto Rico. A partir de 2008, passou a investigar crimes financeiros como fraudes e lavagem de dinheiro, e em 2010 assumiu durante dois meses uma posição temporária na capital da Geórgia, ex-integrante da União Soviética. Pouco antes, estudara russo na Universidade de San Diego.

Promovido, Patrick passou a ser supervisor do FBI em Washington, onde coordenou investigações sobre fraudes em seguros de saúde, tornando-se especialista no tema.

Em 2016, o agente foi enviado para uma posição temporária durante 6 meses como adido-adjunto no consulado de São Paulo, “facilitando e coordenando” temas para a Unidade de Corrupção Internacional do FBI chefiados por Ren McEachern. Neste cargo, ele “conduziu extensiva coordenação e relacionamento com a Polícia Federal brasileira, Minstério Público Federal, a Unidade de Corrupção e o Departamento de Justiça americano temas de preocupação mútua no aprofundamento dos interesses do Brasil/EUA”, segundo sua descrição no LinkedIn. Era responsável pelo “gerenciamento, coordenação, implementação e execução de estratégias operacionais e investigativas sob responsabilidade do adido legal de Brasília”.

Sua passagem foi tão bem sucedida que em junho do ano passado ele retornou ao país, mas desta vez como adido legal na embaixada em Brasília, cargo que ocupa até o momento. Patrick passou os primeiros meses fazendo contatos com agentes de segurança. Foi convidado a falar, por exemplo, no dia 29 de agosto de 2018 na inauguração da nova sede da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), no Lago Sul, em Brasília.

No dia 19 de outubro do mesmo ano, participou do II Seminário Nacional dos Agentes de Segurança do Poder Judiciário Federal, em Maceió.

Patrick Kramer no II Seminário Nacional dos Agentes de Segurança do Poder Judiciário Federal

E no dia 28 de outubro visitou, ao lado do assessor Jurídico do Departamento de Justiça dos Estados Unidos da América, Rodrigo Dias, o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI), do Ministério da Justiça, órgão responsável por assinar os acordos de cooperação jurídica com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos. O objetivo do encontro foi apresentar uma nova lei americana, recentemente promulgada, Cloud Act, que prevê acordos bilaterais com países para a troca de informações coletadas no ambiente virtual.

Colaboraram: Monica Cordero e Bill Conroy.

Danny Hicks, ator de Homem-Aranha 2, morre semanas após pedir ajuda na internet

Danny Hicks na cena do trem, momento emblemático de Homem-Aranha 2 (reprodução)

Rafael Monteiro
Danny Hicks morreu aos 68 anos no estado da Califórnia, nos Estados Unidos, nesta terça-feira (30). O ator, conhecido por Homem-Aranha 2 e outros papéis em filmes do diretor Sam Raimi, havia pedido ajuda aos fãs na internet em junho, dizendo que tinha recebido estimativa de vida pelos médicos e precisava de apoio financeiro para bancar todo o valor do tratamento contra o câncer que o acometia.

“Eu fui diagnosticado com câncer no estágio 4. Eu tenho aproximadamente de um a três anos para viver. Mas eu tenho que te dizer: com certeza, vivi muita coisa nesses meus 68 anos. Não tenho que pedir nenhum troco de volta, com certeza. E não muitos arrependimentos. Ok, tenho que ir”, escreveu ele na ocasião no Facebook.

Primando por São Gonçalo: Prefeito Paulinho abre seletivo para contratação de profissionais da saúde; inscrições encerram nesta quinta-feira (2)


O prefeito de São Gonçalo do Amarante (RN), Paulinho Emídio autorizou abertura de processo seletivo para contratar profissionais da área da saúde para atuar no combate do novo Coronavírus. São 81 vagas em 16 especialidades, para cargos de nível médio e superior. As inscrições estão sendo realizadas nesta quarta e quinta-feira, dias 1º e 2 de julho. Não será cobrada taxa de inscrição.

O prazo de validade do Processo Seletivo Simplificado para Contratação Temporária de Excepcional Interesse Público é de 180 dias, podendo ser prorrogado pelo mesmo período, ou enquanto durar a situação de calamidade pública em decorrência da pandemia deCovid-19.

As vagas de nível superior são médicos generalistas, pediatras, psiquiatras, ginecologistas, reguladores, veterinários, enfermeiros, farmacêuticos, assistentes sociais, cirurgiões dentistas, educadores físicos, psicólogos, fisioterapeutas e bioquímicos. Já as de médio, técnicos de enfermagem e auxiliar de saúde bucal.

O candidato deverá enviar toda documentação necessária, que pode ser consultada no edital, em arquivo único no formato PDF, para o endereço seletivosaude2020@saogoncalo.rn.gov.br, com o título do cargo. Mais informações no www.saogoncalo.rn.gov.br.

Câmara aprova em 1º turno PEC do adiamento das eleições municipais

O plenário da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (1º) em primeiro turno o texto-base da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 18/2020, que prevê o adiamento das eleições municipais em decorrência da pandemia do novo coronavírus.

A proposta recebeu 402 votos favoráveis, 90 contrários e quatro abstenções. Pela matéria, as datas do primeiro e segundo turno do pleito municipal são alteradas para 15 e 29 de novembro, respectivamente.

Os parlamentares votam, neste momento, destaques da matéria. Depois, a matéria precisa ser votada em segundo turno. Caso também seja aprovada em segunda votação, o texto seguirá para sanção presidencial.

Augusto Aras desconfia de explicações de força-tarefa da Lava Jato e insistirá em apuração sobre aparelhos de espionagem

O procurador-geral da República, Augusto Aras, não se deu por satisfeito com a resposta da força-tarefa de Curitiba, que negou a existência de uma “grampolândia”na sede do Paraná.

Aras afirmou a pessoas próximas que o caso será apurado até o fim. Segundo interlocutores do PGR, ele acredita que a força-tarefa paranaense esconde aparelhos que seriam usados para fazer interceptações telefônicas. Desde que assumiu o comando do Ministério Público Federal, Aras diz a interlocutores que recebeu informações de que autoridades foram grampeadas por investigadores de Curitiba sem autorização oficial.

A coluna revelou um documento enviado na semana passada pela força-tarefa de Curitiba a Aras, no qual nega a existência de um esquema de gravações telefônicas. No ofício, a procuradora-chefe do Paraná, Paula Cristina Conti Tha, dizque o sistema de gravação telefônica foi adquirido pelo órgão em 2016 para “resguardar a segurança e proteção” de membros da Força-Tarefa da Lava-Jato. Ela também afirma que o sistema “não se presta a realizar o que se conhece por ‘grampo telefônico’” e diz que, “por um equívoco operacional”, as gravações iniciadas em 2016 permaneceram ativas até hoje.

O caso está sendo apurado pela Corregedoria da PGR.

BELA MEGALE

Parlamentares do PSL sempre com problemas na Justiça

Sede do PSL no RN

O STF notificou o deputado bolsonarista Bibo Nunes (PSL-RS), que acusou Caetano Veloso e Chico Buarque de receberem dinheiro para apoiar governos petistas.

Rosa Weber deu a Bibo o prazo de 10 dias para responder o pedido de explicações de Caetano sobre as acusações feitas durante um debate na Globo News.

No programa, Bibo disse que “antigamente, só se incentivava a cultura com seus apaniguados” e que “se dava dinheiro ao Chico Buarque da vida, ao Caetano Veloso, músicos já consagrados, artistas consagrados, para apoiarem o governo.(…)”.

Caetano decidiu interpelar judicialmente o deputado para que ele explique, entre outras coisas, o que quis dizer com apaniguados e no que consiste a expressão “dar dinheiro”.

Chico também acionou o parlamentar judicialmente. Abriu duas ações contra Bibo no Juizado Especial Cível da Gávea, no Rio. Uma, de indenização para retratação a ser feita pelo deputado; e outra, de danos morais.

LAURO JARDIM

Procuradora da Lava Jato deixa rede social após revelação de elo com FBI

A procuradora Thaméa Danelon, ex-coordenadora da Lava Jato em São Paulo, deletou seu perfil no Twitter depois de revelado o elo entre integrantes da força-tarefa com a agente Leslie Rodrigues Backschies, do FBI– departamento federal de investigações dos EUA.

Uma reportagem publicada nesta 4ª feira (1º.jul.2020), produzida pelo jornal The Intercept Brasil em parceria com a Agência Pública, revelou a ligação de Leslie Backschies com agentes da Polícia Federal e procuradores que integravam a equipe das investigações da Lava Jato.

Leslie Backschies tem pouco mais de 20 anos de atuação no FBI, com histórico de investigações de casos de corrupção e lavagem de dinheiro na América Latina, sobretudo no Brasil. Em 2014, foi designada para acompanhar as investigações da Lava Jato.

A agente se especializou na FCPA (Foreign Corrupt Practices Act), legislação que trata da punição das práticas de corrupção de estrangeiros, ainda que não ocorridas no território norte-americano. Foi essa lei que embasou a condenação de empresas brasileiras, como a Petrobras e a Odebecht, a pagarem multas superiores a US$ 4 bilhões para os Estados Unidos, Brasil e Suíça.

Hoje, Leslie comanda 1 escritório da agência em Miami, montado especificamente para investigar casos de corrupção ocorridos na América do Sul.

Comandada por Deltan Dallagnol, a força-tarefa da Lava Jato envolveu 13 agentes do FBI, incluindo Leslie Backschies, no curso de suas investigações. Segundo a reportagem, as informações do inquérito foram abertamente compartilhadas com o departamento norte-americano.

A legislação brasileira só permite a participação de agentes norte-americanos em diligências ou investigações ocorridas em solo brasileiro perante autorização do Ministério da Justiça.

Não há nenhuma explicação do FBI e da Embaixada dos EUA sobre o motivo de manter agentes no Brasil. Contudo, 1 documento obtido pela Agência Pública revela que, em outubro de 2019, foi feito 1 anúncio em busca de 1 “investigador de segurança” para atuar na equipe do adido legal, dedicando 70% do seu tempo para as investigações em todas as regiões do Brasil. “Essas investigações são, frequentemente, altamente controversas, podem ter implicações sociais e políticas significativas”, diz o anúncio.

Em uma troca de mensagens com Dallagnol, a procuradora Thaméa Danelon aparece diversas vezes contando ao “amigo” sobre planos de palestras e acordos realizados com agentes do FBI.

PODER 360

Covid-19: Governo de SP define 5 outros estados para testar a vacina


João Conrado Kneipp
A vacina contra o novo coronavírusdesenvolvida pela empresa chinesa Sinovac Biotech em parceria com o Instituto Butantan, em São Paulo, será testada em outros cinco estados brasileiros: Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Paraná e Distrito Federal. O anúncio foi feito pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), durante a coletiva de imprensa desta quarta-feira (1º).
A fase de testes clínicos da “Coronavac” envolverá a aplicação e acompanhamento clínico de 9 mil voluntários no Brasil, que ainda serão selecionados pelos 12 centros de pesquisa nesses estados. Os critérios para a escolha serão apresentados na próxima semana.
Na capital paulista, além do Instituto Butantan, os testes também serão realizados pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP; pelo Instituto de Emílio Ribas; e pelo Hospital Albert Einstein.

Já em outras regiões do estado, foram selecionados os centros do Hospital das Clínicas da Unicamp; a Universidade Municipal de São Caetano do Sul; a Faculdade de Medicina de São José Rio Preto e o Centro de Saúde Escola da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto.

Fora do estado, a testagem da vacina será realizada pela Universidade de Brasília (UnB); pelo Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas, no Rio de Janeiro; no Centro de Pesquisa e Desenvolvimento de Fármacos da Universidade Federal de Minas Gerais; no Hospital São Lucas da PUC do Rio Grande do Sul; e Hospital das Clínicas da Universidade Federal do Paraná.

A previsão para início dos testes no próximo mês, mas depende da autorização da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que o governo espera acontecer até o fim desta semana. Se der certo, a estimativa é que a vacina esteja disponível à população em junho de 2021.

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, explicou que após a seleção dos 9 mil voluntários, a aplicação da vacina será “um para um” – um voluntário recebe a vacina, enquanto outro voluntário recebe um placebo, uma substância sem efeito.

“Tudo isso é acompanhado durante um tempo por um organismo internacional que verifica os dados. Nós não teremos acesso a esses dados até a conclusão dos testes”, explicou Covas. O diretor também anunciou que, caso a vacina seja aprovada, o acordo com o Sinovac Biotech prevê a disponibilização imediata da 60 milhões de doses para aplicação.

URGENTE: Vacina contra Covid-19 funciona e laboratório vai produzir 1 bilhão de doses

Julho já começou com uma boa notícia e a vacina experimental contra o novo Coronavírus produzida pela gigante farmacêutica Pfizer em parceria com a empresa de biotecnologia BioNTech demonstrou bons resultados em testes com humanos. A vacina estimulou a resposta imune dos pacientes saudáveis, mas também causou efeitos colaterais, como febre, em doses mais altas.

O estudo foi randômico e testado em 45 voluntários que receberam três doses da vacina ou placebo; destes, 12 receberam uma dose de 10 microgramas, outros 12 tomaram 30 microgramas, mais 12 receberam uma dose de 100 microgramas e nove foram tratados com a versão em placebo da vacina. A dose mais alta, de 100 microgramas, causou febre em metade dos participantes do teste — por conta dos efeitos colaterais, o grupo não recebeu uma segunda dose.

Depois de uma segunda dose da injeção três semanas depois da primeira, 8,3% dos participantes do grupo de 10 microgramas e 75% do grupo de 30 microgramas também tiveram febre. Outro sintoma apresentado foram distúrbios de sono. Os pesquisadores, no entanto, não consideraram os efeitos colaterais sérios e não resultaram em hospitalizações.

A vacina foi capaz de gerar anticorpos contra a Covid-19 e alguns deles neutralizaram o vírus, o que pode significar que é capaz de parar o funcionamento dele, mas ainda não se sabe se esse nível mais alto de anticorpos é realmente capaz de gerar imunidade à doença. A Pfizer irá conduzir novos estudos em breve para provar que quem tomou a vacina é 50% menos vulnerável ao vírus.

Petrobrás aumenta mas s uma vez o preço da gasolina

A Petrobras vai promover o sétimo reajuste consecutivo da gasolina na refinaria. O aumento será de 3%. O diesel também será elevado, em 6%. Os novos preços passam a vigorar nesta quinta-feira, 2 de julho, nas refinarias da estatal.

Antes do novo reajuste, a gasolina ainda acumulava 20% de queda no ano, segundo a Petrobras. No diesel, este é o segundo aumento consecutivo. O anterior foi de 8% e foi causado pela elevação do preço do biodiesel nos últimos leilões, pois é necessária mistura de 12% do biocombustível no óleo.

Nas bombas, segundo especialistas, os aumentos podem representar mais R$ 0,0982 no litro do diesel e R$ 0,0457 no da gasolina.

Correio Braziliense