Denúncia de irregularidade pode revogar aumento da passagem‏ de ônibus

DCE-UNI entrará com ação por abuso de poder da secretária Elequicina e com mandato de segurança ou ação ordinária para revisar os resultados da reunião

Conselho Municipal de Transporte. Foto: Brena Queiroz

Após a reunião do Conselho Municipal de Trânsito e Transporte Público que definiu um reajuste de quinze centavos no valor da tarifa dos ônibus de Natal na manhã desta quarta-feira, o Diretório Central dos Estudantes da UNI-RN entrou na justiça para denunciar irregularidades na reunião e também no aumento proposto.

Durante a reunião, o vice presidente da Associação Beneficente Estudantil do RN (Abern) denunciou o descumprimento do Decreto 8.305 de outubro de 2007, que regulamenta a formação do Conselho.

Foi questionada a participação de Gleydson Batalha como conselheiro da União Estadual dos Estudantes (UEE), que, segundo o decreto, só poderia ser representado por um estudante de graduação, o que Batalha já não é mais (formado pela Facex nos últimos anos). Além disso, o Conselho, que devia contar com 23 integrantes, estava sem um representante das entidades estudantis secundaristas.

Mesmo decidido que Gleydson continuaria na reunião realizada na Secretaria Municipal de Mobilidade Urbana (Semob), houve protestos durante todo o evento. Como ele haveria de defender uma classe da qual ele nem faz mais parte?

Na segunda parte da reunião, foi feita uma comparação entre as planilhas apresentadas pela Seturn e Semob, que apresentaram algumas divergências. Três propostas foram apresentadas: R$2,50 pela Seturn, R$2,40 pelo DNIT e R$2,35 pela Semob.

Fonte: Jornal de Hoje

Bem que avisei: em Ponta Negra os gatos estão lanchando os ratos

Eu sei que a pessoa que enfrente os poderosos no RN logo leva a fama de desequilibrado, temperamental e louco..

Eu estou nesse meio.. rsrsrs

Muitas pessoas dizem que tenho problemas pessoais como prefeito, Carlos Eduardo Alves, mas garanto que da minha parte não existe.. Agora quem faz criticas a um Alves passa a ser inimigo deles passando a sofrer todo tipo de perseguição….

Como critico, comigo não é diferente..

Eu avisei aqui no blog que o enrocamento de pedras na orla da praia de Ponta Negra iria servir para criatório de ratos e mosquitos.. Os babões do prefeito disseram que eu estava doido que nada disso iria acontecer… Teve um babão de Carlos Eduardo que disse que Ponta Negra só teria rato se eu fosse pra lá..

Acontece que o tempo é o senho da razão.. Hoje recebo várias fotos do leitor, Sergio Santos, mostrando uma verdadeira infestação de ratos no mais importante ponto turistico de Natal..

Imagine os banhistas na praia e os gatos correndo atrás dos ratos?

O pior é que não pode usar veneno para matar os ratos porque provocará uma mortandade de animais marinho..  E agora, Carlos Eduardo Alves, como o senhor vai fazer para acabar com os ratos ??

É bom lembrar aos banhistas que urina de rato transmite algumas doenças como: leptospirose, meningite e escabiose, a popular chanha.. .. Eu mesmo não vou mais pra lá..

Teimosia mata… Veja nas fotos os gatos lanchando os ratos:

 

Advogado Júnior Gurgel entrou com representação no CNJ contra juíza

O advogado Júnior Gurgel não satisfeito com o comportamento da juíza, Karyne Chagas Mendonça Brandão, que segundo ele, a magistrada há dois anos não expediu um alvará para ele receber honorários sucumbenciais em seu favor..

O advogado fez severas criticas a juíza nas redes sociais e ela alegou suspeição por foro intimo para não despachar em favor do advogado..

A AMARN – Associação dos Magistrados do RN e a juizá Karine pediram a justiça para retirar as criticas do advogado e o colega da juíza, Dr. José Undario de Andrade da 18ª Vara Cível da Comarca de Natal-RN das redes sociais..

Júnior Gurgel também enviou carta aberta a OAB-RN com pedido de desagravo e representação a Corregedoria do TJ-RN..

. Junior Gurgel foi quem denunciou o caso dos precatórios, essa briga parece que vai longe e o blog do primo vai acompanhar.. A sociedade tem direito a informação..

Confira na integra a representação encaminhada ao CNJ – Conselho Nacional de Justiça contra a magistrada citada:

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA.

 

                      Francisco Gurgel dos Santos Júnior, OAB/RN 4775, escritório à Av. Raimundo Chaves, 1960, Candelária, Natal vem à Presença de Vossa Excelência REPRESENTAR a Juíza KARYNE CHAGAS DE MENDONÇA BRANDÃO, titular da 11ª Vara Cível da Comarca de Natal.

 

 

 

  1                     O Representante é parte e consequentemente advogado no processo 0005104-90.1999.8.20.0001/003, tendo o Juiz Geomar de Brito condenado o Réu a pagar sucumbência, tendo os demais advogados substabelecido, ficando apenas dois advogados, o Representante e Juliana Bezerra Gurgel, OAB/RN 8296, filha do Representante,

2                     Como é sabença geral, e como todo Magistrado antes de assumir o cargo de Juiz ou Juíza, passa nas bancas de advogados, e sabem que a subsistência do advogado está nos honorários.

 

3                     Com a saída do Dr. Geomar de Brito, a 11ª vara retrocedeu, e a única coisa que anda naquela vara são os que lá estão, mas do contrário, os procedimentos inerentes à atividade judicial é que menos andam.

 

4                     Questionando a diretora da secretaria por telefone, esta informou que lá as coisas são feitas a maneira da Magistrada, e que não existe outro meio, é a Lei de Talião.

 

5                     Indiscutivelmente o Representante sabe de suas limitações de tolerância quando está discutindo o óbvio, motivo que determinou que a advogada Juliana Bezerra Gurgel fosse até a 11ª vara para procurar uma solução para receber o ALVARÁ que lhes pertence.

 

6                     É preciso insistir que os honorários no qual o Representante tem a receber foram depositados, tendo o Banco do Brasil informado em 05/02/2013 a Juíza, conforme consta no espelho do esaj.tjrn.jus.br, todavia a advogada Juliana Gurgel fez diversas visitas a Secretaria, mas não logrou êxito, apesar do seu manto inquestionável de tolerância, diferentemente do Representante.

 

7                     Fazendo-se a cronologia para receber os honorários depositados, inicia-se em outubro/2010 quando foi requerida a execução, já em fevereiro/2011 foi requerido o PROSSEGUIMENTO DO FEITO haja vista o processo estava sem movimentação desde 08/11/2010. Em Agosto/2012 foram protocoladas 2 petições, a 1ª informando o não cumprimento da decisão judicial, e o prosseguimento da execução e a aplicação da multa do 475-j, onde foi juntado substabelecimento sem reservas, requerendo que todas as publicações fossem feitas em nome de Juliana Bezerra Gurgel, bem como foi mais uma vez requerido o prosseguimento da execução face ao não cumprimento espontâneo, que remontaria a 08/11/2010.

 

8                     Continuando com o cronograma dito no item 7, em Dezembro/2012 o próprio banco devedor fez petição juntado o pagamento do valor da condenação dos honorários sucumbenciais, pediu a liberação do alvará em favor de Francisco Gurgel dos Santos Júnior e Juliana Bezerra Gurgel. Em Março/2013 o Representante peticionou requerendo a expedição do ALVARÁ do valor depositado. E agora em 2014 a advogada Juliana Bezerra Gurgel esteve por 3 vezes com a Representada, a primeira vez foi em março onde conversou pessoalmente e explicou a VIA CRUCIS inclusive por diversas vezes feito o pedido de prosseguimento do feito para expedição do Alvará, tendo a Representada dito que fosse deixado o extrato do processo com ela que iria providenciar.

 

9                     Seguindo este percurso interminável, a advogada Juliana Bezerra Gurgel retornou na vara e teve a notícia que a Representada estava de férias e quem estava substituindo era Dra. Ana Carolina Maranhão, mas que só estava despachando liminares. Quando a Representada retornou das férias, no início de junho de 2014, a advogada Juliana Gurgel esteve na vara, conversou novamente com a Representada, levou mais uma vez o extrato do processo, explicou novamente as mesmas coisas já ditas, e a Representada também repetiu o que já havia falado.

 

10                   Semana passada, entre os dias 15 e 16 de julho/2014, a advogada Juliana Gurgel esteve no Fórum porque em junho foi feita mais uma petição requerendo vista no processo e ainda sequer tinha sido juntada nos autos. Tendo a advogada esperado toda a manhã, e quase pelo meio dia foi que a Representada despachou apenas vista nos autos, isto tendo a petição sido protocolada há mais de 30 dias.

 

11                   Em 17/07/2014 a advogada Juliana Gurgel esteve na 11ª vara para devolver o processo, protocolar a petição e conversar com a juíza, cuja petição foi redigida nos seguintes termos:

 

JULIANA BEZERRA GURGEL, advogada constituída nos autos vêm à presença de Vossa Excelência expor para ao final requerer.

 

1Conforme consta no incidente de falsidade, em sede de sentença, o Réu BANCO SANTANDER foi condenado a efetuar o pagamento dos honorários advocatícios e, como não houve recurso do incidente, Processo nº 0005103-90.1999.8.20.0001/003, este transitou em julgado.

 

2 Ocorre que, conforme petição de folhas 355/356, volume II do incidente/003 o patrono do Réu – BANCO SANTANDER já efetuou o depósito referente aos honorários advocatícios, CONTA JUDICIAL Nº 2600115379953, conforme documentação que segue em anexo, bem como requereu a expedição do alvará em nome desta subscritora, bem como requereu a extinção do presente incidente.

 

3 Não restam dúvidas que a expedição do respectivo alvará em nome da subscritora, independe do efeito suspensivo do processo principal haja vista trata-se de honorários advocatícios.

 

12                   Devolvido o processo, protocolado a petição, a advogada conseguiu entrar na sala da Representada, todavia existem alguns detalhes narrados pela advogada os quais faço questão de colacionar:

 

Devolvi o processo.

Protocolei a petição e fui conversar com a Magistrada.

 

Bem, quando fui conversar com ela não me deixaram levar o processo, disseram que era protocolo da vara, que ela ficava apenas com o extrato porque não gostava de deixar os processos que os advogados levavam para falar com ela enchendo a mesa, eu expliquei ao rapaz da vara da importância de levar o processo para ela ver que era apenas o alvará… que já estava concluso para decisão desde 05/02/2013, que o banco já tinha pago mas infelizmente não teve conversa para resolver, o rapaz imprimiu para mim o extrato e eu fiquei esperando a boa vontade dela para me mandar entrar.

 

Resumindo: Quando entrei, tentei explicar para ela toda a situação processual e ela me disse que estava fazendo apenas as coisas de mais importância que, a vara mais problemática era a dela, que isso aconteceu devido problemas com Dr. Geomar, que ela não podia nem ia fazer o alvará, que agora é que ela estava pegando as conclusões de janeiro/2014…

 

Quando ela falou isso, no mesmo momento disse: Excelência, meu processo está concluso desde FEVEREIRO/2013  e a senhora está falando que está resolvendo as conclusões de janeiro/2014 foi quando em resumo ela disse: “não vou colocar nenhum estagiário pago para fazer isso, se aparecer um estagiário voluntário ele pega aqui o seu extrato e eu mando ele fazer isso porque é uma coisa simples mas, aos pagos, eles não vão fazer isso não.”

 

Como fiquei muito chateada com o posicionamento dela, ironicamente eu perguntei se eu poderia marcar um ano daquela nossa conversa para voltar para ver se ela ia conseguir um estagiário voluntário para fazer algo que é tão simples… Ela ficou chateada e em tom irônico também disse que não ia me responder.

 

Resumidamente é esse o modelo da toga da juíza da 11º Vara cível.

 

Em nenhum momento faltei respeito com a magistrada nem tampouco gritei ou me alterei.

 

13                   Inobstante a um direito liquido, certo, exigível e legitimo do Representante, imagino que a Representada desconhece a LEI, e aplica a Lei de Talão, e como a Representada deverá receber uma contra fé desta representação, vejamos quais são os deveres dos Magistrados, conforme consta na Lei Orgânica da Magistratura Nacional, e que ninguém pode alegar que desconhece a Lei, em especial que dela usa mais não cuida.

 

Art. 35 – São deveres do magistrado:

I – Cumprir e fazer cumprir, com independência, serenidade e exatidão, as disposições legais e os atos de ofício;

II – não exceder injustificadamente os prazos para sentenciar ou despachar;

III – determinar as providências necessárias para que os atos processuais se realizem nos prazos legais;

IV – tratar com urbanidade as partes, os membros do Ministério Público, os advogados, as testemunhas, os funcionários e auxiliares da Justiça, e atender aos que o procurarem, a qualquer momento, quanto se trate de providência que reclame e possibilite solução de urgência.

V – residir na sede da Comarca salvo autorização do órgão disciplinar a que estiver subordinado;

VI – comparecer pontualmente à hora de iniciar-se o expediente ou a sessão, e não se ausentar injustificadamente antes de seu término;

VII – exercer assídua fiscalização sobre os subordinados, especialmente no que se refere à cobrança de custas e emolumentos, embora não haja reclamação das partes;

VIII – manter conduta irrepreensível na vida pública e particular.

 

14                   Apesar da Representada não cumprir os prazo processuais, não cumpre também com o artigo 35 da Lei dos Magistrados, esquecendo a Representada, e talvez não tenha conhecimento da Lei, é tanto que o Representante para promover o andamento processual postou em seu FACEBOOK foto da Representada e dizendo que a Juíza não tem Juízo e usa a Lei de Talião, o que foi de plano alegado suspeição no feito, e mais incrível foi a APLICAÇÃO DA LEI DE TALIÃO, pela magistrada quando foi promovida uma ação processo 0801633-90.2014.8.20.0001, protocolada em 22/07/2014, às 13:47hs pedindo a antecipação de tutela, e incontinenti despachado e cumprido o mandado no dia 23/07/2014 às 14:40hs, mostrando e provando o TALIONISMO EXARCEBADO, aonde o mérito da questão era tirar a matéria do facebook, porque não se tinha dado a Representada o direito a resposta.

 

15                   Em que pese às alegações, na própria petição da Representada, no blog do primo está dito que a Representada tem direito a responder, bem como o Representante acresceu dizendo às provas que ela teria que demonstrar, e é comezinho nos dias de hoje que no FACEBOOK todas as pessoas podem interagir nas noticias que são dadas, mas o que aconteceu com a Representada foi tão somente para mostrar que esta é praticante da Lei de Talião, e a força de uma Associação de Magistrados, que para o Representante e por analogia um suco de laranja se torna ruim por uma das laranjas não prestar.

 

16                   É lamentável que uma Associação de Magistrados, uma Juíza ora Representada, uma Juíza despachando e um renomado escritório de advocacia, venham a tolher o direito da expressão verdadeira, provada, aonde ao final o fim que o Representante colimava foi feito, a própria Representada caiu no canto da sereia, quando antes de espernear, ter visto o que de fato estava fazendo, mas pelo seu desequilíbrio foi às vias de fato, mostrando e provando sua insensatez, e como foi descoberto seu ponto fraco, ficou mais salutar a forma de resolver a simples impressão de um Alvará e a assinatura de um Juiz.

 

17                   Na medida em que a AMARN entra no processo, passou a ser boi de piranha, pois acredita-se que apenas a Representada e seus Advogados teriam condições de conduzir um feito, não precisando de uma Associação, que servindo de Boi de Piranha caiu na conversa da Representada sem antes verificar com quem estaria a razão, mas a autora no processo mencionado, vai de encontro a tudo que existe de modernização no Judiciário do RN, desde o curso de gestão de varas judiciais, organizado pela ESMARN que tinha o fim de implementar soluções que favoreçam o aumento da eficiência na prestação jurisdicional do Poder Judiciário do RN.

 

18                   Segundo informações do TJRN entre os assuntos que seriam abordados no curso estão: Estrutura do Poder Judiciário Estadual, direção dos Tribunais der Justiça, Planejamento Estratégico, aprimoramento e padronização de estrutura de varas e gabinetes. Os magistrados deverão ter uma frequência mínima de 75% das aulas e serão avaliados mediante apresentação de estudo de caso tendo como base um dos temas abordados no curso.

 

19                   Todos tem conhecimento de que o Tribunal de Justiça não é o mesmo da época dos PRECATÓRIOS, mudou se, modernizou e passou a fazer parte do Programa “Justiça Aberta”. Hoje o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte passou a ser elogiado, e respeitado pela moderna administração.

 

20                   É bem verdade que lidar com seres humanos é mais difícil do que com animais, e dependendo do nível de escolaridade e sua função ou cargo as coisas ficam mais difíceis, e sobre o tema, está consagrado de que muitos ocupantes de cargos públicos estão por status, remuneração, mas não estão por vocação.

 

21                   Exercer o múnus público de JUIZ não é fácil, todavia o candidato a uma vaga de Juiz nunca observou que este se vier a ser juiz terá que seguir algumas regras, dentre elas é se contentar com os famosos recursos. Os embargos de Declaração é um meio de o advogado dizer ao Julgador de que ele ERROU, omitiu, ou deixou de falar sobre algo que deveria, e estes embargos de declaração é o advogado quem faz, e muitos juízes se acham ofendidos, quando não deveriam porque está na Lei.

 

22                   Quantas apelações já foram realizadas, e o Tribunal reforma a sentença, e muitos juízes não gostam, porque o advogado provocou o Tribunal e mostrou que o Juiz estaria errado, e assim vai, até recursos dentro dos Tribunais são feitos, e termina sempre que cada recurso promovido é sinal que alguém falhou, deixou de fazer o que era devido, e imagina-se se cada um destes Juízes ou Juízas, ou Desembargadores ou Ministros por causa desta repreensão por parte do advogado, viesse a praticar a Lei de Talião.

 

23                   Nas lições de Nancy Andrighi (2001- Leia mais: http://jus.com.br/artigos/26455/a-etica-profissional-estudo-sobre-a-etica-do-juiz-de-direito#ixzz38INUwA5S), ao ser investido nas funções jurisdicionais o juiz agrega ao seu ser a responsabilidade da imagem da instituição que representa, de sorte que a imagem do homem-juiz, no ser, no estar e no participar, sempre estará de forma indissolúvel e permanente associada a do Poder Judiciário. E chega a afirmar que:

 

O juiz é um espelho social onde o jurisdicionado se mira e encontra justificativas para agir de tal e qual forma, isto porque, no seu modo de ver crítico é permitido concluir que “se o juiz assim age, mais do que nunca eu, que sou um simples cidadão, posso fazê-lo”. (ANDRIGHI, 2001).

 

24                   Com o brilhantismo que lhe é peculiar, aduz a ministra que a função precípua do juiz é ser o pacificador social e, para tanto, precisa ser respeitado pela coletividade. Destaca pontos que tocam a ética na magistratura, a exemplo da necessidade de uma nova postura para apagar a notícia que transita nos meios forenses, de que é mais fácil ser recebido por um Ministro de Tribunal Superior, do que ser atendido por um juiz de direito, bem assim, ressalta que o juiz ético é aquele adequado há seu tempo, rente aos fatos e principalmente rente à vida, que nunca olvida que atrás de cada página do processo está um cidadão aflito aguardando a sua decisão. Leia mais: http://jus.com.br/artigos/26455/a-etica-profissional-estudo-sobre-a-etica-do-juiz-de-direito#ixzz38INnfZHG

 

25                   Segundo a Ministra Nancy Andrighi a escolha por uma profissão inclui a reflexão prévia acerca dos compromissos éticos que deverão ser honrados em face da categoria profissional eleita. Aquele que busca apenas ter um bom emprego, estabilidade e alto salário, não deve optar pela magistratura – carreira de elevada importância para o Estado Democrático de Direito.

 

26                   O juiz de direito deve ser um vocacionado, pois, a sociedade sempre exigirá dele uma conduta exemplarmente ética, pautada no referencial maior da justiça que todos anseiam. Por essa razão, o “homem-juiz” deve ter princípios sólidos e integridade preservada, além da consciência de que carregará consigo a responsabilidade de ter a sua imagem de forma indissolúvel e permanente associada à instituição que representa. Leia mais: http://jus.com.br/artigos/26455/a-etica-profissional-estudo-sobre-a-etica-do-juiz-de-direito#ixzz38INxunrA

 

27                   Quando tratamos de JUIZ, temos que lembrar o artigo 133 do Código de Processo Civil que diz:

 

Art. 133. Responderá por perdas e danos o juiz, quando:

I – no exercício de suas funções, proceder com dolo ou fraude;

II - recusar, omitir ou retardar, sem justo motivo, providência que deva ordenar de ofício, ou a requerimento da parte.

Parágrafo único. Reputar-se-ão verificadas as hipóteses previstas no nº II só depois que a parte, por intermédio do escrivão, requerer ao juiz que determine a providência e este não lhe atender o pedido dentro de 10 (dez) dias.

 

28                   Imagine senhor Corregedor, será que o artigo 133 do CPC é uma utopia, foi revogado, ou o advogado poder exigir que a Lei, apenas a Lei seja cumprida, até porque desde longas datas, que esta prática não existe pelos julgadores, imagine se a partir de hoje 24 de julho de 2014 este Representante passe a exigir a risca estes prazos, bem como cobrar as perdas e danos, acredita que teríamos um CAOS JURÍDICO, e ninguém pode subestimar o Representante de que este possa a partir de agora passar a praticar o uso do 133, e sabe por que, porque é LEI.

 

29                   Ora Senhor Corregedor, ninguém pode alegar que desconhece a LEI, quiçá um Magistrada que faz das leis seu dia a dia, e o advogado tem que requerer por diversas vezes a mesma coisa, e a Magistrada sequer atende, sequer toma uma providência, tendo assim a Representada IGNORADO o artigo 133 do Código de Processo Civil, bem como foi de encontro a Lei Complementar nº 35, de 14 de março de 1979, exatamente nos incisos II e III do artigo 35, conforme texto abaixo:

 

Art. 35 – São deveres do magistrado:

I – Cumprir e fazer cumprir, com independência, serenidade e exatidão, as disposições legais e os atos de ofício;

II – não exceder injustificadamente os prazos para sentenciar ou despachar;

III – determinar as providências necessárias para que os atos processuais se realizem nos prazos legais;

 

30                   Afora tudo que consta nos autos, esqueceu a Juíza KARYNE CHAGAS DE MENDONÇA BRANDÃO, de que a não liberação dos honorários de sucumbência a JÚNIOR GURGEL é uma violação as prerrogativas do advogado em receber sua sucumbência, valores depositados e disponíveis, e porque jogar por terra uma prerrogativa advocatícia, senão uma das mais importantes que é a remuneração pelos trabalhos prestados. Isto também é uma forma de castração, é um verdadeiro confisco é a pratica de um sistema ditatorial, aonde a Magistrada KARYNE CHAGAS DE MENDONÇA BRANDÃO fez a retenção de honorários e acha que pode ficar por isto mesmo.

 

31                   Desta feita, tendo a MAGISTRADA ora Representada infringido o artigo 35 da Lei dos Magistrados, tendo infringido o artigo 133 do CPC, tendo violado uma das prerrogativas do advogado, só por estas graves razões espera que exista uma punição exemplar, e no caso, estamos falando especificamente da Representada, que deixou o Representante todo este tempo sem uma resposta e sem receber seu dinheiro. Quiçá os demais ALVARÁS que o Representante tem a receber não tenha que fazer a mesma coisa para poder receber.

 

Protesto por todas as provas admitidas em direito, requeiro a intimação da Representada para esta ter a oportunidade de se defender, juntando provas, ou admitindo de que não liberou o ALVARÁ porque não quis, e praticou a Lei de Talião.

 

Pede deferimento.

Natal, 24 de julho de 2014.

Francisco Gurgel dos Santos Júnior

OAB/RN 4775

 

PSB, PROS e DEM de São Francisco do Oeste deixam Henrique e Wilma para apoiar Fátima e Robinson

O grupo liderado pelo empresário, Lusimar Porfirio de São Francisco do Oeste acompanhado do presidente da Câmara, Cícero Gomes (DEM) e os vereadores Geniosmo Pinheiro (PCdoB), Raimundo da Farmácia (PT), Janduy Alexandre (Pros) e Leidja Morais (PSB), anunciaram apoio as candidaturas de Fátima Bezerra para o senado e Robinson Faria para o governo..

Os parlamentares do DEM, PROS e PSB criaram uma dissidência local e não apoiarão os candidatos Wilma e Henrique Alves..

 

Aécio Neves critica diplomacia brasileira

O senador e candidato à Presidência da República Aécio Neves (PSDB-MG) criticou a condução do governo Dilma Rousseff (PT), sua adversária nestas eleições, na economia e nas relações internacionais. Ele afirmou que o governo de Dilma “se precipitou” ao divulgar nota sobre os ataques de Israel na Faixa de Gaza, em ofensiva contra o grupo Hamas. “Temos que condenar o uso excessivo de força de Israel, mas também temos que condenar as ações do Hamas com lançamento excessivo de foguetes”, disse Aécio neste sábado (26), em São Paulo.

“Faltou uma palavra mais clara de convocação ao cessar-fogo”, continuou o tucano. “O Brasil se precipitou.” disse o presidenciável..

Acordo do falcão com o bacurau em Brasília

Falcão desceu para o ataque e….

Duas aves astuciosas, o bacurau e falcão tiveram um encontro secreto em Brasilia..

A conversa rolou em torno da politica da terrinha de Cascudo..

O falcão procurou defender os interesses de sua candidata ao senado..

O bacurau disse ao falcão que só tinha interesse no governo e que para o senado não estava nem aí…

O entendimento ficou assim: O bacurau deixa seus seguidores apoiarem a candidata ao senado do falcão..

…  o bacurau abril as asas.

O bacurau revelou a falcão que tem muitos bacuraus votando na candidata dele ao senado ..

Assim o bacurau e o falcão acertaram os ponteiros..

 

 

 

 

Maconha, só depois da eleição

Fora da pauta

Um dos temas que mais sacudiram a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nos últimos meses entrará para o final da fila das pautas de discussão.

Trata-se da possibilidade de liberação do medicamento Canabidiol, usado no combate a síndromes convulsivas e que tem a cannabis como princípio ativo.

A diretoria colegiada chegou a se debruçar sobre o assunto em maio. O debate transbordou na ocasião, ganhando enorme repercussão e aguçando paixões de grupos da sociedade civil favoráveis e contrários à medida.

E em véspera de eleição não convém brincar.

Temendo que o assunto seja usado negativamente pela oposição, quem manda na Anvisa vem deixando claro internamente: discussões sobre a liberação do Canabidiol, só depois do período eleitoral.

Por Lauro Jardim

A partir de amanhã (28) poderemos verificar como estão as contas dos candidatos

 

Os candidatos, partidos políticos e comitês financeiros têm de 28 de julho a 2 de agosto para entregar a primeira parcial da prestação de contas de campanha à Justiça Eleitoral (JE). Já a segunda parcial deverá ser apresentada de 28 de agosto a 2 de setembro. Ambas deverão conter a discriminação dos recursos em dinheiro ou estimáveis em dinheiro para financiamento da campanha eleitoral e dos gastos que realizaram, detalhando doadores e fornecedores.

A divulgação dos dados pela Justiça Eleitoral da primeira parcial será no dia 6 de agosto, e da segunda parcial, no dia 6 de setembro. Nos casos em que os candidatos, partidos políticos e comitês financeiros não encaminharem as prestações de contas parciais, a Justiça Eleitoral divulgará os saldos financeiros, a débito e a crédito, dos extratos bancários enviados pelas instituições financeiras.

Prefeito e vereadores do PMBD trocam Hermano Morais por José Adécio

Titico e Jose Adecio

Mudanças no cenário político em Tenente Laurentino Cruz… O prefeito Titico Araújo (PMDB) e os vereadores DelBezerra (PMDB) e Inácio Macedo (PMDB) abandonaram o deputado Hermano Morais (PMDB).

O que havia sido acertado antes, já não existe mais. Agora, já anunciam apoios ao deputado José Adécio (DEM), que tem como principal base no município serrano a vice-prefeita Ana Maria (DEM). Fotos: Divulgação.

Cição Bandido é o candidato sensação da Festa de Sant’Ana em Caicó

Mesmo que exista um boicote à candidatura pelos pela mídia caicoense, o candidato a deputado federal, Cição Bandido foi o mais bem recebido pelos participantes da Feirinha de Sant’Ana e demais eventos em Caicó..

Como Cição é caicoense e os outros candidatos a deputado federal não são caicoenses que só aparecem em festas ou nunca apareceram em Caicó, ele foi motivo de demostração de protestos do povo contra os candidatos paraquedistas..

Na seca de 2013 Cição fez um protesto na frente da Conab e foi preso defendendo nós pecuaristas, enquanto esses meninos estavam comendo nos restaurantes caros de Natal e rio de Janeiro, disse José Cesario..

Esses filho de Garibaldi e o tal do Rogério Marinho bem como o filho de Robinson, nunca pegaram num peito de uma vaca pra saber como é o sofrimento e luta de um vaqueiro, eles só devem ter pego nos peitos das mulheres bonitas da Natal e do sul do país, falou Beto de Agacy como é conhecido em Caicó.. Por isso eu voto em Cição Bandido que é um sofredor como nós..

Confira as fotos de Cição no meio do povo:

.

.

 

.

.

.