Arquivo da categoria: Politica

Senador Bunda Rica tem processos por invasão de terras e fraude em licitação

Flagrado com dinheiro na cueca pela Polícia Federal, o senador licenciado Chico Rodrigues (DEM-RR) responde na Justiça Federal por crimes como ocupação de terras públicas e fraude em licitação.

Levantamento feito pela CNN encontrou sete ações em andamento que citam o senador (a relação não inclui processos eleitorais). Ele foi excluído de uma das ações por conta de um erro no processo: a denúncia feita pelo Ministério Público Federal foi recebida pela Justiça antes de ter sido autorizada pela Assembleia Legislativa de Roraima (na época, Rodrigues era vice-governador e a licença é exigida pela Constituição estadual).

A mulher do senador, Selma Maria Ferreira Rodrigues, continua como ré no processo, acusada de invasão de terras públicas. Ela recorreu ao Supremo Tribunal Federal para ser excluída da ação, mas não obteve sucesso.

Há outros três processos relacionados a questões de ocupação de terras. Um deles é movido pelo Incra, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária.

A maior parte das ações corre em segredo de Justiça, o que dificulta a obtenção de detalhes sobre seus andamentos. O extrato de um dos processos informa apenas que se trata de investigação em torno de fraude em processo licitatório.

Em 2017, o MPF recorreu contra uma absolvição de Rodrigues, acusado de desviar verba de R$ 1 milhão que era destinada ao plantio de café no município de São Luiz do Anauá (RR).

Os recursos foram obtidos por emenda parlamentar proposta pelo próprio Rodrigues, então deputado federal. Ele foi absolvido na primeira instância da Justiça Federal por falta de provas.

Oito pessoas, acusadas de terem atuado em conluio com o hoje senador chegaram a ser condenadas em outro processo relacionado ao caso. A empresa beneficiada com a verba federal pertencia a parentes de Rodrigues.

A investigação começou em 2010, quando o Supremo Tribunal Federal aceitou denúncia contra o então deputado. Por conta da legislação que prevê prerrogativa de foro para ocupantes de determinados cargos públicos, o processo ainda passou pelo Superior Tribunal de Justiça e pelo Tribunal Reginal Federal da 1ª Região, onde agora tramita o recurso do MPF.

CNN BRASIL

Primando por Pau dos Ferros: Após aglomeração, candidatos pegam Covid-10; Um está na UTI

Deu no Blog da prima Thaísa Galvão

As aglomerações e manifestações políticas no interior do estado começaram a resultar em casos de contaminações por covid-19 e até um caso de internamento. Essa é a situação verificada na cidade de Paudos Ferros (RN), que realizou vários atos políticos há cerca de 8 dias e agora registra um caso de internação do vereador Gilson Rêgo, candidato a vice do prefeito Leonardo Rêgo.

O vereador está internado na UTI do Hospital Regional de Pau dos Ferros e tem comprometimento nos pulmões. O parlamentar não está intubado, mas foi internado na unidade de terapia intensiva por precaução, diante da ameaça de agravamento do caso.

Do outro lado da disputa, o ex-prefeito Nilton Figueiredo e a mulher Maria José, que participaram da movimentação da candidata Mariana, também estão com covid-19. O casal está em Mossoró se tratando na casa do filho, que é médico.

Thaisa Galvão

Brenno Queiroga, vice de Kelps Lima, é réu em 8 processos na justiça federal, diz o Xerife

Deu no Blog do primo Xerife

O engenheiro civil Brenno Queiroga, candidato a vice-prefeito na chapa encabeça pelo prefeitável e deputado estadual Kelps Lima, vem pregando nas redes sociais e nas ruas de Natal, uma gestão moderna e que valoriza o bom uso do dinheiro público. No entanto, na sua retórica eleitoral em busca de ganhar votos do eleitor, o vice de Kelps esqueceu de dizer que acumula oito processos que tramitam na Justiça Federal – em um deles, aliás, Queiroga é denunciado por uso de documento falso e fraude em licitação. Apesar de ter a sua credibilidade sub judice, o candidato a vice na chapa de Kelps Lima usa suas redes sociais para criticar a atual gestão municipal, enquanto omite da população de Natal a sua extensa lista de processos.

Enquanto “entoam” um discurso dizendo à opinião pública que fazem parte da chamada “Nova Política”, Brenno Queiroga, que é ex-prefeito de Olho D’água do Borges (RN), e o próprio candidato a prefeito, Kelps Lima, esquecem de explicar à população de Natal sobre a atual situação do presidente nacional do Solidariedade, o “Paulinho da Força”, líder maior de ambos. O “Paulinho da Força”, no último dia 6 de junho passado, foi condenado no Supremo Tribunal Federal (STF) a 10 anos e 2 meses de prisão por desvio de verbas públicas do BNDES.

De acordo com a Procuradoria Geral da República, “Paulinho da Força” se beneficiou do desvio de recursos de contratos, de R$ 130 milhões e 220 milhões, entre o BNDES, a prefeitura de Praia Grande e as Lojas Marisa. Os fatos foram investigados pela Polícia Federal, na Operação Santa Teresa, deflagrada pela PF em 2008, que teve como alvo empresários, advogados e servidores públicos. Somente a parte relativa a Paulinho da Força tramita no Supremo, pelo fato de ele ter foro privilegiado.

Fonte: www.robsonpiresxerife.com

Simpatizante do nazismo desiste de candidatura a vereador


O Professor Wander (PL), que era candidato a vereador em Pomerode (SC), desistiu da disputa. Expulso do partido onde tinha cargo de direção, Wander teve a candidatura inviabilizada.
A polêmica em torno da candidatura se deu por conta da ligação de Wander com o Nazismo. Em 2014, a polícia civil encontrou o desenho de uma suástica no fundo da piscina da casa dele.

No dia 8 de outubro, a Justiça Eleitoral identificou um registro de desfiliação partidária feito “a pedido do eleitor”, contra a candidatura de Wander. Na consulta aos registros oficiais do sistema, no entanto, não havia registro da desfiliação.

Por isso, na quinta-feira (15), o Juiz do cartório Eleitoral de Pomerode, Bernardo Augusto, enviou uma intimação ao candidato pedindo informações sobre sua filiação partidária. No documento, ele fixou o prazo de 72 horas para o candidato explicar sua situação partidária no PL.

A carta de renúncia
Sem partido, o candidato Wander Antonio Pugliese não teve outra opção, a não ser renunciar à candidatura. Na carta de renúncia, escrita a punho e datada de 18 de outubro – último domingo – Wander fala sobre a renúncia de filiação no PL, o desligamento do cargo de vogal na executiva do partido e afirma que renuncia, também, à candidatura de vereador.

Segundo ele, a candidatura deverá ser ocupada por um suplente. O ex-candidato pediu desculpas pela confusão criada e disse que ao enviar outra carta à Justiça Eleitoral – em 8 de outubro – estava “pressionado pela forte campanha midiática de difamação”.

Em nova carta – enviada em 16 de outubro – disse que lhe “tocava uma reação de enfrentamento” e que “ambas foram assinadas no fragor dos ânimos”. No desfecho da carta de renúncia, Wander diz que sua decisão é definitiva e irrevogável.

RESULTADO DAS AGLOMERAÇÕES: Paraíba ultrapassa as 3 mil mortes por Covid-19

Nesta segunda, 19 de outubro, a Paraíba registrou 114 novos casos de Covid-19 e 08 óbitos confirmados desde a última atualização, 04 deles ocorridos nas últimas 24h. Até o momento, 128. 549 pessoas já contraíram a doença, 104.636 já se recuperaram e 3.001, infelizmente, faleceram. Até o momento, 398.692 testes para diagnóstico da Covid-19 já foram realizados.
A ocupação total de leitos de UTI (adulto, pediátrico e obstétrico) em todo o estado é de 39%. Fazendo um recorte apenas dos leitos de UTI para adultos na Região Metropolitana de João Pessoa, a taxa de ocupação chega a 39%. Em Campina Grande estão ocupados 37% dos leitos de UTI adulto e no sertão 59% dos leitos de UTI para adultos.

Os casos confirmados estão distribuídos por todos os 223 municípios paraibanos. A diferença de casos de ontem para hoje é de 114, nos quais 10 municípios concentram 86 casos, o que representa 75,43% dos casos em toda a Paraíba. São eles:

Cruz do Espírito Santo, com 18 novos casos, totalizando 592; Cajazeiras, com 17 novos casos, totalizando 2.426; Bernardino Batista, com 12 novos casos, totalizando 110; Campina Grande, com 12 novos casos, totalizando 13.592; Picuí, com 08 casos novos, totalizando 408; Sousa, com 06 novos casos, totalizando 2.411; Bonito de Santa Fé, com 04 novos casos, totalizando 120; Boa Ventura, com 03 casos novos, totalizando 130; Ingá, com 03 novos casos, totalizando 1.548; Marcação, com 03 novos casos, totalizando 502.

Até hoje, 171 cidades registraram óbitos por Covid-19. Os 08 óbitos registrados nesta segunda ocorreram entre 25 de maio e 19 de outubro, sendo 04 deles ocorridos nas últimas 24 horas, entre residentes de 06 municípios. Os pacientes tinham idade entre 46 e 86 anos. Hipertensão foi a comorbidade mais frequente. Dos locais, três ocorreram em hospitais privados e os demais em hospitais públicos.

Fonte: Polêmica Paraíba

Primando por Mossoró : Rosalba lidera com 32,78%


A TCM divulgou pesquisa do Instituto TS2. Vamos aos números:

Pesquisa espontânea:

Rosalba Ciarlini (PP): 29,32%

Allyson Bezerra (SD): 20,36%

Cláudia Regina (DEM): 8,96%

Isolda Dantas (PT): 2,82%

Irmã Ceição (PTB): 0,26%

Ronaldo Garcia (PSOL): 0,13%

Não sabe/não respondeu: 22,92%

Nenhum/branco/nulo: 15,24%

Estimulada:

Rosalba Ciarlini (PP): 32,78%

Allyson Bezerra (SD): 24,97%

Cláudia Regina (DEM): 11,91%

Isolda Dantas (PT): 3,84%

Irmã Ceição (PTB): 0,38%

Ronaldo Garcia (PSOL): 0,26%

Não sabe/não respondeu: 10,63%

Nenhum/branco/nulo: 15,24%

A pesquisa TS2/TCM ouviu 781 pessoas em Mossoró entre os dias 13, 14 e 15 de outubro. A margem de erro é de 3,5% para mais ou para menos com intervalo de confiança de 95%.  A sondagem foi registrada na Justiça Eleitoral sob o número RN-02675/2020.

Blog do Barreto

Bolsonaro revela indisposição para disputar reeleição com Mourão; Rogério Marinho (Saco Preto) está na fila

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) não pretende disputar a reeleição em 2022 com o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB) como candidato a vice-presidente.

A intenção foi verbalizada pelo presidente a três aliados, que relataram o conteúdo das conversas reservadas com Bolsonaro à Folha.

Segundo eles, o presidente disse que quer escolher outro nome para a sua chapa eleitoral e ressaltou que não conseguiu estabelecer uma relação de completa confiança com o militar.

Nas palavras de um dos aliados, Bolsonaro afirmou que é preciso encontrar uma solução para o posto de vice-presidente e acrescentou que Mourão de novo “não dá”, segundo os relatos.

Nas três conversas, Bolsonaro lembrou que o general da reserva foi escolhido em 2018 devido a uma dificuldade, na época, em encontrar um nome para sua chapa eleitoral.

Antes do anúncio de Mourão, a hoje deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) foi convidada para o posto, mas recusou.

Em nome de uma aliança com o PRTB, e na tentativa de fidelizar apoios nas Forças Armadas, Bolsonaro escolheu o general da reserva.

Na época, aliados do hoje presidente reconheciam que Mourão era uma boa saída a Bolsonaro, já que, na opinião deles, por não ser um político de carreira, seu nome desestimularia a abertura de um processo de impeachment pelo Poder Legislativo.

A intenção do presidente de escolher outro nome para a chapa eleitoral já foi informada a integrantes das Forças Armadas, que passaram a avaliar uma espécie de saída honrosa para o general.

Eles defendem que o militar, que acumulou capital político no cargo, siga na vida pública e dispute, em 2022, um mandato de senador ou de governador no Rio Grande do Sul, onde o general chefiou o Comando Militar do Sul.

Para militares do governo, uma candidatura de Mourão no Rio Grande do Sul poderia até mesmo, se bem articulada, ter o apoio de Bolsonaro, que contaria com um palanque forte em um importante colégio eleitoral.

A relação de Bolsonaro e Mourão passa por idas e vindas desde o início do governo. Nos primeiros meses de mandato, o presidente já manifestava incômodo com o espaço que o general ganhou junto à opinião pública.

Na época, em mais de uma oportunidade, o vice-presidente concedeu declarações que faziam um contraponto a posturas manifestadas pelo presidente, o que, de acordo com assessores palacianos, incomodava Bolsonaro.

A avaliação que mais irritava o presidente, segundo auxiliares do governo, era a de que o general é mais preparado que ele para conduzir a Presidência da República, opinião manifestada nos bastidores por deputados e senadores.

Com o aumento do desconforto do presidente, Mourão chegou a adotar um período de submersão. Recentemente, no entanto, o militar voltou a conceder declarações diárias à imprensa, o que irritou novamente o presidente.

No início de setembro, por exemplo, Bolsonaro orientou uma youtuber de dez anos a fazer uma pergunta a Mourão em uma reunião ministerial. “Você quer ser presidente?”, questionou a garota. “Em hipótese alguma”, respondeu o general.

O episódio foi visto por assessores presidenciais como um recado de Bolsonaro a Mourão. Ele ocorreu após o presidente ter se incomodado com declaração do militar sobre o leilão do 5G.

Em entrevista à agência de notícias oficial do governo chinês, Mourão disse que o Brasil não distingue as empresas que participam do processo pelo seu país de origem. A multinacional chinesa Huawei é uma das principais interessadas no certame.

Mandetta quis atirar em filhos de Bolsonaro, diz ex-assessor: “Vontade de pegar um trezoitão”

Ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta desabafou na véspera de sua demissão e disse ter vontade de atirar contra os filhos do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), relata Ugo Braga, ex-diretor de comunicação da pasta, no livro Guerra à Saúde, com bastidores da crise durante a pandemia de coronavírus.
“O presidente é bom, é bem-intencionado. O problema são aqueles filhos dele, que ficam o dia inteiro xingando nas redes sociais. Sorte que eu não mexo com essas coisas”, teria dito Mandetta em 15 de abril deste ano, um dia antes de ser exonerado. “Minha vontade é pegar um trezoitão e cravar neles. Pelo menos passava a minha raiva.”
Procurado pelo jornal Folha de S.Paulo, o ex-ministro disse não se lembrar dos fatos narrados e afirmou que, em meio à epidemia, os filhos do presidente não faziam parte de suas principais preocupações.

Em outro trecho do livro, que será lançado em novembro, Ugo Braga relata o apoio da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, logo após a exoneração do ministro.

“Eu estou ligando para dizer que meu coração está triste pela sua saída, viu?”, teria dito Michelle a Mandetta.

O ex-assessor ainda revela um plano do governo sugerido durante reunião entre assessores de Mandetta e representantes do Planalto, em 2 de abril: transferir idosos das favelas do Rio de Janeiro para hotéis sem o aval do Ministério da Saúde.

“Eles querem isolar o idoso e botar os jovens para trabalhar, para se infectarem”, disse um dos presentes.

Candidatos são potenciais transmissores do coronavírus

Nada mais perigoso que um candidato a vereador em sua casa. Os candidatos a vereador são potenciais transmissores do coronavírus. Ele para ser eleitos precisam visitar e manter contados presenciais com muitos eleitores, diante desta necessidade os candidatos são pessoas de um grupo de risco muito alto, seu potencial de transmissão é muito grande.

O candidato a prefeito de Natal do Novo, Fernando Pinto renunciou à candidatura acometido de COVID-19. Uma fonte do Blog do Primo que trabalha em hospital privado de Natal informou que vários já foram testados positivos.
Evite Contatos pessoais com eles.

Nas últimas horas ao menos quatro candidatos a vereador morreram de covid-19 no Brasil.

1 – Em Sorocaba-SP o coronel Rozendo, de 73 anos, morreu na madrugada desta quinta-feira (15) vítima de Covid-19. Segundo a assessoria de imprensa, não houve velório por conta da pandemia.

2 – O pastor evangélico Damaceno Junior, de 43 anos, faleceu em Curitiba vítima da Covid-19. Ele concorria a uma vaga na Câmara Municipal pelo PSD estava em tratamento desde quinta-feira (8 de outubro).

3 – O candidato a reeleição como vereador de Pau Brasil, no sul da Bahia, Gerson de Sousa Mello, de 57 anos, conhecido como cacique Gerson Pataxó, morreu na tarde desta quinta-feira (15), na cidade de llhéus-BA.

4 – Morreu na manhã desta sexta-feira (16), em João Pessoa, o empresário e candidato a vereador em Sousa, José Pabllo Figueiredo. Ele tinha 34 anos e seria a 3ª vez que disputava uma vaga na Câmara Municipal de Sousa.

Quem é Chico Rodrigues, o senador com dinheiro na cueca

Senador mais votado por Roraima em 2018, vice-líder do governo Bolsonaro atua como político desde a década de 1980 e emprega primo dos filhos do presidente

Flagrado tentando ocultar dinheiro na cueca durante uma operação da Polícia Federal nessa quarta-feira, 14, o senador Chico Rodrigues (DEM-RR) é político profissional desde a década de 1980. Atual vice-líder do governo no Senado, Rodrigues passou 20 anos consecutivos na Câmara dos Deputados e chegou a assumir o governo de Roraima, tendo seu mandato cassado.
Chico Rodrigues emprega em seu gabinete no Senado o assessor parlamentar Léo Índio, primo dos filhos do presidente Jair Bolsonaro, que já disse ter “quase uma relação estável com o senador”.

Pernambucano de origem, Rodrigues assumiu seu primeiro cargo público após ter migrado para Roraima. Engenheiro Agrônomo por formação, foi convidado para assumir a Secretaria de Agricultura durante o governo de Arídio Martins de Magalhães, ainda na ditadura militar, entre 1983 e 1985. O primeiro mandato eletivo veio apenas em 1989, quando conquistou uma vaga na Câmara Municipal de Boa Vista.

A partir daí, a carreira do parlamentar decolou. Rodrigues deixou a vaga de vereador em 1991, quando foi eleito para o primeiro de seus cinco mandatos como deputado federal. Foram 20 anos consecutivos na Câmara Federal.

Além dos mandatos seguidos, chama a atenção o número de partidos pelos quais o senador já circulou. Desde 1987, quando se filiou ao MDB, foram 6 siglas defendidas: MDB, PTB, PPB (atual Progressistas), PFL/DEM, PSB e PSDB.

Nas eleições de 2010, o então deputado abriu mão de disputar a reeleição para tentar um plano mais ambicioso. O deputado do PSB resolveu aceitar ser vice na chapa do então governador José de Anchieta Júnior (PSDB), que venceu a eleição daquele ano. Com o afastamento do titular pela Justiça, em 2014, Rodrigues chegou a ser empossado governador, mas teve o mandato cassado no mesmo ano, por irregularidades cometidas pela chapa nas eleições de 2010.

Após quatro anos afastado dos mandatos eletivos, Rodrigues voltou a alcançar sucesso eleitoral em 2018. De volta ao DEM, partido que integrou desde os tempos de PFL, elegeu-se senador com 22,49% dos votos, sendo o mais votado do Estado.

‘União estável’ com Bolsonaro

 

Escolhido como vice-líder do governo Bolsonaro, o senador e o presidente mantém uma relação profissional desde os tempos em que ambos eram deputados. Os dois ocuparam cargos na Câmara Federal por 20 anos, no mesmo período.

Após a operação dessa quarta-feira, internautas resgataram vídeos em que o presidente troca elogios como o senador. Em um deles, Bolsonaro diz que a relação dos dois é “quase uma relação estável”, enquanto Rodrigues ressalta o “resgate da moralidade” e o “patriotismo” do presidente.

A relação não acaba por aí. Chico Rodrigues emprega em seu gabinete no Senado o assessor parlamentar Leonardo Rodrigues de Jesus, conhecido como Léo Índio, filho da irmã de Rogéria Nantes, que é mãe do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos).
Léo Índio ganhou o cargo de confiança no Senado em abril de 2019. Ele é muito próximo de Carlos, com quem morou no Rio, e tem livre trânsito no Palácio do Planalto, onde esteve 58 vezes só nos primeiros 45 dias do governo Bolsonaro.

No Palácio do Planalto, auxiliares do presidente ouvidos pelo Estadão, sob reserva, disseram que Rodrigues deve deixar o cargo de vice-líder do governo. O argumento é que seria péssimo para a imagem de Bolsonaro manter o senador nesse posto depois do escândalo. A expectativa é a de que o próprio parlamentar entregue o cargo.

Dinheiro na cueca e justificativa

Chico Rodrigues tentou ocultar dinheiro na cueca durante uma operação da PF em Boa Vista que investiga desvios de recursos públicos destinados ao combate à pandemia de covid-19, oriundos de emendas parlamentares. A ordem de busca e apreensão foi autorizada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso.

Segundo o Estadão apurou com duas fontes que tiveram acesso a informações da investigação, foram encontrados R$ 30 mil dentro da cueca do vice-líder do governo Jair Bolsonaro. Ao todo, os valores descobertos na casa do senador chegariam a R$ 100 mil. A investigação apura indícios de irregularidades em contratações feitas com dinheiro público, que teriam gerado sobrepreço de quase R$ 1 milhão.

Após a operação, o senador publicou uma nota dizendo estar tranquilo e acreditar na Justiça, afirmando, contudo, ter sido alvo de uma operação “apenas por ter feito o seu trabalho”. Confira a nota na íntegra:

“Acredito na justiça dos homens e na justiça divina. Por este motivo estou tranquilo com o fato ocorrido hoje em minha residência em Boa Vista, capital de Roraima. A Policia Federal cumpriu sua parte em fazer buscas em uma investigação na qual meu nome foi citado. No entanto, tive meu lar invadido por apenas ter feito meu trabalho como parlamentar, trazendo recursos para o combate ao covid-19 para a saúde do Estado.

Tenho um passado limpo e uma vida decente. Nunca me envolvi em escândalos de nenhum porte. Se houve processos contra minha pessoa no passado, foi provado na justiça que sou inocente. Na vida pública é assim, e ao logo dos meus 30 anos dentro da política conheci muita gente mal intencionada a fim de macular minha imagem. Ainda mais em um período eleitoral conturbado como está sendo o pleito em nossa capital.

Digo a quem me conhece que, fiquem tranquilos. Confio na justiça, vou provar que não tenho, nem tive nada a ver com qualquer ato ilícito. Não sou executivo, portanto, não sou ordenador de despesas, e como legislativo sigo fazendo minha parte trazendo recursos para que Roraima se desenvolva. Que a justiça seja feita e que se houver algum culpado que seja punido nos rigores de lei.”