Arquivo da categoria: Politica

Ministério Público Eleitoral pede impugnação de candidatura de Kelps Lima

Resultado de imagem para Kelps LimaA Procuradora Regional Eleitoral do Rio Grande do Norte, Cibele Benavides, ingressou pedido de impugnação de registro de candidatura do deputado estadual Kelps Lima (Solidariedade), que é candidato à reeleição. No pedido, ela alega que o parlamentar não está quite com a Justiça Eleitoral em razão de multa não paga.

A multa a qual se refere Cibele Benevides é resultado de condenação por propaganda extemporânea no ano de 2014, em evento promovido por apoiadores de Kelps Lima no interior do Estado.

Bolsonaro entra com pedido no TSE para barrar candidatura de Lula

Bolsonaro lidera as pesquisas no cenário em que não há o ex-presidente Lula

Nathan Lopes

Do UOL, em São Paulo

O candidato do PSL ao Planalto, deputado federal Jair Bolsonaro, entrou com pedido para barrar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). A ação, também formulada pela coligação em torno de sua chapa –“Brasil acima de tudo; Deus acima de todos”–, foi anexada ao processo do registro de candidatura do petista no início da tarde desta quinta-feira (16).

Bolsonaro também pediu rapidez para que a candidatura de Lula seja barrada pela Corte por considerar que verificar a inelegibilidade do petista “decorre de prova exclusivamente documental”. Para ele, isso mostra que seria desnecessária a abertura de prazos para manifestações, “pelo que fica desde já formulado pedido de julgamento antecipado”.

Amoêdo e Meirelles são os candidatos mais ricos; veja lista

Por Carmen Munari | Valor

SÃO PAULO  –  (Atualizada às 13h de 16/8)  – Treze candidatos à Presidência da República realizaram os registros no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

João Amoêdo, do Partido Novo, e Henrique Meirelles, do MDB, são os principais milionários da disputa. Os demais apresentam patrimônio muito inferior. Há também quem tenha declarado zero.

Veja a declaração de patrimônio dos candidatos à Presidência:

João Amoêdo (Novo): R$ 425.066.485,46

Henrique Meirelles (MDB): R$ 377.496.700,70

João Goulart Filho (PPL): R$ 8.591.035,79

Luiz Inácio Lula da Silva (PT):  R$ 7.987.921,57

José Maria Eymael (DC): R$ 6.135.114,71

Alvaro Dias (Podemos):  R$ 2.889.933,32

Jair Bolsonaro (PSL): R$ 2.286.779,48

Ciro Gomes (PDT): R$ 1.695.203,15

Geraldo Alckmin (PSDB): R$ 1.379.131,70

Marina Silva (Rede): R$ 118.835,13

Vera Lúcia (PSTU): R$ 20.000,00

Guilherme Boulos (Psol): R$ 15.416,00

Cabo Daciolo (Patriota): não apresentou bens

Fonte: Tribunal Superior Eleitoral (TSE)

Lula lidera com 30% das intenções de voto a menos de dois meses das eleições

Sem Lula, Bolsonaro lidera intenções de voto.

Por Redação Portal T5

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva lidera com 30,8% a pesquisa das intenções de voto para presidente na eleições deste ano. Em segundo lugar, o candidato Jair Bolsonaro obteve 22% das repostas dos entrevistados. Em seguida, Mariana Silva teve 8,1% das intenções e Geraldo Alckmin, 6,6%. O candidato Ciro Gomes obteve 5,9% e Álvaro Dias registrou 4%.

Cerca de 14% dos entrevistados na pesquisa disseram não ter candidato para estas eleições.

O questionário foi realizado pelo Instituto Paraná com 2.002 eleitores em 168 municípios dos 26 estados e no Distrito Federal.

No segundo cenário, sem o ex-presidente Lula, o número de eleitores sem candidato sobe para 23,1% e Jair Bolsonaro lidera com 23,9% das intenções de voto. Em segundo lugar, Marina Silva apresenta 13,2% dos possíveis votos. Seguem Ciro Gomes, com 10,2%, Geraldo Alckmin, com 8,5, e Álvaro Dias, com 4,9% das intenções.

Fernando Haddad como candidato do Partido dos Trabalhadores (PT) recebeu 3,8% das intenções neste cenário.

“Brasil precisa de mais candidatas eleitas”, diz ONU Mulheres

A representante da ONU Mulheres no Brasil, Nadine GasmanAs regras da Justiça Eleitoral que buscam resguardar cotas mínimas de candidaturas femininas e de recursos financeiros a elas ainda não são garantia de que mais mulheres serão, efetivamente, eleitas no Brasil. A constatação, em tom de alerta, é da representante no país da ONU Mulheres, Nadine Gasman.

Em entrevista ao UOL, Nadine lembra que, de acordo com rankings elaborados pela própria ONU, o Brasil tem hoje quantitativamente uma das piores representações femininas na política das Américas Central e do Sul – só está à frente de Haiti e Belize.

“O ponto central é: o que os partidos farão para assegurar que mais de R$ 560 milhões dos R$ 1,7 bilhão [30% do total] do fundo eleitoral realmente viabilizem as candidaturas de mulheres?”, diz Nadine. “Este é o fato novo das eleições de 2018, em que as mulheres terão à disposição recursos para fortalecer as suas candidaturas, o que pode ter efeitos nos próximos ciclos eleitorais e alterar o baixo índice de mulheres eleitas na política brasileira.”

O questionamento é o mote de uma campanha recém-lançada pela ONU Mulheres no país, batizada de #Brasil5050, com 90 vídeos que serão publicados até o final do ano e nos quais mulheres abordam a importância da paridade de gênero na política.

“O Brasil está muito mal não apenas nessa proporção 5050 [50% homens e 50% mulheres], mas [em comparação a] toda a região das Américas”, diz a representante. “Temos cotas de 30% para candidaturas femininas, mas chegamos a apenas 10% de mulheres na política. É muito pouco.”

Com Lula preso, PT transforma registro de candidatura em ato político

Bernardo Barbosa

Do UOL, em Brasília

Na tarde desta quarta-feira (15), em Brasília, o PT pretende transformar um ato normalmente burocrático — o pedido de registro de um candidato a presidente — em um evento político de grandes proporções.

O partido quer atrair milhares de militantes para os arredores do prédio do TSE, onde um grupo de petistas, acompanhado de advogados, deve pedir o registro de candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) horas antes do fim do prazo previsto em lei — 19h do dia 15.

Devem comparecer diversas lideranças petistas e de partidos aliados, como o ex-ministro Fernando Haddad (PT) e a deputada estadual Manuela D’Ávila (PCdoB), que devem compor a chapa caso o ex-presidente seja impedido de concorrer, além de governadores que apoiam Lula e da presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR).

Dirigentes do PDT de Mossoró rejeitam posições de Carlos Eduardo Alves alegando falta de respeito e entregam aos cargos do partido

Resultado de imagem para Carlos Eduardo Alves
Carlos Eduardo Alves é tido pelos seus correligionários como prepotente e arrogante

Por Carlos Santos

Toda a Comissão Provisória do Partido Democrático Trabalhista (PDT), de Mossoró, apresenta pedido de desligamento de cargos.

Através de “Nota à sociedade” distribuída à imprensa, os componentes do colegiado justificam a decisão, “pela forma como a Executiva Estadual conduz decisões relativas à campanha deste ano, sem ouvir e respeitar suas bases, além de supervalorizar aliados de ocasião”.

Veja a íntegra em boxe abaixo:

Nota à sociedade

Por decisão pessoal e conjunta nossa, integrantes da Comissão Provisória do Partido Democrático Trabalhista (PDT) em Mossoró, comunicamos o afastamento dos respectivos cargos que ocupamos nesse colegiado.

Justificamos essa decisão, pela forma como a Executiva Estadual conduz decisões relativas à campanha deste ano, sem ouvir e respeitar suas bases, além de supervalorizar aliados de ocasião.

Nosso desligamento é uma forma de protesto, mas ao mesmo tempo de respeito à própria legenda e à sua história.

Antônio Tomaz Neto – Presidente

Genivan Vale – Vice-Presidente

Jeferson Daniel da Silva Araújo – Tesoureiro

Clélio José de Sena -Membro da Comissão Provisória

Jaedson Túlio da Silva Araújo – Membro da Comissão Provisória

Talita Suanny de Araújo Almeida – Membro da Comissão Provisória

Fundador do Transparência Brasil, Cláudio Weber Abramo morre aos 72, em São Paulo

Resultado de imagem para Cláudio Weber AbramoFOLHA DE SÃO PAULO

Um dos maiores especialistas em combate à corrupção do país, o jornalista paulistano Cláudio Weber Abramo morreu na noite deste domingo (12) aos 72 anos em São Paulo.

Internado no Hospital Samaritano, ele não resistiu a complicações do tratamento de um câncer no intestino.

Formado em matemática pela USP, mestre em lógica e filosofia da ciência pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), Abramo cofundou em 2000 e comandou por quase 15 anos a Transparência Brasil.

Entre os projetos da Transparência, o Excelências, banco de dados sobre o histórico da vida pública de parlamentares, ganhou o Prêmio Esso de Jornalismo em 2006.

Abramo foi pioneiro no jornalismo de dados com o projeto Às Claras, plataforma que organizava e disponibilizava gastos das eleições

Assalto sofrido por Bolsonaro em 1995 culminou com a morte misteriosa de bandido e família

Resultado de imagem para Jair Bolsonaro

O GLOBO

Na terça-feira 4 de julho de 1995, o deputado federal Jair Bolsonaro deixou o apartamento em que morava na Tijuca, bairro do Rio de Janeiro, por volta das 8 horas da manhã. Pretendia panfletar na Zona Norte na busca da reeleição. No caminho, ao parar em um semáforo na altura de Vila Isabel, foi abordado por dois bandidos armados. Levaram a moto, uma Honda Sahara de 350 cilindradas seminova, e a pistola Glock calibre 380 que tinha debaixo da jaqueta. No dia seguinte, Bolsonaro apareceu na imprensa dizendo ter se sentido indefeso no momento do assalto.

Vinte e três anos depois, o presidenciável Bolsonaro foi instado por um jornalista a explicar, durante o programa Roda viva, há duas semanas, se não via certa contradição entre a ocorrência dos anos 1990 e a intenção de facilitar acesso ao porte de armas caso eleito. “Eu fui assaltado, sim, eu estava em uma motocicleta, fui rendido, dois caras, um desceu e me pegou por trás, o outro pela frente”, iniciou o entrevistado. “Dois dias depois, juntamente com o 9º Batalhão da Polícia Militar, nós recuperamos a arma e a motocicleta e por coincidência — não é? — o dono da favela lá de Acari, onde foi pega… foi pego lá, lá estava lá, ele apareceu morto, um tempo depois, rápido.”

Ele continuou: “Não matei ninguém, não fui atrás de ninguém, mas aconteceu”.

A coincidência mencionada pelo deputado na ocasião foi a morte de Jorge Luís dos Santos, poderoso traficante da favela de Acari. Ele havia sido preso oito meses depois do roubo da motocicleta. Vivia até então confortavelmente em um condomínio de casas em Salvador. Transferido para o Rio, foi encontrado morto em sua cela antes do amanhecer, enforcado com a própria camisa, ajustada em um nó de marinheiro.

Continue lendo Assalto sofrido por Bolsonaro em 1995 culminou com a morte misteriosa de bandido e família

Candidato a presidente de Carlos Eduardo Alves, Ciro Gomes, diz que o PMDB de Garibaldi Alves é “uma quadrilha” e “precisa ser destruído”, mas mantem aliança com MDB no RN e mais seis Estados

Resultado de imagem para Ciro Gomes Carlos Eduardo Alves garibaldi Alves
Até Ciro Gomes quer acabar com o MDB dos Alves
Gustavo Uribe
BRASÍLIA

O discurso do candidato a presidente pelo PDT, Ciro Gomes, de que o MDB “é uma quadrilha” e que “precisa ser destruído” não tem se reproduzido nos estados. A sigla está em sete estados na mesma coligação da legenda do presidente Michel Temer. Em dois, o PDT apoia candidatos a governador do MDB.

Publicamente, Ciro tem descartado, caso seja eleito presidente, governar com o MDB e, em carta recente, referiu-se ao partido como inimigo da pátria e traidor da nação.

“O MDB está no poder, destruiu o projeto do PT e do PSDB e precisa ser destruído desta feita. Sempre lembrando que destruir aqui é pelo mecanismo democrático, que é simples: basta cortar a torneira da roubalheira que eles entram em extinção”, disse em junho.

Uma das alianças é no Paraná. Após a desistência da candidatura do ex-senador Osmar Dias ao governo, o PDT decidiu apoiar o deputado federal João Arruda (MDB).

Em Alagoas, o partido de Ciro fará campanha pela reeleição do governador Renan Filho, filho de Renan Calheiros (MDB-AL), que tentará reeleger-se ao Senado.

O MDB retribuirá os apoios do PDT no Amapá, onde dará respaldo à reeleição do governador Waldez Góes, e no Rio Grande do Norte, onde se aliou ao ex-prefeito de Natal Carlos Eduardo, que terá em sua chapa ao governo a candidatura do senador Garibaldi Alves (MDB-RN) a mais um mandato parlamentar.

“O apoio do MDB tem sido fundamental para a candidatura de Carlos Eduardo. O discurso dele é oposto ao de Ciro. Então, neste caso, prefiro ficar com a palavra dele”, disse o presidente do MDB-RN, Walter Alves.

As duas siglas estarão ainda na mesma coligação, apoiando candidatos de outros partidos, em Minas Gerais, Mato Grosso e Piauí. Elas endossarão as candidaturas, respectivamente, de Márcio Lacerda (PSB), Mauro Mendes (DEM) e Wellington Dias (PT).

O vice-presidente nacional do PDT, André Figueiredo, discorda que as alianças estaduais com o MDB representem uma incoerência. Ele atribui os acordos às peculiaridades dos cenários regionais.

Segundo ele, em Alagoas, a sigla teve de escolher entre apoiar Fernando Collor (PTC) e Renan Filho, optando pelo governador, cujo pai é crítico ao atual governo federal.

No Paraná, de acordo com ele, a sigla fechou aliança com o MDB pela presença na chapa do senador Roberto Requião, que é também uma voz dissonante em relação a Temer.

Sobre os apoios do MDB a candidatos do PDT, ele afirma que “apoio não se recusa”. “Como dizia Leonel Brizola, na carroceria cabe todo mundo. Você mantém seus princípios e cabe às forças aliadas apoiarem o seu projeto”, afirmou.

Apesar da retórica, assim como o PDT, o PT estará junto com o MDB em alguns estados. Mesmo sendo um dos principais articuladores do impeachment de Dilma Rousseff, o partido de Temer dividirá o palanque com o PT em quatro unidades da federação.

As alianças foram firmadas no Nordeste, principal reduto eleitoral petista em disputas presidenciais. O PT apoiará, assim como o PDT, a reeleição de Renan Filho. No Piauí, o MDB endossar a candidatura de Wellington Dias.

As duas siglas estarão na mesma coligação, apoiando candidatos de outros partidos, em Pernambuco e Sergipe. No primeiro, farão campanha pela reeleição de Paulo Câmara (PSB) e, no segundo, darão suporte à candidatura de Belivaldo Chagas (PSD).

PALANQUES REGIONAIS NÃO REFLETEM RIVALIDADE NACIONAL

Onde o PDT apoia o MDB:
– Paraná
– Alagoas

Onde o MDB apoia o PDT:
– Amapá
– Rio Grande do Norte

Onde PDT e MDB apoiam o mesmo candidato:
– Minas Gerais
– Mato Grosso
– Piauí