Arquivo da categoria: Variedades

Taxa de infecção no RN diminui em virtude do isolamento

Os dados se refere as seguintes cidades: Natal (36), Mossoró (16), Paramirim (10), Assu (1), Apodi (1), Caicó(2), Carnaubais (1), Luiz Gomes (1), Macaíba (1), Monte Alegre (1), Passa e Fica (1), São Gonçalo do Amarante (2), São José do Mipibu (1) e Tibau (1).
O isolamento social estabelecido pelo Governo do Estado está surtindo efeito levando em consideração o pequeno aumento da taxa de infecção de pessoas no RN.
As medidas devem continuar e assim a pandemia estará sobre controle no RN.

No penúltimo boletim foram confirmados 68 pessoas infectadas, hoje (30), foram registrados a confirmação de apenas mais 9 casos

Advogado defende tese sobre pagamento de aluguel em tempos de Covid-19

De acordo com informações do Advogado Rashid Pires (instagram @rashidpires), muitos proprietários de imóveis estão renegociando prazos de vencimento, reduzindo o valor do aluguel para metade ou então dando dois meses de isenção, por exemplo.

Portanto, nesse momento de crise, o inquilino em dificuldades, especialmente aquele que possui um ponto comercial, deve procurar o proprietário do imóvel para propor um acordo.

E se não tiver acordo?

O Dr. Rashid defende a tese de que o momento atual no qual estamos vivendo pode se enquadrar na teoria da imprevisão, que está prevista nos artigos 478 a 480 do Código Civil, a qual permite ao devedor duas possibilidades na justiça: a) rescindir o contrato sem multas ou b) obter a redução da prestação.

Mas, mesmo diante de todo caos econômico gerado pela pandemia do Coronavírus, o locatário não pode simplesmente deixar de pagar o aluguel de forma unilateral. É preciso agir de boa-fé. O ideal é o acordo com o proprietário, que também está sofrendo com a crise. A justiça deve ser última alternativa para o inquilino propor a rescisão do contrato sem multa ou a redução da prestação.

Rashid Pires

Advogado – OAB/RN 6282

Siga no Instagram: @rashidpires

Pesquisadores da USP desenvolvem ventilador pulmonar de baixo custo e fácil produção

Uma equipe de engenheiros da Poli (Escola Politécnica) da USP (Universidade de São Paulo) desenvolveu um ventilador pulmonar de baixo custo para ajudar no combate a Covid-19, doença causada pelo coronavírus.

O Inspire, como foi chamado o aparelho hospitalar, foi elaborado para ajudar a suprir a demanda devido à pandemia. A coordenação ficou sob os cuidados da direção da Poli, mas uma equipe multidisciplinar foi envolvida no projeto com pesquisadores nas áreas de engenharia biomédica, mecânica, mecatrônica, energia, eletrônica e de produção. A proposta dos pesquisadores é suprir uma necessidade dos hospitais caso haja falta de ventiladores pulmonares no Brasil em meio ao aumento de casos da Covid-19.

O protótipo está pronto e deve entrar em fase de produção. Mais informações no site da Poli.
R7

Enquanto a Espanha endurece restrições em meio ao aumento do número de mortos por COVID-19, Bolsonaro vai na contramão


A Espanha se preparava para entrar em sua terceira semana em isolamento quase total, neste domingo (29), quando o governo aprovou um fortalecimento de medidas para conter a disseminação do coronavírus. A COVID-19 matou 838 pessoas no último dia e número total de óbitos no país já chega a 6.528.

Perdendo apenas para a Itália em vítimas fatais, a Espanha também viu as infecções subirem de 72.248 para 78.797 em relação ao dia anterior.

O primeiro-ministro Pedro Sánchez, em discurso televisionado ao país na noite de sábado, anunciou que todos os trabalhadores não essenciais devem ficar em casa por duas semanas, na mais recente medida do governo na luta contra o coronavírus.

Ele disse que os trabalhadores receberão seus salários habituais, mas terão que compensar as horas perdidas posteriormente. A medida vai durar de 30 de março a 9 de abril.

No domingo, a ministra do Trabalho, Yolanda Diaz, afirmou que a medida é “flexível” e que os trabalhadores serão remunerados, mas espera-se que os dias sejam compensados antes de 31 de dezembro.

“Precisamos reduzir a mobilidade ao nível dos domingos”, disse ela, acrescentando que, considerando o feriado da Páscoa, as medidas abrangem oito dias úteis.

Ela repetiu os pedidos do primeiro-ministro Sánchez para que a União Europeia reaja, dizendo: “precisamos de uma Europa na qual os direitos dos trabalhadores sejam reforçados”.

Os sindicatos elogiaram as medidas e os grupos empresariais CEOE e CEPYME disseram que vão cumprir a nova regra, mas que “ela gerará um enorme impacto sem precedentes na economia espanhola, especialmente em setores como a indústria”.

A desaceleração “pode levar a uma crise mais profunda da economia que pode se tornar social”, alertaram em comunicado.

CNN Brasil

“Se morrerem 20 mil, será um bom trabalho”, diz Reino Unido

O Reino Unido terá feito um bom trabalho se passar pela crise do coronavírus com menos de 20 mil mortes, afirmou o diretor médico do Serviço Nacional de Saúde (NHS), Stephen Powis, neste sábado.
Questionado se esperava que o Reino Unido não estivesse na mesma trajetória de outros países, como a Itália, Powis disse: “Se conseguirmos manter as mortes abaixo de 20 mil, teremos feito um bom trabalho nesta pandemia”.

“Se for menos de 20 mil… isso seria um bom resultado, embora cada morte seja uma tragédia, mas não podemos ser complacentes sobre isso”, disse Powis, em uma entrevista coletiva em Downing Street, residência oficial do primeiro-ministro, ao lado do secretário de Comércio, Alok Sharma.

Ministério da Saúde recua e volta a defender o isolamento

País tem 92 mortes e 3.417 pessoas infectadas pelo coronavírus
André Borges e Emilly Behnke

O Ministério da Saúde evitou nesta sexta-feira (27) fazer comentários sobre o posicionamento do presidente Jair Bolsonaro, que divulgou uma campanha para defender o retorno das pessoas às suas atividades, quando o número de mortes no País chega a 92 pessoas, além de registrar 502 novos casos de contaminação nas últimas 24 horas, chegando a 3.417 pessoas.
“Nós não vamos fazer nenhuma análise do discurso do presidente”, disse o secretário executivo do Ministério da Saúde, João Gabbardo dos Reis. Por outro lado, Gabbardo reforçou a orientação de que as pessoas devem permanecer em isolamento.

“Idosos devem ficam em isolamento. Familiares dessas pessoas devem ficar em isolamento. Todos nós devemos reduzir a circulação para evitar aglomerações. Essas medidas em nada foram modificadas e devem continuar sendo as mesmas”, comentou.

Coronavírus: ‘você dorme comigo?’, pergunta Bolsonaro a repórter ao ser questionado sobre resultado de exame


O presidente Jair Bolsonaro voltou a atacar a imprensa ao questionar um jornalista se “você dorme comigo?” diante da requisição dos resultados negativos dos exames que teria feito para detectar se foi oi não infectado pelo novo coronavírus. Bolsonaro completou a resposta dizendo “minha palavra vale mais que um pedaço de papel”.

As declarações aconteceram na porta do Palácio da Alvorada, na tarde desta quinta-feira (26), quando o presidente parou para atender à imprensa.
“Por que você quer saber? Você dorme comigo? Ah, pelo amor de deus. Poxa, eu estou bem cara, tranquilo, nunca tive problema não. Já pensou que prato feito para a imprensa se tivesse infectado. Não estou, é minha palavra. Minha palavra vale mais que um pedaço de papel”, disparou Bolsonaro.
O presidente também afirmou que o brasileiro “precisa ser estudado” por ser, segundo ele, capaz de pular “no esgoto” sem que nada aconteça. A frase foi dita ao comentar a propagação do novo coronavírus no Brasil.

“Eu acho que não vai chegar a esse ponto [a situação dos Estados Unidos]. Até porque o brasileiro tem que ser estudado. Ele não pega nada. Você vê o cara pulando em esgoto ali, sai, mergulha, tá certo? E não acontece nada com ele. Eu acho até que muita gente já foi infectada no Brasil, há poucas semanas ou meses, e ele já tem anticorpos que ajuda a não proliferar isso daí”, afirmou.

CASOS NO BRASIL

O Ministério da Saúde atualizou para 77 o número de mortes em decorrência do novo coronavírus no Brasil nesta quinta-feira (26). Ao todo, também foram confirmados 2.915 casos da Covid-19 no país. Até quarta, eram 57 mortes e 2.433 casos confirmados no Brasil.

São Paulo continua sendo o estado mais afetado, com 58 mortes e 1.052 casos confirmados. Em seguida vem o Rio de Janeiro, com 9 mortes e 421 casos. Também já registraram mortes os estados do Ceará (3), Pernambuco (3), Amazonas (1), Goiás (1), Santa Catarina (1) e Rio Grande do Sul (1).

Com óbitos em todas as regiões, Brasil vai a 77 mortes

Ministério da Saúde atualiza números oficiais para esta quinta-feira (26)
Julia Lindner, André Borges e Fábio Grellet

O número de mortes decorrentes do novo coronavírus no Brasil subiu para 77 nesta quinta-feira (26) ante 57 óbitos decorrentes da doença registrados ontem. De acordo com o Ministério da Saúde, houve um crescimento de 2.433 para 2.915 pessoas testadas com o vírus de um dia para o outro. O índice de letalidade está em 2,6%.
Os números mostram o avanço da Covid-19 no Brasil desde que o primeiro caso da coença foi confirmado aqui, há um mês. O primeiro resultado positivo para o novo coronavírus no país saiu no dia 25 de fevereiro, quando um homem de 61 anos com histórico de viagem para a Itália testou positivo para a doença.

“Brasileiro pula no esgoto e não pega nada”, diz Bolsonaro

Segundo ele, ministro da Saúde concordou em mudar formato de isolamento
Julia Lindner

O presidente Jair Bolsonaro afirmou que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, já concordou com a mudança no formato do isolamento horizontal para vertical como medida de combate ao novo coronavírus no País, mas ainda estuda como implementar a medida. O modelo defendido pelo presidente considera apenas isolamento para pessoas do grupo de risco, idosos e aqueles com doenças crônicas. Bolsonaro disse que não há prazo para que a transição ocorra, e que poderia até começar nesta sexta-feira (27).
Ele voltou a dizer que “alguns governadores e prefeitos erraram na dose” das medidas de contenção, que incluiu fechamento de comércio e escolas, e que “o povo quer trabalhar”. De acordo com Bolsonaro, alguns deles já reavaliam as medidas restritivas.
“A gente consegue aguentar dois, três meses com o plano que está aí? Não sei quanto vai chegar a nossa despesa, centenas de bilhões de reais. Tem que voltar quase tudo (setores da economia). E fazer uma campanha fique em casa. Não deixa o vovô sair de casa, deixa em um cantinho. Quando voltar toma banho, lava as mãos, passa álcool na orelha. É isso daí”, declarou.

Sobre a situação crítica em países como Estados Unidos e Itália, Bolsonaro considera que o Brasil não chegará na mesma situação porque os brasileiros possuem algum tipo de diferenciação. “Acho que não vai chegar a esse ponto, até porque o brasileiro tem que ser estudado, não pega nada. Vê o cara pulando em esgoto, sai, mergulha e não acontece nada.”