Arquivo da categoria: Variedades

Deputado João Maia participa do lançamento do Programa Saúde na Hora

O deputado federal João Maia esteve participando do lançamento do Programa Saúde na Hora, ao lado do Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta O programa Saúde na Hora servirá para ampliar o horário de atendimento nas Unidades de Saúde da Família(USF) do país. A medida tem como objetivos expandir o acesso aos serviços de atenção primária e diminuir a lotação das emergências.

Logo após o evento, João Maia fez questão de cumprimentar o ministro e gradecer pela atenção que Mandetta teve ao pedido do deputado para a abertura do sistema, que permitiu ao município de São Gonçalo do Amarante inserir a proposta do novo Hospital, no valor de R$ 50 milhões.

Professora que vai virar filme tem diploma falso de Harvard

 Conhecida por uma história de superação que deve virar filme, a professora de ensino técnico Joana D’Arc Félix de Sousa, de 55 anos, declara uma formação na Universidade Harvard que ela não possui e usou um diploma falsona tentativa de confirmar a informação. Joana também repetidamente dizia em entrevistas e palestras que entrou na faculdade aos 14 anos, o que ela agora reconhece não ser verdade.

A professora ganhou notoriedade por ser de família pobre, nascida em um curtume no interior de São Paulo, e chegar a um pós-doutorado em uma das mais conceituadas universidades do mundo. Nos últimos anos, recebeu dezenas de prêmios e, no mês passado, a Globo Filmes divulgou a preparação de um filme sobre a sua biografia, que teria a atriz Taís Araujo como protagonista.

Joana D'Arc Félix de Souza é uma química, professora e cientista brasileira. É docente e pesquisadora na Escola Técnica Estadual (ETEC) Prof. Carmelino Corrêa Júnior, em Franca, cidade do interior de São Paulo.
Joana D’Arc Félix de Souza é uma química, professora e cientista brasileira. É docente e pesquisadora na Escola Técnica Estadual (ETEC) Prof. Carmelino Corrêa Júnior, em Franca, cidade do interior de São Paulo.

Foto: Alex Silva / Estadão

O Estado entrevistou Joana pela primeira vez no fim de 2017. Na oportunidade, ela afirmou ter morado por dois anos em Cambridge, onde fica Harvard, e voltou ao Brasil após a morte do pai.

A reportagem pediu documentos que demonstrassem o trabalho que havia sido feito nos Estados Unidos. Ela enviou um diploma, datado de 1999, com o brasão de Harvard, o nome dela e titulação de “Postdoctoral in Organic Chemistry”. O Estado mandou o documento para Harvard que, ao analisá-lo, informou que não emite diploma para pós-doutorado. Também alertou sobre um erro de grafia (estava escrito “oof”, em vez de “of”).

Há, ainda, duas assinaturas no diploma: uma delas é do professor emérito de Química em Harvard Richard Hadley Holm. Procurado, ele respondeu por e-mail: “O certificado é falso. Essa não é a minha assinatura, eu não era o chefe de departamento naquela época. Eu nunca ouvi falar da professora Sousa”.

A informação do pós-doutorado em Harvard consta no currículo de Joana na plataforma Lattes, o sistema oficial que reúne informações de pesquisadores de todo o País. O preenchimento é feito pelo próprio profissional. Para realizar a suposta pesquisa nos Estados Unidos, o currículo informa que ela recebeu bolsa da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior (Capes), órgão do Ministério da Educação (MEC). A Capes, no entanto, afirmou que o nome de Joana não consta em nenhum registro de bolsista.

Já em sua ficha cadastral como professora do Centro Paula Souza, autarquia do governo que administra as escolas técnicas, o pós doutoramento não é citado. Joana fez concurso público e trabalha como professora de Química na Escola Técnica Professor Carmelino Corrêa Júnior em Franca, desde 1999. Segundo seu currículo Lattes, ela teria acabado de sair de Harvard (1997-1999).

Continue lendo Professora que vai virar filme tem diploma falso de Harvard

Ganhador dos R$ 289 milhões da Mega-Sena é de Pernambuco

Ana Paula Niederauer

A Caixa Econômica Federal informou nesta terça-feira, 14, que o ganhador do concurso 2.150 da Mega-Sena é de Pernambuco. Uma única aposta, simples, feita pela internet, levou o prêmio de R$ 289,4 milhões. Foram 14 concursos consecutivos sem que ninguém acertasse as seis dezenas.

Mega Sena
Mega Sena

Foto: Mega Sena

Em nota, a instituição disse que não repassaria mais informação porque mantém o compromisso com o sigilo e a segurança do ganhador.

TERRA

Estelionatários usam nomes de agentes públicos para aplicar golpes em Natal

José Aldenir / Agora RN
Golpes são realizados através do aplicativo WhatsApp

Em pouco mais de uma semana, dois secretários municipais tiveram os nomes envolvidos em esquemas semelhantes de fraudes. O caso mais recente foi divulgado nesta segunda-feira, 13, quando o titular da pasta de Meio Ambiente e Urbano, Daniel Nicolau, publicou nota oficial para negar que esteja pedindo dinheiro para diversos empresários da cidade.

Antes disso, no dia 8 de maio, foi a vez da Secretaria de Mobilidade Urbana, Elequicina dos Santos, precisar vir à público para refutar a informação de que, através de mensagens telefônicas, estava pedindo contribuições para ajudar financeiramente uma empresa.

Já na sexta-feira, 10, o alvo dos estelionatários foi o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Norte, Amaro Sales, que teve o nome utilizado para pedir dinheiro à empresários ligados à entidade de classe.

Segundo informações da assessoria de imprensa da Polícia Civil, alguns procedimentos investigativos já foram abertos em delegacias distritais. A quantidade de inquéritos e os locais das unidades não foram divulgados, segundo a assessoria, para não atrapalhar o trabalho investigativo.

Além disso, a Delegacia Especializada em Falsificações e Defraudações (DEFD) está monitorando o trabalho feito pelas delegacias distritais. Não está descartada a possibilidade de a unidade ficar à frente das investigações.

Como funciona o golpe?

De acordo com as denúncias, a vítima recebe mensagem via aplicativo WhatsApp, vinda de um número de telefone que supostamente pertenceria a uma determinada empresa de comércio eletrônico, informando ser necessário repassar um código enviado via SMS para validar um anúncio.

Após o recebimento da mensagem de texto com um código de seis dígitos, acreditando ser referente ao anúncio no site da empresa, a vítima repassa o código como solicitado. Esta manobra permite que o aplicativo de mensagens da vítima seja desabilitado e habilitado no aparelho celular do estelionatário, sendo que a vítima não consegue perceber o golpe, uma vez que sua linha de telefônica permanece funcionando regularmente.

A partir disso, utilizando o aplicativo de mensagens da vítima, o golpista se passa pela vítima e inicia o envio de mensagens para os contatos mais próximos, contando histórias fantasiosas, em que pede um empréstimo em dinheiro a ser depositado em uma conta indicada pelo estelionatário.

Como se proteger?

A dica da delegacia é, no aplicativo “WhatsApp”, acessar a opção “verificação em duas etapas” nas configurações do aplicativo, e, após isso, inserir uma senha de segurança. A ação impede o “sequestro” do aplicativo de mensagens, pois o estelionatário precisa ter conhecimento dessa senha, cadastrada durante a verificação em duas etapas.

O usuário não deve repassar o código para outras pessoas e, além disso, os conversas só podem ser mantidas com números que constam na agenda telefônica. Além disso, é fundamental confirmar a veracidade do pedido.

Caso ocorra a fraude, a vítima não precisa cancelar sua linha telefônica, é necessário apenas que entre em contato com o aplicativo Whatsapp através do email: suport@whatsapp.com, para que sua conta seja bloqueada e depois restaurada. Após tais medidas, procure a delegacia mais próxima para realização do competente registro de ocorrência para apuração dos fatos.

Snoopy é encontrado na órbita da Lua

Astrônomos encontram módulo lunar da Apollo 10 em órbita desde 1969

Por Edmundo Ubiratan | Fotos: Nasa

Módulo lunar Snoopy momentos após ser descartado pela missão Apollo 1

Após 50 anos, um grupo de astrônomos do Reino Unido encontrou o Snoopy, o módulo lunar da Apollo 10, que está na órbita da Lua desde maio de 1969. A nave espacial viaja 15.200 metros acima de sua superfície da Lua em uma órbita perpétua.

A descoberta representa um grande feito da astronomia, já que o módulo lunar tem apenas quatro metros de largura e está em uma órbita desconhecida desde que foi abandonado após seu uso na missão Apollo 10. A busca durou mais de uma década conduzida pelo Royal Astronomical Society, coordenada por Nick Howes, técnicos que participaram das missões Apollo, astronautas e especialistas em voos espaciais.

Módulo de comando Charlie Brown visto do Snoopy

A Apollo 10 foi a missão que antecedeu a histórica Apollo 11. O objetivo da missão era proporcionar realizar os últimos testes antes do primeiro pouso na Lua. Os astronautas Thomas P. Stanfford e Eugene A. Cernan, conduziram o Snoopy até 10 km da superfície lunar, verificando uma infinidade de parâmetros de voo e controlabilidade, assim como a capacidade de retorno ao módulo de comando, que ficou sob responsabilidade do astronauta John W. Young. Após completarem os ensaios, o Snoopy retornou ao módulo de comando, batizado de Charlie Brown. Ao contrário dos módulos lunares das demais missões (com exceção da Apollo 13) o Snoopy não foi descartado em direção a superfície lunar, permanecendo em órbita até os dias de hoje.

Alguns cientistas defendem que a Nasa ou algum interessado em exploração espacial consiga recuperar o Snoopy da órbita lunar e traze-lo de volta à Terra. O objetivo seria analisar os efeitos da longa exposição ao espaço em uma nave tripulada.

Fonte: Aero Magazine

Barragem das Traíras, no Seridó, corre risco real de arrobamento se encher

Se o ‘inverno’ tivesse sido rigoroso na região do Seridó e a Barragem Passagem das Traíras acumulasse um grande volume d’água o suficiente para atingir sua lâmina de sangria, correria o risco iminente de ‘arrombar’.

A revelação foi feita ao blogue do Xerife por uma fonte bem informada. Que acrescentou que uma fenda será aberta para que toda água acumulada esvazie para que o serviço de recuperação da parede do reservatório seja feito diante do risco que representa.

A principal intervenção a ser realizada será a abertura de uma fenda na ombreira direita com dois objetivos principais: evitar o acúmulo de água e permitir uma análise maior sobre o estado da fundação do açude.

A abertura da fenda já é o início da recuperação, mas a empresa ainda vai entregar à Secretaria Estadual do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh) o projeto da recuperação total do reservatório, que prevê ações como envelopamento dos taludes e um rebaixamento de 1 m do vertedouro. De acordo com Molinas, Essas intervenções vão diminuir peso e pressão no reservatório sem fazer com que ele perca capacidade de acumulação.

A barragem foi construída às pressas ao apagar das luzes da gestão do então governador do Rio Grande do Norte, Vivaldo Costa. 

Fonte: Blog do Xerife

Estudantes podem renegociar Fies com Banco do Brasil pelo celular

Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil Brasília

Os estudantes que contrataram o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) pelo Banco do Brasil e estão com prestações em atraso podem renegociar os débitos pelo celular. A instituição financeira criou um espaço no aplicativo para formalizar as renegociações.

A ferramenta vale para estudantes que contrataram o financiamento até 2017, estão com atrasos acima de 90 dias e não são alvo de ações judiciais. O prazo de contratação vai até 29 de julho.

A ferramenta de renegociação de operações do Fies por dispositivos móveis é oferecida em caráter exclusivo pelo Banco do Brasil. Para acessá-la, basta entrar no aplicativo do Banco do Brasil, clicar no menu Solução de Dívidas e escolher a opção Renegociar Fies.

Condições

Por meio da renegociação, o estudante poderá incorporar as prestações em atraso ao saldo devedor, gerando novo valor para a parcela a ser pago até o fim da operação. Caso o período de amortização (pagamento do principal da dívida) seja inferior a 48 meses, o cronograma de pagamento será ampliado até completar esse período.

Em troca da adesão, o estudante terá de pagar uma entrada de pelo menos R$ 1 mil ou o equivalente a 10% do saldo consolidado da dívida vencida, prevalecendo o maior valor.

A renegociação exclusiva pelo aplicativo está disponível para as operações com garantia exclusiva do Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo (FGEDUC). A ferramenta também pode ser usada pelos clientes com fiador e para os serviços de consulta e de simulação. Nesses casos, porém, o cliente terá de ir a uma agência para concluir a renegociação iniciada no aplicativo.