Quando uma vice-prefeitura vira uma mercadoria

O negócio está em curso, os Alves sabendo que nesta eleição não haverá doações de empresas, apenas de pessoas físicas, o modo de captação de recursos mudou de lado: em vez das grandes empresas, agora é a vez dos comerciantes e pessoas físicas.

Para isso, os Alves, Garibaldi, Henrique e Carlos Eduardo, estão negociando a vice-prefeitura com Marcelo Queiroz que é presidente licenciado da FECOMÉRCIO representante de todos os comerciantes do RN.

O pleno é o seguinte: o comerciante Marcelo Queiroz terá que listar 500 grandes comerciantes para colaborar, cada um, com R$ 6 mil, em três parcelas de R$ 2 mil, e mais 1.000 médios comerciantes com 3 parcelas de R$ 1 mil. É um verdadeiro crediário político.

Com isso , Marcelo da FECMÉRCIO vai arrecadar R$ 6 milhões e adquirir o direito de ser o candidato a vice-prefeito de Carlos Eduardo Alves.

Como todo mundo tá vendo na Lava Jato, ninguém dá nada a político de graça, sempre tem alguma coisa em troca, dizem as más línguas que no caso de Marcelo Queiroz assumindo à Prefeitura de Natal ele vai facilitar o pagamento dos milhares de comerciantes que estão devendo ao erário municipal. O dinheiro os impostos devidos pelo comércio que iria para saúde, educação, transporte, pavimentações de ruas e recuperação de praças, voltarão para os cofres dos comerciantes que colaboraram financeiramente na campanha de Carlos Eduardo Alves.

Henrique, Garibaldi e Carlos Eduardo Alves, segundo o soldado Vasco, já teriam transformado vendido a vice-prefeitura.

Os deputados Hermano Morais e Álvaro Dias que não tem grana para para comprar a vice, serão apenas cabos eleitorais..

 

Comentários