Presidente do Itaú-Unibanco elogia Dilma e diz que ela ‘tem crédito’ no combate à corrupção

Roberto Setubal, um dos empresários mais influentes do País, defende a postura da presidente

Um dos empresários mais influentes do Brasil, o presidente do Itaú-Unibanco, Roberto Setubal, elogiou a presidente Dilma Rousseff pela isenção, transparência e o esforço para combater a corrupção no País, especialmente após a Operação Lava Jato, que flagrou um esquema de pagamento de propinas com recursos desviados da Petrobras.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo deste domingo (23), o banqueiro avisou que não existe motivo para pedir a saída da presidente do poder.

Setubal foi claro: “Nada do que vi ou ouvi até agora me faz achar que há condições para um impeachment. Por corrupção, até aqui, não tem cabimento. Não há nenhum sinal de envolvimento dela com esquemas de corrupção”.

— Pelo contrário, o que a gente vê é que Dilma permitiu uma investigação total sobre o tema [esquemas de corrupção na Petrobras]. Era difícil imaginar no Brasil uma investigação com tanta independência. A Dilma tem crédito nisso.

O empresário foi além e avisou que uma eventual saída de Dilma prejudicaria a democracia brasileira, que ainda passa por um período de consolidação.

— Seria um artificialismo querer tirar a presidente neste momento. Criaria uma instabilidade ruim para nossa democracia.

Setubal reconheceu que a popularidade de Dilma está baixa, mas enfatizou que esses índices são momentâneos e avisou ser necessário respeitar a Constituição brasileira.

— Não se pode tirar um presidente do cargo porque ele momentaneamente está impopular. É preciso respeitar as regras do jogo, precisa respeitar a Constituição. Eu sou a favor da Constituição.

Facebook Comments
Facebook

Jumenta velha, capim novo: Susana Vieira beija muito advogado de 26 anos em casamento

Susana Vieira foi flagrada aos beijos na noite do último sábado (22). A atriz esteve presente no casamento de João Pedro e Caroline, filha de sua grande amiga Rosangela, e, além de curtir a festa, ela também aproveitou para curtir muito ao lado do advogado de 26 anos, Guilherme Dornelas Vianna, com quem trocou beijos durante a noite.

Após o fim da festa, Susana até publicou uma foto ao lado do pretendente em sua página do Instagram e gerou especulação entre seus seguidores se Guilherme seria o próximo par da atriz.

Neste domingo (23), Susana está completando 73 anos e ganhou homenagem dos famosos nas redes sociais.

Facebook Comments
Facebook

“Governo não pode deixar país parar”, afirma Levy à Folha de São Paulo

Governador Robinson com o ministro Levy

O ministro Joaquim Levy (Fazenda) defendeu a decisão do governo Dilma de voltar a usar os bancos públicos para estimular a atividade, política que já foi criticada pelo próprio chefe da equipe econômica, salientando que o país “não pode parar”.

Em entrevista à Folha por email, Levy também sinalizou que o governo começa a destravar as operações de crédito para os Estados e confirmou que a primeira parcela do adiantamento do 13º salário dos aposentados será paga no mês que vem.

Essas duas medidas haviam sido recusadas, inicialmente, pela Fazenda.

“Se todo mundo ficar apenas assistindo, é óbvio que o PIB [Produto Interno Bruto] vai cair, porque PIB é fluxo. Ele é a soma do que você faz todo dia”, afirmou o ministro, ao comentar as operações dos bancos públicos. “Se você começa a postergar decisões, o PIB cai.E aí o custo do ajuste vai além do planejado”, completou Levy.

Nesta semana a Caixa Econômica Federal lançou linhas de crédito com taxas de juros menores para determinados setores, incluindo o automotivo, sob a condição de que as empresas se comprometam a não demitir funcionários.

Parte dos empréstimos será feita com recursos públicos e dos trabalhadores (FGTS e FAT). O Banco do Brasil também anunciou linhas para o setor automotivo, com recursos próprios. Levy afirmou, no caso da Caixa, que o governo pretende “acompanhar de perto” como o dinheiro será gasto.

Questionado sobre críticas de que o estímulo ao crédito vai na direção contrária do esforço do Banco Central de elevar os juros para conter a inflação, Levy afirmou que há uma preocupação de garantir “alinhamento com a política monetária”.

Apesar do fraco desempenho da arrecadação neste ano, Levy voltou a dizer que vai economizar o suficiente para cumprir a meta de arrocho fiscal de 2015,o equivalente a 0,15% do PIB.

Para o ano que vem, segundo o ministro, o governo está focado em “melhorar o funcionamento do Estado”, o que resultará em mais medidas de redução dos gastos da Previdência e de outras áreas.

Criticado pelos governadores por não cumprir uma promessa da presidente da Dilma, Levy afirmou que já começou a liberar os financiamentos dos Estados.

Os governadores, que precisam do aval da União para obter empréstimos internacionais, reclamam que a equipe econômica tem segurado essas autorizações em nome do ajuste das contas públicas.

“Estamos liberando as operações contratadas gradualmente. É óbvio que não temos condições de os Estados desembolsarem R$ 30 a R$ 40 bilhões em empréstimos como aconteceu em alguns anos recentes. Os governadores sabem disso.”

O ministro indicou confiança no avanço da reforma do ICMS (imposto estadual) e disse que o governo espera encaminhar em setembro ao Congresso projeto de mudança no modelo de cobrança do PIS (tributo federal).

Facebook Comments
Facebook

"Governo não pode deixar país parar", afirma Levy à Folha de São Paulo

Governador Robinson com o ministro Levy

O ministro Joaquim Levy (Fazenda) defendeu a decisão do governo Dilma de voltar a usar os bancos públicos para estimular a atividade, política que já foi criticada pelo próprio chefe da equipe econômica, salientando que o país “não pode parar”.

Em entrevista à Folha por email, Levy também sinalizou que o governo começa a destravar as operações de crédito para os Estados e confirmou que a primeira parcela do adiantamento do 13º salário dos aposentados será paga no mês que vem.

Essas duas medidas haviam sido recusadas, inicialmente, pela Fazenda.

“Se todo mundo ficar apenas assistindo, é óbvio que o PIB [Produto Interno Bruto] vai cair, porque PIB é fluxo. Ele é a soma do que você faz todo dia”, afirmou o ministro, ao comentar as operações dos bancos públicos. “Se você começa a postergar decisões, o PIB cai.E aí o custo do ajuste vai além do planejado”, completou Levy.

Nesta semana a Caixa Econômica Federal lançou linhas de crédito com taxas de juros menores para determinados setores, incluindo o automotivo, sob a condição de que as empresas se comprometam a não demitir funcionários.

Parte dos empréstimos será feita com recursos públicos e dos trabalhadores (FGTS e FAT). O Banco do Brasil também anunciou linhas para o setor automotivo, com recursos próprios. Levy afirmou, no caso da Caixa, que o governo pretende “acompanhar de perto” como o dinheiro será gasto.

Questionado sobre críticas de que o estímulo ao crédito vai na direção contrária do esforço do Banco Central de elevar os juros para conter a inflação, Levy afirmou que há uma preocupação de garantir “alinhamento com a política monetária”.

Apesar do fraco desempenho da arrecadação neste ano, Levy voltou a dizer que vai economizar o suficiente para cumprir a meta de arrocho fiscal de 2015,o equivalente a 0,15% do PIB.

Para o ano que vem, segundo o ministro, o governo está focado em “melhorar o funcionamento do Estado”, o que resultará em mais medidas de redução dos gastos da Previdência e de outras áreas.

Criticado pelos governadores por não cumprir uma promessa da presidente da Dilma, Levy afirmou que já começou a liberar os financiamentos dos Estados.

Os governadores, que precisam do aval da União para obter empréstimos internacionais, reclamam que a equipe econômica tem segurado essas autorizações em nome do ajuste das contas públicas.

“Estamos liberando as operações contratadas gradualmente. É óbvio que não temos condições de os Estados desembolsarem R$ 30 a R$ 40 bilhões em empréstimos como aconteceu em alguns anos recentes. Os governadores sabem disso.”

O ministro indicou confiança no avanço da reforma do ICMS (imposto estadual) e disse que o governo espera encaminhar em setembro ao Congresso projeto de mudança no modelo de cobrança do PIS (tributo federal).

Facebook Comments
Facebook

Temer quer tirar o corpo do governo

Temer estaria preparando a pernada em Dilma

O vice-presidente Michel Temer está cansado das pressões que vem recebendo do PT e de não conseguir emplacar as demandas dos partidos aliados e pensa, seriamente pela primeira vez, na possibilidade de abdicar da coordenação política do governo. O gesto, que ainda não tem data para ser concretizado, poderá provocar uma hecatombe política no governo se o PMDB decidir acompanhar a decisão do vice. Temer sente-se desconfortável com a demora na Casa Civil em agilizar as nomeações para o segundo e terceiro escalões da máquina pública federal; com a recusa do Ministério da Fazenda e do Planejamento em liberar os R$ 500 milhões de emendas parlamentares; e com a dificuldade para tornar real as negociações em torno de projetos em tramitação no Congresso.

Temer tem claro em sua mente que assumiu o cargo de articulador para assegurar um mínimo de paz no Congresso para a tramitação das medidas do ajuste fiscal encaminhadas pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy. A última proposta legislativa do pacote econômico foi aprovada na quarta-feira, com a votação do projeto de reoneração da folha de pagamentos no Senado. “Ele sabe que, agora que o debate legislativo em torno do ajuste está concluído, serão intensificadas as pressões e sabotagens aos trabalho dele na articulação política. E ele não parece muito disposto a manter essa situação por mais tempo”, disse um amigo do vice-presidente.

Facebook Comments
Facebook

Dilma gasta 3 anos de Bolsa Família para conter dólar, diz jornalista

Por Jomildo Melo

LM_Pesquisa-Data-Folha-indica-queda-de-popularidade-de-Dilma-Rousseff_280720150001

Uma matéria do jornal Folha de S. Paulo faz uma análise sobre a alta do dólar e as tentativas do governo em contê-la. De acordo com a reportagem, o Brasil já gastou cerca de três anos do que é investido no Bolsa Família para tentar manter a moeda norte-americana sob controle.

Isso porque, em agosto de 2013, o dólar era cotado a R$ 2,44 e o Banco Central anunciou o maior programa brasileiro de intervenções no câmbio. Agora, o BC acumula perda de R$ 86 bilhões: o equivalente a três anos de pagamentos do programa social.

Quando foi anunciada, essa política do BC foi vista por diversos economistas justamente como uma maneira de segurar a alta do dólar para ajudar no combate à inflação. Algo que, hoje, está acontecendo.

A ação do banco consiste em oferecer uma espécie de proteção contra oscilação da taxa de câmbio, reduzindo a procura pela moeda estrangeira. Em troca, recebe uma remuneração com base em taxas de juros. Nesse contexto, quando acontece uma forte alta do dólar, o governo perde dinheiro.

Facebook Comments
Facebook

Eduardo Cunha tem arsenal de pautas-bomba à disposição, diz O GLOBO

Jornal O Globo lembra que, entre as matérias explosivas, figuram as do pacto federativo, com aumento de gastos para a União. Munição também inclui pedidos de impeachment contra Dilma

 

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pode causar um estrago nas contas públicas caso lance em Plenário projetos da chamada “pauta-bomba” – matérias que, prontas para votação, causam forte impacto orçamentário e deixam o governo em situação difícil em épocas de ajuste fiscal. Denunciado ao Supremo Tribunal Federal (STF), na última quinta-feira (20), como investigado na Operação Lava Jato, Cunha tem à disposição contra o Planalto, a quem atribui a denúncia, projetos de lei, propostas de emenda à Constituição (PECs) e até 12 pedidos de impeachment da presidenta Dilma Rousseff à espera de deliberação.

Segundo reportagem do jornal O Globo, entre as matérias explosivas prontas para este segundo semestre legislativo estão propostas relativas ao pacto federativo, que aumenta os gastos da União. Às vésperas das eleições municipais de 2016, diz o jornal, o governo tem uma base aliada “enfraquecida” e terá de coibir o ímpeto de deputados com intenção de fazer caridade a estados e municípios.

“O Cid Gomes, quando era ministro da Educação, aumentou o piso do magistério. Quem paga a conta são os estados e municípios – é a União fazendo bonito com chapéu alheio. Não sou o malvado da União, sou o bonzinho dos municípios e dos estados”, gracejou um dos mais fiéis aliados de Cunha, deputado André Moura (PSC-SE), que esteve ao lado de Cunha no dia em que o colega rompeu com o governo. Líder de seu partido na Câmara, Moura foi escalado para relatar as matérias relacionadas ao pacto federativo.

Uma delas, a PEC 172, veda a criação de despesas para estados e municípios sem que a fonte de custeio esteja definida. Leal à artilharia de Cunha, oposicionista declarado desde 17 de julho, Moura apresentou relatório sobre a proposta na última terça-feira (18), deixando claro que caberia à União a absorção do impacto financeiro. “Do jeito que está, é uma bomba fiscal seletiva. Preserva estados e municípios, mas inexplicavelmente exclui a União”, reclamou o vice-líder do governo na Câmara, Orlando Silva (PC do B-SP), segundo a reportagem.

Além da extensa pauta de votações indesejadas pelo governo, Cunha conta com a prerrogativa de dar consecução a pedidos formais de impeachment contra Dilma. Como este site mostrou em primeira mão, no dia em que o peemedebista anunciou o rompimento com o governo,

Leia a íntegra da reportagem do jornal O Globo

Facebook Comments
Facebook

Chefe do comitê de reforma da Fifa diz que Blatter é tratado de forma injusta

ZURIQUE (Reuters) – O presidente da Fifa, que está de saída, Joseph Blatter, tem sido tratado de forma injusta em relação ao escândalo de corrupção que envolve a federação mundial de futebol, disse o chefe do comitê de reforma da entidade a um jornal suíço.

Em maio, promotores dos Estados Unidos indiciaram nove dirigentes do esporte, a maioria deles com cargo na Fifa, e cinco executivos da área de marketing e transmissão esportiva, por suposta fraude, lavagem de dinheiro e extorsão.

Promotores suíços e norte-americanos estão examinando se houve irregularidades na concessão do direito para sediar a Copa do Mundo de 2018 na Rússia e o torneio de 2022 no Catar.

Blatter, que decidiu deixar a presidência dias após de ser eleito para um quinto mandato consecutivo, tem sido atacado pelo fato de a Fifa não ter reprimido antes a corrupção.

A eleição do seu sucessor está prevista para um congresso extraordinário no dia 26 de fevereiro.

“Há algo de injusto sobre a maneira como ele vem sendo tratado”, disse François Carrard, segundo o jornal Le Matin Diamanche, em entrevista publicada neste domingo.

“Digo isso com toda a independência. Estamos queimando-o. Certamente ele cometeu erros, mas ele também trouxe elementos positivos. Infelizmente, é sempre assim quando alguém fica por tanto tempo, o negativo se sobressai.”

Carrard, ex-diretor-geral do Comitê Olímpico Internacional, foi nomeado neste mês presidente do comitê de reforma da Fifa.

(Reportagem de Joshua Franklin)

Facebook Comments
Facebook

Ninguém fala na crise hídrica potiguar

Ninguém fala, mas um dos problemas que o Governo do Estado tem enfrentado com competência é o abastecimento d’água em diversos municípios.

O governador Robinson Faria criou o Gabinete de Gestão Integrada para monitorar e montar uma logística que tem funcionado.

Numa crise sem precedentes, com todos reservatórios no volume morto, caso não as ações do governo não estivessem funcionando, os protestos e gritaria estariam grandes.

Confira como está o Itans em Caicó:

IMG_0706

Facebook Comments
Facebook

Usain Bolt conquista título mundial dos 100 metros

PEQUIM (Reuters) – O jamaicano Usain Bolt ganhou a prova dos 100 metros no Mundial de Atletismo em Pequim, neste domingo, cruzando a linha em 9s79, para reafirmar sua condição de homem mais rápido do planeta.

O norte-americano Justin Gatlin, velocista em grande forma nos últimos dois anos, terminou em segundo lugar, em 9s80, para levar a prata, enquanto Andre de Grasse, do Canadá, e Trayvon Bromell, dos EUA, cruzaram a linha juntos em terceiro lugar com o tempo de 9s92.

Bolt, atual bicampeão olímpico, não é batido nos 100m e nos 200m nos seis principais campeonatos desde 2007, embora tenha sido desclassificado da corrida mais curta no Mundial de Deagu, em 2011.

O jamaicano de 29 anos tentará mais um ouro em Pequim, onde ele brilhou na Olimpíada de 2008, na final dos 200 metros, programada para quinta-feira.

(Reportagem de Nick Mulvenney)

Facebook Comments
Facebook