13 de maio, dia da minha gloriosa e justa Nossa Senhora de Fátima

Visitando o Santuário de Fátima em Portugal – Dia que ela me ensinou que seus piores inimigos é sua covardia e a falta da fé.

Dia 13 de maio é uma data muito especial para mim – dia de Nossa Senhora de Fátima.

Sinto que ela sempre esteve comigo nos momentos mais difíceis. Ela entrou na minha vida quando fui pai de três filhos, um menino e duas meninas, assim como Lúcia, Jacinta e  Francisco.

Certo momento de dificuldade em minha vida, fui visitar o Santuário de Fátima em Portugal, depois disso, minhas dificuldades não cessaram, mas, encontrei forças para enfrenta-las. Fui em frente e hoje sou uma pessoa feliz, embora decepcionado com a Justiça Potiguar compostas por muitas pessoas sem a menor sensibilidade de justiça.

Magistrados fizeram tudo para afastar meus filho de mim, mas não conseguiram.

Quando é para eles julgarem contra mim, são rápidos, mas, a meu favor eles não julgam, procrastinam alegando suspeição.

Hoje convivo bem com meus filhotes, mas não devo isso aos fracos e injustos juízes e desembargadores do RN.

Imagine que para não julgar a meu favor, já que todos os laudos dos peritos nomeados pela justiça foram recomendando para ampliar minha convivência com meus filhos, os magistrados alegaram ‘suspeição’ para não decidirem.  Para que servem os peritos judiciais? Para que serviu dois anos de acompanhamento pelas peritas psicologas da justiça? Submeteram meus filhos a tortura de frequentarem durante dois anos, uma vez por semana, gabinetes de psicologas peritas da justiça e depois que viram os laudos recomendando aumentar a convivência deles comigo não decidiram nada? Isso é escandaloso! Já faz 8 anos que eles fazem isso com meus filhos. Não sei a quem eles querem agradarem.

É vergonhoso o comportamento da nossa justiça para não julgarem a meu favor: Na minha questão de guarda e alienação parental alegaram suspeição os seguintes magistrados: juíza Suiane Medeiros, Daniella Cosmo e Ilná Rosado. Depois que 0 processo subiu para o Tribunal de Justiça alegaram suspeição os seguintes desembargadores: Amaury Moura, João Rebouças, Vivaldo Pinheiro e Amilca Maia.  Eu não peço que julguem a meu favor, peço que julguem, pois caso o julgamento sendo desfavorável, recorrerei ao STJ. Quero apenas que os magistrados do RN cumpram com suas obrigações de julgarem, por sou contribuinte e pago pelo funcionamento da Justiça.

Agora, se os magistrados do RN não sabem, nomeei Nossa Senhora de Fátima, não como minha defensora, mas como julgadora, e garanto aos senhores que ela é justa, não escuta opiniões de políticos do RN, não é vaidosa, e mesmo sendo mãe de Jesus não se acha Deus. Ela está julgando, e mesmo sendo lento seu julgamento é a favor dos meus filhos. Como uma boa mãe, ela intercede para cada vez mais aproximar os filhos do pai.

A causa está entregue a Nossa Senhora de Fátima, e esqueço a justiça do RN me lembrando de um despacho do então governador Aluísio Alves respondendo ao pedido de verba para pintar o prédio do Tribunal de Justiça: “Já que não podemos limpar por dentro, que limpe-se por fora”.

 

 

Facebook Comments