Flávio Rocha inventou de sair da moita e agora está sendo caçado

Resultado de imagem para Flávio rocha e Rogério Marinho
Flávio Rocha em São Paulo com Rogério Marinho debaixo do braço articulando com grandes empresários a Reforma Trabalhista e o esvaziamento da Justiça do Trabalho.

Sempre defendendo uma maior participação do empresariado na atividade politica no Brasil, e afirmando que é hora do empresário “sair da moita” para influir legitimamente nos destinos da nação, potiguares viram o empresário Flávio Rocha apoiar toda atuação do deputado federal Rogério Marinho na relatoria da Reforma Trabalhista. Flávio foi quem levou Rogério Marinho para conversar com o famoso ‘mercado’ que tanto festejou na Avenida Paulista o desempenho do deputado potiguar aprovando uma legislação que agradou o empresariado brasileiro.

Membros do Ministério Público do Trabalho e da Justiça do Trabalho também viram e sentiram o empenho do empresário Flávio Rocha dando respaldo ao deputado Marinho que entrou em conflito com procuradores do MPT e magistrados da Justiça do Trabalho.

Magistrados, procuradores do Ministério Público do Trabalho sabem que o grupo econômico de o empresário Flávio Rocha faz parte, tem como objetivo enfraquecer ou até acabar o a Justiça do Trabalho e também esvaziar os sindicatos. Diante disso, cometa-se que a força do corporativismo dos operadores do direito trabalhista começaram um processo de retaliação contra o Grupo Guararapes e outras empresas cujos os proprietários entejam no mesmo barco.

A primeira lamborada do MPT é entrar com uma Ação Civil Pública contra a empresa Confecções Guararapes. O Ministério Público do Trabalho (MPT) quer responsabilizar a Guararapes por irregulares cometidas pelas pequenas facções espalhadas pelo interior do Estado. A ação propõe “apenas” uma indenização coletiva no valor de R$ 38 milhões.

Além de cobrar uma indenização coletiva, o Ministério Público quer  “só” que a Justiça do Trabalho determine que a Guararapes pague as indenizações trabalhistas dos empregados das facções.

Nesta briga, quem vai perder é o empregado potiguar que está produzindo nas 120 facções espalhadas no RN.

O Blog do Primo sabe que isso é só o começo, a briga entre o mercado e as corporações vai render muito..  Flávio Rocha inventou de sair da ‘moita’, agora será caçado..

*Esta postagem foi publicada às 14 hs do dia 13/09/17 -É certo que o blog babão e seu subsidiário  vão chupar nossa tese..

Facebook Comments